Prof. Dr. José Otávio Costa Auler Junior Professor Titular – FMUSP
<ul><li>Objetivos:  </li></ul><ul><li>- definição do paciente de alto risco </li></ul><ul><li>- implementar estratificação...
Chapter 24. The Impact Of Intraoperative Monitoring On Patient Safety Salim D. Islam, M.D.   Andrew D. Auerbach, M.D., M.P...
<ul><li>- Complicações cardíacas pós-operatórias são frequentes e são as </li></ul><ul><li>principais responsáveis por mor...
 
 
Mortalidade em 1 ano: 5,5% < 65a 10,3% > 65a Principais fatores associados a mortalidade Co-morbidade: progressão natural ...
 
Otimização do DO2  DO2 adequado  Ressuscitação  Sepsis grave , choque séptico Hemorragia Trauma Pancreatite Queimaduras Ci...
A OTIMIZAÇÃO PRECOCE do DO2 REDUZ A MORTALIDADE
 
 
As mortes relacionadas à evolução do câncer, em 90% dos casos  são secundárias ao desenvolvimento metastático  e não relac...
Este estudo demonstra que a anestesia regional pode reduzir a ocorrência de metástases . Estudos clinicos randomizados Dev...
u Pacientes que recebem peridural tem risco de recorrência tumoral 57% inferior aos que recebem anestesia geral e opióides...
 
Este estudo retrospectivo sugere que  a anestesia paravertebral diminui a recorrência de metástase de câncer de mama duran...
Os dados disponíveis sugerem que a  anestesia regional e adequada analgesia  ajudam a preservar as defesas naturais do org...
<ul><li>Protocolos priorizam analgesia intra e pós-operatória </li></ul><ul><ul><li>Redução consumo opióides </li></ul></u...
 
 
Anesthesiology 2005;102:838-54.
Anesthesiology 2006;105:413-21.
Indicadores de qualidade Agosto 2009 American Society of Anesthesiology, 2009 Joint Comission International Indicador % Pa...
<ul><li>Estratificação de risco  </li></ul><ul><li>Individualizar a anestesia : monitoração, reposição de fluidos, transfu...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Anestesia e Segurança - Prof. Dr. José Otávio Costa Auler Júnior

4.701 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina, Negócios
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.701
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
305
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Anestesia e Segurança - Prof. Dr. José Otávio Costa Auler Júnior

  1. 1. Prof. Dr. José Otávio Costa Auler Junior Professor Titular – FMUSP
  2. 2. <ul><li>Objetivos: </li></ul><ul><li>- definição do paciente de alto risco </li></ul><ul><li>- implementar estratificação adequada do risco </li></ul><ul><li>- realizar estratégias pré-operatórias para redução do risco </li></ul><ul><li>- cuidados perioperatórios que sabidamente reduzem a morbi mortalidade </li></ul>
  3. 3. Chapter 24. The Impact Of Intraoperative Monitoring On Patient Safety Salim D. Islam, M.D. Andrew D. Auerbach, M.D., M.P.H. University of California, San Francisco School of Medicine A monitorização adequada permite diagnósticos e intervenções precoces, podendo aumentar a segurança do paciente e otiminizar os resultados.
  4. 4. <ul><li>- Complicações cardíacas pós-operatórias são frequentes e são as </li></ul><ul><li>principais responsáveis por morbi-mortalidade perioperatória. </li></ul><ul><li>O Índice de Risco Cardíaco Revisado e o Consenso da American Heart </li></ul><ul><li>Association/American College of Cardiology sugerem metodologia para </li></ul><ul><li>avaliar o risco antes da cirurgia </li></ul><ul><li>- Implementação de estatégias perioperatórias reduz morbi-mortalidade </li></ul>
  5. 7. Mortalidade em 1 ano: 5,5% < 65a 10,3% > 65a Principais fatores associados a mortalidade Co-morbidade: progressão natural da doença hipotensão intraoperatória tempo cumulativo de hipnose (BIS <45) Anesth Analg 2005;100:4-10. Estratégias perioperatórias no paciente de alto risco
  6. 9. Otimização do DO2 DO2 adequado Ressuscitação Sepsis grave , choque séptico Hemorragia Trauma Pancreatite Queimaduras Cirurgia eletiva de médio e grande porte ? Supranormal DO 2 = IC (3l/min/m 2 ) x CaO 2 ( 20 vol%) : 600ml/min/m 2 DO 2 = IC (6l/min/m 2 ) x CaO 2 ( 20vol%) : 1200ml/min/m 2
  7. 10. A OTIMIZAÇÃO PRECOCE do DO2 REDUZ A MORTALIDADE
  8. 13. As mortes relacionadas à evolução do câncer, em 90% dos casos são secundárias ao desenvolvimento metastático e não relacionadas ao câncer primário, portanto as medidas que reduzam a incidência de metástases são de grande relavância no paciente oncológico.
  9. 14. Este estudo demonstra que a anestesia regional pode reduzir a ocorrência de metástases . Estudos clinicos randomizados Devem ser considerados para confirmar estes achados e controlados
  10. 15. u Pacientes que recebem peridural tem risco de recorrência tumoral 57% inferior aos que recebem anestesia geral e opióides para analgesia pós-operatória
  11. 17. Este estudo retrospectivo sugere que a anestesia paravertebral diminui a recorrência de metástase de câncer de mama durante os primeiros anos de acompanhamento Anesthesiology 2006; 105:660–4
  12. 18. Os dados disponíveis sugerem que a anestesia regional e adequada analgesia ajudam a preservar as defesas naturais do organismo contra a progressão tumoral pela atenuação da resposta inflamatória e por reduzir a necessidade de analgésicos intra e pós-operatórios*. * Sessler, Daniel I . Does regional analgesia reduce the risk of cancer recurrence? A hypothesis European Journal of Cancer Prevention: 2008 - Volume 17:3; 269-272.
  13. 19. <ul><li>Protocolos priorizam analgesia intra e pós-operatória </li></ul><ul><ul><li>Redução consumo opióides </li></ul></ul><ul><ul><li>Analgesia adequada </li></ul></ul>Prevenção resposta inflamatória na anestesia 1. Monitorização 2. Analgesia Anestesia no paciente oncológico <ul><li>Bloqueios neuroeixo </li></ul><ul><li>Subaracnóideo </li></ul><ul><li>Peridural </li></ul><ul><li>Bloqueios periféricos </li></ul><ul><li>Transverso abdominal </li></ul><ul><li>membros superiores </li></ul><ul><li>membros inferiores </li></ul><ul><li>Analgesia sistêmica </li></ul><ul><li>-PCA EV </li></ul><ul><li>Tramadol </li></ul><ul><li>- Morfina </li></ul>
  14. 22. Anesthesiology 2005;102:838-54.
  15. 23. Anesthesiology 2006;105:413-21.
  16. 24. Indicadores de qualidade Agosto 2009 American Society of Anesthesiology, 2009 Joint Comission International Indicador % Parada cardiaca intra-operatoria 0% Via aérea dificil 1% Quase erro “near miss” Nenhum relato Troca de medicação Nenhum relato Hipotensao com necessidade de suporte farmacológico 0,4% Time-out 100% Termo de consentimento da anestesia 100% Avaliacao de risco cirurgico 100% Extubação acidental Nenhum Necessidade de UTI não prevista 1,7% Acidente vascular cerebral perioperatorio (ate 48h) 0% Hipotermia intra-operatoria acidental 1,2% Mortalidade (30 dias) 3,2% Dor na RPA 8% (leve ou moderada) Perfuração de dura-máter 0,3%
  17. 25. <ul><li>Estratificação de risco </li></ul><ul><li>Individualizar a anestesia : monitoração, reposição de fluidos, transfusão, transporte de oxigênio </li></ul><ul><li>Proteção pulmonar </li></ul><ul><li>Controle metabólico </li></ul><ul><li>Controle da temperatura </li></ul><ul><li>Obedecer todas as normas de segurança </li></ul>Conclusão

×