Treinamento transportador de correa

17.124 visualizações

Publicada em

2 comentários
10 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
17.124
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
23
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
808
Comentários
2
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Treinamento transportador de correa

  1. 1. TREINAMENTO TÉCNICO DE INSPEÇÃO TRANSPORTADORES DE CORREIA
  2. 2. TRANSPORTADORES DE CORREIA AS NORMAS A SEGUIR FIXAM OS PROCEDIMENTOS BÁSICOS DE UM ROTEIRO DE INSPEÇÃO PARA TRANSPORTADORES DE CORREIA (TC) EM OPERAÇÃO, DE TAL FORMA A GARANTIR UMA VIDA LONGA DO EQUIPAMENTO E AS CONDIÇÕES OPERACIONAIS E DE MANUTENÇÃO SEGURA.
  3. 3. TRANSPORTADORES DE CORREIA NA APLICAÇÃO É NECESSÁRIO CONSULTAR AS NORMAS : NBR6177 – TRANSPORTADORES CONTÍNUOS – TRANSPORTADORES DE CORREIA - TERMINOLOGIA NBR13742 – PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA PARA TRANSPORTADORES CONTÍNUOS – TRANSPORTADORES DE CORREIA - PROCEDIMENTO 2) DOCUMENTOS COMPLEMENTARES
  4. 4. TRANSPORTADORES DE CORREIA 3) DEFINIÇÕES OS TERMOS TÉCNICOS UTILIZADOS ESTÃO DEFINIDOS NA NORMA NBR 6177.
  5. 5. TRANSPORTADORES DE CORREIA 4) CONDIÇÕES ESPECÍFICAS A INSPEÇÃO REGULAR DE TRANSPORTADORES DE CORREIA FORNECE UM DIAGNÓSTICO PRECISO DAS CONDIÇÕES DO EQUIPAMENTO, PERMITINDO ASSIM, PROLONGAR A SUA VIDA ÚTIL E EVITAR A OCORRÊNCIA DE ACIDENTES ATRAVÉS DA CORREÇÃO DOS PROBLEMAS ENCONTRADOS. PODEM-SE UTILIZAR COM ESTA FINALIDADE, AS ORIENTAÇÕES CONTIDAS EM 4.1 À 4.15
  6. 6. 4.1 ROLETES DO LADO DO CARREGAMENTO <ul><li>4.1.1 PRINCIPAIS TIPOS: </li></ul><ul><li>ROLETE DE CARGA </li></ul>VERIFICAR , QUANTO AO DESGASTE DO TUBO DE ANÉIS, RUÍDO ANORMAL, TRAVAMENTO, PEDRAS PRESAS, LIMPEZA, ETC.
  7. 7. 4.1 ROLETES DO LADO DO CARREGAMENTO <ul><li>ROLETE DE IMPACTO; </li></ul>VERIFICAR ESPAÇAMENTO E NIVELAMENTO DOS ROLETES
  8. 8. 4.1 ROLETES DO LADO DO CARREGAMENTO <ul><li>ROLETE DE TRANSIÇÃO; </li></ul>
  9. 9. 4.1 ROLETES DO LADO DO CARREGAMENTO <ul><li>ROLETE EM CATENÁRIA; </li></ul>
  10. 10. 4.1 ROLETES DO LADO DO CARREGAMENTO <ul><li>ROLETE DE BALANÇA. </li></ul>DEVE SER DADA ATENÇÃO AOS ROLETES DA PONTE DE PESAGEM DE BALANÇAS, E EM ESPECIAL QUATRO ROLETES ANTES E DEPOIS DA PONTE.
  11. 11. 4.2 ROLETES DO LADO DO RETORNO <ul><li>4.2.1 PRINCIPAIS TIPOS: </li></ul><ul><li>ROLETE COM ANÉIS DE BORRACHA; </li></ul>VERIFICAR , QUANTO AO DESGASTE DO TUBO DE ANÉIS, RUÍDO ANORMAL, TRAVAMENTO, PEDRAS PRESAS, MATERIAL AGARRADO NO TUBO OU REVESTIMENTO E LIMPEZA.
  12. 12. 4.2 ROLETES DO LADO DO RETORNO <ul><li>ROLETE DE AÇO; </li></ul>
  13. 13. 4.2 ROLETES DO LADO DO RETORNO <ul><li>ROLETE AUTO-ALINHANTE; </li></ul>
  14. 14. 4.3 TAMBORES <ul><li>4.3.1 PRINCIPAIS TIPOS: </li></ul><ul><li>TAMBOR DE ACIONAMENTO; </li></ul><ul><li>TAMBOR DE RETORNO; </li></ul><ul><li>TAMBOR DE ENCOSTO; </li></ul><ul><li>TAMBOR DE DESCARGA DO TRIPER; </li></ul><ul><li>TAMBOR DE DESVIO DO TRIPER; </li></ul><ul><li>TAMBOR DE DESCARGA; </li></ul><ul><li>TAMBOR DE CABEÇA; </li></ul><ul><li>TAMBOR DE ESTICAMENTO; </li></ul><ul><li>TAMBOR DE DESVIO DO ESTICAMENTO </li></ul><ul><li>TAMBOR DE DESVIO; </li></ul><ul><li>TAMBOR CONTRA LEVANTAMENTO. </li></ul>
  15. 15. 4.3 TAMBORES 4.3.2 VERIFICAR QUANTO AO DESGASTE DO REVESTIMENTO, PROFUNDIDADE (MÍNIMO 4MM) DA RANHURA DO TAMBOR DE ACIONAMENTO, RUÍDOS ANORMAIS, VAZAMENTO EXCESSIVO DE LUBRIFICANTE NOS MANCAIS, MATERIAL AGARRADO NOS DISCOS LATERAIS E NO CILINDRO DO TAMBOR, VIBRAÇÃO EXCESSIVA E LIMPEZA.
  16. 16. 4.4 CORREIA <ul><li>4.4.1 PRINCIPAIS ITENS: </li></ul><ul><li>COBERTURA SUPERIOR; </li></ul><ul><li>COBERTURA INFERIOR; </li></ul><ul><li>CARCAÇA; </li></ul><ul><li>BORDA DIREITA; </li></ul><ul><li>BORDA ESQUERDA; </li></ul><ul><li>EMENDA. </li></ul>
  17. 17. 4.4 CORREIA 4.4.2 VERIFICAR O ESTADO DAS EMENDAS NAS COBERTURAS SUPERIORES QUANTO A SEPARAÇÃO DAS LONAS. LEVANTAMENTO DA BORRACHA DE COBERTURA, TRINCAS E BOLHAS NOS PASSOS E BORDAS. SE A CORREIA FOR DE CABO DE AÇO, VERIFICAR SE OS CABOS ESTÃO SE LEVANTANDO. VERIFICAR O ESTADO GERAL DAS COBERTURAS SUPERIOR E INFERIOR QUANTO A RASGOS, TRINCAS E PERFURAÇÕES, ABERTURA ENTRE LONAS E ARRANCAMENTO DE BORDAS. SEMPRE QUE POSSÍVEL, INDICAR SE O DANO ATINGIU A CARCAÇA.
  18. 18. 4.5 ESTICAMENTO ESTICAMENTO POR GRAVIDADE:
  19. 19. 4.5 ESTICAMENTO 4.5.2 ESTICAMENTO POR GRAVIDADE: VERIFICAR O ESTADO GERAL DA ESTRUTURA QUANTO A EMPENAMENTOS E OXIDAÇÃO EXCESSIVA, LIMPEZA DAS GUIAS DO CARRINHO, QUANDO HOUVER E ESTADO DOS CABOS DE AÇO. VERIFICAR SE O CONTRAPESO ESTÁ NIVELADO, SE NÃO HÁ MATERIAL ACUMULADO (DEVE SER RETIRADO) OU SE ESTÁ MUITO PRÓXIMO DO SOLO, POIS PODE SER NECESSÁRIO ENCURTAR A CORREIA. VERIFICAR SE O CARRINHO, QUANDO HOUVER, ESTÁ MUITO PRÓXIMO DOS BATENTES, POIS PODE BATER NA PARTIDA OU FRENAGEM. INDICAR A POSIÇÃO DO CONTRAPESO EM RELAÇÃO À SUA POSIÇÃO ORIGINAL, PARA FACILITAR O CONTROLE DO ALONGAMENTO DA CORREIA E DA QUANTIDADE DE CORREIA ADICIONAL EXISTENTE PARA A EXECUÇÃO DE UMA EMENDA, EM CASO DE NECESSIDADE.
  20. 20. 4.5 ESTICAMENTO ESTICAMENTO POR PARAFUSO
  21. 21. 4.5 ESTICAMENTO 4.5.1 ESTICAMENTO POR PARAFUSO: VERIFICAR O ESTADO GERAL DA ESTRUTURA QUANTO A EMPENAMENTOS, OXIDAÇÃO EXCESSIVA, FALTA DE LUBRIFICAÇÃO DO PARAFUSO E LIMPEZA. VERIFICAR A FLECHA DA CORREIA (APROXIMADAMENTE 1,5CM À 2CM). CORREIA MUITO ESTICADA DANIFICA PRINCIPALMENTE OS ROLAMENTOS E CORREIA FROUXA PERMITE DESLIZAMENTO NO TAMBOR DE ACIONAMENTO E / OU QUEDA DE MATERIAL. INDICAR A POSIÇÃO DO PARAFUSO EM RELAÇÃO À SUA POSIÇÃO ORIGINAL, PARA FACILITAR O CONTROLE DO ALONGAMENTO DA CORREIA.
  22. 22. 4.6 COMPONENTES DIVERSOS <ul><li>4.6.1 PRINCIPAIS ITENS: </li></ul><ul><li>LIMPADORES </li></ul>
  23. 23. 4.6 COMPONENTES DIVERSOS <ul><li>RASPADORES </li></ul>
  24. 24. 4.6 COMPONENTES DIVERSOS 4.6.2 LIMPADORES E RASPADORES VERIFICAR O ESTADO GERAL DOS LIMPADORES E RASPADORES QUANTO À ATUAÇÃO, DESGASTE DAS LÂMINAS, CONTATOS DAS PARTE METÁLICAS COM A COBERTURA DA CORREIA E FUNCIONAMENTO DE OUTROS COMPONENTES. VERIFICAR SE OS BATENTES LIMITADORES DO DESGASTE DAS LÂMINAS E OS DISPOSITIVOS DE FIXAÇÃO ESTÃO FIRMES E EM BOM ESTADO.
  25. 25. 4.6 COMPONENTES DIVERSOS <ul><li>GUIAS LATERAIS </li></ul>
  26. 26. 4.6 COMPONENTES DIVERSOS <ul><li>CORTINAS DE FECHAMENTO </li></ul>
  27. 27. 4.6 COMPONENTES DIVERSOS 4.6.3 GUIAS LATERAIS E CORTINAS DE FECHAMENTO VERIFICAR O ESTADO GERAL DAS GUIAS, INCLUSIVE DE SUAS PLACAS DE DESGASTE. VERIFICAR SE A LÂMINA DE BORRACHA NÃO ESTÁ MARCANDO A SUPERFÍCIE SUPERIOR DA CORREIA. COLOCAR A LÂMINA A APROXIMADAMENTE 1mm DE DISTÂNCIA DA CORREIA. VERIFICAR O ESTADO DAS CORTINAS DE FECHAMENTO NAS ENTRADAS DOS CHUTES, SAÍDA E COMEÇO DAS GUIAS.
  28. 28. 4.6 COMPONENTES DIVERSOS <ul><li>CHUTES </li></ul>
  29. 29. 4.6 COMPONENTES DIVERSOS <ul><li>PLACAS DE DESGASTE </li></ul>
  30. 30. 4.6 COMPONENTES DIVERSOS 4.6.4 CHUTES E PLACAS DE DESGASTE VERIFICAR O ESTADO GERAL EXTERNO DOS CHUTES QUANTO A FUROS, RASGOS, DANOS E OXIDAÇÃO EXCESSIVA. SE O TRANSPORTADOR ESTIVER PARADO, VERIFICAR O ESTADO DAS PLACAS DE DESGASTE E DOS PARAFUSOS DE FIXAÇÃO, POIS A QUEDA DE UMA PLACA PODE PROVOCAR LONGOS CORTES NA CORREIA.
  31. 31. 4.7 CHAVES ELÉTRICAS <ul><li>4.7.1 PRINCIPAIS TIPOS: </li></ul><ul><li>CHAVES DE EMERGÊNCIA; </li></ul><ul><li>CHAVE DE VELOCIDADE; </li></ul><ul><li>CHAVE DE DESALINHAMENTO; </li></ul><ul><li>CHAVE-SONDA; </li></ul><ul><li>DETECTOR DE RASGO; </li></ul><ul><li>CHAVE DE NÍVEL; </li></ul><ul><li>CHAVE DE FIM DE CURSO; </li></ul><ul><li>CHAVE DE SOBRECURSO; </li></ul><ul><li>CHAVE DE INVERSÃO DE MARCHA; </li></ul>
  32. 32. 4.7 CHAVES ELÉTRICAS <ul><li>CHAVES DE EMERGÊNCIA </li></ul>
  33. 33. 4.7 CHAVES ELÉTRICAS <ul><li>CHAVE DE DESALINHAMENTO </li></ul>
  34. 34. 4.7 CHAVES ELÉTRICAS <ul><li>CHAVE-SONDA </li></ul>
  35. 35. 4.7 CHAVES ELÉTRICAS <ul><li>DETECTOR DE RASGO </li></ul>
  36. 36. 4.7 CHAVES ELÉTRICAS <ul><li>CHAVE DE FIM DE CURSO </li></ul>
  37. 37. 4.7 CHAVES ELÉTRICAS 4.7.2 VERIFICAR A LIMPEZA E O ESTADO EXTERNO DAS CHAVES ELÉTRICAS. SE O EQUIPAMENTO ESTIVER PARADO OU EM CONDIÇÃO DE TESTE, SOLICITAR AO ELETRICISTA O TESTE DE TODAS AS CHAVES. FAZER TESTES PERIÓDICOS. O TRANSPORTADOR, EM HIPÓTESE ALGUMA, DEVE SER COLOCADO EM OPERAÇÃO SEM O PERFEITO FUNCIONAMENTO DE SUAS CHAVES DE EMERGÊNCIAS.
  38. 38. 4.8 ALINHAMENTO VERIFICAR O ALINHAMENTO DA CORREIA. INDICAR NO ESQUEMA DO TC A POSIÇÃO APROXIMADA DO DESALINHAMENTO, QUANDO HOUVER. SE O DESALINHAMENTO ACOMPANHAR O MOVIMENTO DA CORREIA, INFORMAR ESTE FATO. INDICAR SE O DESALINHAMENTO OCORRE NO LADO DO CARREGAMENTO OU NO LADO DO RETORNO.
  39. 39. 4.9 ESTRUTURA <ul><li>4.9.1 PRINCIPAIS ITENS: </li></ul><ul><li>ESTRUTURA PRINCIPAL; </li></ul><ul><li>COBERTURA DE TRANSPORTADOR; </li></ul><ul><li>CHAPA DE PROTEÇÃO; </li></ul><ul><li>ANTEPAROS DE SEGURANÇA; </li></ul><ul><li>PASSADIÇOS E PASSARELAS. </li></ul>
  40. 40. 4.9 ESTRUTURA <ul><li>ESTRUTURA PRINCIPAL; </li></ul>
  41. 41. 4.9 ESTRUTURA <ul><li>COBERTURA DE TRANSPORTADOR; </li></ul>
  42. 42. 4.9 ESTRUTURA <ul><li>CHAPA DE PROTEÇÃO; </li></ul>
  43. 43. 4.9 ESTRUTURA <ul><li>ANTEPAROS DE SEGURANÇA; </li></ul>
  44. 44. 4.9 ESTRUTURA <ul><li>PASSADIÇOS E PASSARELAS. </li></ul>
  45. 45. 4.9 ESTRUTURA 4.9.2 VERIFICAR O ESTADO GERAL DE TODA ESTRUTURA, COBERTURA, CHAPAS DE PROTEÇÃO, ANTEPAROS DE SEGURANÇA, PASSADIÇOS E PASSARELAS, QUANTO A EMPENAMENTO, OXIDAÇÃO E DESGASTE. QUANDO HOUVER COBERTURA, INDICAR EVENTUAIS LOCAIS COM DANOS.
  46. 46. 4.10 ACIONAMENTO <ul><li>4.10.1 PRINCIPAIS ITENS: </li></ul><ul><li>MOTOR; </li></ul><ul><li>ACOPLAMENTO HIDRÁULICO; </li></ul><ul><li>REDUTOR; </li></ul><ul><li>ACOPLAMENTO FLEXÍVEL; </li></ul><ul><li>FREIO; </li></ul><ul><li>CONTRA-RECUO; </li></ul><ul><li>VOLANTE. </li></ul>
  47. 47. 4.10 ACIONAMENTO 4.10.2 VERIFICAR SE HÁ VAZAMENTOS VISÍVEIS DE LUBRIFICANTES NOS REDUTORES, ACOPLAMENTOS HIDRÁULICOS, FREIOS E CONTRA-RECUO. VERIFICAR SE A CARCAÇA DO MOTOR, VOLANTE E OUTROS COMPONENTES NÃO ESTÃO COBERTOS DE PÓ E SUJEIRA, POIS O EXCESSO DE PÓ E SUJEIRA DIFICULTA A REFRIGERAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DO COMPONENTE, E PODE, ATÉ MESMO, PROVOCAR DESBALANCEAMENTO. SE HOUVER VOLANTE, VERIFICAR A SUA FIXAÇÃO.
  48. 48. 4.11 PINTURA VERIFICAR VISUALMENTE O ESTADO DA PINTURA. INDICAR ÁREAS COM CORROSÃO OU QUE NECESSITEM DE RETOQUE.
  49. 49. 4.12 SEGURANÇA <ul><li>4.12.1 PRINCIPAIS ITENS: </li></ul><ul><li>A) GUARDAS DE PROTEÇÃO EM: </li></ul><ul><li>TAMBORES; </li></ul><ul><li>ACOPLAMENTOS; </li></ul><ul><li>FREIOS; </li></ul><ul><li>VOLANTES; </li></ul><ul><li>CORRENTES; </li></ul><ul><li>CABOS DE AÇO; </li></ul><ul><li>ROLDANAS; </li></ul><ul><li>TORRES DE ESTICAMENTO; </li></ul><ul><li>AO LONGO DE CARROS DE ESTICAMENTO; </li></ul><ul><li>AMOSTRADORES. </li></ul>
  50. 50. 4.12 SEGURANÇA B) PISOS, DEGRAUS. C) CORRIMÃO.
  51. 51. 4.12 SEGURANÇA 4.12.2 VERIFICAR O ESTADO DAS PROTEÇÕES DOS TAMBORES, PARTES GIRANTES, TORRE DE ESTICAMENTO, ACIONAMENTO E OUTRAS PARTES MÓVEIS. VERIFICAR O ESTADO DOS PISOS, DEGRAUS E CORRIMÃOS. NÃO DEVE HAVER BURACOS, PARTES SALIENTES, PISOS SOLTOS, CORRIMÃOS COM ARESTAS OU QUAISQUER DEFEITOS QUE POSSAM PROVOCAR ACIDENTES, LESÕES OU COLOCAR EM RISCO A VIDA DAS PESSOAS (VER NBR 13742).
  52. 52. 4.13 MEIO AMBIENTE VERIFICAR A LIMPEZA DO EQUIPAMENTO E ÁREAS PRÓXIMAS, INDICAR OS PONTOS MAIS CRÍTICOS ONDE HÁ VAZAMENTOS DE MATERIAL. NÃO PERMITIR A EXISTÊNCIA DE FUROS EM CHUTES, GUIAS ABERTAS, FALTA DE CORTINAS FECHAMENTO, ETC... GARANTIR O BOM FUNCIONAMENTO DOS RASPADORES. MANTER AS COBERTURAS DOS TRANSPORTADORES COMPLETAS E EM BOM ESTADO. A LIMPEZA É O FATOR DE SEGURANÇA NECESSÁRIA À MANUTENÇÃO DO MEIO AMBIENTE E AO CONFORTO NO TRABALHO.
  53. 53. 4.14 ACESSÓRIOS 4.14.1 VERIFICAR SE NÃO HÁ ALGUMA IRREGULARIDADE VISÍVEL EM EQUIPAMENTOS QUE OPERAM EM AUXÍLIO AO TRANSPORTADORES DE CORREIA, TAIS COMO: A) EXTRATORES MAGNÉTICOS; B) DETECTORES DE METAL; C) AMOSTRADORES; D) ALIMENTADORES VIBRATÓRIOS; E) BALANÇAS; F) OUTROS.
  54. 54. 4.14 ACESSÓRIOS A) EXTRATORES MAGNÉTICOS;
  55. 55. 4.14 ACESSÓRIOS B) DETECTORES DE METAL
  56. 56. 4.14 ACESSÓRIOS C) AMOSTRADORES;
  57. 57. 4.14 ACESSÓRIOS D) ALIMENTADORES VIBRATÓRIOS;
  58. 58. 4.14 ACESSÓRIOS E) BALANÇAS;
  59. 59. 4.14 ACESSÓRIOS 4.14.2 SE NECESSÁRIO, INFORMAR AS FALHAS AO SETOR RESPONSÁVEL. UMA FALHA DE ALGUNS DESTES EQUIPAMENTOS PODE CAUSAR DANOS AO PRÓPRIO TRANSPORTADOR DE CORREIA.
  60. 60. Roletes de carga travados Vazamento pela guia lateral Roletes de impacto danificados Chave de desalinhamento mal posicionada Rolete guia instalado de forma incorreta, danificando a borda Roletes guia instalados de forma incorreta, danificando a borda Limpador desajustado Guia lateral desajustada Borda desgastada

×