Romance regional FB

4.117 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.117
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
231
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Romance regional FB

  1. 1.  Origem e características O Romance Regionalista é uma escola literária que surgiu em meados do século XIX no Brasil . As obras nacionalistas dos Romances Regionalistas buscavam retratar regiões do Brasil afastadas da capital, como o sertão nordestino e os Pampas gaúchos, descrevendo as paisagens e os costumes da população local. Diferentemente de outros tipos de Romance, nos Romances Regionalistas o homem recebe destaque enquanto a mulher tem papel secundário, o gaúcho, o sertanejo. Os personagens são retratados de forma genérica, como retrato do povo que pertence. Os Romances regionais eram publicados primeiramente em folhetins nos jornais e se fizessem sucesso eram organizados em um livro. Podemos observar que tanto nos Romances Indianistas quanto nos Romances Regionais a natureza tem grande importância e relação com os personagens do romance.
  2. 2.  O gaúcho . O Gaúcho conta os acontecimentos imediatamente anteriores à Guerra dos Farrapos (1835) e à trajetória do coronel Bento Gonçalves. Em meio aos acontecimentos políticos, desenvolve-se a trama central: o envolvimento amoroso entre Catita e Manuel Canho, protagonista da história e exímio conhecedor dos pampas, capaz de entender e dominar a alma dos cavalos. História e ficção se misturam, fazendo deste um livro em que não faltam ação, aventura e romance - ingredientes na medida certa para agradar aos leitores.
  3. 3.  Inocência "Inocência" é um marco do Romantismo e também um dos melhores exemplos de literatura regionalista, revelando detalhadamente a vida sertaneja do interior do Mato Grosso na metade do século passado. Fiel à tendência romântica, o romance possui no seu núcleo uma história de amor impossível: a jovem cabocla Inocência está prometida por seu pai ao rude sertanejo Manecão, mas apaixona-se pelo forasteiro Cirino, gerando uma série de conflitos devido ao rigoroso código de honra da época.
  4. 4.  O cabeleira O Cabeleira é uma obra regionalista escrita por Franklin Távora (1842 a 1888) e publicada em 1876. A obra, que possuí fatos históricos, aborda temas relacionados ao sertão nordestino e à história dos cangaceiros, à pobreza e à ignorância. O protagonista do enredo, José Gomes, conhecido como o Cabeleira, foi o antecessor do famigerado Lampião.
  5. 5.  O sertanejo Um dos romances bastantes brasileiros em que Alencar dá expansão ao seu gênero de pincelador retratando com belas e radiantes cores a paisagem do sertão um destemido vaqueiro a serviço capitão-mor Arnaldo Campelo que enfrenta os mais sérios riscos na esperança de constar a simpatia da filha do fazendeiro.
  6. 6.  O tronco do Ipê História tem como o cenário a Fazenda Nossa Senhora do boqueirão, na zona da mata fluminense. Um velho tronco de ipê, outrora frondoso, representa a decadência da fazenda. Bem próximo, numa cabana, mora o negro Benedito, espécie de feiticeiro, que guarda o segredo da família. Mário, o personagem central, que viveu desde criança na fazenda, juntamente com a amiga Alice, descobre que o pai da moça, Joaquim, é o assassino de seu pai. Desesperado, Mário tenta suicídio, pois não pode se casar com a filha de um assassino. Mas o negro Benedito o impede, contando-lhe o segredo: Joaquim não matou o pai de Mário. Ele foi tragado pelas águas do Boqueirão e está enterrado junto ao tronco do ipê. Mário reconcilia-se com a vida e casa-se com Alice.
  7. 7.  José de Alencar José Martiniano de Alencar nasceu em 1º de maio de 1829, em Mecejana, Ceará. Foi fruto do romance entre um padre e sua prima. Contudo, o pai do autor, José Martiniano, abandona o sacerdócio e casa-se com a parenta Ana Josefina de Alencar e se torna senador o autor ingressou na carreira literária como folhetinista no jornal Correio Mercantil com “Ao correr da pena” Senhora” foi, sem dúvida, um marco na literatura e na vida de José de Alencar José de Alencar faleceu em 1877 por causa das complicações de sua tuberculose. Era casado com Georgiana Cochrane e pai de Mário de Alencar.
  8. 8.  Obras Romances urbanos: Cinco minutos (1860); A viuvinha (1860); Lucíola (1862); Diva (1864) ; A pata da gazela (1870); Sonhos d’ouro (1720); Senhora (1875); Encarnação (1877). Romances históricos e indianistas: O Guarani (1870); Iracema (1875); As Minas de prata (1865); Alfarrábios (1873); A guerra dos mascates (1873); Ubirajara (1874). Romances regionalistas: O gaúcho (1870); O tronco do Ipê (1871); Til (1872); O sertanejo (1876).
  9. 9.  Visconde de Taunay Alfredo d’Escragnolle Taunay nasceu no Rio de Janeiro, em 1843. Estudou Humanidades no Colégio Pedro II e cursou Ciências Físicas e Matemáticas na Escola Militar. Foi nomeado segundo-tenente e participou da guerra do Paraguai, além de campanhas militares. Ingressou na carreira política, mas abandonou quando recebeu o título de visconde e afastou-se da política com a proclamação da República, já que sua visão era monárquica. Após deixar seu posto no exército como major, dedicou-se não só à política, mas também às letras. Seu primeiro romance foi A Mocidade de Trajano (1871), sob o pseudônimo de Sílvio Dinarte . Romances: A mocidade de Trajano (1871); Inocência (1872); Lágrimas do coração (1873); Ouro sobre azul (1875); A retirada da Laguna (1872 em português)
  10. 10.  Franklin Távora João Franklin da Silveira Távora nasceu na cidade de Baturité-Ceará, no dia 13 de Janeiro de 1842; Formou-se advogado em 1863; Além desta profissão, durante sua tragetória de vida foi também jornalista, político, romancista e teatrólogo, chegou também a exercer alguns cargos públicos nas cidades onde residiu; Utilizou o pseudônimo de Semprônio para escrever as “Cartas a Cincinato”, onde tentou denegrir a imagem de José de Alencar e onde também iniciou uma campanha a favor da literatura regionalista, pois acreditava que aí morava a verdadeira nacionalidade que deveria ser expressada através da literatura brasileira. Sua obra foi nacionalista e regionalista, diferenciando-se da maioria dos outros autores românticos. No final de sua vida, desiludido da literatura e da política, queimou alguns textos inéditos. Faleceu na cidade do Rio de Janeiro-RJ, no dia 18 de Agosto de 1888.
  11. 11.  Escola: Fundação Bradesco Aluno(a):Andresa Soeiro , Adriana Ramos, Gabriele Oliveira, Thalita Silva ,Wesley Carvalho, Larissa.

×