GÊNESE DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

13.719 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
13.719
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
135
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

GÊNESE DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

  1. 1. SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 GÊNESE GEOECONÔMICA DO TERRITÓRIO BRASILEIRO • Colonização: • Colônia: • Conquista e domínio territoriais: • Economia Colonial: • Divisão internacional do trabalho: • Acumulação primitiva de capital: • Espaços extrovertidos: • Arquipélago econômico 1
  2. 2. Colonização Relação entre uma sociedade que se expande e os lugares onde ocorre essa expansão, configurando uma conquista territorial ou uma adição de território ao patrimônio do colonizador. Exemplo: casos do Brasil e da América espanhola no colonialismo dos séculos XVI ao XIX e da África e Ásia no neocolonialismo (séculos XIX e XX). Entretanto, cabe esclarecer os sentidos da colonização (de exploração e de povoamento), seus impactos na produção e organização dos espaços geográficos coloniais e sua herança na atualidade. 2
  3. 3. COLÔNIA • Representa a consolidação de domínio territorial, o que implica apropriação de terras, submissão das populações defrontadas e também exploração dos recursos presentes no território colonial. Exemplo: casos do Brasil, África e Ásia. 3
  4. 4. Conquista e domínio territoriais • A conquista sintetiza a essência da colônia e pode ser considerada um traço comum na maioria dos processos coloniais de exploração (envolvendo, inclusive, o uso da violência). No período inicial da colonização, os europeus apropriaram-se de uma natureza e de territórios já humanizados, em maior ou menor grau, por povos que viviam no que viria a ser o atual território brasileiro. Desse modo, é justo afirmar que o Brasil indígena antecede o Brasil lusitano e o Brasil contemporâneo. 4
  5. 5. ECONOMIA COLONIAL • Não se restringe apenas à economia do período em que o Brasil foi colônia de Portugal, ou seja, até 1822, ano correspondente à nossa independência política formal, mas prolonga-se até praticamente 1860-1870. isso porque o que caracterizava a economia colonial eram as relações escravagistas de produção que o Brasil manteve até 1888, quando foi promulgada a Lei Áurea. Por esse critério, a implantação do capitalismo no Brasil se deu quando foram introduzidas as relações assalariadas de produção. 5
  6. 6. Divisão internacional do trabalho • De modo simplificado, é a divisão do trabalho ou da produção, imposta pelos países colonizadores (metrópoles), às suas colônias, cabendo a estas o fornecimento de produtos primários e a compra de produtos manufaturados e industriais na interdependência econômica estabelecida com aqueles. 6
  7. 7. ACUMULAÇÃO PRIMITIVA DE CAPITAL • Trata-se do processo de acumulação de riquezas ocorrido na Europa, entre os séculos XVI e XVIII, que possibilitou grandes transformação econômicas ocorridas com a primeira Revolução Industrial (séculos XVIII e XIX). 7
  8. 8. ESPAÇOS EXTROVERTIDOS • Espaços geográficos produzidos e organizados para atender o mercado externo. Exemplos: espaço da agroindústria da cana-de-açúcar (séculos XVI e XVII), espaço da mineração (séculos XIX e XX), espaço do café (século XIX e XX) etc. 8
  9. 9. ARQUIPÉLAGO ECONÔMICO • Expressa a falta de integração entre as economias regionais que se constituíram como espaços relativamente autônomos de produção e consumo, guardando relações mais estreitas com os mercados externos do que entre si. Vale esclarecer para os alunos que a expressão aplica- se à economia a à configuração geoeconomica do território brasileiro no início do século XX, marcadas pela fragmentação em ilhas regionais, em grande parte resultante da economia colonial. 9
  10. 10. ETAPAS PARA CONSTITUIÇÃO DE UMA FRONTEIRA • A - Definição; operação conceitual na qual é tratado um acordo sobre os princípios gerais para a produção dos limites; • B – Delimitação; que consiste na fixação dos limites por meio de tratados internacionais; • C – Demarcação; que é a implantação física dos limites, por meio da construção de marcos em pontos determinados; e por último. • D – Densificação ou Caracterização; etapa na qual se realiza o aperfeiçoamento sistemático da materialização da linha divisória, mediante intercalação de novos marcos, com o objetivo de torná-los cada vez mais intervisíveis, isto é, facilmente perceptíveis para os dois lados. 10
  11. 11. UM CONTINENTE EM PÉ DE GUERRA • Travada entre três países sul-americanos, a guerra do Pacífico teve como principal conseqüência a perda dos territórios litorâneos da Bolívia. • Guerra do Pacífico é o nome dado ao conflito que se deflagrou entre a Bolívia, Peru e Chile pela posse das jazidas de salitre da região de Atacama. 11
  12. 12. UM CONTINENTE EM PÉ DE GUERRA • Equador • Carlos Arroyo Del Río exerceu a última dessas presidências turbulentas de 1941 a 1944. Sob sua administração ocorreram litígios de fronteira com o Peru, que ocupou pela força grande parte da província do Oriente, área que reivindicava desde 1802. A ocupação foi oficializada, por decisão dos países mediadores (Brasil, Argentina e Estados Unidos), no protocolo do Rio de Janeiro, em 1942. 12
  13. 13. UM CONTINENTE EM PÉ DE GUERRA • Venezuela • De 1888 a 1892, líderes civis tentaram estabelecer governos representativos até que o general Joaquín Crespo assumiu o poder. Durante os seis anos de seu governo, Crespo teve que enfrentar uma permanente desordem civil. A antiga disputa com o Reino Unido pela definição da fronteira entre a Venezuela e a Guiana britânica se inflamou depois que se descobriu ouro na região em litígio. Um tribunal internacional, reunido por iniciativa dos Estados Unidos, deu parecer favorável ao Reino Unido, em 1899, mas a sentença nunca foi reconhecida pela Venezuela. 13
  14. 14. SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 3 TERRITÓRIO BRASILEIRO DO ARQUIPÉLAGO AO CONTINETE • Brasil: do arquipélago ao continente: • Conceito de meio natural: • Conceito meio técnico-científico-informacional: 14
  15. 15. Conceito de meio natural: • O meio natural é compreendido como o momento em que ainda a natureza comandava a maioria das ações humanas, no qual as técnicas e o trabalho eram totalmente associados às dádivas da natureza. É caracterizado como o período do tempo lento, que se estendeu do surgimento do homem em sociedade ao advento das máquinas. 15
  16. 16. Caracterização do meio natural • Associando a caracterização do “meio natural” à caracterização geral do território brasileiro entre os séculos XVI e início do XX, é possível destacar com os alunos que durante séculos (século XVI até 1930), o Brasil pôde ser comprado a um “arquipélago” ou país desarticulado. Em síntese, três ordens de fatores podem ser destacadas: 16
  17. 17. OS TRÊS FATORES • 1. Povoamento: concentrado no litoral e ao longo dos rios (influência do “meio natural”). Nas áreas mais distantes da costa – o sertão – uma população dispersa se ocupava da criação extensiva de gado e culturas de subsistência; • 2. Ausência de integração: as áreas econômicas mais ativas e densamente povoadas estavam isoladas umas das outras, comunicando-se apenas por via marítima (influência do “meio natural” 17
  18. 18. OS TRÊS FATORES • 3. Ocupação econômica: até meados do século XX, foi estimulada, principalmente, pela demanda de produtos para o comércio exterior. 18
  19. 19. Conteúdos relacionados ao “meio natural” • O que prevaleceu no Brasil entre os séculos XVI e início do XX e suas contrapartidas territoriais observadas no mapa A (1890), sugere-se ressaltar e analisar com os alunos: • 1. Os ciclos econômicos e a incorporação do Brasil na divisão internacional da produção (inclusive, é interessante citar o caso da cidade de Salvador – BA - como a primeira capital escolhida em 1549 por sua posição geográfica no “coração” de um país desarticulado, cujo desenvolvimento ocorreu graças à primeira atividade agrícola de peso, a cana-de- açúcar, no Recôncavo Baiano e também na zona da Mata do Nordeste; 19
  20. 20. Conteúdos relacionados ao “meio natural” • 2. A exploração do ouro e pedras preciosas a partir do século XVIII, responsável pela incorporação de novas regiões à fronteira econômica (os atuais estados de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul; • 3. Como as necessidade de escoamento e de fiscalização da produção mineral deram ao Rio de janeiro ( que se tornou a segunda capital da Colônia, em 1763 conforme refletido no mapa A) as condições de desenvolvimento, ampliadas com a chegada da família real portuguesa, em 1808 20
  21. 21. MAPA B - 1940 • Relacionando o mapa com o conceito de “meios técnicos” que também integra a sucessão dos meios geográficos no Brasil, surge quando o homem começa a se sobrepor sobre o “império da natureza”, por intermédio da construção de sistemas técnicos. No território brasileiro foi asilado a incorporação das máquinas (telégrafos, ferrovias, portos, etc. ), de forma seletiva, caracterizando-se em poucos países e regiões (no caso brasileiro, um exemplo seria São Paulo, conforme retrata o mapa B). 21
  22. 22. Final da segunda guerra mundial (1945) • Desta época até a década de 1970, o meio técnico” apresenta subperíodos de transição, que fornecerão as bases para a instalação do “meio técnico-científico-informacional” . Este se consolidará após um período de transição. • A revolução das telecomunicações, no qual ciência e técnica passam a estar intrinsecamente ligadas, ambas regidas pelas leis de mercado. Observe os eixos rodoviários e a maior integração dos espaços à economia nacional. 22
  23. 23. Caracterização do “Meio Técnico” • Destacamos que no século XIX, com o desenvolvimento da economia cafeeira no sudeste, começou a verificar-se uma nova inflexão no processo de valorização do território brasileiro (o que coincide com a transição entre o “meio natural e o meio técnico” suas principais características foram: 23
  24. 24. Caracterização do “Meio Técnico” • A construção de sistemas técnicos com o surgimento de setores comerciais e bancários, associados às novas condições de transportes e comunicações (estrada de ferro, telégrafo e cabo submarino); • A relativa integração do território que , no início do século XX, era constatada em torno do rio de janeiro e de São Paulo, mas que, no entanto, não era efetiva nas demais regiões do pais,que mantinham com aqueles centros relações tênues e esporádicas. 24
  25. 25. Caracterização do “Meio Técnico” • A industrialização, cujo desenvolvimento ocorreu intensamente em São Paulo e arredores, permitindo que a cidade e o estado tivessem adquirido papel centram na vida econômica do país. • A ocupação econômica que, na década de 1950, foi favorecida em virtude da ampliação dos esforços para equipar o espaço nacional com vias de circulação e infraestrutura, fortalecendo as relações entre o Sudeste e as demais regiões. 25
  26. 26. Caracterização do “Meio Técnico” • A construção de Brasília, a nova capital do país, durante o governo de Juscelino Kubitschek, (1956 – 1961), marco representativo do processo de interiorização, expandido-o em direção ao Centro-Oeste e á Amazônia. 26
  27. 27. SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4 – O BRASIL E A ECONOMIA GLOBAL: MERCADOS INTERNACIONAIS • Clientes e fornecedores do Brasil; • Participação relativa dos continentes no comércio exterior do Brasil; • Balança comercial brasileira: superávits e déficits; • Relação entre o valor das exportações e o das importações de um país, num determinado período de tempo. 27
  28. 28. SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4 – O BRASIL E A ECONOMIA GLOBAL: MERCADOS INTERNACIONAIS • Termo que designa, em economia, a diferença positiva entre receita e despesa na contabilidade de uma empresa ou na balança comercial de um país. • Termo de origem latina que designa, em contabilidade e finanças, situação orçamentária em que as despesas superaram a receita disponível. 28

×