•

Orientações Curriculares do Estado de São Paulo
Objetivo: retomar a principal finalidade da escola
Aprendizagem dos alu...
Segunda metade do EF: professores de disciplinas – curiosamente, orientadores na pósgraduação.
•
Cada vez mais freqüente: ...
- da liberdade de ensino para o direito de aprender
- indicação do que o aluno vai aprender
Por que competências?
•
Democr...
2 – Construir e aplicar conceitos de várias áreas do conhecimento para a compreensão de
fenômenos naturais, de processos h...
•
•

Tentativa de unir as duas modalidades – LDB 5692 / 71 – descaracterizou a formação geral
O que é preparação para o tr...
•
•

Organizar uma atividade em grupos para a escrita de um jornalzinho com notícias sobre a
escola e a comunidade local
O...
•
•

Da compreensão das novas idéias e de sua adesão
Da capacidade e da vontade de integrá-las às práticas docentes

Mudan...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

28. proposta curricular do estado de são paulo para o ensino fundamental ciclo ii e ensino médio

15.716 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.716
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
587
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
125
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

28. proposta curricular do estado de são paulo para o ensino fundamental ciclo ii e ensino médio

  1. 1. • Orientações Curriculares do Estado de São Paulo Objetivo: retomar a principal finalidade da escola Aprendizagem dos alunos Concepção de alfabetização • Objetivo maior: que todos os alunos se tornem leitores e escritores competentes Escola inclusiva Proposta Curricular da SEE para o EF e Médio Por que construí –la ? Decorrente das Diretrizes e dos PCN PP – currículo em ação ESTRUTURA DA PROPOSTA • Princípios da organização curricular: • Currículo é cultura. • Currículo referido a competências.  competência leitora e escritora.  competências para aprender. • Currículo contextualizado no mundo do trabalho. Um referencial de competências que identifique os saberes e as capacidades necessários • Não é possível formar diretamente em práticas  competências. Exemplos: Se os professores deparam-se com salas agitadas – apaziguá-las deve ser uma competência Se os programas estão defasados – adaptá-los  Além disso: explicitar saberes, capacidades, esquemas de pensamento e orientações éticas COMPETÊNCIAS • COMPETÊNCIAS: Aptidão para enfrentar uma família de situações análogas, mobilizando de forma correta, rápida, pertinente e criativa, múltiplos recursos cognitivos: saberes, capacidades, informações, valores, atitudes, esquemas de percepção, de avaliação, de raciocínio Sobre a idéia de Competência – Idéia central: a meta principal da escola não é o ensino dos conteúdos disciplinares Urgente: reorganização do trabalho escolar que reconfigure seus espaços e seus tempos / revitalize os significados dos currículos como mapas do conhecimento – amplo espectro de competências ? Primeira característica fundamental de competência: a pessoalidade ? Exemplo de competência fundamental: a capacidade de expressão – alguém que leu um livro, diz que entendeu tudo, porém não consegue expressar de alguma forma o que sentiu... ? Não existe competência sem a referência a um contexto – sempre tem um âmbito ? Não faz sentido achar que aprender determinado assunto de matemática ou de português seria algo palpável / “desenvolver o raciocínio’ seriam metas vagas, genéricas – sempre há um contexto de relações disciplinares significativas. • Outro elemento fundamental: a mobilização • Mobilização de saberes não é um conhecimento “acumulado”, mas a capacidade de recorrer ao que se sabe para realizar o que se deseja, o que se projeta • Interdisciplinaridade: centro das atenções – deslocamento do foco das atenções dos conteúdos disciplinares para os projetos das pessoas • Séries iniciais: professores de crianças ? ?
  2. 2. Segunda metade do EF: professores de disciplinas – curiosamente, orientadores na pósgraduação. • Cada vez mais freqüente: médicos – administradores; administradores – vendedores... Cada vez é mais importante um diploma de curso superior e cada vez é menos importante qual seja este diploma. • Tarefa fundamental: semear desejos, estimular projetos, consolidar uma arquitetura de valores - articular projetos pessoais com os da coletividade. Estrutura da Proposta – Documento 1 - Base http://www.saopaulofazescola.sp.gov.br • RECUPERAÇÃO DA APRENDIZAGEM Jornal do Aluno --Ensino Fundamental ––Ciclo II e Ensino Médio Recuperação da Aprendizagem Revista do Professor EF II e EM Recuperação da Aprendizagem – Vídeo de Orientação para professores Conceito mais abrangente de aprendizagem que considera: • Informação não é conhecimento • Memória não é inteligência Eixo Estrutural da Proposta • Inteligência é uma estrutura • • Competências e habilidades formam esta estrutura • • Ações e operações mentais de diversas qualidades de acordo com as etapas de desenvolvimento cognitivo Currículo – princípios centrais • A escola que aprende • Espaço de cultura • Competências como eixo de aprendizagem • Prioridade - leitura e escrita • Articulação das competências para aprender a contextualização no mundo do trabalho Princípios para um currículo comprometido com o seu tempo • I - Uma escola que também aprende Interações entre os responsáveis pela aprendizagem – problematização e significação dos conhecimentos - Comunidade Aprendente / trabalho cooperativo / práticas compartilhadas II - O currículo como espaço de cultura • Currículo – expressão de tudo o que existe na cultura científica, artística e humanista transposto para uma situação de aprendizagem e ensino • Todas as atividades da escola são curriculares • Professor – parceiro de fazeres culturais – promotor do desejo de aprender – exemplo III – As competências como referência • Compromisso: articular as disciplinas e as atividades escolares • Conteúdos, metodologias disciplinares - sistema ou rede • Quais competências e habilidades? Tríade  adolescente  professor  Conteúdos das disciplinas e as metodologias LDB 9394/96 – foco do ensino para a aprendizagem
  3. 3. - da liberdade de ensino para o direito de aprender - indicação do que o aluno vai aprender Por que competências? • Democratização da escola – conclusão da universalização do EF / incorporação da heterogeneidade do povo brasileiro • Garantia de igualdade de oportunidades, diversidade de tratamentos e unidade de resultados – tratar diferentemente os desiguais IV – Prioridade para a competência da leitura e da escrita • Palavra – constitutiva do humano • Ser humano – ser de linguagem • Linguagem – forma de compreensão e ação sobre o mundo – pensamento antecipatório • Ler e escrever: possibilidade de concretização das demais competências – conquista de autonomia Ler e escrever na escola: o real, o possível e o necessário • Ensinar a ler e escrever: desafio que transcende amplamente a alfabetização em sentido estrito • Participar da cultura escrita: apropriar-se de uma tradição de leitura e escrita  escola como microcomunidade de leitores e escritores • Necessário: comunidade de leitores que produzem seus próprios textos: mostrar suas idéias, informar sobre fatos que os destinatários necessitam ou devem conhecer, convencê-los sobre a validade de seus pontos de vista, para reclamar, compartilhar, intrigar, fazer rir... Leitura e escrita como práticas vivas e vitais – instrumentos poderosos para repensar o mundo e reorganizar o próprio pensamento • Necessário: preservar o sentido do objeto de ensino Relação saber versus preservação do sentido • Língua escrita – tradicionalmente - distribuição de conteúdos no tempo:  1º ano: dominar o “código”  2º ano: “compreender e produzir textos breves e simples” No começo: sílabas ou palavras – graduar as dificuldades Eixo temporal único – lógica linear, acumulativa e irreversível  contradição com o tempo de aprendizagem e com a natureza das práticas de leitura e escrita Acerca da transposição didática: a leitura e a escrita como objetos de ensino • Abismo que separa a prática escolar da prática social da leitura e da escrita: • Na sala de aula => espera-se que as crianças produzam textos num só tempo e escrevam diretamente a versão final – • Fora da escola: produzir um texto é um longo processo que requer muitos rascunhos e reiteradas revisões • Ler: tarefa orientada por propósitos na nossa vida social • No âmbito escolar: se lê somente para aprender a ler e se escreve somente para aprender a escrever V – Articulação das competências para aprender • Aprendizagem: centro da atividade escolar • Competências: mais gerais e constantes • Conteúdos: mais específicos e variáveis • Necessário => melhor qualidade de aprendizagem / não quantidade de ensino • Indispensável: continuar aprendendo conteúdos mesmo fora da escola Proposta Curricular - ENEM – desdobramentos da competência leitora e escritora 1- Dominar a norma culta da LP e fazer uso das linguagens matemática, artística e científica Linguagens: instrumentos de registro e expressão – compartilhados Ler: interpretar, atribuir sentido e significado Escrever: assumir autoria individual ou coletiva
  4. 4. 2 – Construir e aplicar conceitos de várias áreas do conhecimento para a compreensão de fenômenos naturais, de processos histórico-geográficos, da produção tecnológica e das manifestações artísticas • Raciocínio hipotético dedutivo – linguagem • Ler: modo de compreender • Escrever: expressão da construção / reconstrução com sentido • • 3 – Selecionar, organizar, relacionar, interpretar dados e informações representados de diferentes formas para tomar decisões e enfrentar situações-problema • Ler: antecipar a ação para intervir no fenômeno e resolver problemas • Escrever: dominar os muitos formatos que a solução do problema comporta • 4 – Relacionar informações representadas em diferentes formas e conhecimentos disponíveis em situações concretas para construir argumentação consistente • Ler – capacidade de escutar, supor, informar-se, relacionar, comparar, etc. • Escrever – dominar os códigos que expressam a defesa ou a reconstrução de argumentos • 5 – Recorrer aos conhecimentos desenvolvidos na escola para elaborar propostas de intervenção solidária na realidade, respeitando os valores humanos e considerando a diversidade sociocultural • Ler: antecipar, tomar decisões a partir de uma escala de valores • Escrever: formular um plano para essas intervenções, levantar hipóteses sobre os meios mais eficientes => Contexto – realização de projetos escolares e sociais VI – Articulação com o mundo do trabalho • Contextualização – LDB, Diretrizes Curriculares Nacionais, PCNs Alguns tópicos desse conjunto: Compreensão do significado da ciência, das letras e das áreas  Que limitações e potenciais têm os enfoques próprios das áreas?  Que práticas humanas das mais simples às mais complexas têm fundamento ou inspiração nesta ciência, arte ou área de conhecimento?  Quais as grandes polêmicas nas várias disciplinas ou áreas de conhecimento? • A relação entre teoria e prática em cada disciplina do currículo • Não envolve necessariamente algo observável ou manipulável • Exemplo – História – nada é tão prático quanto entender a origem de uma cidade • Química – estudo teórico da tabela dos elementos químicos • As relações entre educação e tecnologia • A tecnologia aparece no currículo da educação básica em duas acepções:  Alfabetização tecnológica – entender as tecnologias da história humana como elementos da cultura / práticas sociais: tarja magnética, celular, código de barras...  Compreensão dos fundamentos científicos e tecnológicos da produção – produção de bens e serviços • A prioridade para o contexto do trabalho • Dois sentidos complementares: 1- Como valor: imprime importância ao trabalho e cultiva o respeito que lhe é devido na sociedade 2 – Como tema: perpassa os conteúdos curriculares atribuindo sentido aos conhecimentos específicos • O contexto do trabalho no Ensino Médio • Tradição de ensino academicista – separação entre a formação geral e a formação profissional
  5. 5. • • Tentativa de unir as duas modalidades – LDB 5692 / 71 – descaracterizou a formação geral O que é preparação para o trabalho? DCN – Aprendizagem de competências básicas que possam ser aproveitadas na educação profissional – EM não apenas propedêutico nem tampouco voltado para o vestibular • Saresp 2008 Elaboração das Matrizes de Referência da Avaliação, a partir do currículo estabelecido; Definição clara de competências e habilidades, em cada disciplina e ciclo, com a indicação das expectativas de aprendizagem a serem avaliadas; • • Elaboração de Banco de Itens; Anualmente, avaliação em Língua Portuguesa e Matemática para compor a Gestão por resultados; • Anualmente, alternância entre as disciplinas das áreas de Ciências da Natureza e Ciências Humanas, concomitante à avaliação em Língua Portuguesa e Matemática • • Anualmente, avaliação nas 2ª, 4ª, 6ª e 8ª séries do EF e na 3ª série do EM; • Aplicadores externos à escola (correção cega), exceto para as 1ª e 2ª do EF, em que o aplicador é professor da escola, mas não da classe avaliada; • Correção externa das redações (correção cega); • Matriz da 2ª série do EM referida à Matriz do ENEM; • ENEM “obrigatório” aos alunos da 3ª série do EM. Dez Metas para 2010 • • • • • • • • • • 1.Todos os alunos de 8 anos plenamente alfabetizados. 2.Redução de 50% das taxas de reprovação da 8ª série. 3.Redução de 50% das taxas de reprovação do Ensino Médio. 4.Implantação de programas de recuperação de aprendizagem no Ensino Fundamental e Médio. 5.Aumento de 10% nos índices de desempenho do Ensino Fundamental e Médio nas avaliações nacionais e estaduais. 6. Atendimento de 100% da demanda de jovens e adultos de Ensino Médio com currículo diversificado. 7. Implantação do Ensino Fundamental de nove anos, com prioridade à municipalização das séries iniciais (1ª a 4ª séries). 8. Programas de formação continuada e capacitação da equipe. 9. Descentralização e/ou municipalização do programa de alimentação escolar nos 30 municípios ainda centralizados. 10. Programa de obras e melhorias de infra-estrutura das escolas SIMULADO 1- Para que nossos alunos aprendam a ler as diferentes notícias de jornal, um bom procedimento didático seria: • Preparar uma aula expositiva com a ajuda da lousa e do giz, para a explicação clara das partes que compõem um jornal. • Pedir que os alunos recortem e colem em seus cadernos diferentes partes do jornal: artigos de opinião, editoriais, gráficos, tabelas, etc.
  6. 6. • • Organizar uma atividade em grupos para a escrita de um jornalzinho com notícias sobre a escola e a comunidade local Organizar uma seqüência didática com a leitura de diferentes partes de um jornal atrelada a diferentes e claros propósitos comunicativos 2- A professora Arlete leciona para alunos do 2o ano do ciclo I. Ela organizou um projeto didático para estudar Animais do mar. Ao propor aos alunos leitura e escrita de textos de divulgação científica sobre estes animais, a professora proporciona aos alunos: • (A) o aprendizado de Ciências Físicas e Biológicas, apesar do portador de texto não ser o melhor para essa área. • (B) o aprendizado sobre animais marinhos e a trabalhar em grupo. • (C) a ampliação seus conhecimentos sobre a linguagem dos textos de divulgação científica, lendo-os com maior autonomia e também aprendam variados conteúdos das diferentes áreas de conhecimento, no caso, Ciências. • (D) a criação de um ambiente de camaradagem entre os colegas da classe. • (E) o exercício a leitura e a escrita, apesar de não ser recomendável a utilização de textos de divulgação científica para esta faixa etária. • 3 - Afonso é um professor que chegou este ano na escola Pedro Monteiro e está muito ansioso porque é recém-formado. Pediu ajuda ao seu professor coordenador, que o acalmou, dizendo que o auxiliaria no seu trabalho em sala de aula. Animado e confiante nesta parceria, ele comentou que sua dúvida maior é com relação aos agrupamentos. Como ele deve trabalhar o conteúdo de suas aulas numa classe heterogênea? Assinale a alternativa que NÃO é adequada para ajudar este professor iniciante: A) Há uma crença de que é possível desenvolver uma proposta pedagógica que não seja exatamente igual para todos os alunos. Em geral os professores constatam isso a todo instante, mas resistem à idéia de considerar isso na prática, especialmente quando não têm conhecimento de como planejar o trabalho, a intervenção pedagógica e a gestão da sala de aula. B) É importante que, nas reuniões de HTPC, os professores organizem o planejamento levando em conta a heterogeneidade, não só em relação aos conteúdos de Língua Portuguesa, mas de outras áreas também. Isso não significa que esses alunos vão se privar da interação com os outros colegas, muito pelo contrário, por meio de agrupamentos produtivos ambos poderão aprender. Quando o professor conhece bem os alunos ele pode planejar diferentes tipos de organização didática para o trabalho. C) Uma das coisas mais importantes ao se trabalhar com agrupamentos é que a organização planejada para uma aula deve ser a mesma em todas as outras. Essa organização deve ser realizada apenas em dois dias da semana para intervir melhor nas atividades propostas do dia. O critério adotado para os agrupamentos é que as duplas tenham saberes bem diferenciados para que possam aprendem uns com os outros. D) Momentos onde há a variação da mesma atividade oferecida para classe, em que um grupo, por exemplo, realiza uma atividade de leitura, outro grupo realiza a atividade de escrita – são tarefas diferentes em função de suas necessidades especificas de aprendizagem. Neste caso, pode-se agrupar alunos com dificuldades parecidas, o que favorece uma intervenção mais dirigida da parte do professor. Esse tipo de organização permite, às vezes, lançar mão da ajuda de alunos que estão em condições de monitorar as atividades dos demais. Repertório: idéias / palavras - chaves  Conhecimento fragmentado – totalidades  Conhecimento em rede - realidade como sistema- nada é isolado  Problematização da prática  Seres humanos: históricos – construção como pessoas / seres inacabados – cidadania  Ensinar não é transferir conhecimento  Conhecimento: hierarquizado / disciplinas Idéias / Palavras-chave MUDANÇAS - Dependem
  7. 7. • • Da compreensão das novas idéias e de sua adesão Da capacidade e da vontade de integrá-las às práticas docentes Mudanças: dificuldades  Supõem novas aprendizagens – perda de referências  Nova identidade social – crises  Desejo: a mudança do outro –  Algumas inovações não chegaram à sala de aula – transgressões  Fontes de mudança: o sujeito, a cultura, críticas, pesquisas, decisões coletivas Tecnologias de Conhecimento    Leque de oportunidades e desafios Não há mais ilhas culturais Exigências de novas formas de trabalhar o tempo, os espaços, as relações internas da escola    Surgimento de nova sociedade – sociedade do conhecimento, da aprendizagem Necessidade do pensamento crítico Info-inclusão – proposição de ação frente à informação

×