Santo Agostinho e a Folosofia

119 visualizações

Publicada em

A seguinte trabalho foi a apresentação final da disciplina de Filosofia (Tópicos Especiais VII) do curso de Comunicação Visual Design da UFRJ.

Publicada em: Educação
1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
119
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
31
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Santo Agostinho e a Folosofia

  1. 1. Santo Agostinho St. Augustine And Four States Of A Fraternity Pietro Perugino,1498 André Barrozo 108053359 Bruno Portella 112078183 Luísa Collyer 112189667 Mariana Werneck 112197725 Yuri Reis 112077543 TÓPICOS ESPECIAIS VIII
  2. 2. Vida e Obra
  3. 3. Santo Agostinho Nasceu em 354 no município de Tangaste na África Romana, região onde hoje situa-se a Argélia um ano depois da reunificação do império romano realizada por Constâncio II. Seu pai, Patrício foi ateu e alcoólatra até um ano antes da sua morte. Sua mãe, Mônica, era uma religiosa fervorosa. Quando jovem adota o maniqueísmo e quando adulto volta sua atenção para o neoplatonismo. Vida e Obra Tópicos Especiais VIII
  4. 4. Santo Agostinho Antes de largar sua vida “do mundo”, em 387, teve mulher e filho. Em 395, início do declínio do império romano, é consagrado bispo em Hipona, a qual regeu até sua morte. O mal, a liberdade, a graça, a predestinação são os objetos de estudo principais de suas obras. Suas obras-primas são "A Cidade de Deus" e "Confissões“. Vida e Obra Tópicos Especiais VIII
  5. 5. O pensamento: A gnosiologia
  6. 6. Santo Agostinho O pensamento: A gnosiologia Razão x fé: O questionamento em busca da certeza. Os problemas da vida estão relacionados aos problemas de Deus e da alma, que para Agostinho são os mais importantes e imediatos para a solução de todos os problemas. Questionamento existencial segundo os conceitos de Platão. Projeção da verdade a partir da iluminação das ideias. Tópicos Especiais VIII
  7. 7. Santo Agostinho Deus do intelecto x Deus da criação. O verdadeiro conhecimento é de caráter imutável e que provem da necessidade. Agostinho diz que o verdadeiro conhecimento é de caráter imutável e que provem da necessidade. O verdadeiro conhecimento não se compreende ao que se recebe de ambientes externos ao sujeito e sim, a descoberta de regras imutáveis. O pensamento: A gnosiologia Tópicos Especiais VIII
  8. 8. Santo Agostinho A fé e a razão são a chave para encontrarmos a graça e a felicidade na vida É necessário compreender para crer, e crer para compreender O pensamento: A gnosiologia Tópicos Especiais VIII
  9. 9. A metafisica
  10. 10. Santo Agostinho A metafísica Metafísica: doutrina que busca o conhecimento da essência das coisas. Segundo Agostinho, Deus existe fora do tempo, o qual começou somente com a criação do mundo. O tempo é subjetivo e existe apenas na mente humana. Deus é Aquele que é; as coisas são criadas. A mutabilidade exige o imutável; os graus de perfeição exigem o Ser perfeito. Fé x Razão: “A fé ilumina a razão”. Tópicos Especiais VIII
  11. 11. Santo Agostinho A metafísica A mutabilidade exige o imutável; os graus de perfeição exigem o Ser perfeito Fé x Razão: “A fé ilumina a razão” Tópicos Especiais VIII
  12. 12. A moral
  13. 13. Santo Agostinho A vontade não é determinada pelo intelecto e sim o precede. A virtude não é uma ordem de razão, como dizia Aristóteles, mas uma ordem do amor. Agostinho defende a liberdade dos seres humanos e, portanto, livre-arbítrio. O abuso do livre-arbítrio nos leva ao pecado O homem é pessoalmente responsável pelo pecado cometido. A moral Tópicos Especiais VIII
  14. 14. Santo Agostinho Santo Agostinho considerava o celibato superior ao matrimônio A perfeição é encontrada no amor a Deus A moral Tópicos Especiais VIII
  15. 15. O mal
  16. 16. Santo Agostinho O mal Corrente maniqueísta: defendia que havia dois princípios opostos: um Deus bom e outro mal e que portanto o mal era uma substância. Agostinho contribui mais tarde com uma solução para o que chamava de problema do mal. Agostinho alegava que o mal era um algo, pois se caracterizava pela ausência do bem. Tópicos Especiais VIII
  17. 17. Santo Agostinho O mal Em Agostinho temos dois silogismos acerca da inautenticidade do mal: 1) Todas as coisas que Deus criou são boas; 2) o mal não é bom; 3) Portanto, o mal não foi criado por Deus. 1) Deus criou todas as coisas; 2) Deus não criou o mal; 3) Portanto, o mal não é uma coisa. Tópicos Especiais VIII
  18. 18. OBRIGADO

×