Nova história cultural

1.110 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.110
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
38
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Nova história cultural

  1. 1. Professor André Augusto da Fonseca - 2011andreaugfonseca@gmail.comwww.lavrado.wordpress.com
  2. 2.  Burke vincula “a ascensão da história cultural a uma “virada cultural” mais ampla em termos de ciência política, geografia, economia, psicologia, antropologia e ‘estudos culturais’”. Teria ocorrido um deslocamento “da suposição de uma racionalidade imutável [...] para um interesse crescente nos valores defendidos por grupos particulares em locais e períodos específicos” (p. 8).
  3. 3.  Karl Lamprecht já perguntava o que é história cultural em 1897. Hoje vemos “histórias culturais da longevidade, do pênis, do arame farpado e da masturbação” . Os métodos usados mostram diversidade e muita controvérsia:  Trabalho intuitivo (como Jacob Burkhardt).  Poucos usam métodos quantitativos.  Uma procura de significado.  Outros focalizam as práticas e as representações”.  Alguns pretendem fazer uma mera descrição.
  4. 4.  “a preocupação com o simbólico e suas interpretações. Símbolos, conscientes ou não, podem ser encontrados em todos os lugares, da arte à vida cotidiana, mas a abordagem do passado em termos de simbolismo é apenas uma entre outras.” “Uma história cultural das calças é diferente de uma história econômica sobre o mesmo tema, assim como uma história cultural do Parlamento seria diversa de uma história política da mesma instituição” (p. 10).
  5. 5.  Tradição germânica (séc. XVIII) e holandesa; Anglófonos: resistência inglesa (antropologia social) x interesse estadunidense (antropologia cultural); tradição francesa: civilisation, mentalités collectives et imaginaire social:  História das mentalidades, sensibilidades ou ‘representações coletivas’, na época de Marc Bloch e Lucien Febvre.  História da cultura material (civilization matérielle) na época de Fernand Braudel.  História das mentalidades (de novo) e da imaginação social, na época de Jacques Le Goff, Emmanuel Le Roy Ladurie e Alain Corbin.
  6. 6.  Fase “clássica” – 1800 a 1950.  A Cultura do Renascimento na Itália (1860), do historiador suíço Jacob Burkhardt; Outono da Idade Média (1919), do historiador holandês Johan Huizinga.  “o retrato de uma época”. Preocupação com as conexões entre as diferentes artes e o espírito da época – Zeitgeist.
  7. 7.  Por que a ênfase dos “positivistas” na história política?  Século XVIII – administração real incentiva e facilita a pesquisa sobre a história do Estado  Criação e organização racional dos arquivos públicos, por interesse do Estado absolutista  Filosofia da época desenvolve uma concepção idealista e política de sociedade  O homem só adquire dimensão social na vida política
  8. 8.  História política, história do Estado, história das instituições É a concepção de O Espírito das Leis, de Discurso sobre a grandesa e a decadência dos romanos, da Enciclopédia, das obras de Mably e Condorcet. Rousseau preocupa-se com uma história pré- social da humanidade, uma história antropológica – mas só identificável nos povos “sem história”, ou seja, nos “selvagens”.
  9. 9.  O estudo dos povos sem escrita admite que eles tenham uma história, mas o sentido de sua civilização é dado por suas crenças, pelas maneiras de se vestir, de se alimentar, de organizar a vida familiar, dos sexos se relacionarem. Ainda assim, no período das Luzes, alguns viajantes, médicos e administradores lançam um olhar etnológico sobre as sociedades históricas.
  10. 10.  Há uma antiquíssima tradição de se traçar o quadro histórico ou história natural de determinada região ou nação: definir a identidade de uma sociedade é reconstituir a história de seus costumes. Esse era o empreendimento de HERÓDOTO. O estudo das formas da vida cotidiana “tornou-se supérfluo quando os ESTADOS-NAÇÕES, recentemente constituídos, recrutaram a memória coletiva a fim de justificar pelo passado sua dominação sobre determinado território e sua maneira de organizar a sociedade”.
  11. 11. França: uma corrente mais narrativa, próxima das elites dirigentes e do debatepolítico, herdeira dos cronistas.Outra mais analítica, atenta à descrição dos costumes.A primeira teve mais êxito na tentativa de dotar-se de um estatuto científico.O desenvolvimento das ciências sociais mais jovens, como a SOCIOLOGIA,obrigou a História a redefinir sua identidade a partir de um território maislimitado – a esfera estatal e política.
  12. 12.  Ideal cientificista exigia metodologia rigorosa nos moldes das ciências experimentais: a célula ou o átomo da História seria o FATO HISTÓRICO, isto é, o ACONTECIMENTO que sobrevém na vida pública. Todo fenômeno que não aparece na cena pública pode ser ignorado pelo historiador, por não ser ação voluntária e consciente.
  13. 13. Cultura, valores• Importantes para explicar a produção,a acumulação, o consumo da riqueza.John Elliott:•1961 – estudo econômico sobre o declínio da Espanha 1978: estudo sobre a percepção do declínioO uso do termo CULTURA a partir de 1960-70• Antes, referia-se à alta cultura• Agora, inclui a cultura cotidiana – costumes, valores, modo de vida
  14. 14. Marcel Mauss: O E. Evans Pritchard: Mary Douglas: A DOM BRUXARIA PUREZA Clifford Geertz: BALI
  15. 15.  “CULTURA é um padrão, historicamente transmitido, de significados incorporados em símbolos, um sistema de concepções herdadas, expressas em formas simbólicas, por meio das quais os homens se comunicam, perpetuam e desenvolvem seu conhecimento e suas atitudes acerca da vida” (apud BURKE, p. 52).
  16. 16. Um drama filosófico• A briga de galo não é um reflexo da cultura, mas uma leitura ou interpretação balinesa, uma história que os balineses contam sobre eles mesmos.Robert Darnton• Pode-se “ler um ritual ou uma cidade, assim como se pode ler um conto folclórico ou um texto filosófico” (apud BURKE, p. 53).
  17. 17. Preocupação com a hermenêutica (interpretação dos significados).Em oposição à análise das FUNÇÕES SOCIAIS dos costumesA analogia do drama (interesse histórico pelos rituais; toda cultura teria um repertório dramatúrgico, de performances esperadas)
  18. 18. Emmanuel Le Roy Ladurie; Daniel Roche; Marxistas ou Virada Natalie Davis admiradoresLynn Hunt, Carlo de Marx antropológica Ginzburg, Hans Medick
  19. 19. O conceito mais amplo de cultura A história Ideia decultural como regras ou uma protocolos etnografia culturaisretrospectiva

×