Zabala

23.694 visualizações

Publicada em

4 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
23.694
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
388
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
915
Comentários
4
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Zabala

  1. 1. A PRÁTICA EDUCATIVA Antoni Zabala
  2. 2. Prática Educativa – unidades de análise <ul><li>Buscar competência em seu ofício é característica de qualquer bom profissional. </li></ul><ul><li>Modelo de interpretação que contrapões àquele que o professor é um aplicador de fórmulas herdadas da tradição fundamentando se no pensamento prático e na capacidade reflexiva do docente. </li></ul><ul><li>Recomenda-se constante avaliação do profissional em uma perspectiva processual as fases do planejamento, aplicação e avaliação, devem assegurar um sentido integral às variáveis metodológicas que caracterizam as unidades da intervenção pedagógica. </li></ul>
  3. 3. A função social do ensino e da concepção sobre os processos de aprendizagem <ul><li>A finalidade da escola é promover a formação integral dos alunos – crítica as ênfases atribuídas ao aspecto cognitivo. </li></ul><ul><li>Aprendizagem se dá através das experiências vividas. </li></ul><ul><li>Reflexão profunda - condição de cidadania dos alunos e em que contexto social vivem. </li></ul><ul><li>Conteúdos da aprendizagem – seus significados vão além da questão de ensinar, a indagação é para que ensinar? </li></ul>
  4. 4. Tipologias da Aprendizagem <ul><li>Para se ensinar devem ser abordadas as dimensões das tipologias de aprendizagem: </li></ul><ul><li>Factual ou conceitual (O que se deve aprender?) </li></ul><ul><li>Procedimental ( O que se deve fazer?) </li></ul><ul><li>Atitudinal (Como se deve ser?) </li></ul><ul><li>A concepção de aprendizagem deve se deter em como os alunos aprendem, baseado nos aspectos da diversidade. </li></ul><ul><li>Construtivismo é eleito como concepção metodológica em virtude da validação dos princípios psicopedagógicos: esquemas de conhecimento, nível de desenvolvimento, conhecimentos prévios e aprendizagem significativa. </li></ul>
  5. 5. As variáveis metodológicas da intervenção na aula <ul><li>Sequências didáticas </li></ul><ul><li>Papel do professor </li></ul><ul><li>Organização social da aula </li></ul><ul><li>Utilização do espaço e tempo </li></ul><ul><li>Maneira de organizar os conteúdos </li></ul><ul><li>Materiais curriculares </li></ul><ul><li>Sentido e papel da avaliação </li></ul>
  6. 6. Referencias para análise da prática <ul><li>Finalidades, propostas e objetivos: pontos de partida. </li></ul><ul><li>Função do conhecimento das disciplinas e das matérias: a função social do ensino constitui, a fonte sociológica da análise. </li></ul><ul><li>Concepção dos processos de ensino – aprendizagem: fonte psicológica e didática. </li></ul><ul><li>Condicionantes do contexto educativo. </li></ul><ul><li>Papel dos objetivos: indicar as capacidades que se pretende desenvolver com os educandos. </li></ul>
  7. 7. As sequências didática e as sequências de conteúdos <ul><li>A ordenação articulada das atividades é o elemento diferenciador das metodologias. </li></ul><ul><li>Não dar ênfase a uma única tipologia </li></ul>
  8. 8. Relações interativas na sala de aula: o papel do professor e do aluno. <ul><li>O valor das relações que se estabelecem entre professores, alunos e os conteúdos n processo, ensino aprendizagem sobrepõe as sequências didáticas. </li></ul><ul><li>Dentro da concepção construtivista, o papel dos professores e alunos e as suas relações estabelecem uma interação direta entre eles. </li></ul><ul><li>O professor possui funções nessa relação: o planejamento e a aplicação, levar em conta as contribuições do aluno, auxilia-los a encontrar sentido no que fazem, estabelecer metas, oferecer ajuda, exigir dos alunos análise, síntese e avaliação do trabalho, facilitar a auto estima e auto-conceito, promover comunicação entre professor/aluno, aluno/aluno; potencializar a autonomia e avaliar o aluno conforme o esforço. </li></ul>
  9. 9. Conteúdos procedimentais e atitudinais <ul><li>Procedimentais: perceber e criar condições adequadas às necessidades específicas de cada aluno </li></ul><ul><li>Atitudinais: articular ações formativas, para se aprender é preciso viver, por isso trabalhar conteúdos atitudinais é difícil. </li></ul>
  10. 10. Organização Social da Classe <ul><li>Analisar as diferentes formas de organização social dos alunos vivenciadas na escola: </li></ul><ul><li>Duas características: homogeneidade e heterogeneidade </li></ul><ul><li>Levar em conta o tipo de aprendizagem que esta sendo levado pelos alunos e os objetivos expressos pela própria escola. </li></ul><ul><li>Importância de reorganizar os alunos. </li></ul><ul><li>A organização social da classe tem relação direta com a aprendizagem. </li></ul>
  11. 11. Organização dos conteúdos <ul><li>Ao longo da história os conhecimentos foram alocados em disciplinas, em uma lógica da organização curricular. </li></ul><ul><li>Métodos globalizadores: rompem com a organização por unidades centradas exclusivamente em disciplinas </li></ul><ul><li>Zabala defende a organização dos conteúdos nesses métodos, pois há uma capacidade de compreensão da realidade manifesta globalmente. </li></ul><ul><li>Por isso recomenda: possibilidades de trabalho com centros de interesse (Decroly), método de projetos (Kilpatrick), estudo do meio e projetos de trabalhos globais </li></ul><ul><li>Temas transversais </li></ul>
  12. 12. Materiais Curriculares e outros recursos didáticos <ul><li>São instrumentos que proporcionam referências e critérios para tomar decisões: no planejamento, no processo ensino aprendizagem e na avaliação. </li></ul><ul><li>Materiais curriculares para conteúdos conceituais: quadro negro/audiovisuais e livros didáticos; conteúdos procedimentais: textos, dados estatísticos, revistas e jornais; conteúdos atitudinais: vídeos e textos em debate. </li></ul>
  13. 13. Avaliação <ul><li>Por que temos que avaliar? </li></ul><ul><li>Entender qual deve ser o objeto da avaliação e o sujeito da avaliação. – Idéia de que avaliação é somente para o aluno como sujeito que aprende, propõe também uma avaliação para o professor que ensina. </li></ul><ul><li>Por isso avaliação reguladora, não formativa, por acompanhar o processo de ensino. </li></ul><ul><li>O que avaliar propõe conceitos, procedimentos e atitudes. </li></ul><ul><li>Procedimentos só podem ser avaliados enquanto um saber fazer. </li></ul><ul><li>Atitudes implica na observação das mesmas em diferentes situações, ao que não se é dado o devido valor. </li></ul><ul><li>O médico não possui instrumento para medir a dor, o enjôo, o stress, nem por isso deixa de diagnosticar ou medicar. </li></ul>
  14. 14. Considerações Finais <ul><li>Prática Educativa: problematização de vivências, inclusão dos alunos, organização das condições de ensino e aprofundamento significativo e integral dos conteúdos nas três dimensões. </li></ul>

×