Resumo minha peskisa blog

397 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
397
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Resumo minha peskisa blog

  1. 1. O ensino da escrita, da teoria às práticas pedagógicas – Capítulo 1 – Linguagem escrita e Linguagem oral. Resumo: Ao caracterizar a linguagem escrita é necessário ter em conta as relações que mantém com a linguagem oral, sendo que ambas constituem formas diferentes de exprimir significado e podem ser consideradas como variedades diatípicas. É sabido que não existe uma correspondência directa entre as unidades de ambos os códigos e prova de tal facto é a falta de consonância entre o número de grafemas e o número de fonemas. Neste sentido, também há aspectos da oralidade que não são passíveis de representar e demarcar na escrita e vice-versa. A diferença existente ao nível da situação de comunicação dá origem a outras diferenças como o conteúdo e a explicitação. Uma comunicação verbal implica um cenário espácio- temporal preciso onde os interlocutores estão em constante interacção. Escandell Vidal (1993) estabeleceu uma distinção entre os elementos que são característicos numa comunicação, classificando-os como elementos de carácter material, o emissor, o destinatário, o enunciado e o contexto, e elementos de carácter relacional; a informação pragmática, a intenção e a distinção social. Entende-se por informação pragmática o conhecimento do mundo que os interlocutores detêm, isto é o conhecimento resultante de expressões linguísticas de discursos produzidos num tempo passado. Por sua vez, a distância social é alusiva à relação estabelecida entre os interlocutores no contexto de uma estrutura social. Finalmente, a intenção faz referência à relação existente entre o emissor e a sua informação pragmática. A relação que se estabelece entre os interlocutores fundamenta-se no princípio da reciprocidade em que existe partilha de conhecimento. É este o princípio que rege qualquer comunicação. Na comunicação oral, o emissor e o receptor estão, por norma, presentes no mesmo contexto e o seu discurso é, usualmente, interpretado como resultado de uma interacção. Parte desta interacção pode surgir através de elementos não linguísticos ou paralinguisticos e suprassegmentais, os quais, nem sempre apresentam correspondência escrita. Numa comunicação oral, possíveis dificuldades comunicativas que possam surgir, são passíveis de ser ultrapassadas no mesmo momento. Como é de esperar, o mesmo não
  2. 2. acontece numa situação escrita em que os momentos de produção e recepção diferem temporal e espacialmente. Devido às suas características, aquando a ocorrência de uma situação de comunicação oral, o discurso surge de uma forma espontânea e sem ser preparada. Ocorre, também, um menor cuidado com o que se diz e como se diz. Estes factos advêm de uma situação onde existe uma cadeia de reacções em que é exigida a resposta imediata. Naturalmente, dá-se o contrário numa situação de comunicação escrita, pois não obedece a condições temporais, tendo, desta forma, tempo para planificar, estruturar e reformular o discurso. Posto isto, uma comunicação escrita é, por norma, mais rica sintáctica e lexicalmente. Ainda assim, não é possível afirmar a superioridade da complexidade de uma em relação a outra, tratam-se sim, de diferentes tipos de complexidade. O texto oral e escrito diferem, também, na sua autonomia, pois, enquanto o escrito exige que o texto seja construído de forma isolada, sem intervenção de um interlocutor na cedência de pistas, no texto oral a construção discurso é mais fácil, pois existe o apoio e a interacção do interlocutor. Esta questão da autonomia, transcende a produção, pois pode ser perspectivada, também, ao nível da recepção. Assim, a recepção num contexto oral está dependente do sujeito emissor, pelo contrário, numa situação escrita, o receptor detém mais tempo e liberdade para descodificar a informação. Posto isto, dada a autonomia do discurso escrito na perspectiva do contexto situacional, surgem implicações ao nível da verbalização da informação, assim como ao nível das estratégias utilizadas para que o discurse resulte fora do contexto imediato, assim aprender a escrever é aprender a criar potencialidades. Neste sentido, é necessário que o discurso escrito integre um contexto individual que permita a sua leitura. Face a estes factos, as diferenças proeminentes entre a leitura e a escrita envolvem, para além dos aspectos linguísticos e pragmáticos, a dimensão cognitiva, pois a utilização da escrita depende de capacidades intelectuais. Assim, é possível perceber os motivos pelos quais a criança aprende a falar muito mais cedo do que aprende a escrever, pois a escrita exige determinado nível de desenvolvimento cognitivo. Para além do desenvolvimento cognitivo, a escrito implica, também a capacidade de abstracção, ao contrário da oralidade que é mais concreta, que só se atinge na fase do pensamento formal. O uso de uma linguagem escrita e, consequentemente, autónoma, pode
  3. 3. ter implicações directas no desenvolvimento e estruturação do pensamento. Assim, é possível perspectiva-la como uma importante ferramenta intelectual, visto que possibilita o armazenamento de informação e permite formas diferentes de pensar. Por fim, poderá afirmar-se que a escrita nasceu da necessidade de guardar informação, pelo que pode ser caracterizada por uma linguagem de relato em oposição à oralidade que surge como a primeira linguagem, a linguagem da acção.

×