Bases psicomotoras retomando conceitos

1.508 visualizações

Publicada em

Slides utilizados em atividade realizada no 2o Dia de Formação dos Profissionais da Educação Infantil no CEI 1 de Taguatinga em 2014

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.508
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
43
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bases psicomotoras retomando conceitos

  1. 1. Oficina: Psicomotricidade- Atividades, Circuitos e Avaliação Psicomotora 30 de Julho de 2014 SEDF – CRET – CEI 1 - EEAA Vânia Varela (pedagoga) Ma. Anaí Haeser (psicóloga)
  2. 2.  Leitura dramatizada da história “Vamos passear?”
  3. 3. “O movimento, na sua ação, manifesta a interiorização significativa dos desejos e das aquisições do indivíduo, pois traduz o corpo vivido, o conhecimento concreto experimentado pelo sujeito” (Fonseca,1993,p.9)
  4. 4. Pieter Brueghel, o velho - Pintor da região dos Países Baixos - Pintor do Renascimento
  5. 5. A motricidade tem a função de levar as experiências concretas ao cérebro, que fará a decodificação de estímulo e armazenará toda a gama de informações sensoriais, perceptivas e afetivas que a experiência trouxe ao indivíduo.
  6. 6. A psicomotricidade se estrutura em três pilares:  O querer fazer -> emocional->sistema límbico  O poder fazer -> motor-> sistema reticular  O saber fazer-> cognitivo -> córtex cerebral
  7. 7. É a utilização do corpo como via de comunicação com o mundo para colocar a criança em situações variadas de exploração e experimentação concreta e planejada apropriando-se e resgatando sua memória motora, cognitiva, emocional e social.
  8. 8. A estimulação psicomotora utiliza o corpo como ferramenta para explorar, perceber, criar, brincar, relacionar, imaginar, planejar e sentir. Funciona como facilitadora e motivadora do aprender.
  9. 9. Atividade motora = Estimulação motora?
  10. 10. Brainbreakers & relaxamento
  11. 11. Vários autores, estudiosos da Psicomotricidade, apontam sua importância:  Pierre Vayer-> diz que “a psicomotricidade deve se desenvolver em sua própria originalidade, que é a da ação corporal que surge as linguagens” (1.969);  Ajuriaguerra-> aponta que “a psicomotricidade é a expressão de um pensamento pelo ato motor preciso e harmonioso; (1983)  Fonseca-> afirma que “psicomotricidade é a evolução das relações recíprocas, incessantes de aquisições, pois organizam e pontuam o momento no qual a criança está apta a integralizar sua competências”;  Aleksandr Luria-> traduziu a funcionalidade cerebral em sistemas os dividiu em unidades funcionais ou neuroblocos.
  12. 12. Luria agrupou algumas bases psicomotoras, facilitando o estudo e o entendimento do sistema cerebral e estabelecendo o tempo e o modo em que a criança está apta a integralizar e otimizar o que ele chamou de “bases psicomotoras, alicerce para o desenvolvimento humano”.
  13. 13.  Tonicidade O tônus muscular é o que assegura a preparação da musculatura para a maioria dos movimentos a atividades práticas. Exerce a função de alerta e vigilância assegurando o bom desempenho da atividade mental.  Equilibração Refere-se à área básica para o automatismo da movimentação voluntária da criança seja estática ou dinâmica. Está relacionado ao controle postural.
  14. 14. A partir do desenvolvimento da tonicidade e da equilibração, o individuo adquire a postura bípede, possibilitando a liberação das mãos que, juntamente com a capacidade de exploração ocular e a aquisição da marcha, possibilita a aprendizagem sensório motora e a atividade simbólica. Com o desenvolvimento da equilibração o indivíduo adquire dinamismo bimanual e bipedal em equilíbrio estático e dinâmico. Esse caminho servirá de base para todas as funções mais complexas que virão.
  15. 15.  Noção de corpo  Lateralização  Estruturação espaço-temporal
  16. 16.  Esquema corporal  Imagem corporal
  17. 17. Representação global e diferenciada que a criança tem de seu próprio corpo. Capacidade de nomear as partes do corpo e as funções que elas desempenham sendo composto de:  Conhecimento do corpo e de suas partes interligadas-> segmentação  Consciência do corpo->ação  Construção de esquemas->experimentação  Construção dos limites corporais->corpo no espaço físico
  18. 18. A criança descobre seu corpo, conhece-o faz a imagem dele em função da utilização e dos significados que são atribuídos por meio de resultados de experiências:  percepção e organização individual;  percepção da imagem total no espelho;  percepção dos limites corporais
  19. 19. Exprime a capacidade de integração sensório-motora dos órgãos pares, como pés, mãos, olhos, ouvidos, etc., tornando-os funcionais e competentes no direcionamento das variadas formas do orientação do indivíduo.
  20. 20.  Lateralização->Todas as noções espaciais básicas(por cima-por baixo, frente-trás, dentro-fora, antes-depois, esquerda-direita etc.)  Lateralidade->Função de dominância lateral,tendo um dos hemisférios do cérebro a iniciativa da organização do ato motor.
  21. 21. Integração de duas estruturas distintas que tem seu desenvolvimento próprio relacionadas à diferentes modalidades sensoriais: a visão, a audição e a cinestésica.
  22. 22.  Por meio do movimento pode-se conhecer a distância de um objeto ou a que distância um determinado objeto está ou ainda a distância percorrida no espaço para chegar até ele. Ao agir sobre o meio a criança aprende a construir conceitos espaciais. As noções de lateralização serão referenciais na ação do corpo no espaço como antecipação da ação devido à experiências vividas agora percebidas.
  23. 23. A estruturação temporal surge como processo de identificação e reconhecimento do movimento intencional ao obedecer a um princípio, uma duração, um fim, um ritmo, uma ordem, uma sequência, uma harmonia. O cérebro sempre considera as experiências anteriores, adapta-se as condições presentes e antecipa o futuro. A estruturação espacial favorece a capacidade do indivíduo se situar (início, meio e fim) nos intervalos (dia e noite) na renovação cíclica e periódica (dia, semana, mês).
  24. 24. Constituem ações sequenciadas, procedimentos planejados e coordenados em função de um resultado em função de um fim a ser atingido ou um intenção a ser conseguida ou obtida. É o ato como ação coordenada para um fim. Conforme Luria divide-se em:  Praxia global  Praxia distal
  25. 25. Traduz a organização da atividade consciente da ação antecipada pelo pensamento, coordena o conhecimento integrado do corpo, por meio de informações cognitivas e emocionais resultantes das experiências anteriores e dos estímulos externos recebidos por vias perceptivas e sensoriais. Exige atividade conjunto de vários grupos musculares. Ex: Para realização de um salto à distância o que é necessário? R:Conhecimento do trajeto, velocidade da corrida, onde parar de correr para saltar, capacidade de execução, confiança par realizá-lo, etc.
  26. 26. Integra todas as competências psiconeurológicas adquiridas na praxia global, com maior complexidade e diferenciação. É a perícia manual ( velocidade e precisão dos movimentos finos). Vai desde a prensão do bebê até ser integrada, conhecida e pensada tornando-se uma ação precisa e cada vez mais automatizada.
  27. 27. Anaí e Vânia

×