Livro dos Espíritos
Anjos e
Demônios
Perguntas 128 à 131
Definição Vulgar de Anjo e Demônio
“Os modernos representaram os anjos, os
Espíritos puros, numa figura radiosa, com asas
...
128. Os seres que chamamos anjos, arcanjos, serafins
formam uma categoria especial, de natureza diferente da
dos outros Es...
Origem e Criação dos Espíritos
As almas ou Espíritos são criados simples e ignorantes, isto é, sem
conhecimentos nem consc...
129. Os anjos também percorreram todos os graus?
— Percorreram todos. Mas, como já dissemos: uns aceitaram a
sua missão se...
Escala espírita
3ª. Ordem
Espíritos
Imperfeitos
Batedores e
Perturbadores
Neutros
Pseudosábios
Levianos
Impuros
2ª. Ordem
...
130. Se a opinião de que há seres criados
perfeitos e superiores a todos os outros é
errônea, como se explica a sua presen...
A Humanidade não se limita à Terra; habita inúmeros mundos que no Espaço circulam; já
habitou os desaparecidos, e habitará...
131. Há demônios, no sentido que se dá a essa
palavra?
—Se houvesse demônios, eles seriam obra de Deus. E
Deus seria justo...
Comentário de Kardec: A palavra demônio não implica a ideia de Espírito mau, a
não ser na sua acepção moderna, porque o te...
A palavra demônio deve, portanto, ser entendida como
referente aos Espíritos impuros, que frequentemente não
são melhores ...
A primeira condição de toda doutrina é a de ser lógica;
ora, a dos demônios, no seu sentido absoluto, falha neste
ponto es...
A propósito de Satanás, é evidente que se trata da
personificação do mal sob uma forma alegórica,
porque não se poderia ad...
Demônios
(...) os demônios são simplesmente as almas dos
maus, ainda não purificadas, mas que podem,
como as outras, ascen...
Como posso me “angelizar”?
Auto Conhecimento (pergunta: 919)
Transformação Moral (pergunta: 909)
Caridade (pergunta: 886)
...
Conclusão
Deus não criou o mal; todas as suas leis são para o bem, e foi o homem
que criou esse mal, divorciando-se dessas...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O Livro dos Espíritos perg. 128 a 131 Anjos e Demônios.

644 visualizações

Publicada em

PPT utilizado em palestra - reunião pública em 07/09/15

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
644
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Livro dos Espíritos perg. 128 a 131 Anjos e Demônios.

  1. 1. Livro dos Espíritos Anjos e Demônios Perguntas 128 à 131
  2. 2. Definição Vulgar de Anjo e Demônio “Os modernos representaram os anjos, os Espíritos puros, numa figura radiosa, com asas brancas, símbolo da pureza, e Satanás, com chifres, garras e os atributos da bestialidade, símbolos das paixões. O vulgo, que toma as coisas ao pé da letra, viu nesses símbolos entidades reais, como outrora tinha visto Saturno na alegoria do Tempo”. (Comentário de Kardec)
  3. 3. 128. Os seres que chamamos anjos, arcanjos, serafins formam uma categoria especial, de natureza diferente da dos outros Espíritos? — Não; são Espíritos puros: estão no mais alto grau da escala e reúnem em si todas as perfeições. Comentário de Kardec: A palavra anjo desperta geralmente a ideia da perfeição moral; não obstante é frequentemente aplicada a todos os seres, bons e maus, que existam fora da Humanidade. Diz-se: o bom e o mau anjo; o anjo da luz e o anjo das trevas; e nesse caso ela é sinônima de Espírito ou de gênio. Tomamo-la aqui na sua significação boa.
  4. 4. Origem e Criação dos Espíritos As almas ou Espíritos são criados simples e ignorantes, isto é, sem conhecimentos nem consciência do bem e do mal, porém, aptos para adquirir o que lhes falta. O trabalho é o meio de aquisição, e o fim - que é a perfeição - é para todos o mesmo. Conseguem-no mais ou menos prontamente em virtude do livre-arbítrio e na razão direta dos seus esforços; todos têm os mesmos degraus a franquear, o mesmo trabalho a concluir. Deus não aquinhoa melhor a uns do que a outros, porquanto é justo, e, visto serem todos seus filhos, não tem predileções. Ele lhes diz: Eis a lei que deve constituir a vossa norma de conduta; ela só pode levar-vos ao fim; tudo que lhe for conforme é o bem; tudo que lhe for contrário é o mal. Tendes inteira liberdade de observar ou infringir esta lei, e assim sereis os árbitros da vossa própria sorte.
  5. 5. 129. Os anjos também percorreram todos os graus? — Percorreram todos. Mas, como já dissemos: uns aceitaram a sua missão sem lamentar e chegaram mais depressa; outros empregaram maior ou menor tempo para chegar à perfeição. Espíritos puros ou anjos: são, pois, as almas dos homens chegados ao grau de perfeição que a criatura comporta, gozando, em sua plenitude, da felicidade prometida. Antes, porém, de atingir o grau supremo, desfrutam de uma felicidade relativa ao seu adiantamento, felicidade que consiste, não na ociosidade, mas nas funções que apraz a Deus confiar-lhes, e por cujo desempenho se sentem felizes, visto que tais ocupações representam para eles um meio de progresso.
  6. 6. Escala espírita 3ª. Ordem Espíritos Imperfeitos Batedores e Perturbadores Neutros Pseudosábios Levianos Impuros 2ª. Ordem Bons Espíritos Superiores De sabedoria Sábios Benévolos 1ª. Ordem Espíritos Puros Puros
  7. 7. 130. Se a opinião de que há seres criados perfeitos e superiores a todos os outros é errônea, como se explica a sua presença na tradição de quase todos os povos? — Aprende que o teu mundo não existe de toda a eternidade e que muito antes de existir já havia Espíritos no grau supremo; os homens por isso, acreditam que eles sempre haviam sido perfeitos.
  8. 8. A Humanidade não se limita à Terra; habita inúmeros mundos que no Espaço circulam; já habitou os desaparecidos, e habitará os que se formarem. Tendo-a criado de toda a eternidade, Deus jamais cessa de criá-la. Muito antes que a Terra existisse e por mais remota que a suponhamos, outros mundos havia, nos quais Espíritos encarnados percorreram as mesmas fases que ora percorrem os de mais recente formação, atingindo seu fim antes mesmo que houvéramos saído das mãos do Criador. De toda a eternidade tem havido, pois, puros Espíritos ou anjos; mas, como a sua existência humana se passou num infinito passado, eis que os supomos como se tivessem sido sempre anjos de todos os tempos. Realiza-se assim a grande lei de unidade da Criação; Deus nunca esteve inativo e sempre teve puros Espíritos, experimentados e esclarecidos, para transmissão de suas ordens e direção do Universo, desde o governo dos mundos até os mais ínfimos detalhes. Tampouco teve Deus necessidade de criar seres privilegiados, isentos de obrigações; todos, antigos e novos, adquiriram suas posições na luta e por mérito próprio; todos, enfim, são filhos de suas obras. E, desse modo, completa-se com igualdade a soberana justiça do Criador. Origem dos “ditos” Anjos
  9. 9. 131. Há demônios, no sentido que se dá a essa palavra? —Se houvesse demônios, eles seriam obra de Deus. E Deus seria justo e bom, criando seres infelizes, eternamente voltados ao mal? Se há demônios, e no teu mundo inferior e em outros semelhantes que eles residem: são esses homens hipócritas que fazem de um Deus justo um Deus mau e vingativo, e que pensam lhe ser agradáveis pelas abominações que cometem, em seu nome.
  10. 10. Comentário de Kardec: A palavra demônio não implica a ideia de Espírito mau, a não ser na sua acepção moderna, porque o termo grego dáimon. de que ela deriva, significa gênio, inteligência, e se aplicou aos seres incorpóreos, bons ou maus, sem distinção. Os demônios, segundo a significação vulgar do termo, seriam entidades essencialmente malfazejas: e seriam, como todas as coisas, criação de Deus. Mas Deus, que é eternamente justo e bom, não pode ter criado seres predispostos ao mal por sua própria natureza, e condenados pela eternidade. Atributos da Divindade – comentário de Kardec a pergunta 13 L.E. Deus é ETERNO. É IMUTÁVEL. É IMATERIAL. É ÚNICO. É TODO-PODEROSO. É SOBERANAMENTE JUSTO E BOM.
  11. 11. A palavra demônio deve, portanto, ser entendida como referente aos Espíritos impuros, que frequentemente não são melhores que os designados por esse nome, mas com a diferença de ser o seu estado apenas transitório. São esses os Espíritos imperfeitos que protestam contra as suas provações e por isso as sofrem por mais tempo, mas chegarão por sua vez á perfeição, quando se dispuserem a tanto.
  12. 12. A primeira condição de toda doutrina é a de ser lógica; ora, a dos demônios, no seu sentido absoluto, falha neste ponto essencial. Que, na crença dos povos atrasados, que não conheciam os atributos de Deus, admitindo divindades malfazejas, também se admitissem os demônios, é concebível; mas para quem quer que faça da bondade de Deus um atributo por excelência, é ilógico e contraditório supor que ele tenha criado seres voltados ao mal e destinados a praticá-lo perpetuamente, porque isso seria negar a sua bondade.
  13. 13. A propósito de Satanás, é evidente que se trata da personificação do mal sob uma forma alegórica, porque não se poderia admitir um ser maligno lutando de igual para igual com a Divindade, e cuja única preocupação seria a de contrariar os seus desígnios. Como o homem necessita de imagens e figuras para impressionar a sua imaginação, pintou os seres incorpóreos com formas materiais dotadas de atributos que lembram as suas qualidades ou os seus defeitos.
  14. 14. Demônios (...) os demônios são simplesmente as almas dos maus, ainda não purificadas, mas que podem, como as outras, ascender ao mais alto cume da perfeição (...) Kardec, Alan. O livro dos médiuns. (...) os demônios são almas atrasadas, ainda prenhes dos vícios da humanidade (...) Kardec, Alan. Obras póstumas.
  15. 15. Como posso me “angelizar”? Auto Conhecimento (pergunta: 919) Transformação Moral (pergunta: 909) Caridade (pergunta: 886) Fazer o bem no limite de suas forças (pergunta: 642) Fonte: O Livro dos Espíritos
  16. 16. Conclusão Deus não criou o mal; todas as suas leis são para o bem, e foi o homem que criou esse mal, divorciando-se dessas leis; se ele as observasse escrupulosamente, jamais se desviaria do bom caminho. Entretanto, a alma, qual criança, é inexperiente nas primeiras fases da existência, e daí o ser falível. Não lhe dá Deus essa experiência, mas dá- lhe meios de adquiri-la. Assim, um passo em falso na senda do mal é um atraso para a alma, que, sofrendo-lhe as consequências, aprende à sua custa o que importa evitar. Deste modo, pouco a pouco, se desenvolve, aperfeiçoa e adianta na hierarquia espiritual até ao estado de puro Espírito ou anjo. Os anjos são, pois, as almas dos homens chegados ao grau de perfeição que a criatura comporta, fruindo em sua plenitude a prometida felicidade. (1ª Parte, cap. III, "O céu".)

×