A leitura é uma atividade humana que consiste em atribuir sentido às mais diversas formas de manifestação do homem e da na...
Ser leitor significa participar de uma problemática inseparável de um posicionamento no mundo e sobre ele tal como a escri...
A todo momento, o número de leitores e número de atores sociais se superpõem. Assim, a democratização da leitura – ou, se ...
Nesse modo de ver (proposto inteligentemente por Foucambert na obra  A leitura em questão ), a mediação dos educadores tor...
Os mediadores de leitura das comunidades e sua eficácia – e nesses se inclui obviamente o sistema educacional – são vitais...
Amantes da fantasia  Fonte: A psicanálise da Terra do Nunca, Diana e Mário Corso Quando reflete sobre si, o homem comum se...
<ul><li>Programas de Leitura são importantes pela sua  grande abrangência e significativo papel social em uma área vital p...
 
É um Programa de Leitura desenvolvido pelo Curso de Letras ULBRA/Guaíba e Canoas, dirigido a comunidades urbanas e rurais ...
PROPOSTA <ul><li>FOME DE LER é um programa de leitura que tem como foco o contato pessoal dos alunos da rede estadual , mu...
OBJETIVOS <ul><li>A apropriação do livro como objeto cultural dos educadores, dos  alunos e da comunidade em geral dos mun...
METAS <ul><li>  </li></ul><ul><li>Promover a leitura e a formação de mediadores de leitura.   </li></ul><ul><li>Incentivar...
ETAPAS  <ul><li>Lançamento oficial do Programa: Seminário Regional de Políticas de Leitura – Abertura do Programa de Leitu...
MUNICÍPIOS PARTICIPANTES <ul><li>ARROIO DOS RATOS </li></ul><ul><li>BARRA DO RIBEIRO </li></ul><ul><li>CACHOEIRA DO SUL </...
MUNICÍPIOS PARTICIPANTES <ul><li>MINAS DO LEÃ0 </li></ul><ul><li>NOVA SANTA RITA </li></ul><ul><li>PORTO ALEGRE </li></ul>...
ESCRITORES 2003 a 2010 <ul><li>ALCY CHEUICHE </li></ul><ul><li>ANDRÉ NEVES </li></ul><ul><li>ANNA CLAUDIA RAMOS </li></ul>...
ESCRITORES 2003 a 2010 <ul><li>ERNANI SSÓ </li></ul><ul><li>FABRÍCIO CARPINEJAR </li></ul><ul><li>GLÁUCIA DE SOUZA </li></...
ESCRITORES 2003 a 2010 <ul><li>JOSÉ PAULO PAES </li></ul><ul><li>KALUNGA </li></ul><ul><li>LAIS CHAFFE </li></ul><ul><li>L...
ESCRITORES 2003 a 2010 <ul><li>MONICA PAPESCU </li></ul><ul><li>PAULA MASTROBERTI </li></ul><ul><li>PAULO BENTANCUR </li><...
RECEPÇÃO CARINHOSA
LEITURAS CRIATIVAS
MAQUETES COLORIDAS
MAQUETES QUE TEMATIZAM AS OBRAS
BRINCADEIRAS
LIVROS NA MÃ0 DAS CRIANÇAS
TEATRALIZAÇÃO
DECLAMAR, CANTAR...
EXPOSIÇÃO DE TRABALHOS
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentaçao Fundamentos do Programa de Leitura Fome de Ler

890 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
890
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
31
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentaçao Fundamentos do Programa de Leitura Fome de Ler

  1. 1. A leitura é uma atividade humana que consiste em atribuir sentido às mais diversas formas de manifestação do homem e da natureza. É um processo de apreensão de significados, do qual o leitor participa ativamente a partir do diálogo que estabelece com o objeto lido, conforme suas experiências existenciais. Toda a sociedade, nas suas diferentes etapas evolutivas, produz uma memória cultural e a leitura vem a ser um dos instrumentos para conhecimento e transformação dessa memória, isto é, das idéias, instrumentos e técnicas produzidos e conservados pelo homem. Por isso mesmo, o processo de leitura apresenta-se como uma atividade que possibilita a participação do homem na vida em sociedade, em termos de compreensão do presente e do passado e em termos de transformação cultural futura.
  2. 2. Ser leitor significa participar de uma problemática inseparável de um posicionamento no mundo e sobre ele tal como a escrita, em todas as suas formas , o teoriza. Exatamente nesse ponto entra em jogo o princípio de exclusão do não leitor, não em virtude de sua impossibilidade técnica, sua falta de interesse ou desejo de ler, mas porque ele não está implicado na experiência social, nas preocupações e nos modos de análise que geram a produção de escritos.
  3. 3. A todo momento, o número de leitores e número de atores sociais se superpõem. Assim, a democratização da leitura – ou, se se quiser, o aumento maciço do número de indivíduos engajados em redes de comunicação escrita – inscreve-se precisamente nesta alternativa: ou os atuais excluídos assumem a maneira de ver, sentir, pensar da minoria que produz e consome a escrita, ou criam os novos escritos, correspondentes à sua abordagem do mundo, à sua experiência e ao poder que neles adquirem.
  4. 4. Nesse modo de ver (proposto inteligentemente por Foucambert na obra A leitura em questão ), a mediação dos educadores torna-se ainda mais complexa, pois somente a adoção de políticas de sedução do livro não contempla o grupo social que precisa ser incluído no circuito da leitura. Para esse grupo também se transformar em autor, outros deverão serão os protocolos, as formas de ler, os acervos, não bastando somente estarmos do lado de cá como sujeitos leitores e apropriados do mundo da escrita. As soluções e as mudanças de comportamento, então, não poderão vir do segmento letrado, sendo essencial a participação dos segmentos não letrados através da sua consciência do processo e vontade de vencer os entraves criados por uma sociedade excludente a partir da criação de novos/próprios modelos de ler e de escrever.
  5. 5. Os mediadores de leitura das comunidades e sua eficácia – e nesses se inclui obviamente o sistema educacional – são vitais para o desenvolvimento de sua capacidade leitora em níveis cada vez mais elevados. Não só o espaço escolar institucionalizado, mas outras instâncias mediadoras – a família, o local de trabalho, a biblioteca pública, a rádio local, o clube, a associação de moradores, a livraria, a igreja, o cinema, as atividades artísticas – podem ser eficientes na construção de uma comunidade letrada. Quando inexiste uma tradição cultural letrada na comunidade, a iniciação escolar e/ou familiar pode tornar-se ineficiente.
  6. 6. Amantes da fantasia Fonte: A psicanálise da Terra do Nunca, Diana e Mário Corso Quando reflete sobre si, o homem comum se vê como alguém racional, lúcido, com os pés no chão, mas que às vezes é tomado pela fantasia. Os psicanalistas acreditam no contrário: o homem sonha a maior parte do tempo, e em certos momentos, acorda. Passamos um terço da vida dormindo, portanto sonhando, e quando estamos despertos nossos devaneios ocupam um lugar muito maior do que imaginamos. Subestimamos a fantasia, sobretudo porque a julgamos acessória, ela não passaria de um escape, um desvio da rota do prumo da realidade. Quando muito, admitimos que a fantasia serviria de consolo, nos ajudaria a suportar os fatos reais da vida, mas raramente acreditamos que ela nos constitui, nos molda e faz parte da arquitetura da nossa personalidade.
  7. 7. <ul><li>Programas de Leitura são importantes pela sua grande abrangência e significativo papel social em uma área vital para o desenvolvimento da cidadania – a leitura – onde investimentos qualitativos em todo o processo – obra, leitor, mediador – fazem a diferença e operam resultados visíveis . </li></ul>
  8. 9. É um Programa de Leitura desenvolvido pelo Curso de Letras ULBRA/Guaíba e Canoas, dirigido a comunidades urbanas e rurais de 20 municípios do Rio Grande do Sul. Incentiva a formação de mediadores de leitura e articula ações de letramento, envolvendo escritores brasileiros, acadêmicos da Universidade, educadores e alunos das comunidades escolares de cada município. PROGRAMA DE LEITURA FOME DE LER
  9. 10. PROPOSTA <ul><li>FOME DE LER é um programa de leitura que tem como foco o contato pessoal dos alunos da rede estadual , municipal e privada com escritores brasileiros e o diálogo com suas produções. </li></ul>
  10. 11. OBJETIVOS <ul><li>A apropriação do livro como objeto cultural dos educadores, dos alunos e da comunidade em geral dos municípios participantes </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  11. 12. METAS <ul><li>  </li></ul><ul><li>Promover a leitura e a formação de mediadores de leitura.   </li></ul><ul><li>Incentivar a desescolarização da leitura, aproximando a cidade como um todo das ações de leitura.   </li></ul><ul><li>Aproximar os alunos de pessoas que produzem textos (não só literários), desmistificando a figura do escritor e tornando familiar a circulação de livros no seu contexto social.   </li></ul><ul><li>Promover atividades e ações na escola tendo como centro um autor </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><ul><li>Desencadear situações significativas de diálogo real com o autor </li></ul></ul><ul><ul><li>Estabelecer trocas entre alunos dos Cursos de Letras de Guaíba e Canoas com os professores das escolas da Ulbra e de escolas municipais e estaduais dos municípios da região dos campi, através do estudo de autores e criação de projetos de leitura </li></ul></ul>
  12. 13. ETAPAS <ul><li>Lançamento oficial do Programa: Seminário Regional de Políticas de Leitura – Abertura do Programa de Leitura Fome de Ler 201 </li></ul><ul><li>Processo de inscrição das escolas e escolha do escritor </li></ul><ul><li>Encontros Fome de Ler no período de agosto a outubro </li></ul><ul><li>Elaboração de um projeto de leitura com as obras do autor escolhido </li></ul><ul><li>Desenvolvimento de múltiplas ações com a leitura das obras do escritor escolhido </li></ul><ul><li>Visita do escritor à escola </li></ul>
  13. 14. MUNICÍPIOS PARTICIPANTES <ul><li>ARROIO DOS RATOS </li></ul><ul><li>BARRA DO RIBEIRO </li></ul><ul><li>CACHOEIRA DO SUL </li></ul><ul><li>CACHOEIRINHA </li></ul><ul><li>CAMAQUÃ </li></ul><ul><li>CANDELÁRIA </li></ul><ul><li>CANOAS </li></ul><ul><li>CERRO GRANDE DO SUL </li></ul><ul><li>DOM FELICIANO </li></ul><ul><li>ELDORADO DO SUL </li></ul><ul><li>ESTEIO </li></ul><ul><li>GUAÍBA </li></ul>
  14. 15. MUNICÍPIOS PARTICIPANTES <ul><li>MINAS DO LEÃ0 </li></ul><ul><li>NOVA SANTA RITA </li></ul><ul><li>PORTO ALEGRE </li></ul><ul><li>SAPUCAIA </li></ul><ul><li>SERTÃO SANTANA </li></ul><ul><li>SENTINELA DO SUL </li></ul><ul><li>TAPES   </li></ul>
  15. 16. ESCRITORES 2003 a 2010 <ul><li>ALCY CHEUICHE </li></ul><ul><li>ANDRÉ NEVES </li></ul><ul><li>ANNA CLAUDIA RAMOS </li></ul><ul><li>ANTONIO HOHLFELDT </li></ul><ul><li>CAIO RITER </li></ul><ul><li>CARLOS URBIM </li></ul><ul><li>CELSO GUTFREIND </li></ul><ul><li>CELSO SISTO </li></ul><ul><li>CHARLES KIEFER </li></ul><ul><li>CHRISTINA DIAS </li></ul><ul><li>CLAUDIO LEVITAN </li></ul><ul><li>DILAN CAMARGO </li></ul><ul><li>ELIANA MARTINS </li></ul><ul><li>ERICO VERISSIMO </li></ul>
  16. 17. ESCRITORES 2003 a 2010 <ul><li>ERNANI SSÓ </li></ul><ul><li>FABRÍCIO CARPINEJAR </li></ul><ul><li>GLÁUCIA DE SOUZA </li></ul><ul><li>HELO BACICHETTE </li></ul><ul><li>HERMES BERNARDI JR. </li></ul><ul><li>JANE TUTIKIAN </li></ul><ul><li>JONAS RIBEIRO </li></ul><ul><li>JORGE FERNANDO DOS SANTOS </li></ul><ul><li>JOSÉ PAULO PAES </li></ul><ul><li>JOSUÉ GUIMARÃES </li></ul><ul><li>JÚLIO EMÍLIO BRAZ </li></ul>
  17. 18. ESCRITORES 2003 a 2010 <ul><li>JOSÉ PAULO PAES </li></ul><ul><li>KALUNGA </li></ul><ul><li>LAIS CHAFFE </li></ul><ul><li>LEIA CASSOL </li></ul><ul><li>LENICE GOMES </li></ul><ul><li>LEO CUNHA </li></ul><ul><li>LUIS DILL </li></ul><ul><li>LUIS FERNANDO VERISSIMO </li></ul><ul><li>LUIZ RAUL MACHADO </li></ul><ul><li>MÁRIO PIRATA </li></ul><ul><li>MÁRIO QUINTANA </li></ul><ul><li>MÁRCIO VASSALO </li></ul><ul><li>MARÔ BARBIERI </li></ul><ul><li>MOACYR SCLIAR </li></ul>
  18. 19. ESCRITORES 2003 a 2010 <ul><li>MONICA PAPESCU </li></ul><ul><li>PAULA MASTROBERTI </li></ul><ul><li>PAULO BENTANCUR </li></ul><ul><li>ROGER MELLO </li></ul><ul><li>ROSA AMANDA STRAUSZ </li></ul><ul><li>ROSANE RIOS </li></ul><ul><li>ROGÉRIO ANDRADE BARBOSA </li></ul><ul><li>SANDRA PINA </li></ul><ul><li>SILVANA SALERNO </li></ul><ul><li>SIMONE SAUERESSIG </li></ul><ul><li>SÉRGIO NAPP </li></ul><ul><li>STELLA MARIS REZENDE </li></ul><ul><li>TIAGO DE MELO ANDRADE </li></ul><ul><li>VALESCA DE ASSIS </li></ul>
  19. 20. RECEPÇÃO CARINHOSA
  20. 21. LEITURAS CRIATIVAS
  21. 22. MAQUETES COLORIDAS
  22. 23. MAQUETES QUE TEMATIZAM AS OBRAS
  23. 24. BRINCADEIRAS
  24. 25. LIVROS NA MÃ0 DAS CRIANÇAS
  25. 26. TEATRALIZAÇÃO
  26. 27. DECLAMAR, CANTAR...
  27. 28. EXPOSIÇÃO DE TRABALHOS

×