Oriana1 121015143714-phpapp01

508 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
508
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
283
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Oriana1 121015143714-phpapp01

  1. 1. Era uma vez uma fada chamada Oriana, que era muito bonita e boa. Vivia alegra e feliz dançando nos campos, nos montes, nos jardins e nas praias. Um dia, a Rainha das Fadas chamou-a e ela foi ao seu encontro.
  2. 2. - Oriana, entrego-te esta Floresta!
  3. 3. Certa manhã de Abril, Oriana acordou ainda mais cedo que o habitual e, mal o primeiro raio de Sol entrou na floresta, ela saiu de dentro do tronco de carvalho onde dormia todas as noites, e respirou fundo os perfumes da madrugada.
  4. 4. Todos os dias, logo pela manhã, Oriana ia visitar a velha, uma senhora de muita idade, por quem ela sentia um carinho especial e que vivia sozinha numa casa muito velha.
  5. 5. A seguir, passava pela casa do lenhador e do moleiro e ajudava-os também.
  6. 6. À noite, ia ter com o poeta solitário, que era a única pessoa crescida que a podia ver e conversava com ele toda a noite.
  7. 7. Ora um dia, ao abeirar-se do rio para ajudar um peixe, Oriana viu a sua cara reflecti- da na água. Viu os seus olhos azuis como safiras, os seus cabelos loiros como searas a sua pele branca como lírios e as suas asas cor do ar, claras e brilhantes. A partir daquele dia passou a ir com frequência ao rio para admirar a sua beleza.
  8. 8. Pouco a pouco, Oriana foi abandonando a floresta, os animais e os amigos. Deixou de visitar a velha e até o poeta. Os animais começaram a partir e as plantas iam morrendo pouco a pouco...
  9. 9. Quando apareceu a Rainha das Fadas e viu o abandono da floresta ficou tão zangada que a castigou severamente, tirando-lhe as asas e a sua varinha de condão. Arrependida, Oriana suplica-lhe que a perdoe...
  10. 10. Oriana, lembrando-se dos amigos antigos que abandonara e que deixara de visitar, chorou numa tristeza profunda e suplicou, de novo, à Rainha das Fadas para que esta lhe devolvesse as asas e a varinha de condão, mas a Rainha esta- va muito desiludida com ela que não a desculpou. Disse-lhe, apenas, que as de- volveria se e quando ela fizesse algo para as merecer.
  11. 11. Levantando-se, Oriana limpou as lágrimas e começou a percorrer a floresta. Pensou, pensou e, determinada a recuperar a confiança dos seus amigos, decidiu ir à cidade conversar com o poeta. No caminho para a cidade, avistou a velha junto do abismo...
  12. 12. Pôs-se, então, a correr muito depressa, com a esperança de a alcançar. Mas, quando lá chegou já a velha estava a cair do abismo. Então, mesmo sem asas, Oriana não hesitou por um momento sequer, em saltar do abismo para a agarrar. De súbito, como um relâmpago, apareceu no ar a Rainha das Fadas...
  13. 13. A Rainha das Fadas estendeu o seu braço, tocou em Oriana com a sua varinha de condão e, no mesmo instante, ela parou de cair e ficou imóvel, suspensa no ar, segurando a velha. Levou-a para sua casa e, já no regresso pôde, finalmente, perceber que tudo aquilo tinha sido possível graças à bondade da Rainha das Fadas que lhe devolvera as suas asas e a sua varinha de condão. Agora tudo fazia sentido na sua cabecinha linda e bondosa... Levantando a sua varinha de condão, devolveu à floresta todo o encanto e magia que a mãe Natureza a dotara. Sophia Mello Breyner Andresen ( adaptado )

×