O golfinho doente   Era uma vez um golfinho que vivia no mar com a sua família.     Num dia de tempestade, o golfinho ando...
James, perdido no mar    Numa bela manhã de verão do dia 28 de Julho, um meninochamado James foi à praia do Furadouro.    ...
Caiu na realidade e começou a pensarcomo conseguiria voltar. Com tanta belezamas     também      com     muita    tristeza...
O cientista Gervásio      Era uma noite, muito escura, de tempestade. Os raios pareciam cair nolaboratório, estrambólico, ...
Convencido que a tempestade voltaria decidiu concretizar o seu projeto e dirigiu-se, no seumonociclo, à cidade. Entrou em ...
Amaral o ponto final    Pobre Amaral, o grande ponto final, nunca soube interrogar nem exclamar. Émuito preocupado, irá se...
Escrita na Ponta de um Lápis
Escrita na Ponta de um Lápis
Escrita na Ponta de um Lápis
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Escrita na Ponta de um Lápis

1.146 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.146
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
648
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Escrita na Ponta de um Lápis

  1. 1. O golfinho doente Era uma vez um golfinho que vivia no mar com a sua família. Num dia de tempestade, o golfinho andou no mar até tarde e, quando chegou acasa, decidiu ir logo para a cama porque não se estava a sentir muito bem. No dia seguinte, ele acordou doente e a sua família ficou preocupadíssima porque elenão conseguia manter-se de pé. Então, os amigos dele que eram muito queridos e simpáticos, fizeram-lhe uma sopade cenoura, a preferida dele. O golfinho deliciou-se com a sopa e rapidamente ficoucurado. Para festejar a sua cura, os seus amigos fizeram-lhe uma enorme festa e convidarama sua família e até a sua namorada. Não faltaram os peixes-palhaços para fazerem umaspiadas. A partir desse dia, o golfinho ganhou uma nova receita para as suas doenças e assimnunca mais ficou doente. Guilherme Lemos 2.º ano OUT3
  2. 2. James, perdido no mar Numa bela manhã de verão do dia 28 de Julho, um meninochamado James foi à praia do Furadouro. James era inteligente e amigo da Natureza pois foi lá, paraajudar uma baleia branca que tinha ficado presa na areia,encalhada na praia. A baleia gemia porque queria sair dali. Recorreu aos salva vidas para que o viessem ajudar, pois abaleia não aguentava viva por muito mais tempo. Esperou alguns minutos e os salva-vidas apareceram com oequipamento necessário para salvar a baleia. Esta, toda feliz, agradeceu batendo as barbatanas. James, como estava no Furadouro, aproveitou e foi dar umpasseio de barco pelo mar fora. Mas a viagem correu mal, poisficou perdido sem saber como voltar. Aflito disse: - Calma James, calma! Olhou para o fundo do mar e ficou extasiado com o que viu,pois a beleza que encontrou entontecia-o: golfinhosbrincalhões, baleias enormes, tartarugas lentas mas boasnadadoras, anémonas bailarinas, corais brancos, amarelos…
  3. 3. Caiu na realidade e começou a pensarcomo conseguiria voltar. Com tanta belezamas também com muita tristezaadormeceu e, quando acordou, estava nosAçores. Quase a anoitecer, dirigiu-se a umhotel na praia da Vitória, assim se chamao local onde foi parar, e explicou o que lhetinha acontecido. Os donos ficaramsensibilizados com o que ouviram,alimentaram-no e deixaram-no dormir lá. Gostou muito desse dia, das pessoasque conheceu, dos lugares que visitou e,por isso, ficou para sempre a gozar abeleza dessas ilhas. Escrito e ilustrado Diogo Miguel Vaz Out4
  4. 4. O cientista Gervásio Era uma noite, muito escura, de tempestade. Os raios pareciam cair nolaboratório, estrambólico, do cientista louco e muito desastrado. Osrelâmpagos estalavam, estrondosamente, eriçando os cabelos, horripilantes,de Gervásio.Ele tinha pavor a estas noites. Então, pôs os seus neurónios a funcionar a todoo gás. Poderia ele inventar uma máquina que controlasse as tempestades? De repente, surgiu-lhe uma ideia genial. Então começou a projetar a suainvenção. Com a ajuda de uma régua e um compasso, desenhou numa folha depapel próprio, o modelo da sua máquina. Demorou muito tempo a traçar todasas peças que constituíam a sua engenhoca: parafusos, porcas, fios de váriascores, botões, alavancas, metal, tubos de aspirador… e uma poção mágica decor verde mar. Exausto adormeceu num sono profundo. No dia seguinte, despertou sobressaltado. Ao olhar para cima, através dacobertura transparente do seu laboratório, verificou que o sol brilhava, noexterior, mas ele estava a tremer de frio gélido e molhado dos pés até à pontados cabelos! Confuso, olhou a seu redor, e detetou, no chão, pequeninaspegadas que, por certo, seriam as do seu despertador tão esquisito quanto ele!Ficou muito zangado e enfurecido! É que Gervásio tinha um coração demanteiga mas, quando lhe pregavam alguma partida, ele ficavacompletamente desorientado! O despertador tinha-lhe atirado com um baldede água fria mas, fugiu a sete pés não fosse o seu dono dar cabo dele!
  5. 5. Convencido que a tempestade voltaria decidiu concretizar o seu projeto e dirigiu-se, no seumonociclo, à cidade. Entrou em dezenas de lojas de material e comprou tudo o que eranecessário. De regresso ao seu laboratório, pacientemente, ordenou e montou os milhares de peças, queconstituíam a sua maquineta, e colocou a poção mágica dentro dos tubos de aspirador. Quandoconcluiu o seu trabalho, já fumegava pelas orelhas! Não sabia se aquela engenhoca iria mesmofuncionar. Teria que aguardar por uma nova tempestade. Embora ficasse aterrorizado com aideia de o mau tempo voltar, estava ansioso por pôr à prova a sua “tempestade-inator”. Não teve muito que esperar. Nessa mesma noite, quando se preparava para dormir, otemporal voltou. Gervásio tinha um duplo sentimento: por um lado, sentia muito medo; poroutro, queria, ansiosamente, pôr o seu invento à prova. No momento em que um raio se aproximava acionou a sua máquina, que projetou a poçãomágica verde mar, anulando a sua força. Nesse instante, a tempestade estacou! Gervásio ficouradiante! A persistência do cientista possibilitou a realização do seu projeto. A sua audácia permitiuque ele enfrentasse os seus medos. Ele foi muito corajoso! O medo originou a coragem que vence sempre o pessimismo.
  6. 6. Amaral o ponto final Pobre Amaral, o grande ponto final, nunca soube interrogar nem exclamar. Émuito preocupado, irá ser delegado? Isso talvez não, porque tem cabeça debalão. Bom, vamos à história… Ocorreu numa sexta-feira quando entrou para a escola e, qual não foi o seuespanto, quando sujou a camisola. Bem, sinceramente, eu não sei porque nãoestava lá. O nosso personagem ficou novamente preocupado, quando viu o ponto deexclamação Irmão e o ponto de interrogação Amigão. Nesse instante lembrou-se: - Se eu puser uma placa nas minhas costas e amarrar um pano à volta dela,vou conseguir exclamar. Se eu puser uma folha de papel e fizer mais ou menosa forma de um “S” talvez possa interrogar. No dia seguinte, a professora mandou a turma ler um texto com muitasinterrogações e exclamações e, usando a sua nova estratégia, Amaral tiroumuito bom na leitura e ficou orgulhoso por ser o único a consegui-lo uma vezque os seus colegas cometiam erros a ler. A professora deu-lhe um prémio que foi uma Viagem a Paris. Como aindanão tinha carro, a viagem será só daqui a um ano. E o pior, é que ele está decastigo durante dois anos por ter dado um pontapé e uma joelhada na cabeçade um menino com a alegria dos festejos! Pediu desculpa mas, mesmo assim, foi castigado: - Coitado de mim! – Lamentou o Amaral… - Oh, céus!! André Costa OUT6

×