Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise

8.160 visualizações

Publicada em

Análise do poema do heterónimo Alberto Caeiro " Eu nunca guardei rebanhos".

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.160
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
133
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise

  1. 1. “EU NUNCA GUARDEI REBANHOS” Análise do poema de Alberto Caeiro
  2. 2. Introdução: ste é o primeiro poema do heterónimo, Alberto Caeiro, de Fernando Pessoa. o primeiro de 49 poemas que constituem “O Guardador de Rebanhos” e que segundo Fernando Pessoa este poema foi escrito quase todo o dia 8 de março de 1914, “o dia triunfal” da sua vida. sse dia triunfal fora então o dia em que surgiram os três heterónimos de Fernando Pessoa
  3. 3. Caeiro surge-nos neste poema como o poeta da objetividade do imediatismo das sensações: v.7-8. Aqui o poeta deseja que os seus versos levem os leitores a imaginá-lo como uma coisa natural, como uma árvore, por exemplo, à sombra da qual se sentavam, quando crianças, cansados de brincar. Também podemos entender a ideia de Eu sou um quadro da paisagem, eu faço parte da paisagem. •v9-10 alguém com estas características não era susceptível que ficasse triste porque a tristeza constitui uma modelação do estado de espírito. •Este problema da tristeza é resolvido com a explicação do “pôr-de-sol”: só é contente ou triste perante os olhos de quem o observa, “para a nossa imaginação.” Toda a paz da Natureza sem gente Vem sentar-se a meu lado. Mas eu fico triste como um pôr-de-sol Para a nossa imaginação, Quando esfria no fundo da planície E se sente a noite entrada Como uma borboleta pela janela.
  4. 4. o entanto imaginação é uma coisa que ele não tem, porque tudo o que ele diz é do domínio do concreto, então ele automaticamente está a excluir-se desta tristeza. A tristeza do sujeito poético é causada pelo fim do dia, no momento do por do sol, quando a noite cai sobre a natureza, o sujeito poético terá mais dificuldade em ver o que se passa à sua volta e em Caeiro, a visão é primordial. Ainda no verso 9, a conjunção adversativa “mas” chama a atenção para o facto de ser contraditória a tristeza que o sujeito poético vai confessar, pois se ele tem à sua volta tudo aquilo que deseja, como poderá sentir-se triste?
  5. 5. 2ªestrofe a 2ª estrofe a tristeza é identificada com sossego, o que funciona como uma espécie de negação da tristeza anteriormente expressa, pois refere-a como positiva ao identificá-la com sossego. ssa tristeza é tranquila, porque tem em si a naturalidade das coisas simples, e está aqui em evidência a aceitação do real tal como ele se apresenta, sem contestação nem interferência do pensamento. Mas a minha tristeza é sossego Porque é natural e justa E é o que deve estar na alma Quando já pensa que existe E as mãos colhem flores sem dar por isso.
  6. 6. 3ª e 4ª estrofes as estrofes 3 e 4 o sujeito poético defende que a recusa do ato de pensar é a via para alcançar a paz e a felicidade. uando afirma ter “pena de saber que”(v.22) os seus “pensamentos são contentes”(v.22), o sujeito poético esta a colocar o acento tónico no verbo “saber”(conhecimento que é trazido através do ato pensar). “Se não o soubesse”(v.23), seria completamente feliz, assim é paradoxalmente “contente” e “triste” e a tristeza advém-lhe da consciência de saber. ssistimos à presença de um oximoro (é uma figura de estilo que harmoniza dois conceitos opostos numa só expressão, formando assim um terceiro conceito que dependerá da interpretação do leitor) contido no verso 24 “contentes e tristes”. ambém vemos a presença de um pleonasmo (redundância da expressão, enfatizando-a) no v.25 “alegres e contentes”. Como um ruído de chocalhos Para além da curva da estrada, Os meus pensamentos são contentes. Só tenho pena de saber que eles são contentes, Porque, se o não soubesse, Em vez de serem contentes e tristes, Seriam alegres e contentes. Pensar incomoda como andar à chuva Quando o vento cresce e parece que chove mais.
  7. 7. 4ª estrofe odemos ver uma comparação expressa no verso 26 “pensar incomoda como andar à chuva”. aeiro apresenta-se como anti-metafísico, negando o valor ao pensamento v.21-25 o pensamento tem mesmo um valor negativo: se não pensasse os seus versos não teriam nada de tristeza, seriam apenas “alegres e contentes”. “Pensar incomoda como andar à chuva” e foi este incómodo de pensar que Fernando Pessoa nunca conseguiu evitar. Pensar incomoda como andar à chuva Quando o vento cresce e parece que chove mais.
  8. 8. Em síntese: •O poeta compara-se a um pastor que anda pelos campos a guardar rebanhos, neste caso, os seus rebanhos são os seus pensamentos. •O sujeito poético identifica-se bastante com a natureza, pois ele afirma que anda ao ritmo das estações, compara os seus estados de espírito com momentos de natureza. •Alberto Caeiro afirma-se um poeta que exprime o desejo de abolir a consciência, isto é, o vício de pensar, lamentando o facto de ter consciência dos seus pensamentos, enunciando repetitivamente o ato de ver, além de outras sensações.
  9. 9. Em síntese: •O poeta compara-se a um pastor que anda pelos campos a guardar rebanhos, neste caso, os seus rebanhos são os seus pensamentos. •O sujeito poético identifica-se bastante com a natureza, pois ele afirma que anda ao ritmo das estações, compara os seus estados de espírito com momentos de natureza. •Alberto Caeiro afirma-se um poeta que exprime o desejo de abolir a consciência, isto é, o vício de pensar, lamentando o facto de ter consciência dos seus pensamentos, enunciando repetitivamente o ato de ver, além de outras sensações.

×