A era vargas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

A era vargas

on

  • 3,303 visualizações

 

Statistics

Visualizações

Total Views
3,303
Views on SlideShare
3,303
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
26
Comments
0

0 Incorporações 0

No embeds

Categorias

Carregar detalhes

Uploaded via as Microsoft Word

Direitos de uso

© Todos os direitos reservados

Report content

Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Sua mensagem vai aqui
    Processing...
Publicar comentário
Editar seu comentário

A era vargas A era vargas Document Transcript

  • A Era Vargas, que teve início com a Revolução de 1930 e expulsou do poder aoligarquia cafeeira, ramifica-se em três momentos: o Governo Provisório -1930-1934 -,o Governo Constitucional - 1934-1937 - e o Estado Novo - 1937-1945. Durante oGoverno Provisório, o presidente Getúlio Vargas deu início ao processo de centralizaçãodo poder, eliminou os órgãos legislativos - federal, estadual e municipal -, designandorepresentantes do governo para assumir o controle dos estados, e obstruiu o conjuntode leis que regiam a nação. A oposição às ambições centralizadoras de Vargasconcentrou-se em São Paulo, que de forma violenta começou uma agitação armada –este evento entrou para a história com o nome de Revolução Constitucionalista -,exigindo a realização de eleições para a elaboração de uma Assembléia Constituinte.Apesar do desbaratamento do movimento, o presidente convocou eleições para aConstituinte e, em 1934, apresentou a nova Carta.A nova Constituição sancionou o voto secreto e o voto feminino, além de conferirvários direitos aos trabalhadores, os quais vigoram até hoje.Durante o Governo Constitucional, a altercação política se deu em volta de doisideários primordiais: o fascista – conjunto de idéias e preceitos político-sociaistotalitários introduzidos na Itália por Mussolini – defendido pela Ação IntegralistaBrasileira, e o democrático, representado pela Aliança Nacional Libertadora, quecontava com indivíduos partidários das reformas profundas da sociedade brasileira.Getúlio Vargas, porém, cultivava uma política de centralização do poder e, após aexperiência frustrada de golpe por parte da esquerda - a histórica Intentona Comunista-, ele suspendeu outra vez as liberdades constitucionais, fundando um regime ditatorialem 1937. Nesse mesmo ano, estabeleceu uma nova Constituição, influenciada peloarquétipo fascista, que afiançava vastos poderes ao Presidente. A nova constituiçãoacabava com o Legislativo e determinava a sujeição do Judiciário ao Executivo.Objetivando um domínio maior sobre o aparelho de Estado, Vargas instituiu oDepartamento Administrativo do Serviço Público (DASP) e o Departamento deImprensa e Propaganda (DIP).Durante seu governo, Vargas instituiu vários benefícios para os trabalhadores: o 13ºsalário, regulamentou o trabalho noturno, ampliou a aposentadoria para todos ostrabalhadores urbanos, entre outros. Além disso, fundou algumas importantesempresas estatais como a Petrobras(1953), a Companhia Siderúrgica Nacional(CSN –fundada em 1941), a Companhia Vale do Rio Doce(atual Vale – fundada em 1942), etc.Getúlio também foi responsável pela criação da Carteira de Trabalho, do saláriomínimo e das férias pagas.A chamada Era Vargas está dividida em três momentos: Governo Provisório, GovernoConstitucional e Estado Novo.No governo provisório, os primeiros anos da Era Vargas foram marcados pela fortepresença dos “tenentes” nos principais cargos políticos do novo governo. Em sua
  • grande parte, os principais representantes das alas militares que apoiaram Vargasobtiveram as chamadas interventorias estaduais. Pela imposição do presidente, váriosmilitares passaram a controlar os governos estaduais. Tal medida tinha como propósitoanular a ação dos antigos coronéis e sua influência política regional.Dessa maneira, consolidou-se um clima de tensão entre as velhas oligarquias e ostenentes interventores. Tal conflito teve maior força em São Paulo, onde as oligarquiaslocais, sob o apelo da autonomia política e um discurso de conteúdo regionalista,convocaram o “povo paulistano” a lutar contra o governo Getúlio Vargas. A partir dessamobilização, originou-se a chamada Revolução Constitucionalista de 1932. Mesmoderrotando as forças oposicionistas, os setores varguistas passaram por umareformulação.No governo Constitucionalista, alguns fatos foram marcantes: A "intentona" comunista (1935): as contradições sociais aguçadas com o desenvolvimento industrial fortaleceram o partido comunista. O objetivo do PC era criar alianças com setores mais progressistas da sociedade por isso criou a Aliança Nacional Libertadora (ANL) com um programa nacionalista, antifascista e democrático. Com a repressão de Vargas a ANL, os comunistas passaram a preparar uma insurreição armada. Devido a não participação popular, a intentonaterminou em uma "quartelada" fracassada liderada por Prestes. Os dois anos que se seguiram foram marcados pelo fechamento político (estado de sítio) que prenunciava a ditadura que se iniciaria em 1937; A ascensão da ideologia fascista: A ação integralista brasileira (AIB), liderada por Plínio Salgado, foi a expressão típica do modelo fascista no Brasil. Propunha o culto ao seu líder e uma retórica agressiva anticomunista e nacionalista. O integralismo apoiou entusiasticamente o Golpe de 37, no entanto, Vargas não dividiu os privilégios do poder com a AIB; O plano COHEN: Em determinado momento, o governo anunciou ter descoberto um plano comunista subversivo e o utilizou para dar o golpe de estado em 1937 cancelando as eleições de 1938. Na verdade, o plano era falso e foi apenas o pretexto para a ditadura. Iniciava-se o ESTADO NOVO.Em 1937, no início do Estado Novo, foi outorgada pelo Presidente Vargas uma novaConstituição, que fora interpretada como uma grande centralização do poder que afinalsempre foi algo marcante na política de Getúlio. Mas essa política chegou ao seu auge
  • justamente no tempo em que a Constituição de 1937 fora criada. Afirmava-se que essaConstituição era “fascista”. A ditadura: os partidos foram suprimidos, o legislativo suspenso, a censura estabelecida pelo departamento de imprensa e propaganda (DIP), centralizaram-se as funções administrativas através do departamento de administração do serviço público (DASP), as liberdades civis deixaram de existir; A economia: aprofundamento da industrialização através do processo de substituição de importações nos setores de bens de consumo não duráveis (tecidos e alimentos) e, principalmente, dos bens intermediários (metalurgia e siderurgia). O estado arcou com o ônus da industrialização numa demonstração de nacionalismo econômico: foram criados a vale do rio doce, a siderúrgica nacional e o conselho nacional de petróleo (nacionalização do refino, não a estatização); A questão social: criou-se o salário mínimo (1940), a consolidação das leis trabalhistas (1943) e os sindicatos passaram a ser controlados pelo ministério do trabalho. Deixava-se claro a combinação entre paternalismo estatal e fascismo. O estado passava a controlar as relações entre capital e trabalho (CORPORATIVISMO); A 2ª Guerra Mundial e a queda de Vargas: até 1941, o Brasil manteve-se neutro na guerra com declarada simpatia pelos fascistas. Em 1942, porém, a ajuda americana para construção da usina de Volta Redonda foi decisiva para que Vargas declarasse guerra ao EIXO. A contradição entre a política externa e a realidade interna do regime se torna patente forçando a abertura do regime. A abertura aconteceu em 1945: Surgiram partidos políticos como a UDN (burguesia financeira urbana ligada ao capital estrangeiro), o PSD (oligarquias agrárias), o PTB (criado por Vargas - massas operárias citadinas), o PCB (intelectualidade). Ao mesmo tempo, Getúlio adotava um discurso cada vez mais nacionalista earticulava o movimento QUEREMISTA, favorável a sua permanência nos cargo. Em 1945, o exército derrubou o presidente evitando o continuísmo. Cultura na Era Vargas
  • O Rádio:Sabemos que na Era Vargas surgiram muitas novidades. Duranteesse período o rádio era o principal meio de comunicação, que servia paradivulgar as notícias e também para as pessoas acompanharem a novela edivulgar os diferentes ritmos musicais da época;O Samba: O samba marcou muito essa época, porque era o ritmo que aspessoas mais gostavam e esperavam ansiosos pelas marchinhas que fariamgrande sucesso no carnaval. Nesse período o carnaval deixava de ser umevento popular informal, para aos poucos se tornar uma competição entreescolas diferentes;A Literatura: Na literatura os autores se concentravam mais em falar sobreo povo brasileiro. Nessa época os escritores enxergavam o Brasil como umpaís misto, ou seja, um país com diversidades de raças e costumes. Porcausa disso, a literatura brasileira era chamada de regionalista onde osescritores relatavam e criavam histórias ocorridas em diversas regiões doBrasil. Entre os autores mais importantes podemos destacar os nomes deGraciliano Ramos, José Lins do Rego e Érico Veríssimo.Projeto da Feira Cultural:Tentaremos abordar todos os fatos relevantes da parte principal de seugoverno e também o fim da Era, em 1954. Os meios que poderiam serutilizados são cartazes, apresentações em Power Point, algumascuriosidades e um interessante quiz. Como ainda estamos no início doprojeto, ainda há certos pontos importantes a serem debatidos pelosintegrantes de nosso grupo.