Prematuridade e neotenia

2.685 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.685
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
34
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Prematuridade e neotenia

  1. 1. Prematuridade e neotenia
  2. 2. Os seres humanos são prematuros: nascem inacabados. O pleno desenvolvimento de estruturas tão complexas como o cérebro é mais lento e demorado que noutras espécies próximas (como os chimpanzés). No nascimento, o cérebro humano atingiu apenas 25% da dimensão que virá a ter na idade adulta. Nos chimpanzés, a dimensão do cérebro no momento do nascimento corresponde a cerca de 40% a 50% da que atingirão na idade adulta.
  3. 3. Cérebros maiores obrigam a uma antecipação do nascimento. A dimensão do crânio do bebé seria demasiado grande para a fisiologia da mãe se o cérebro continuasse a desenvolver-se durante a fase uterina. As dificuldades resultantes dos partos de bebés com cérebros com maiores dimensões poderá ter levado a evolução a selecionar as gestações mais curtas. O resultado foi o retardamento do processo de crescimento e maturação.
  4. 4. Este retardamento fez dos seres humanos indivíduos inacabados no momento do nascimento. Este inacabamento prolonga o período da infância e da adolescência para permitir o desenvolvimento das estruturas cerebrais e da inteligência em interação constante com o meio. Por nascermos prematuros e inacabados, não vimos ao mundo já equipados com um repertório de comportamentos rígidos (tal como as abelhas, etc.) que nos forneçam formas de adaptação pré-definidas ao meio ambiente.
  5. 5. A capacidade de aprendizagem mantém-se ao longo de todo o ciclo de vida, e constitui o sinal da flexibilidade do nosso programa genético. Como não nascemos já com mecanismos adaptativos especializados (como acontece nas outras espécies), somos capazes de nos adaptar a uma variedade de condições de vida enorme. Daí encontrarmos comunidades humanas em quase todos os locais da Terra, mesmo os mais inóspitos e improváveis, como os esquimós.
  6. 6. O desenvolvimento do cérebro humano faz-se maioritariamente depois do nascimento, em contacto permanente com o meio físico e social. Embora esta evolução ocorra de acordo com as instruções do nosso programa genético, o grau de maturação do cérebro à nascença deixa um papel decisivo para os estímulos do meio na definição do rumo para a nossa evolução como seres humanos.
  7. 7. Em consequência, o desenvolvimento humano faz-se segundo: Em lugar da fixidez biológica → a flexibilidade; Em vez de instintos → a aptidão para aprender; Em lugar da auto-suficiência → a aptidão para interagir; Em vez do determinismo → a indeterminação; Em vez da especialização → a versatilidade; Não um programa fechado → um programa aberto.
  8. 8. O que um nascimento prematuro nos faz perder em acabamento biológico, permite-nos ganhar em flexibilidade, capacidade de aprendizagem e adaptação. É este processo de dependência e interação social, através do qual a maioria das nossas aprendizagens ocorre, que nos torna realmente humanos.
  9. 9. Neotenia Disposição para conservar na idade adulta traços juvenis ou infantis. Trata-se, no caso humano, de um processo evolutivo do qual resulta uma capacidade de aprendizagem que se prolonga ao longo de toda a vida. A neotenia reflecte a falta de acabamento que conduz ao prolongamento da infância e adolescência, e que nos humanos permite o desenvolvimento das estruturas e funções cerebrais. Traduz a flexibilidade e abertura do nosso programa genético.

×