Métodos e Técnicas de Estudo

66 visualizações

Publicada em

Trabalhos Acadêmicos

Publicada em: Aperfeiçoamento pessoal
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
66
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Métodos e Técnicas de Estudo

  1. 1. Método Científico Herbert G Martins
  2. 2. Plano de Aula  O Método... O que é  O Método Indutivo  Cenas dos Próximos Capítulos
  3. 3. O Processo de PesquisaDescobrir o Problema Explicação Explicação Coloca Problema Precisamente Procura conhecimento relevante Tentativa de Solução Satisfatória Inútil Novas Idéias/Dados Tentativa de Solução Prova de Solução Satisfatória Não Satisfatória
  4. 4. O Método...  forma pela qual alcançamos um objetivo...  em outras palavras, um conjunto de processos para conhecer uma realidade, produzir um objeto ou desenvolver certos comportamentos.  Nem sempre um problema é resolvido ordenadamente... Mas o método serve para que a solução seja compreensível por todos!
  5. 5. O Método e a Ciência  Não há ciência sem a utilização do método científico.... Mas o inverso não é necessariamente verdade!  Seus objetivos principais são...  Produzir conhecimento aplicável para previsão, explicação e controle de fenômenos  Permitir a fiel reprodução do sistema de conhecimento  Ser compartilhável e transmissível  Ser verificável
  6. 6. A Concepção Atual de Método  Método Científico como Teoria da Investigação.  Temos que considerar as seguintes etapas:  Descobrimento do Problema  Colocação Precisa do Problema  Procura por instrumentos relevantes ao problema  Tentativa de solução do problema com ajuda dos meios identificados  Continua...
  7. 7. A Concepção Atual de Método  Invenção de novas idéias  Obtenção de uma Solução  Investigação das Conseqüências da solução obtida  Prova da Solução  Correção das Hipóteses,Teorias, Procedimentos ou Dados empregados na obtenção de uma solução incorreta.
  8. 8. Em Resumo...  O Método nos permite corroborar as nossas hipóteses...  Mas, o que são hipóteses mesmo? Como eu monto uma???
  9. 9. O processo de prova... Esquematicamente.
  10. 10. Um parêntese... A Hipótese Científica  Independente do Método utilizado queremos...  Provar nossas hipóteses  Gerar modelos científicos  Uma HC é  Um conjunto de argumentos e/ou explicações sobre um determinado fenômeno, que ainda não foi corroborado pela experimentação.  Pode ser positiva, negativa ou condicional.
  11. 11. Exemplos de HCs  Positiva  Conflitos provocam mudanças cognitivas nos participantes de discussões em grupo.  Negativas  Não há perigo de contaminação com o vírus da aids pelo contágio indireto.  Condicional  Se não forem bem lubrificados, os motores bicombustível têm maior tendência a corrosão que os a gasolina.
  12. 12. Mais de um tipo de Hipótese...  Hipótese de Ocorrência  Baseadas na especulação, sem fundamentação científica  “Qdo morre, a pessoa perde 21 gramas”.  Hipótese Empírica  Baseadas em evidências experimentais preliminares. Não precisam ser consistentes  Deu pau no servidor de mail por que andou chovendo muito.
  13. 13.  Hipótese Plausível  Se relacionam de maneira consistente com as teorias existentes  Este raio provavelmente caiu a menos de 700 metros de onde estamos, pois o som do trovão levou menos de 2 seg para ser ouvido.  Hipótese Convalidada  Apoiadas em teorias conhecidas e com apoio de evidências ocorridas na realidade. Mais de um tipo de Hipótese...
  14. 14. A partir do Teste de nossas hipóteses temos...  Achados Científicos  Informações produzidas através dos dados coletados em nossos estudos. Mais descritivos do que explicativos  Modelos Científicos  Conjunto de mecanismos virtuais para a representação de um fenômeno.  Avaliado por sua capacidade de descrever os fenômenos reais.
  15. 15. Nossos modelos servem prá...  Controle  Ensino  Simulação  Otimização
  16. 16. Organizando tudo... Menor Hipótese Semelhante à especulação Baixo Achado Resultados constatados Intermediário Modelo Estrutura lógica, confiabilidade pode ser testada Alto Teoria Previsões acerca do fenômeno, controle Maior Lei Mais robustas, confiáveis.
  17. 17. De volta às hipóteses...  Como formalizar?  Variáveis  Constantes  Um exemplo...
  18. 18. Em geral...
  19. 19. Sobre as variáveis  Podem ser  Independentes – introduzidas de propósito para verificar sua relação com o comportamento de outras variáveis  Dependentes ou Resposta – as cujo comportamento se quer verificar em função das variáveis independentes.Todo resultado obtido em um experimento é uma variável Dependente.  Espúrias – não são objeto do estudo, mas interferem no resultado. Devem ser cuidadosamente controladas!!
  20. 20. Sobre as Variáveis... II  Podem ser ainda...  Moderadoras – auxiliam na ocorrência de determinado efeito (do mesmo jeito que as independentes), mas são consideradas secundárias.  Intervenientes – são variáveis que ampliam, diminuem ou anulam o efeito das variáveis independentes sobre as dependentes.não podem ser controladas. No caso da figura lá, seria o famoso F. variáveis intervenientes são consideradas causas da dependente.  Antecedentes – são as causas do problema que originou a pesquisa.
  21. 21. Voltando ao método...  O método então serve para  Nos auxiliar a encontrar as relações entre as grandezas que compõem um fenômeno:  Variáveis  Constantes  Quais as opções?
  22. 22. Os Tipos de Método...  Indutivo  Mais usado nas ciências factuais e também nas do artificial  Dedutivo  Comum nas ciências formais  Cartesiano  Outros
  23. 23. O Método Indutivo  Muito utilizado nas ciências naturais...  Lembram como funciona?  A partir dos exemplos, formamos as regras.  Partindo de premissas particulares, inferimos uma verdade geral.  Mas como temos certeza de que as regras estão corretas?
  24. 24. O Método Indutivo  Possui 3 fases  Observação do Fenômeno  Descoberta da Relação entre Eles  Generalização da Relação  Ex.  Pedro, José e João são homens  Pedro, José e João são mortais  Logo, todos os homens são mortais.
  25. 25. Leis, Regras e Fases  A indução passa por três etapas:  Observação dos fenômenos  Descoberta da relação entre eles  Generalização das relações  Para evitar equívocos, devemos:  Nos certificar de que é essencial a relação  Nos assegurar de que os fatos são idênticos  Não perder de vista o aspecto quantitativo dos fatos.
  26. 26. Perguntas Chave  Qual a justificativa para as inferências indutivas?  O que nos leva a crer que o futuro será igual ao passado?
  27. 27. Principais Tipos de Indução  Indução formal  A lei expressa todos os fenômenos observados  Terra, Marte,Vênus e Júpiter não tem luz própria  Todos os planetas não têm luz própria  Indução Científica  De fatos semelhantes “pula”para todos os outros no futuro  Este imã atrai o ferro.Aquele imã atrai o ferro...  Imãs sempre atraem o ferro.
  28. 28. Principais Tipos de Indução  Da População para a Amostra  90% das pessoas que fazem licenciatura trabalham.  90% das pessoas que irão se matricular em licenciatura trabalham.  A grande Maioria dos assalariados ganha um salário mínimo.  José ganha um salário mínimo.
  29. 29. Principais Tipos de Indução  De Amostra para Amostra  Todas as barras observadas até agora dilatam-se com o calor.  Estas barras que vamos escolher também se dilatam.  Quase todos os estudantes de cinema gostam de curtas.  João, que é estudante de Cinema, gosta de curta-metragens.
  30. 30. Principais Tipos de Indução  De conseqüências verificáveis da hipótese para a própria hipótese. - Ex. indução da hipótese de que a terra é redonda. Por analogia - Ex. experimentação de drogas com ratos (que são fisiologicamente semelhantes aos homens...
  31. 31. A amostra é importante!  Quanto maior e mais representativa a amostra, mais forte é o argumento.  Há problemas comuns de...  Amostra Insuficiente  AmostraTendenciosa  As Leis derivadas pela Indução exprimem  Relações de Existência  Relações de Causalidade  Relações de Finalidade
  32. 32. Sobre a Amostra...  a amostra é um conjunto representativo que integra o todo a ser pesquisado.  Deve possuir...  Mesmas características do universo considerado  Amostragem probabilística e não probabilística
  33. 33. Tipos de Amostragem  Amostragem Casual Simples  Também chamada de aleatória, ou elementar  Todos os elementos têm a mesma probabilidade de pertencer à amostra.  Amostragem Sistemática  De cada lote, tira-se um ou mais elementos
  34. 34. Tipos de Amostragem  Amostragem por Meio de Conglomerados  O universo está dividido em pequenos grupos.  Um ou mais é sorteado para ser a amostra  Amostragem Múltipla  A amostragem é feita em etapas  Modelo de Controle  Viabilizam Análises Comparativas  Representam os resultados conhecidos a serem comparados com os resultados da pesquisa
  35. 35. O Método Dedutivo  Procura transformar enunciados complexos em particulares. O conhecimento embutido na conclusão já existe nas premissas!!!  Sua forma mais comum é o silogismo...  Todos os homens são mortais  Platão é homem  Platão é mortal.
  36. 36. Argumentos Condicionais  Há várias formas de argumentos dedutivos. Porém os mais comuns são:  Modus Ponens  Se a então b  Ora, sabemos que a  Então b  Modus Tollens  Se p, então q  Ora, sabemos que não q  Então não p
  37. 37. Exemplos  Modus Ponens  Se José tirar menos que 5, será reprovado  José tirou menos que 5. José será reprovado.  ModusTollens  Se a água ferver ,a temperatura é de 100o.  A temperatura não chegou a 100.  Então a água não ferveu.
  38. 38. Generalidade e Especialidade do Método Dedutivo  Como já vimos, este método serve para explicar nossos fenômenos.  Explicar é relacionar casos particulares a princípios gerais.  A explicação está na conexão entre premissas e conclusão.  Dizer que uma teoria explica as leis é mais do que a mera dedução lógica.
  39. 39. Críticas ao Método Dedutivo  Fornecer premissas para um acontecimento não significa necessariamente explicá-lo.  É preciso que compreendamos porque as premissas são verdadeiras...  Dedutibilidade não é sempre necessária para que obtenhamos uma explicação.  Paradoxo de Hempel  Todo carro novo cinza confirma que os corvos são pretos 
  40. 40. Diferenças entre o MI e o MD  Dedutivo  Se todas as premissas são verdadeiras, a conclusão deve ser verdadeira.  Toda a informação da conclusão já estava (ao menos implicitamente) nas premissas.  Indutivo  Se todas as premissas são verdadeiras a conclusão é provavelmente verdadeira.  A conclusão tem informações que não estavam nas premissas.
  41. 41. Então...  Métodos diferentes para fins diferentes  Dedutivo para explicar as premissas  Indutivo para ampliar conhecimento  Os resultados obtidos pelo MD ou são corretos ou não  Os resultados obtidos pelo MI admitem vários graus de força.
  42. 42. O Método Hipotético Dedutivo  Algumas Considerações Gerais...  Enquanto que no MD procura-se provar a hipótese, no MHD a idéia é derrubar a hipótese.
  43. 43. Etapas do Método Hipotético Dedutivo Expectativas ou Conhecimento Prévio Problema Conjectura Falseamento
  44. 44. Mais detalhadamente...
  45. 45. O Problema  Primeira etapa do método  Origem de Toda Investigação  A partir do problema que temos é que decidimos como e que dados queremos ter.
  46. 46. Conjecturas  São soluções passíveis de teste em suas consequências.  Têm o objetivo de Explicar fenômenos ou de prever sua ocorrência.  Têm que ser compatíveis com o conhecimento existente e passíveis de testagem.
  47. 47. O Falseamento  Teste via observação/experimentação.  Uso do modus tollens.  Conjecturas são corroboradas.
  48. 48. O método Cartesiano  Baseado na intuição e dedução  Quatro Regras Básicas:  Evidência  Análise  Síntese  Enumeração
  49. 49. Outros métodos  Dialético  Parte da destruição do sistema anterior para posterior reconstrução  Analogia  Transferência de Conceitos  Aplicação Direta de Teorias
  50. 50. Teoria e Fatos  De acordo com o Senso Comum:  Fato: realidade inquestionável  Teoria: especulação  De acordo com o Conhecimento Científico:  Fato: observação empiricamente verificada.  Teoria: relações entre fatos  Então:  Teoria precisa dos fatos  Ambos são necessários ao Conhecimento Científico!
  51. 51. Teoria em relação aos fatos  Teoria orienta os objetos da Pesquisa  Restringe a Amplitude em cada campo de conhecimento.  Define os principais aspectos de uma investigação. Determina precisamente os tipos de dados que devem ser abstraídos da realidade.  Ex. Copa do Mundo   Oferece um Sistema de Conceitos  E de classificação dos fatos, fazendo isto através de:  Representação dos fatos
  52. 52. Teoria em relação aos fatos  Fornecimento de um vocabulário  Expressão de relações: f = m.a  Classificação e Sistematização de fenômenos: ex.; tabela periódica.  Explicação de fenômenos de maneira resumida.  Resume o Conehcimento  Generalizações empíricas  Sistemas de inter-relações
  53. 53. Teoria em relação aos fatos  Prevê Fatos  Por um processo indutivo  Indica lacunas no conhecimento  As teorias que temos sobre modelagem do usuário, não tratam muito bem do problema de grupos de usuários – como o contato com pares modifica nossa interação com os sistemas.
  54. 54. Conceito de método • • O método é o conjunto das atividades sistemáticas e racionais que, com maior segurança e economia, permite alcançar o objetivo - conhecimentos válidos e verdadeiros, traçando o caminho a ser seguido, detectando erros e auxiliando as decisões do cientista.
  55. 55.   • Todas as ciências caracterizam- se pela utilização de métodos científicos; em contra partida, nem todos os ramos de estudo que empregam estes métodos são ciências.
  56. 56.   • Dessas afirmações podemos concluir que a utilização de métodos científicos não é da alçada exclusiva da ciências, mas não há ciências sem o emprego de métodos científicos.
  57. 57. Desenvolvimento Histórico do Método   • A preocupação em descobrir e, portanto, explicar a natureza vem desde os primórdios da humanidade, quando as duas principais questões referiam- se às forças da natureza, a cuja mercê vivam os homens, e à morte.
  58. 58. • • O conhecimento mítico voltou- se à explicação desses fenômenos, atribuindo-os a entidades de caráter sobrenaturais. • A verdade era impregnada de noções supra- humanas e a explicação fundamentava- se em motivações humanas, atribuídas na "forças" e potências sobrenaturais.
  59. 59. • À medida que o conhecimento religioso se voltou, também, para a explicação dos fenômenos da natureza e do caráter transcendental da morte, como fundamento de suas concepções, a verdade revestiu- se caráter dogmático, baseada em revelações da divindade. • É a tentativa de explicar os acontecimentos através de causas primeiras- os deuses-, sendo o acesso dos homens ao conhecimento derivado da inspiração divina.
  60. 60.   • O caráter sagrado das leis, da verdade, como explicações sobre o homem e o universo, determina uma aceitação sem crítica dos mesmos, deslocando o foco das atenções para a explicação da natureza da divindade.
  61. 61.   • O conhecimento filosófico,por seu lado, volta- se para a investigação racional na tentativa de captar a essência imutável do real, através da compreensão da forma e das leis da natureza.
  62. 62.   • O senso comum, aliado à explicação religiosa e ao conhecimento filosófico, orientou as preocupações do homem com o universo.
  63. 63.   • Somente no século XVI é que se iniciou uma linha de pensamento que propunha encontrar um conhecimento embasado em maiores garantias,na procura do real.
  64. 64.   • Não se buscam mais as causas absolutas ou a natureza íntima das coisas; ao contrário, procura- se compreender as relações entre elas, assim como a explicação dos acontecimentos, através da observação científica aliada ao raciocínio.
  65. 65. • • Com o passar do tempo, muitas modificações foram feitas nos métodos existentes, inclusive surgiram outros novos. • Conhecimento moderno de método, consideramos, como bunger, que o método científico é a teoria da investigação.
  66. 66. • • Esta alcança seus objetivos, de forma cientifica, quando cumpre ou se propõe a cumprir as seguntes etapas :  a) descobrimento do problema ou lacuna num conjunto de conhecimentos. Se o problema não estiver enunciado com clareza, passa- se à etapa seguinte; se o estiver, passa- se à subsequente;
  67. 67.  b) colocação precisa do problema, ou ainda a recolocação de um velho problema, à luz de novos conhecimentos (empíricos ou teóricos, substantivos ou metodológicos);  c) procura de conhecimentos ou instrumentos relevantes ao problema (por exemplo, dados empíricos, teorias, aparelhos de medição, técnicas de cálculo ou de medição). Ou seja, exame do conhecimento para tentar resolver o problema;
  68. 68.  d) tentativa de solução do problema com auxílio dos meios identificados. Se a tentativa resultar inútil, passa- se para a etapa seguinte; em caso contrário, à subsequente;  e) invenção de novas ideias (hipóteses, teorias ou técnicas) ou produção de novos dados empíricos que prometam resolver o problema;
  69. 69.  f) obtenção de uma solução (exata ou aproximada) do problema com auxílio do instrumental conceitual ou empírico disponível;  g) investigação das consequências da solução obtida. Em se tratando de uma teoria, é a busca de prognósticos que possam ser feitos com seu auxílio. Em se tratando de novos dados, é o exame das consequencias que possam ter para as teorias relevantes;
  70. 70.  h) prova (comprovação) da solução: confronto da solução com a totalidade das teorias e da informação empírica pertinente. Se o resultado é satisfatório, a pesquisa é dada como concluída, até novo aviso. Do contrário, passa- se para a etapa seguinte;
  71. 71.  i) correção das hipóteses, teorias, procedimentos ou dados empregados na obtenção da solução incorreta. Esse é, naturalmente, o começo de um novo ciclo de investigação" ( Bunger, 1980:25).
  72. 72.  

×