5 -log_004_-_apostila_gestão_

21 visualizações

Publicada em

Gerenciamento de Estoque

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
21
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

5 -log_004_-_apostila_gestão_

  1. 1. 1
  2. 2. 2 UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO - PROFESSOR JOSÉ DE SOUZA HERDY CSA - ESCOLA DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS LOG 004 – GESTÃO DE ESTOQUES 5 PREVISÃO DE ESTOQUES Na previsão para estoques, a previsão de consumo ou demanda estabelece estimativas futuras dos produtos/serviços comercializados pela empresa. Estabelece, quais produtos, quanto desses produtos e quando serão comprados pelos clientes. A previsão possui três características básicas: 1. É o ponto de partida de todo o planejamento empresarial; 2. Não é uma meta de vendas; 3. Sua precisão deve ser compatível com o custo de obtê-la. 5.1 CARACTERÍSTICAS DA DEMANDA A dificuldade em estabelecer os níveis de estoque se dá pelos critérios de incerteza a cerca da demanda (procura/necessidade) dos clientes. Para melhor compreender esse conceito é necessário considerar os seguintes tipos de demanda: • É do conhecimento da empresa; • Pode ser programada internamente; • Está sob o controle imediato da empresa. • Peças de um produto Demanda Dependente  A quantidade de produtos a ser montada determinará a quantidade de peçasa ser produzida. Demanda dependente • Totalmente desconhecida da empresa; • Depende das condições de mercado; • Fora do controle imediato da empresa. • Produto  Demanda independente  Mercado consumidor Demanda Independente
  3. 3. 3 Outra Classificação da Demanda pode ser atribuída de acordo com a evolução do consumo: a) Quanto à Evolução de Consumo Constante (ECC): também conhecida como demanda regular, neste tipo notamos que o volume de consumo permanece constante, sem alterações significativas. Ex.: empresas que mantêm suas vendas estáveis, seja lá qual for seu produto, mercado ou concorrentes. Figura 1 – Demanda Regular b) Quanto à Evolução de Consumo Sazonal (ECS): também conhecida como demanda cíclica, neste tipo o volume de consumo passa por oscilações regulares no decorrer de certos períodos ou do ano, sendo influenciado por fatores culturais e ambientais, com desvios de demanda superiores/inferiores a 30% de valores médios é o caso de: sorvetes, enfeites de natal, ovos de páscoa etc. Figura 2 – Demanda Sazonal
  4. 4. 4 c) Quanto à Evolução do Consumo Irregular: Este tipo caracteriza-se pela difícil projeção de vendas, principalmente quando o comportamento da série está combinado com tempos de ressuprimento muito longos ou pouco flexíveis. Mas adiante abordaremos conceitos de previsão de estoques e projeção de demanda adequada a diferentes modelos. Para se decidir quais serão as dimensões e a distribuição no tempo da demanda dos produtos/serviços, é necessário se obter informações básicas de duas categorias: quantitativas e qualitativas • Influência da propaganda. • Evolução das vendas no tempo. • Variáveis cuja evolução e explicação estão ligadas diretamente às vendas. Exemplo: criação de novas áreas ou produtos/serviços; • Variáveis de fácil previsão, relativamente ligadas às vendas (população, renda, faixa etária, etc); • Variações decorrentes de modismos. • Variações decorrentes de situações econômicas. • Crescimento populacional. • Eventos a) Quantitativas • Opinião dos gerentes; • Opinião dos vendedores; • Opinião dos compradores; • Opinião da produção; • Pesquisa de mercado. b) Qualitativas
  5. 5. 5 5.2 TÉCNICAS DE PREVISÃO DE CONSUMO A Previsão de Estoques é o ponto de partida, a base da administração de materiais e utiliza técnicas baseadas em: a) Projeção: são aquelas que o futuro será repetição do passado ou as vendas evoluirão no tempo, possui a natureza essencialmente quantitativa; b) Explicação: procura-se explicar as vendas do passado mediante de leis que relacionem as mesmas com outras variáveis cuja evolução é conhecida ou previsível. São aplicações de técnicas de regressão e correlação; c) Predileção: é o estabelecimento da evolução das vendas futuras através de funcionários experientes e conhecedores de fatores de influência nas vendas e no mercado. 5.3 MÉTODO DO ÚLTIMO PERÍODO (MUP) É o mais simples, sem fundamento matemático, utiliza como previsão para o próximo período o valor real do período anterior. Ex: Uma empresa, registrou nesse ano o seguinte histórico de vendas do produto X: De acordo com o método MUP calcular a previsão de demanda para Maio. Para Maio (MUP)= o último período foi Abril, 105 unidades portanto, a previsão para agosto será de 105 unidades. Este método é muito precário, pois não utiliza nenhum tipo de informação externa, de sazonalidade. Infelizmente muitas empresas adotam-no pela simplicidade ou mesmo pela falta de conhecimentos por parte dos responsáveis pelos estoques. 5.4 MÉTODO DA MÉDIA MÓVEL SIMPLES (MMS) A previsão do próximo período é obtida por meio de cálculo da média aritmética do consumo dos períodos anteriores. Como resultado desse modelo, teremos valores menores que os ocorridos, caso o consumo tenha tendências crescente, e maiores se o consumo tiver tendências decrescentes, nos últimos períodos. Por isso este método também não é muito confiável, pois desconsidera tendências de demanda real. Exemplo: Usando os mesmos valores do exemplo anterior temos: P (MMS)= (C1+C2+C3+...............+ Cn) n P(MMM)= 106 + 91 + 91 + 105 = 98,25 ou 99 unidades 4 Mês Jan Fev Mar Abr Quantidade 106 91 91 105
  6. 6. 6 5.5 MÉTODO DA MÉDIA MÓVEL PONDERADA (MMP) A previsão é dada através de ponderação dada a cada período, de acordo com a sensibilidade do administrador, obedecendo algumas regras: 1ª O período mais próximo recebe peso de maior ponderação e para os outros haverá uma redução gradativa para os mais distantes. 2ª O período mais antigo recebe peso de menor ponderação. 3ª A soma das ponderações deve ser sempre 100%. Este modelo elimina em parte algumas precariedades dos modelos anteriores, mas mesmo assim como está sujeito ao arbitramento dos percentuais pelo administrador, uma análise mal feita resultará numa previsão equivocada, ocasionando muitos prejuízos. P(MMP)= (C1xP1) + (C2xP2) + (C3xP3)+ ........+(CnxPn) Para o exemplo em questão daremos as ponderações para cada período, conforme o enunciado (regra): P(MMP)= (106 x 0,05) + (91 x 0,15) + (91 x 0,30) + (105 x 0,5) P(MMP)= 5,3 + 13,65 + 27,3 + 52,5 = 98,75 ou 99 unidades Onde P(MMP)= Previsão próximo período através do método da média ponderada. C1,C2,C3,Cn= Consumo nos períodos anteriores P1,P2,P3,Pn = Ponderação dada a cada período Obs.: Reforçando o enunciado anterior, as ponderações são fundamentadas de acordo com influência do mercado. A soma deverá ser 100% sendo o maior valor para o ultimo período (o anterior ao que será calculado), para o período mais recente (40% a 60%) e para o último (5%). Vá além da sala de aula... Existem ainda modelos mais apurados de cálculo que poderão ser vistos com mais detalhes em: http://www.logisticadescomplicada.com/controle-de- estoques-logistica-e-previsao-de-demanda/ Mês Quant Peso Jan 106 5% Fev 91 15% Mar 91 30% Abr 105 50% 100%Totais
  7. 7. 7 REFERÊNCIAS BALLOU, Ronald H.. Marketing Empresarial: transporte, administração de materiais e distribuição física. São Paulo: Atlas, 2001. BERTAGLIA, Paulo Roberto. Marketing e Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento. 1. ed. São Paulo: Saraiva, 2000. BOWERSOX, Donald J.; Closs, David J.. Marketing Empresarial: o processo de integração da cadeia de suprimento. São Paulo: Atlas, 2001. FLEURY, Paulo Fernando; Wanke, Peter,; Figueiredo, Kleber Fossati. Marketing Empresarial: a perspectiva brasileira. São Paulo: Atlas, 2000. FOSSATI, Kleber/Paulo Fernando Fleury/Peter Wenk. Marketing e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. 1. ed. São Paulo: Atlas, 2003. AGRADECIMENTOS: Aos Professores Luiz Moura e Pablo de Barros que cederam parte desse material.

×