Gaiola

944 visualizações

Publicada em

Há as feitas com ferro e cadeados. Mas as mais sutis são feitas com desejos. Esquisito o que vou dizer: a alma é uma biblioteca. Nela se encontram as estórias que amamos. Romeu e Julieta, O fantasma da Ópera e Cristine, O paciente inglês, As pontes do Madison, Amor nos tempos de cólera, A menina e o pássaro encantado...

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
944
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
212
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gaiola

  1. 1. GAIOLA
  2. 2. Às vezes nos colocamos dentro de uma gaiola que é nossa vida e não deixamos que outra pessoa invada. Nela somos alimentados, vivemos, voamos de lá para cá, observamos o mundo pelas grades... Sabemos que não estamos vivendo verdadeiramente, Que estamos vegetando... Mas não temos força suficiente para sair da gaiola... Ao mesmo tempo que queremos voar e conhecer o que ocorre lá fora, temos medos, temos “algemas invisíveis” que nos aprisionam e nos tolhem.
  3. 3. Há as feitas com ferro e cadeados. Mas as mais sutis são feitas com desejos. Esquisito o que vou dizer: a alma é uma biblioteca. Nela se encontram as estórias que amamos. Romeu e Julieta, O fantasma da Ópera e Cristine, O paciente inglês, As pontes do Madison, Amor nos tempos do cólera, A menina e o pássaro encantado. As estórias que amamos revelam a forma do nosso desejo. Delas, escolhemos uma.
  4. 4. É a nossa gaiola. Gaiola na mão, saímos pela vida à procura do nosso pássaro. Quando imaginamos havê-lo encontrado... que felicidade! Ficará feliz em nossa gaiola. Será o amante da nossa estória de amor: eu para você, você para mim... Nós o colocamos lá dentro e pedimos que nos cante canções de amor.
  5. 5. Acontece que o pássaro também tinha a sua estória. E era outra. Todo pássaro deseja voar. Ele bate suas asas contra as grades, suas penas perdem as cores e o seu canto se transforma em choro. E, de repente, ele se transforma Não mais o reconhecemos. É um outro. Essa é a razão por que a dor da paixão satisfeita é muito maior.
  6. 6. Contada assim, a estória parece ter um vilão e uma vítima. A verdade é que os dois são vilões, os dois são vítimas. O desejo da gente é sempre engaiolar o outro e levá-lo pelos caminhos que são nossos. Isso vale para tudo: marido-mulher, namorado-namorada, Amante-amada, pai-filha, mãe-filho, patrão-empregado, professor-aluno... Não admira que Sartre tenha dito que: “ o inferno é o outro”
  7. 7. Não haverá uma saída. Lembro-me de um pequeno poema de Pearls que sugere a possibilidade de uma relação sem gaiolas: Eu sou eu. Você é você. Eu não estou neste mundo para atender às suas expectativas. E você não está neste mundo para atender às minhas expectativas. Eu faço a minha coisa. Você faz a sua. E quando nos encontramos. É muito bom. Desconheço o autor

×