Leitura modelos estratégias

4.956 visualizações

Publicada em

1 comentário
4 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.956
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
84
Comentários
1
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Leitura modelos estratégias

  1. 1. Modelos e estratégias de leitura 10 de outubro de 2011Práticas Textuais, 2011-2012 1º semestreMaria Antónia Coutinho acoutinho@fcsh.unl.pt
  2. 2. Modelos de leitura(Amor, 1993 – 20036)
  3. 3. Modelos de leitura (1)• Modelo estruturalista – Associação de um significado a um estímulo visual - processo de ‘recodificação sonora’• Modelo de processamento de dados – Tarefa cognitiva que se desenvolve por etapas ordenadas – do estímulo sensorial à ‘resposta’ (realização fonética com base nas características fonológicas)
  4. 4. Modelos de leitura (2)• Modelo interacionista (Vygotsky, Luria) – Atividade de reconhecimento e compreensão • Deixa de se basear no reconhecimento da estrutura fonológica para se centrar no reconhecimento global das ‘formas’ ou unidades linguísticas (‘palavras’) • Implica recurso ao contexto linguístico (ou cotexto) e mesmo ao contexto situacional.
  5. 5. Modelos de leitura (3)• Conceção sintético-analítica da leitura – Processos indutivos ou ascendentes (bottom-up), através dos quais se relaciona o que se vê (o que se conhece) com o que é novo e se antecipam dados/sequências/sentidos. – Processos dedutivos ou descendentes (top-down), através dos quais se testam (confirmam/infirmam) as antecipações e se globaliza a interpretação
  6. 6. Modelos de leitura (4)• Modelo das hipóteses múltiplas – Decorre de desenvolvimentos associados à conceção sintético-analítica da leitura • plano local (micro-estruturas linguísticas) • plano global (macro-estrutura textual) – Recurso a processos conscientes que ajudem/monitorizem a interpretação • (Estratégias cognitivas) • Estratégias metacognitivas – que desautomatizam de forma consciente as estratégias cognitivas
  7. 7. Modelos de leitura (5)• Modelo construtivista – Esquemas e subesquemas (cognitivos) – blocos de conhecimentos estruturados que são ativados em diferentes situações – Ler corresponde a estabelecer o confronto entre os esquemas propostos pelo texto e os esquemas de que dispõe a pessoa que lê• Modelo reconstrutor – A interação comunicativa – Ler corresponde a ‘recuperar’ os objetivos do autor – ie, recuperar o modelo de produção
  8. 8. Tipos de leitura• Leitura integral / leitura seletiva• Leitura funcional• Leitura analítica e crítica• Leitura recreativa
  9. 9. Como lemos? http://www.mes-exams.com/LR/lecture-rapide-2.htm
  10. 10. Como lemos?• Durante a leitura, o olho não se desloca de modo contínuo ao longo da linha de escrita.• Constatação descrita pela primeira vez por volta de 1878/79, por um oftalmologista francês, Émile Javal (Luegi, 2006: 21)
  11. 11. Como lemos?• De facto, o olho – que só pode ver quando está imóvel – desloca-se por saltos sucessivos, durante a leitura.
  12. 12. Como lemos?• “As sacadas, ou seja, os saltos oculares que ocorrem durante a leitura ou durante o visionamento de imagens, são movimentos muito rápidos, realizados da esquerda para a direita (na leitura das escritas que se realizam da esquerda para a direita e de cima para baixo) (…)” Luegi, 2006: 22
  13. 13. Como lemos?
  14. 14. Como lemos?• Leitor lento: 2 palavras por fixação• Leitor médio: 3 a 4 palavras por fixação• Leitor rápido: 5 palavras ou mais por fixação Que hábitos de leitura? Para que objetivos? “Maus hábitos de leitura”: leitura palavra a palavra, sílaba a sílaba – associada a uma redução do campo de visão, que reduz a velocidade de leitura e a compreensão do que se lê. http://www.mes-exams.com/LR/lecture-rapide-2.htm
  15. 15. Como lemos?• Sabe-se hoje que quer a duração das fixações quer a amplitude das sacadas (ou localização das fixações) varia – de sujeito para sujeito – em função da tarefa realizada – em função da acuidade visual
  16. 16. Sacadas…• “As sacadas, ou seja, os saltos oculares que ocorrem durante a leitura ou durante o visionamento de imagens, são movimentos muito rápidos, realizados da esquerda para a direita (na leitura das escritas que se realizam da esquerda para a direita e de cima para baixo) (…)” Luegi, 2006: 22
  17. 17. … direcção das sacadas…• “Cerca de 15% dos movimentos sacádicos durante a leitura são movimentos regressivos, ou seja, partem da direita para a esquerda, para regiões anteriores do texto, na mesma linha ou em algumas linhas acima. Estes movimentos acontecem, sobretudo, quando se registam dificuldades no processamento da informação (…).” Luegi, 2006: 25
  18. 18. …e tempo de fixação• A duração de fixação de determinada palavra pode ser influenciada pelo cotexto em que se insere: quando uma palavra é previsível em determinado cotexto, o seu tempo de fixação é menor do que num cotexto em que seja pouco previsível.
  19. 19. Estratégias de leitura…• Não lemos todos da mesma maneira, não lemos sempre da mesma maneira:
  20. 20. Leitura selectiva• A leitura selectiva opõe-se à leitura integral e consiste em seleccionar a informação.• Compreende duas técnicas essenciais: – Écrémage (ingl. Skimming) – selecção – Repérage (ingl. Scanning) – localização
  21. 21. Leitura selectiva: skimming e scanning• Skimming (ingl.) – écrémage (fr), selecção (port.) – Consiste em identificar rapidamente as ideias principais, fazendo uma leitura rápida. – Recorre-se a cabeçalhos, títulos, sub-títulos e inter-títulos, parágrafos introdutórios e conclusivos, numerações, etc. – É útil quando se procura informação específica e quando se quer perceber se um determinado texto é útil ou não para a tarefa a realizar. – Pode utilizar-se esta técnica com maior ou menor grau de seletividade, de acordo com as necessidades e os textos em causa.
  22. 22. Leitura selectiva: skimming e scanning• Scanning (ingl.) – repérage (fr.), localização (port.) – Exige que o leitor saiba aquilo de que está à procura. – Corresponde a uma leitura rápida, no intuito de localizar palavras- chave (conceitos) – da “mesma” forma que se procura uma palavra num dicionário. – Presta-se atenção a aspectos semiogáficos – como negritos, itálicos, mudanças de cor ou de tipo de letra – e a organizadores textuais – como “por um lado…, por outro…”, “em primeiro lugar…, em segundo lugar…, finalmente…”. – Depois de se fazer o scanning, pode ser útil voltar atrás utilizando a técnica de skimming.
  23. 23. Leitura em diagonal / leitura ativa• Speed Reading Exercises Hd.mp4 http://www.youtube.com/watch?v=vEd136qSuD8&feature=related
  24. 24. Leitura em diagonal / Leitura ativa
  25. 25. Leitura em diagonal / Leitura ativa• Estratégias para uma leitura ativa: – facilitam a tarefa, ajudando à concentração, ajudam a memorizar e interiorizar a informação e disponibilizam a mesma para ser posteriormente retomada. – Estratégias recomendadas: • Técnicas de registo: sublinhados, “highlights”, anotações, etc. • Identificação de palavras-chave • Criação de glossários (que permitem e/ou facilitam o esclarecimento dos conceitos); • Elaboração de tabelas de conteúdos • Redação de resumos – parciais, a vários níveis da organização do texto (livro, artigo, etc.)
  26. 26. Para tornar a leitura (mais) eficaz• Reconhecimento visual das palavras• Utilizar a visão periférica e limitar o nº de fixações por linha.• Adaptar a velocidade de leitura ao grau de dificuldade• Na(s) primeira(s) leitura(s), identificar conceitos chave e conceitos recorrentes, palavras de ligação, introduções e conclusões.• Localizar as passagens centrais do texto (reduzir a velocidade antes, aumentar depois)• Não perder de vista as questões para as quais se procura resposta.

×