Revolução Francesa e Governo Napoleônico

259 visualizações

Publicada em

Revolução Francesa

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
259
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Explicar 1º estado; 2º estado; 3º estado. ////// suapesquisa.com infoescola.com Material Complementar de História
  • Revolução Francesa e Governo Napoleônico

    1. 1. Alunos(as): Giovana Ferreira e Bianca Nicodemos 8° ano D – ITV 2015
    2. 2.  A situação da França no século XVIII era de extrema injustiça social na época do Antigo Regime. O Terceiro Estado* era formado pelos trabalhadores urbanos, camponeses e a pequena burguesia comercial. Os impostos eram pagos somente por este segmento social com o objetivo de manter os luxos da nobreza.  A França era um país absolutista nesta época. O rei governava com poderes absolutos, controlando a economia, a justiça, a política e até mesmo a religião dos súditos. Havia a falta de democracia, pois os trabalhadores não podiam votar, nem mesmo dar opiniões na forma de governo. Os oposicionistas eram presos na Bastilha (prisão política da monarquia) ou condenados à morte.  A sociedade francesa do século XVIII era estratificada e hierarquizada. No topo da pirâmide social, estava o clero que também tinha o privilégio de não pagar impostos. Abaixo do clero, estava a nobreza formada pelo rei, sua família, condes, duques, marqueses e outros nobres que viviam de banquetes e muito luxo na corte. A base da sociedade era formada pelo terceiro estado (trabalhadores, camponeses e burguesia) que, como já dissemos, sustentava toda a sociedade com seu trabalho e com o pagamento de altos impostos. Pior era a condição de vida dos desempregados que aumentavam em larga escala nas cidades francesas.  A vida dos trabalhadores e camponeses era de extrema miséria, portanto, desejavam melhorias na qualidade de vida e de trabalho. A burguesia, mesmo tendo uma condição social melhor, desejava uma participação política maior e mais liberdade econômica em seu trabalho.
    3. 3.  A situação social era tão grave e o nível de insatisfação popular tão grande que o povo foi às ruas com o objetivo de tomar o poder e arrancar do governo a monarquia comandada pelo rei Luis XVI. Então o rei resolveu convocar os Estados Gerais, assembleia formada por representantes dos três estados.  Em 5 de maio de 1789,a Assembleia dos Estados Gerais reuniu-se no Palacio de Versalhes.  Os representantes logo entraram em conflito. Enquanto o primeiro e segundo estados defendiam o voto por ordem social, o terceiro estado reivindicavam o voto por cabeça, pois de outra forma estaria sempre em desvantagem.  No mês de junho, o terceiro estado, com o apoio dos deputados do baixo clero, contra a vontade de Luís XVI,proclamou-se em Assembleia Nacional. Essa assembleia foi transformada em Assembleia Nacional Constituinte.
    4. 4.  A primeira fase da Revolução é conhecida como fase da Assembleia Nacional Constituinte que durou de 1789 a 1791.  A Assembleia decretou novas leis e aprovou a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, proclamando que os homens nascem livres e com direitos iguais. Mas, Luís XVI não queria que seu poder fosse reduzido e, por isso, não aceitou as medidas estabelecidas pela Assembleia. Revoltados, o povo parisiense, em outubro, invadiu o palácio de Versalhes, obrigando o rei a fugir.  Em setembro de 1791, rei Luís jurou respeitar a constituição.  Logo após, os membros republicanos da Assembleia acusaram o rei LuísXVI de estar traindo a revolução. A família real foi presa. A Assembleia depôs o rei elegeu a Convenção Nacional.
    5. 5. Após a proclamação da república, os revolucionários dividiram-se em: _ Girondinos: Majoritário, representante da alta burguesia; _Jacobinos ou Montanheses: Grupo radical liderado por Robespierre, Danton e Marat, representantes da média e pequena burguesia. _ Planíce: também representantes da alta burguesia. Após o rei Luís XVI ser condenado e guilhotinado, a república francesa começou com uma série de crises. Nesse ambiente de crise interna e externa, a Convenção governou de forma ditatorial. Instalou-se o período conhecido como Período do Terror, chefiado por Robespierre, no qual houve uma perseguição aos girondinos, com a morte de muitos deles, além de nobres e da rainha Maria Antonieta. Robespierre foi preso e guilhotinado pelos girondinos, foi o fim do período do Terror.
    6. 6.  Os girondinos retomaram o poder, elaboraram uma nova Constituição e instalaram um governo chamado Diretório.  O poder executivo foi dado a cinco diretores escolhidos por uma Assembleia eleita por voto censitário.  Napoleão Bonaparte, foi chamado á França por alguns políticos do Diretório. Retirou-se secretamente do Egito e, no dia 9 de novembro de 1799, deu um golpe de Estado, instalando na França um governo chamado Consulado. Esse fato ficou conhecido como O golpe de 18 Brumário. Foi o fim da revolução Francesa.
    7. 7.  Ao governar a França, Napoleão deu inicio a consolidação das conquistas da burguesia no país. Além disso empreendeu campanhas militares que provocaram a desorganização das monarquias absolutistas da Europa, favorecendo os movimentos liberais.  Com o Golpe do 18 Brumário, foi elaborada uma nova Constituição, que instaurava o governo do Consulado, inaugurando a Era Napoleônica.  A chamada Era Napoleônica envolveu dois período:  Consulado – caracterizado pela recuperação econômica da França e também pela estabilização do poder político;  Império – Napoleão Bonaparte desenvolveu sua corrida imperialista e dominou grande parte da Europa
    8. 8.  No consulado o poder Executivo era exercido por três cônsules, e o legislativo ficava a cargo das assembleias. Napoleão era o primeiro cônsul e tinha em suas mãos amplos poderes.  Napoleão promoveu a reforma do Direito elaborando o código Civil Napoleônico, que consolidou as conquistas da burguesia ocorridas durante a Revolução.  Com o apoio da burguesia, em 1802, Napoleão fez um plebiscito e tornou-se cônsul vitalício.
    9. 9.  O Império foi implantado definitivamente após a mobilização da opinião pública. Em 1804 foi realizado um plebiscito, onde foi reestabelecido o regime monarquico e a indicação de Napoleão ao trono. Em 2 de Dezembro foi oficializado Napoleão I, na Catedral de Notre Dame.  No plano interno, ocorreu o incentivo á agricultura e a indústria. No plano externo, Napoleão disputou com a Inglaterra a hegemonia política e econômica da Europa.  Napoleão liderou uma série de guerras, expandindo o domínio francês. Em algum tempo o exército francês se tornou o mais poderoso da Europa. Os ingleses preocupados com o poderio francês, formaram coligações internacionais contra o expansionismo francês.
    10. 10.  Para derrotar a Inglaterra, em 1806, Napoleão promulgou o Decreto de Berlim, fechando todos os portões europeus aos navios e às mercadorias que vinham da Inglaterra, ato conhecido como Boqueio Continental.  Os países que não aderiam ao bloqueio sofreram intervenção de Bonaparte.  Portugal, ligados aos ingleses por interesses comerciais, não fechou seus portos à Inglaterra. Para manter o bloqueio, Npaoleão resolveu invadir Portugual. O príncipe regente desse país, Dom João, com o apoio, transferiu a sede da Corte portuguesa para o Brasil.
    11. 11.  A política napoleônica começou a ser contesta até mesmo pela burguesia. Enquanto a Inglaterra intensificou seu comércio com as colônias da América Latina, dos Estados Unidos e do Oriente, o Bloqueio Continental prejudicou a economia francesa e a dos países aliados. Em 1812, a Rússia rompeu o Bloqueio.  Como reação, Napoleão resolveu invadir esse país. Quando seu exército chega a Moscou, nada encontra, devido a retirada de toda a população da capital.  Sem abrigo ou alimento, Napoleão resolve retornar á França. Em face do frio do inverno e dos ataques russos, Napoleão perdeu quase todo seu exército.  Formou-se uma nova coligação contra a França. Em 1813, em Leipzig, Napoleão foi derrotado, recebendo a soberania da ilha de Elba, no Mediterrâneo, mas não foi muito longo em seu exilio. Conseguiu fugir da ilha e retomar seu poder em Paris, tornando-se novamente imperador e realizando o Governo dos Cem Dias.  Foi definitivamente derrotado na Batalha de Waterloo. Aprisionado, foi deportado para a ilha de Santa Helena, onde faleceu em 1821.  Com a derrota definitiva de Napoleão, a monarquia absolutista foi restaurada na França, sob o governo de Luís XVIII.
    12. 12.  Logo após a primeira derrota de Napoleão, organizou- se na Europa um movimento conservador. As forças tradicionais absolutistas retomaram um antigo modelo de governo. Reuniram-se no Congresso de Viena, com a finalidade de restabelecer o antigo equilíbrio político europeu e reorganizar o mapa político da Europa.  Os principais participantes do Congresso foram: Rússia, Prússia, Inglaterra, França e Áustria.
    13. 13.  Por proposta do czar Alexandre I, a Rússia, Áustria e a Prússia formaram a Santa Aliança. O objetivo era defender as monarquias absolutistas, em nome dos princípios cristãos.  O príncipe da Áustria, Matternich, introduziu na Santa Aliança o direito de intervenção. Segundo ele, a Santa Aliança teria direito de intervir nos países onde houvessem revoluções liberais e tentativas de emancipação política.  Na década de 1830, irromperam revoluções liberais e nacionalistas dentro e fora do continente europeu, oque provocou o enfraquecimento da Santa Aliança.
    14. 14. • *A sociedade francesa estava dividida em 3 ordens ou estados: • - Primeiro estado: Constituído pelo clero, proprietário de 10% das terras da França, não pagava impostos. O baixo clero, porém vivia na miséria. • - Segundo estado: Era formado pela nobreza, proprietária de mais de 20% das terras do país. Gozava de amplos privilégios, inclusive de não pagar impostos. • - Terceiro estado: Era formado pelos burgueses, trabalhadores urbanos e camponeses, estes últimos representando 80% da população. Viviam na miséria e, muitas vezes, a situação era agravada pelas secas, enchentes e más colheitas.
    15. 15.  Suapesquisa.com  Infoescola.com  Material Complementar de História

    ×