Reino fungi
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Reino fungi

on

  • 676 visualizações

 

Estatísticas

Visualizações

Visualizações totais
676
Visualizações no SlideShare
672
Visualizações incorporadas
4

Actions

Curtidas
0
Downloads
17
Comentários
0

1 Incorporado 4

http://www.eadcooepe.com.br 4

Categorias

Carregar detalhes

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Direitos de uso

© Todos os direitos reservados

Report content

Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Sua mensagem vai aqui
    Processing...
Publicar comentário
Editar seu comentário

    Reino fungi Reino fungi Presentation Transcript

    • Reino Fungi
    • Os fungos são um grande grupo de organismos que vivem como parasitas, alimentando-se de outros organismos vivos.
    • Ou como saprófitas, alimentando-se de matéria morta. Nesta última forma, juntamente com os seus parentes próximos, as bactérias, são muito importantes na decomposição da matéria orgânica formando compostos mais simples, inorgânicos;
    • De outro modo, o mundo ficaria coberto com os restos de animais e plantas mortas que não seriam reciclados .
    • Alguns anos atrás, os cientistas consideravam os fungos como plantas não verdes dentro do Reino Vegetal. Entretanto, apresentam uma parede celular rica em quitina, substância presente no exoesqueleto dos artrópodes.
    • E, acumulam glicogênio como substância de reserva, duas características típicamente animais. Atualmente este grupo é classificado num Reino separado, o Reino Fungi.
    • Os fungos não possuem o pigmento clorofila necessária à fotossíntese.
    • O corpo do fungo consiste em delicadas estruturas filamentosas chamadas hifas, as quais, quando em conjunto compacto, se dá o nome de micélio.
    • Os fungos podem-se reproduzir assexuadame nte a partir de fragmentos do micélio ou através de estruturas microscópicas chamadas esporos, cuja função é equivalente à das sementes nas plantas superiores.
    • Existem várias maneiras para que os esporos sejam libertados para o exterior quando atingem a maturidade; devido ao seu tamanho ser muito pequeno, eles são facilmente transportados por correntes de ar.
    • O seu tamanho, forma e ornamentação são extremamente variadas e estão certamente relacionados com o seu método de distribuição.
    • Os fungos também podem reproduzir-se sexuadamente através da formação de células sexuais especiais chamadas gametas.
    • Nos fungos inferiores, os esporos e gametas possuem freqüentemente flagelos, o que lhes permite deslocar-se dentro de água; neste aspecto assemelham-se às algas, das quais se pensa terem sido originados.
    • Os esporos e a maneira como estes são formados são usados como a base principal para a classificação dos fungos.
    • Distinguimos dois filos no reino Fungo: Eumycota (fungos verdadeiros);
    • E, Mixomycota (fungos gelatinosos), hoje incluídos no Reino Protista ou Protoctista.
    • O filo Eumycota apresenta maior variedade de espécies, aproximada mente 100 mil, distribuídas em quatro classes: e
    • Phycomycetes (ficomicetos)
    • •Phycomycetes: exemplares típicos: Rhizopus spp.; Mucor spp (Bolor negro do pão). Usualmente saprófitos. Corpo tipicamente miceliano, sem septos, e haplóide. Filo Eumycota
    • A esta classe pertencem os mofos, como o mofo pão e outros que atacam os tecidos em ambiente úmido.
    • São saprófitos. Alguns são parasitas de plantas. Os mofos produzem tal quantidade de esporos, que sempre existem alguns deles no ar.
    • E,Empusa muscae, que prolifera sobre as moscas, matando-as à maneira de uma epidemia.
    • *Deuteromycetes (deuteromicetos).
    • Deuteromycetes: exemplares: Aspergillus spp.; Penicilium spp. Estes Fungos, também chamados Fungos Imperfeitos, não possuem (porque não se conhece) reprodução sexuada.
    • Algumas das espécies pertencentes a esta sub- divisão têm uma grande importância a nível da indústria da produção do vinagre (Aspergillus nigra).
    • E, na indústria farmacêutica, na produção de antibióticos (Penicilium notatum e P. crysogenum)
    • *Ascomycetes (ascomicetos),
    • •Ascomycetes: exemplares típicos: Peziza spp.; Talaromyces spp.; Sordaria spp. Não produzem zoóides. Geralmente filamentosos (são exceção as leveduras). Hifas septadas com septos perfurados.
    • Asco com 8 esporos
    • *Basidiomycetes (basidiomicetos)
    • •Basidiomycetes : não produzem zoóides. Diferenciam um tipo especial de esporos (basidiósporos) que são meióticos ou sexuados e de natureza externa. Micélio septado, podendo passar por três fases.
    • Basídio com 4 esporos
    • Produzem basidiocarpos. Quase todos os fungos comestíveis conhecidos
    • e também inúmeros fungos venenosos pertencem a essa subclasse.
    • Entre os primeiros, podemos citar o tão apreciado champignon (Agaricus sp.) e o parasol (Macrolepiota procera).
    • Entre os venenosos as espécies de Amanita ou Inocybe patoullardi.
    • Psilocybe mexicana produz os alucinógenos psilocibina e psilocina, usados em rituais religiosos indígenas.
    • Além destes, as orelhas-de- pau, muitos fungos de micorriza (associados a raízes) e importantes fungos de madeira, muitos dos quais causam enormes prejuízos econômicos.
    • Gênero Amanita (Família Amanitacea e, ordem Agaricales,
    • Esses fungos apresentam polipeptídeos tóxicos como amatoxinas, faloidinas e virotoxinas.
    • As faloidinas ligam-se especificamente à actina,causando, quando em contato com a corrente sanguínea,parada cárdio respiratória.
    • LSD:é uma droga relativamente nova. As primeiras notícias de uso vêm do final da década de 30 e início dos anos 40.
    • Inicialmente, como a maioria das drogas, foi utilizada para fins medicinais, no tratamento de doenças psiquiátricas como a esquizofrenia, mas se mostrou ineficiente e caiu em desuso medicinal.
    • Nos anos 60,teve uma explosão de consumo.Os consumidores buscavam com a droga, “novas formas de expandir a mente” ou “aumentar o estado de consciência”.
    • Hoje, no Brasil, o Ministério da Saúde não reconhece nenhum uso da droga e proíbe seu uso, produção e comércio no país.
    • O LSD é um alucinógeno e, portanto, produz distorções no funcionamento do cérebro.Os efeitos variam de acordo com o organismo que está ingerindo a droga e de acordo com o ambiente em que ela está sendo consumida.