Fratura de escafoide

3.868 visualizações

Publicada em

Fratura do Escafoide ou de boxeador

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.868
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
40
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fratura de escafoide

  1. 1. Allan Franco Tecnólogo em Radiologia - graduando Disciplina – Patologia Básica Prof. Antonione Pinto
  2. 2.  Fratura mais comum dos ossos do carpo (50 – 80%).  Mecanismo de Lesão:  Queda da mão espalmada que imponha força de dorsiflexão, desvio e supinação intercarpiana.  Manifestação Clínica:  Dor e edema em punho;  Dor a palpação em tabaqueira anatômica.
  3. 3.  Avaliação Radiológica:  Rx de punho AP + P  Rx desvio radial e ulnar  RM  TC
  4. 4. Tratamento Conservador: Fx de terço distal sem desvio; Fx de tuberosidade. Gesso axilo palmar até polegar até 6 semanas, substituir por gesso curto até consolidação.
  5. 5. Tratamento das Suspeitas de Fraturas de Escafóide: Em pacientes com lesão e achados positivos ao exame físico, mas, radiograficamente normais, indica-se imobilização por 1-2 semanas. Repetir Rx se sintomático. o paciente Considerar RM ou TC. ainda estiver
  6. 6. Tratamento Cirúrgico: Fx com desvio > 1 mm Ângulo radiossemilunar > 15° Ângulo escafossemilunar > 60° Deformidade “em corcunda” Pseudoartrose
  7. 7. Retorno ao Esporte Reabilitção em 6 a 8 semanas. Quando atingir 80% da força do punho não afetado pode retornar ao esporte com órtese. A órtese deve ser mantida de 3 a 6 meses.
  8. 8.  As fraturas do rádio distal estão entre as mais comuns do membro superior.  Mecanismo de Lesão:  O mecanismo mais comum é queda sobre a mão espalmada com o punho em dorsoflexão.  Manifestação Clínica:  Deformidade variável no punho e desvio da mão com relação ao punho.  O cotovelo e o ombro ipsilaterais devem examinados em busca de lesão associadas. ser
  9. 9.  Avaliação Radiológica:  Rx do punho AP + P  A TC pode ajudar na demonstração da extensão do acometimento articular.  Relações radiológicas normais:  Inclinação radial: em média 23° (varia 13-30°)  Comprimento radial: em média 11 mm (varia de 818 mm)  Inclinação palmar (volar): em média 11-12° (varia de 0-28°)
  10. 10.  Tratamento Conservador:  Todas as fraturas devem ser submetidas a redução fechada.  A redução da fratura ajuda a limitar o edema póslesão, proporciona alívio da dor e alivia a compressão sobre o nervo mediano.  Indica-se imobilização com gesso:  Fx sem desvio ou com desvio mínimo.  Fx com desvio e padrão estável, que se pode esperar que se consolide de acordo com padrões radiológicos aceitáveis.
  11. 11.  Tratamento Cirúrgico:  Lesão de alta energia;  Perda de redução secundária;  Cominuição, degrau ou GAP articular;  Cominuição metafisária ou perda óssea;  Perda da inclinação volar com desvio;  Incongruência da ARUD.
  12. 12.  Fx do colo do 5° metacarpo  É a fratura mais comum da mão  Mecanismo de Lesão:  Soco contra objeto ou pessoa.
  13. 13.  Tratamento Conservador:  As reduções estáveis podem receber imobilização na posição protegida (flexão metacarpofalangiana > 70° para minimizar rigidez articular.  Tratamento Cirúrgico:  Colocação percutânea de pinos pode ser necessária para manter a redução;  A cominuição grave pode precisar de fixação com placa ou fixação externa com distração.
  14. 14.  É o análogo ligamentar da Fx de escafóide e representa a ruptura ligamentar mais comum do punho.  Ocorre ruptura dos ligamentos interósseos radioescafossemilunar e escafossemilunar.  Mecanismo de Lesão:  Sobrecarga do carpo estendido em desvio ulnar.
  15. 15.  Achados Clínicos:  Equimoses e dor volar sobre o punho.  O pólo proximal dorsalmente. do escafóide é proeminente  Aperto de mão vigoroso que induz dor.  Força que diminui progressivamente com o ato de agarrar repetitivamente objetos.  Flexão-extensão ou desvio radial-ulnar do punho dolorosos.
  16. 16.  Avaliação Radiológica:  Sinal de Terry Thomas: alargamento do espaço escafossemilunar (normal < 3 mm).  Sinal do anel cortical causado pelo escafóide anormalmente flexionado.  Ângulo escafossemilunar > 70°, visualizado na incidência lateral.
  17. 17.  Tratamento Conservador:  O escafóide frequentemente pode ser reduzido com um clique audível e palpável, seguido por imobilização durante 8 semanas em gesso axilopalmar incluindo o polegar.  Tratamento Cirúrgico:  A redução assistida artrocopicamente com a fixação percutânea de pinos foi descrita, com bons resultados.  A incapacidade de se obter ou manter a redução fechada constitui indicação para redução a céu aberto e fixação interna.
  18. 18. Retorno ao Esporte: O atleta pode retornar ao esporte quando tiver amplitude de movimento sem dor. Geralmente ocorre após tratamento conservador. 3 meses de
  19. 19.  Pode ocorrer um dedo em martelo (mallet finger) como resultado de uma Fx do lábio dorsal com ruptura do tendão extensor.  Mas, pode ocorrer por ruptura puramente tendinosa e, portanto, não ser visível nas radiografias.  Mecanismo de Lesão:  Impacto de bola ou objeto contra a falange distal.
  20. 20.  Ruptura do músculo flexor digital profundo (“dedo de jersey”: observado em jogadores de futebol e de rugby, mais comumente envolvendo o dedo anular).  Mecanismo de Lesão:  Avulsão do flexor profundo dos dedos na inserção da falange distal resultado de extensão forçada da articulação interfalangiana distal durante agarrão.
  21. 21.  Dedo de Jersey deve ser suspeitado em todas as lesões de interfalangianas distais em jogadores de vários esportes.
  22. 22.  Polegar do caçador é a ruptura ligamento colateral ulnar na articulação metacarpofalangiana.  Mecanismo de Lesão:  A lesão é causada pela abdução forçada e hiperextensão do polegar, e é comum em esquiadores e esportes de contato.  A ruptura do ligamento pode ser proximal ou distal, e pode incluir avulsão óssea.
  23. 23. Osteomielite é uma infecção dos ossos causada por bactérias ou outros germes
  24. 24. A infecção dos ossos é mais frequentemente causada por bactérias, mas também pode ser provocada por fungos ou outros germes.
  25. 25. As bactérias podem se espalhar nos ossos oriundas de pele, músculos ou tendões próximos infectados. Isso pode ocorrer embaixo de uma ferida na pele. A infecção também pode começar em outra parte do corpo e se espalhar pelos ossos através do sangue. Uma infecção nos ossos também pode começar após uma cirurgia nos ossos. Esse problema é mais provável se a cirurgia for feita após um ferimento ou se forem colocadas hastes ou placas metálicas no osso.
  26. 26.  http://drauziovarella.com.br/envelhecimento/osteoartrite/  http://www.news-medical.net/health/OsteoarthritisSymptoms-(Portuguese).aspx  http://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-edoencas/334420/o+que+e+osteomielite.htm  http://www.ortopediademo.com.br/Informativos/Osteomielit e-%E2%80%93-INFECCAO-NO-OSSO%7C73  http://emaxilab.com/saude-e-bem-estar-artigo-3-5867.html  http://ortopediasp.wordpress.com/2012/04/30/fratura-doboxer-pugilista/

×