Obturacão de canais

24.563 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
3 comentários
60 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Muito bom seu material! Excelente.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • excelente material, parabens
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • POR FAVOR ESTA PROPUESTA DE NEGOCIO, ESCRIBA EN MI ESPALDA ID si está interesado.
    ------------------------------------

    Feliz mes nuevo abundante de noviembre,

    Hola.

    ¿Cómo estás hoy?
    Espero que estés bien y que todo está bien con usted? gracias God.My nombre es jenifer PETERSON. (estoy buscando una buena relación y además que tenga propuesta de negocios con usted) si lo desea. por favor, escríbeme mensaje a mi buzón de correo electrónico
    Thanks,>

    jeniferpeterson1 en / yh / dt / cum
    ---------------------

    PLEASE THIS BUSINESS PROPOSAL, WRITE ON MY ID BACK IF INTERESTED.
    ------------------------------------

    Happy abundant new month of November,

    Hello.

    how are you today?
    I hope you are fine and all is well with you ? thank God.My name is JENIFER PETERSON .(i am looking for a good relationship and also to have business proposal with you )if you want. please write me message to my email box
    THANKS,>

    jeniferpeterson1 at / yh / dt / cum
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
24.563
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
3
Gostaram
60
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Obturacão de canais

  1. 1. Patrícia Ruiz
  2. 2. SUCESSO PROSERVAÇÃO OBTURAÇÃO “Coroamento” FASE DE DESINFECÇÃO PREPARO BIOMECÂNICO ABERTURA CORONÁRIA DIAGNÓSTICO E N D O D O N T I APatrícia Ruiz
  3. 3. “A obturação é o retrato da Endodontia”Patrícia Ruiz SOARES; GOLDBERG, 2002
  4. 4. CONCEITO “A obturação consiste no preenchimento da porção modelada do canal com materiais inertes ou antis- sépticos que promovam um selamento tridi- mensional e estimulem ou não interfiram no processo de reparo”Patrícia Ruiz SOARES; GOLDBERG, 2002
  5. 5. OBJETIVO GUTMANN et al., 1997 Nichos para proliferação de m.o. Infecção Infecção Persistente SecundáriaPatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR, 2008
  6. 6. TRIDIMENSIONALIDADE • Evita estagnação de líquidos • Inviabiliza sobrevivência de micro-organismos • Oferece condições para o reparo SUCESSOPatrícia Ruiz
  7. 7. TRIDIMENSIONALIDADE GUTMANN et al., 1997Patrícia Ruiz
  8. 8. Seleção dosTécnica OBTURAÇÃO materiais obturadoresPatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR; et al., 2010
  9. 9. MateriaisObturadores
  10. 10. Materiais obturadores Materiais em Materiais em estado sólido estado plástico Cones de Cimentos guta-percha endodônticosPatrícia Ruiz
  11. 11. Cones de Guta-perchaPatrícia Ruiz
  12. 12. GUTA-PERCHA Universal, “padrão-ouro” Bowman, 1867 • + dura  Isômero da borracha • + quebradiça • - elástica Látex de árvores da Malásia (Payena ou Palaquim – Sapotáceas)  Balata de árvores do Brasil (Manikara bidentata – Sapotáceas)Patrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2010
  13. 13. Guta-percha Cones de guta-perchaPatrícia Ruiz
  14. 14. Cones de Guta-percha Composição  Guta-percha: 19 a 20%  Óxido de zinco: 60 a 75%  rigidez  Sulfato de bário: 1,5 a 17%  radiopacificador  Outras substâncias: 1 a 4% • Resinas • Ceras • CorantesPatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2010
  15. 15. Cones de Guta-percha Comportamento viscoelástico   temperatura  comportamento viscoso – semelhante ao líquido   carga (força de compactação)  deformação plástica EscoamentoPatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2010; SOARES et al., 2010
  16. 16. Cones de Guta-percha Vantagens  Adaptam-se facilmente às irregularidades do canal  São bem tolerados pelos tecidos periapicais  São radiopacos  Podem ser facilmente plastificados  Possuem estabilidade dimensional  Não alteram a cor do dente  Podem ser facilmente removidos do canalPatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2010
  17. 17. Cones de Guta-percha Desvantagens  Pequena resistência mecânica  dificulta o uso em canais curvos ou atresiados  Pouca adesividade  exige complementação da obturação com cimentos endodônticos  Podem ser deslocados pela pressão  sobreobturaçãoPatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2010
  18. 18. Cones de Guta-percha CUIDADO !!!  Conservar em local fresco e protegidos da luz Evitar fendilhamentoPatrícia Ruiz CALLISTER, 2002
  19. 19. Cones de Guta-percha DESINFECÇÃO !!!  Imersão em hipoclorito de sódio a 2,5% por 1 min  Lavagem em solução salina estérilPatrícia Ruiz SILVA et al., 2000; SIQUEIRA JÚNIOR et al., 1998
  20. 20. Guta-percha Cones de guta-percha  Principais  AuxiliaresPatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2010
  21. 21. Cones de Guta-percha Cones Principais  Padronizados  ISO 6877 - Dental Root Canal Points (1995)  Diâmetros, conicidades e comprimentos determinados • D0 : 15 a 140 • Conicidade: 0,02 mm/mm • Comprimento: 28 mmPatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2010
  22. 22. Cones de Guta-percha Cones Principais  Padronizados  15-40 / 45-80  Técnicas de obturação convencionais – Técnica da condensação lateralPatrícia Ruiz
  23. 23. Cones de Guta-percha Cones Principais  Cones para sistemas mecanizados de instrumentaçãoPatrícia Ruiz
  24. 24. Cones de Guta-percha Cones Auxiliares  Conicidades e diâmetros variáveis  Pontas afiladasPatrícia Ruiz
  25. 25. Cones de Guta-percha Cones Auxiliares Conicidade Tamanho D3 (mm/mm) XF (extra-fine) 0,2 0,019 FF (fine-fine) 0,24 0,025 MF (medium-fine) 0,27 0,032 F (fine) 0,31 0,038 FM (fine-medium) 0,35 0,041 M (medium) 0,40 0,054 ML (medium-large) 0,43 0,063 L (large) 0,49 0,082 XL (extra-large) 0,52 0,083Patrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2010
  26. 26. Cones de Guta-percha Cones Auxiliares  XF, FF, MF, F, FM, M, ML, L e XLPatrícia Ruiz
  27. 27. Cones de Guta-percha Cones Auxiliares  R7/B7 (extra-fine), R8/B8 (fine-fine)Patrícia Ruiz
  28. 28. Outros ConesSistema Thermafil Resilon Núcleo plástico Polímero sintético revestido com guta- (poliéster) + vidro percha bioativoPatrícia Ruiz
  29. 29. Cimentos EndodônticosPatrícia Ruiz
  30. 30. Cimentos Endodônticos FINALIDADEOcupar os espaçosentre a guta-percha eas paredes do canalradicular, assim comoaqueles entre ospróprios cones deguta-percha OBTURAÇÃO MAIS HOMOGÊNEAPatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2010
  31. 31. Cimentos EndodônticosPropriedades do cimento endodôntico ideal  Fácil inserção e remoção do canal  Bom tempo de trabalho  Promover o selamento tridimensional do sistema de canais radiculares  Estabilidade dimensional  Bom escoamento  Radiopacidade  Não manchar a estrutura dentáriaPatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2010
  32. 32. Cimentos EndodônticosPropriedades do cimento endodôntico ideal  Adesividade às paredes do canal  Força coesiva  Insolúvel nos fluidos teciduais e na saliva  Solúvel ou reabsorvível nos tecidos periapicais  Impermeável no canal  Biocompatibilidade  Atividade antimicrobianaPatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2010
  33. 33. À base de Contendo óxido de zinco Resinosos hidróxido de e eugenol cálcio CIMENTOS ENDODÔNTICOS À base de Outros À base de ionômero de silicone vidroPatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2010
  34. 34. Cimentos Endodônticos CIMENTOS À BASE DE ÓXIDO DE ZINCO E EUGENOL Endofill Pulp fill (Dentsply) (Biodinâmica)Patrícia Ruiz
  35. 35. Cimentos Endodônticos CIMENTOS À BASE DE ÓXIDO DE ZINCO E EUGENOL FillCanal Intrafill (Technew) (SS White)Patrícia Ruiz
  36. 36. Cimentos Endodônticos CIMENTOS À BASE DE ÓXIDO DE ZINCO E EUGENOL Pulp Canal Sealer Tubli-Seal (SybronEndo) (SybronEndo)Patrícia Ruiz
  37. 37. Cimentos Endodônticos CIMENTOS À BASE DE ÓXIDO DE ZINCO E EUGENOL Endométhasone (Specialités – Septodont)Patrícia Ruiz
  38. 38. Cimentos à base de OZE CITOTÓXICOS Zinco Eugenol  Antimicrobiano  Antimicrobiano  Efeito anestésico []  Anti-inflamatório TECIDOS PERIAPICAIS  Efeito neurotóxico Reparo  Alterações vasculares  Resposta inflamatóriaPatrícia Ruiz MARKOWITZ et al., 1992; MEYRON; JAKEMAN, 1985
  39. 39. Cimentos à base de OZE Propriedades  Citotoxicidade   adesão   resposta inflamatória   escoamento CONTRA-INDICADOS GROSSMAN, 1976; HOLLAND et al., 1971; ZYTKIEVITZ; LIMA; BLEY SOBRINHO, 1985Patrícia Ruiz
  40. 40. Cimentos Endodônticos CIMENTOS À BASE DE IONÔMERO DE VIDRO Ketac-Endo (3M-ESPE)Patrícia Ruiz
  41. 41. Cimentos à base de ionômero de vidro Propriedades  Propriedades benéficas do ionômero de vidro • Atividade antimicrobiana • Efeito cariostático • Adesão química à estrutura dentária • BiocompatibilidadePatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2010
  42. 42. Cimentos à base de ionômero de vidro Propriedades  Dados divergentes na literatura Capacidade seladora ???? Atividade antimicrobiana ????  Não está disponível comercialmentePatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2010
  43. 43. Cimentos Endodônticos CIMENTOS À BASE DE SILICONE RoekoSeal Gutta-Flow (Roeko) (Coltène Whaledent)  Poucos estudosPatrícia Ruiz
  44. 44. Cimentos Endodônticos CIMENTOS RESINOSOS AH 26 AH Plus (Dentsply) (Dentsply)Patrícia Ruiz
  45. 45. Cimentos Endodônticos CIMENTOS RESINOSOS EndoRez (Ultradent) Epiphany (Pentron)Patrícia Ruiz
  46. 46. Cimentos Endodônticos CIMENTOS RESINOSOS Sealer 26 (Dentsply)Patrícia Ruiz
  47. 47. Cimentos Resinosos Propriedades  Excelentes propriedades físico-químicas • Boa estabilidade dimensional • Adesividade • Radiopacidade • Baixa solubilidade • Boa capacidade seladora • Alto escoamento • Boa adesão KAZEMI; SAFAVI; SPANGBERG, 1993; LIMKANGWALMONGKOL et al., 1990; SALEH et al., 2002; SIQUEIRA JÚNIOR; RÔÇAS; VALOIS, 2001; WENNBERG; ØRSTAVIK, 1990Patrícia Ruiz
  48. 48. Cimentos Resinosos Propriedades  Propriedades biológicas • Atividade antibacteriana satisfatória • Biocompatibilidade  Reações inflamatórias PASCON et al., 1991; SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2000Patrícia Ruiz
  49. 49. Cimentos Endodônticos CIMENTOS CONTENDO HIDRÓXIDO DE CÁLCIO Sealapex CRCS (SybronEndo) (Coltène Waledent)Patrícia Ruiz
  50. 50. Cimentos Endodônticos CIMENTOS CONTENDO HIDRÓXIDO DE CÁLCIO Apexit Acroseal (Ivoclar/Vivadent) (Septodont)Patrícia Ruiz
  51. 51. Cimentos contendo hidxido de cálcio Propriedades biológicas excelentes  Biocompatibilidade Antimicrobiano HIDRÓXIDO DE  Reparo tec. mineralizado CÁLCIO  Propriedades físico-químicas inconvenientes  Não é radiopaco Associação  Pouco escoamento a outras  Não tem boa viscosidade substâncias  Permeável  SolubilizávelPatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2010
  52. 52. Cimentos Endodônticos CIMENTOS CONTENDO HIDRÓXIDO DE CÁLCIO Sealer 26 (Dentsply)Patrícia Ruiz
  53. 53. Cimentos contendo hidróxido de cálcio Sealer 26 Resina epóxica + Hidróxido de cálcio• Estabilidade dimensional • Biocompatibilidade• Adesividade • Antimicrobiano• Radiopacidade • Reparo tec. mineralizado• Baixa solubilidade• Capacidade seladora• Alto escoamento• Boa adesão  Tempo de presa  12 horas (canal)Patrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2010
  54. 54. Propriedades dos materiais obturadoresPatrícia Ruiz
  55. 55. Propriedades Biológicas Biocompatibilidade  Não citotóxicos  Não interferir negativamente no reparo • Componentes  Depende • Tempo de presa • SolubilidadePatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2010
  56. 56. Propriedades Biológicas Biocompatibilidade • Fagocitados Solúveis • Dissolvidos Extravazamento • Encapsulados por Insolúveis tecido conjuntivo fibrosoPatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2010
  57. 57. Propriedades Biológicas Biocompatibilidade Cimentos Guta-percha endodônticos contendo hidróxido de cálcio Bem tolerada TODOS contêm pelos tecidos substâncias citotóxicas periapicais em sua composiçãoPatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2010
  58. 58. Propriedades Biológicas Biocompatibilidade • Sealapex  Dióxido de titânioZn • CRCS  Eugenol e eucaliptol • Apexit • Acroseal Hexametilenotetramina • Sealer 26 Formaldeído e amônia  Citotoxicidade  com o tempo  Presa   solubilidade   liberação dos componentesPatrícia Ruiz BARBOSA; ARAKI; SPANGBERG, 1993; SPANGBERG; BARBOSA; LEVINE, 1993
  59. 59. Propriedades Biológicas Sealer 26  Agressão química transitória  Acaba após a presa Necrose por coagulação dos tecidos em íntimo contato  reação do tecido subjacente  deposição de tecido mineralizado  Liberação iônica (Ca++ e OH-) extensa e gradual (recém preparado e endurecido)  alcalinização ( pH) * Desde que a smear layer seja removida  Incapaz de induzir ou manter lesão periapical Selamento biológico do forame apicalPatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR; GARCIA; FRAGA, 1995; STAEHLE et al., 1995
  60. 60. Propriedades Biológicas Atividade Antimicrobiana  Eliminar micro-organismos que sobreviveram ao preparo químico-mecânico  Previnir microinfiltração • Ca(OH)2 Sealer 26 • Hexametileno- Formaldeído tetramina Amônia Execlente atividade antimicrobianaPatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2010
  61. 61. Propriedades Biológicas Atividade Antimicrobiana  Cimentos contendo hidróxido de cálcio  pH e solubilização do material • Libera substâncias ativas contra m.o. • Pode interferir negativamente no selamento •  pH Sealer 26 • Pouco solúvelPatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2010
  62. 62. Propriedades Biológicas Atividade Antimicrobiana  Cimentos contendo hidróxido de cálcio  Presença de Ca(OH)2 livre no material • Não participa da reação de presa • Ca(OH)2 fica embebido na Sealer 26 malha resinosa  LivrePatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2010
  63. 63. Propriedades Biológicas Atividade Antimicrobiana  Cimentos contendo hidróxido de cálcio  Difusibilidade do material • Ca(OH)2   difusibilidade e se difunde pouco * Efeito antimicrobiano Alcalinização  Presença de outras substâncias • Hexametilenotetramina Sealer 26  Formaldeído e amôniaPatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2010
  64. 64. Propriedades Físico-químicas  Adesividade  Estabilidade dimensional • Estabilidadedimensional  Selamento • Impermeabilidade • Adesividade • Boa adesividade (FIDEL et al., 1994) Sealer 26 • Bom selamento (SIQUEIRA JÚNIOR et al., 1999; SIQUEIRA JÚNIOR; RÔÇAS; VALOIS, 2001)Patrícia Ruiz
  65. 65. Propriedades Físico-químicas  Solubilidade  Devem ser pouco solúveis  Cimentos contendo Ca(OH)2 devem apresentar certa solubilidade Liberar íons Ca++ e OH- Deposição de tecido calcificado Solubilização decrescePatrícia Ruiz CVEK et al., 1987
  66. 66. Propriedades Físico-químicas  Escoamento  Permite penetração nas irregularidades, istmos e ramificações Sealer 26 • Excelente escoamento (SIQUEIRA JÚNIOR; FAVIERI; GAHYVA, 2000; SIQUEIRA JÚNIOR; FRAGA; GARCIA, 1995)  Radiopacidade  Controle radiográfico do preenchimento do canal  Deve ser próxima à dos cones  imagem homogênea em toda extensãoPatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2010
  67. 67. Considerações sobre os cimentos endodônticosPatrícia Ruiz
  68. 68. Cimentos endodônticos  Não há material ideal  Embora não promovam perfeito selamento, reduzem significativamente a microinfiltração de fluidos e bactérias  Apresentam citotoxicidade imediatamente após a espatulação, sendo reduzida após a presa  São incapazes de induzir e/ou perpetuar a lesão periapicalPatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2010
  69. 69. Momento daObturação
  70. 70. Momento da Obturação 1. Preparo químico-mecânico completo • Limpeza + desinfecção + modelagemPatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2010
  71. 71. Momento da Obturação 2. Ausência de exsudação persistente • Tratamento ineficaz em eliminar irritantes  Drenagem • Tratamento realizado de forma inadequada  agressão física ou química  Umidade interfere nas propriedades físicas do material obturador  deficiência no selamentoPatrícia Ruiz LEMOS, 2011; SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2010
  72. 72. Momento da Obturação 3. Ausência de sintomatologia • Sensibilidade à percussão • Sensação de dente extruído • Dor espontânea 4. Ausência de odor • Permanência de infecção com proliferação de micro-organismos 5. Canal não deve ter ficado exposto à cavidade oral por rompimento da restauração provisóriaPatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2010
  73. 73. Limite Apical daObturação
  74. 74. Limite apical de obturação  Material obturador deve se limitar ao interior do sistema de canais radiculares e atingir as proximidades do forame apicalPatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR et al., 2010
  75. 75. Limite apical de obturação  Limite de obturação pode influenciar o sucesso do tratamento  Obturação a 0 a 2 mm aquém do forame   índice de sucesso  94%  Obturação a mais de 2 mm aquém do forame   índice de sucesso  68%  Sobreobturação  76%Patrícia Ruiz ARAÚJO FILHO, 2003; SJÖGREN et al., 1990
  76. 76. Limite apical de obturação  Obturação deve preencher toda extensão do canal preparado 1,0 mm aquém SOARES; GOLDBERG, 2002Patrícia Ruiz
  77. 77. Obturação dos canais radicularesPatrícia Ruiz
  78. 78. Técnica da condensação lateral  Simplicidade  Baixo custo  Ótima qualidade finalPatrícia Ruiz IMURA; ZUOLO, 1998
  79. 79. Técnica da condensação lateral  ETAPAS PRÉVIAS  Isolamento absoluto  Remoção da restauração provisóriaPatrícia Ruiz SOARES; GOLDBERG, 2002; VIEIRA; TABORDA; SOUZA, 2011
  80. 80. Técnica da condensação lateral  ETAPAS PRÉVIAS  Irrigação da câmara pulpar  Remoção da medicação intracanal • Irrigação + lima memóriaPatrícia Ruiz SOARES; GOLDBERG, 2002
  81. 81. Técnica da condensação lateral  ETAPAS PRÉVIAS  Remoção da camada residual/smear layer • EDTA 17% - 3 minutosPatrícia Ruiz SOARES; GOLDBERG, 2002
  82. 82. Técnica da condensação lateral  ETAPAS PRÉVIAS  Neutralização do EDTA • Hipoclorito de sódioPatrícia Ruiz SOARES; GOLDBERG, 2002
  83. 83. Técnica da condensação lateral  1ª ETAPA: Escolha do cone principal Cone principal Cimento endodôntico Cones acessórios Obturação em Obturação em profundidade lateralidadePatrícia Ruiz SOARES; GOLDBERG, 2002
  84. 84. Técnica da condensação lateral  1ª ETAPA: Escolha do cone principal  Desinfecção dos cones de guta-percha • Hipoclorito de sódio  1 minutoPatrícia Ruiz LEMOS, 2011; SOARES; GOLDBERG, 2002
  85. 85. Técnica da condensação lateral  1ª ETAPA: Escolha do cone principal 1. Calibre do último instrumento do batente apicalPatrícia Ruiz SOARES; GOLDBERG, 2002
  86. 86. Técnica da condensação lateral  1ª ETAPA: Escolha do cone principal 2. Comprimento de trabalhoPatrícia Ruiz SOARES; GOLDBERG, 2002
  87. 87. Técnica da condensação lateral  1ª ETAPA: Escolha do cone principal • Visual • TátilPatrícia Ruiz SOARES; GOLDBERG, 2002
  88. 88. Técnica da condensação lateral  1ª ETAPA: Escolha do cone principal  Avaliação visual  CTPatrícia Ruiz LEMOS, 2011; SOARES; GOLDBERG, 2002
  89. 89. Técnica da condensação lateral  1ª ETAPA: Escolha do cone principal  Avaliação tátil  Travamento  ResistênciaPatrícia Ruiz LEMOS, 2011; SOARES; GOLDBERG, 2002
  90. 90. Técnica da condensação lateral  1ª ETAPA: Escolha do cone principal  Avaliação radiográfica  Prova do cone  ConometriaPatrícia Ruiz SOARES; GOLDBERG, 2002
  91. 91. Técnica da condensação lateral * Difilcudade de adaptação do cone *  Falta de estandardizaçãoPatrícia Ruiz SOARES; GOLDBERG, 2002
  92. 92. Técnica da condensação lateral * Adaptação do cone principal *  Calibração com a régua endodônticaPatrícia Ruiz
  93. 93. Técnica da condensação lateral * Adaptação do cone principal *  Confecção de cone de diâmetro intermediário  Corte com lâminaPatrícia Ruiz SOARES; GOLDBERG, 2002
  94. 94. Técnica da condensação lateral “O travamento do cone não assegura sua correta adaptação à porção apical do canal” Guta-perchaCanal circular Canal ovalPatrícia Ruiz SOARES; GOLDBERG, 2002
  95. 95. Técnica da condensação lateralPatrícia Ruiz
  96. 96. Técnica da condensação lateral  1ª ETAPA: Escolha do cone principal  Secagem do conduto  Cones de papel absorvente estéreis  Cell pack  Marcar no CTPatrícia Ruiz LEMOS, 2011
  97. 97. Técnica da condensação lateral  1ª ETAPA: Escolha do cone principalPatrícia Ruiz IMURA; ZUOLO, 1998
  98. 98. Técnica da condensação lateral  2ª ETAPA: Preparo do cimento obturador  Proporção: 2 a 3 partes de pó para 1 de resina (volume)  Espatulação sobre placa de vidro estérilPatrícia Ruiz SOARES; GOLDBERG, 2002
  99. 99. Técnica da condensação lateral  2ª ETAPA: Preparo do cimento obturador  Agregar o pó gradativamente à resina  Mistura lisa, brilhante e homogênea  Espátuta  Fio de 1,5 a 2,5 cmPatrícia Ruiz SOARES; GOLDBERG, 2002
  100. 100. Técnica da condensação lateral  3ª ETAPA: Obturação  Colocação do cimento nas paredes do canal  Lima memória ou cone principal  CTPatrícia Ruiz SOARES; GOLDBERG, 2002
  101. 101. Técnica da condensação lateral  3ª ETAPA: Obturação  Inserção do cone principal no canal radicularPatrícia Ruiz IMURA; ZUOLO, 1998; SOARES; GOLDBERG, 2002
  102. 102. Técnica da condensação lateral  3ª ETAPA: Obturação  Seleção do espaçador digital  Calibrar no CT – 1,0 mm A, B, C, D # 15 – 40Patrícia Ruiz SOARES; GOLDBERG, 2002
  103. 103. Técnica da condensação lateral  3ª ETAPA: Obturação Introdução do espaçador digital  Direção apical  Rotações ¼ de volta para direita e esquerda  Pressionar o cone principal lateralmentePatrícia Ruiz LEMOS, 2011; SOARES; GOLDBERG, 2002
  104. 104. Técnica da condensação lateral  3ª ETAPA: Obturação Manter o espaçador no canal Apreensão do cone auxiliar  Calibre similar ao do espaçador  Cimento Retirar o espaçador e introduzir o cone auxiliarPatrícia Ruiz LEMOS, 2011; SOARES; GOLDBERG, 2002
  105. 105. Técnica da condensação lateral  3ª ETAPA: Obturação Repetir a manobra  Levar ao canal a maior quantidade possível de conesPatrícia Ruiz LEMOS, 2011; SOARES; GOLDBERG, 2002
  106. 106. Técnica da condensação lateral  3ª ETAPA: ObturaçãoPatrícia Ruiz IMURA; ZUOLO, 1998
  107. 107. Técnica da condensação lateral  3ª ETAPA: Obturação Radiografia de prova da obturaçãoPatrícia Ruiz IMURA; ZUOLO, 1998
  108. 108. Técnica da condensação lateral * Falhas na obturação *  Inserir mais cones  Quando possível  Remover obturação  Reobturar  Reinstrumentar ????Patrícia Ruiz LEMOS, 2011
  109. 109. Técnica da condensação lateral  3ª ETAPA: Obturação  Corte dos cones  Calcador tipo Paiva aquecido ao rubroPatrícia Ruiz LEMOS, 2010
  110. 110. Técnica da condensação lateral  3ª ETAPA: Obturação  Corte dos cones  Limite  Abaixo do coloPatrícia Ruiz VIEIRA; TABORDA; SOUZA, 2011
  111. 111. Técnica da condensação lateral  3ª ETAPA: Obturação  Condensação vertical  Calcador de Paiva - 3 minutos   contração volumétrica da guta- percha (resfriamento)   escoamento do cimento   selamento LEMOS, 2011; SIQUEIRA JÚNIOR; LOPES; ELIAS, 2010; SOARES; GOLDBERG, 2002Patrícia Ruiz
  112. 112. Técnica da condensação lateral  3ª ETAPA: Obturação  Limpeza da câmara pulpar  Álcool etílico  Evitar o escurecimento da coroaPatrícia Ruiz IMURA; ZUOLO, 1998; LEMOS, 2011; SIQUEIRA JÚNIOR; LOPES; ELIAS, 2010
  113. 113. Técnica da condensação lateral  3ª ETAPA: Obturação  Restauração provisória  C.I.V.  Remoção do isolamento absoluto  Avaliação da harmonia oclusalPatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR; LOPES; ELIAS, 2010; VIEIRA; TABORDA; SOUZA, 2011
  114. 114. Técnica da condensação lateral  3ª ETAPA: Obturação  Radiografia final  Ortorradial, com posicionador radiográficoPatrícia Ruiz SIQUEIRA JÚNIOR; LOPES; ELIAS, 2010
  115. 115. Técnica da condensação lateral  Orientações pós-operatórias  AcompanhamentoPatrícia Ruiz SOARES; GOLDBERG, 2002

×