Teorias da aprendizagem

356 visualizações

Publicada em

Teorias da aprendizagem

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
356
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Teorias da aprendizagem

  1. 1. Aline Elisabete Pereira TEORIAS DA APRENDIZAGEM
  2. 2. COMO SE APRENDE? QUANDO SE APRENDE? DIFERENTES CAMINHOS BUSCANDO UMA MESMA RESPOSTA
  3. 3. INATISMO  Nessa perspectiva as pessoas naturalmente carregam certas aptidões, habilidades, conceitos, conhecimentos e qualidades em sua bagagem hereditária.  ENSINO: Tal concepção motivou um tipo de ensino que acredita que o educador deve interferir o mínimo possível, apenas trazendo o saber à consciência e organizando-o. O SABER CONGÊNITO – PRECURSOR PLATÃO (427-347 A.C.)
  4. 4. EMPIRISMO  Embora as pessoas nasçam com capacidade de aprender, elas precisam de experiências ao longo da vida para que se desenvolvam.  Acreditava-se que as informações se transformam em conhecimento quando passam a fazer parte do hábito de uma pessoa. A ABSORÇÃO DO CONHECIMENTO EXTERNO PRECURSOR: ARISTÓTELES (384-322 A.C.)
  5. 5. A fonte do conhecimento são as informações captadas do meio exterior pelos sentidos. A ABSORÇÃO DO CONHECIMENTO EXTERNO PRECURSOR: ARISTÓTELES (384-322 A.C.)
  6. 6.  Absorvidos tal como uma esponja retém líquido, os dados aprendidos são acumulados e fixados - e podem ser rearranjados quando outros conteúdos mais complexos aparecem.  Nessa perspectiva, éramos considerados como uma “tábula rasa”. A ABSORÇÃO DO CONHECIMENTO EXTERNO PRECURSOR: ARISTÓTELES (384-322 A.C.)
  7. 7.  ENSINO: caberia à escola formar um sujeito capaz de conhecer, julgar e agir segundo os critérios da razão, substituindo as respostas "erradas" absorvidas no contato com diversos meios (a religião, por exemplo) pelas "certas", já validadas pelos acadêmicos por seguirem os critérios científicos da época. A ABSORÇÃO DO CONHECIMENTO EXTERNO PRECURSOR: ARISTÓTELES (384-322 A.C.)
  8. 8.  CONSTRUTIVISMO Nessa perspectiva o sujeito tem potencialidades e características próprias, mas, se o meio não favorece esse desenvolvimento (fornecendo objetos, abrindo espaços e organizando ações), elas não se concretizam. A TENTATIVA DO CAMINHO DO MEIO PRECURSOR: JEAN PIAGET (1896-1980)
  9. 9. A TENTATIVA DO CAMINHO DO MEIO PRECURSOR: JEAN PIAGET (1896-1980) A presença ativa do sujeito diante do conteúdo é essencial - portanto, não basta somente ter contato com o conhecimento para adquiri-lo. É preciso "agir sobre o objeto e transformá-lo” (Piaget, 1980). o processo de aprendizagem se dá pela relação do aprendiz com o meio (ambiente familiar e social, professores, colegas e o próprio conteúdo).
  10. 10. A TENTATIVA DO CAMINHO DO MEIO PRECURSOR: JEAN PIAGET (1896-1980) ENSINO: o professor deve criar contextos, conceber ações e desafiar os alunos para que a aprendizagem ocorra. O conhecimento não é incorporado diretamente pelo sujeito: pressupõe uma atividade, por parte de quem aprende, que organize e integre os novos conhecimentos aos já existentes.  O professor deve dominar sua área e conhecer os processos pelos quais o aluno aprende os mais diferentes conteúdos.
  11. 11. 1976 DESENVOLVIMENTO DA INTELIGÊNCIA POR JEAN PIAGET
  12. 12. SUJEITO EPISTÊMICO Todos têm capacidade mental de construir relações e construir conhecimentos; A cada nova informação, uma constante reelaboração; O conhecimento avança, mas num processo não cumulativo ;  A importância de testar hipóteses e soluções;
  13. 13. ESQUEMAS DE AÇÃO  Formas diferentes de interagir com o mundo, que vão se tornando mais complexas à medida que o indivíduo cresce.
  14. 14. CONHECIMENTO PRÉVIO  Dependendo da qualidade das interações de cada sujeito com o meio, as estruturas mentais (condições prévias para o aprendizado) vão se tornando mais complexas até o fim da vida.  Em cada fase do desenvolvimento, elas determinam os limites do que os indivíduos podem compreender.  O que o aluno já sabe é a ponte para a construção de um novo conhecimento por meio da reconfiguração das estruturas mentais existentes ou da elaboração de outras novas.
  15. 15.  A inteligência deve ser confrontada para evoluir.  Conseguir o equilíbrio, atingir uma posição estável após superar dificuldades e sobressaltos é um processo básico na trajetória do ser humano, uma ação continuada que permite, a um só tempo, sua evolução e sua sobrevivência.  A capacidade de conhecer é construída pelo indivíduo à medida que a interação com o meio o desequilibra.  A inteligência humana se renova a cada descoberta.  A criança constrói infinitamente suas estruturas cognitivas em busca de uma melhor adaptação ao meio.  Assimilação (ação externa): consiste em utilizar os esquemas de ação (classificar, ordenar, relacionar, etc.) para compreender as características de determinado conceito.  Acomodação (processo interno) diz respeito à construção de novas estruturas cognitivas (com base nas pré-existentes, mas ampliando-as). Isso permite assimilar a novidade, chegando a um novo estado de equilíbrio. ADAPTAÇÃO E EQUILÍBRIO

×