Poliovírus - Poliomielite.

986 visualizações

Publicada em

Apresentação referente ao Poliovírus, o vírus causador da Polio ou Poliomielite. Incluindo todas as suas informações bem como a transmissão, tempo de incubação, características do vírus, tempo de incubação, pesquisa, avanço cientifico, características da doença, prevenção e vacinação.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
986
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
141
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Poliovírus - Poliomielite.

  1. 1. POLIOVÍRUS O vírus transmissor da poliomielite.
  2. 2. Introdução.  Paralisia infantil, pólio ou ainda doença de Heine-Medin, é uma doença neurológica causada pelo vírus Poliovírus.
  3. 3. Agente Etimológico.  Grupo: IV (Vírus ARN monocatenario positivo);  Família: Picornaviridae;  Gênero: Enterovirus;  Espécie: Poliovírus.
  4. 4. Epidemiologia.  90% a 95% dos casos de poliomielite apresentam-se sob a forma benigna;  Idade de maior incidência é de seis meses a 3 anos;  Endêmica: No sul da Ásia e África;  No Brasil: Não há casos de poliomielite desde 1989.
  5. 5. Meios de Transmissão.
  6. 6. Transmissão.  O vírus fica albergado no trato gastrointestinal e é transmitido através da saliva, do vômito e das fezes.  O contato pode ocorrer por via direta (de indivíduo para indivíduo) ou indireta (água, alimentos, insetos).
  7. 7. Oral-Oral:
  8. 8. Fecal-oral:
  9. 9. Período de transmissão.  Período de incubação: Em média entre 7 a 14 dias após o contágio.  Período de transmissibilidade pode iniciar antes do surgimento das manifestações clínicas.
  10. 10. Tipos de Poliomielite. PARALÍTICA E NÃO-PARALÍTICA.
  11. 11. Poliomielite não-paralítica. Dor de cabeça; Dor de garganta; Espirros; Fraqueza; Mal-estar geral; Vômitos; Dor ou rigidez nas costas, braços, pernas e abdome.
  12. 12. Período inicial:  Dor de cabeça;  Dor de garganta;  Fraqueza;  Dor muscular;  Rigidez na nuca ou nas costas; Período grave:  Dificuldade de locomoção brusca;  Dificuldade de respirar;  Dificuldade de deglutição;  Espasmos musculares;  Fadiga muscular . Poliomielite paralítica.
  13. 13. Poliomielite paralítica. Inicio das paralisias:  Paralisia dos membros inferiores;  Paralisia dos membros superiores;  Paralisia dos músculos respiratórios;  Paralisia dos músculos do tronco.
  14. 14. Diagnóstico Laboratorial
  15. 15. Isolamento do vírus.  A partir de amostras de fezes do caso ou de seus contatos.
  16. 16. PCR (Polymerase Chain Reaction).  Permite a amplificação da sequência alvo do genoma viral, em pelo menos cem mil vezes em poucas horas, aumentando consideravelmente a sensibilidade do diagnostico viral, permitindo a identificação do tipo e origem do vírus isolado.  Para ser considerado derivado vacinal este vírus precisa apresentar mutações em > ou = a 1%.
  17. 17. Exames inespecíficos: Líquor.  Na poliomielite, observa-se um discreto aumento do número de células, podendo haver um discreto aumento de proteínas.
  18. 18. Exames inespecíficos: Eletromiografia.  Os achados são comuns a um grupo de doenças que afetam o neurônio motor inferior, no entanto pode contribuir para descartar a hipótese diagnóstica de poliomielite.
  19. 19. Exames inespecíficos: Anatomopatologia.  As alterações histopatológicas podem ser extremamente sugestivas diante de um quadro clínico suspeito
  20. 20. Exames inespecíficos: Swab retal.  Somente é recomendado naqueles casos de paralisia flácida aguda (PFA) que foram a óbito antes da coleta adequada de fezes.
  21. 21. Controle e Prevenção.
  22. 22. Medidas sanitárias.  Saneamento básico eficiente;  Tratamento da água para consumo;  Tratamento adequado dos dejetos humanos .
  23. 23. Vacinação  Vacinação Sabin (Poliovírus atenuado);  Vacinação Salk (Poliovírus inativado);  Todas as crianças menores de 5 anos devem ser vacinadas.
  24. 24. Medidas Gerais.  Higiene dos alimentos;  Sempre lavar as mãos;  Usar água potável ou fervida;  Não frequentar locais de alimentação suspeitos ou com péssimas condições de higiene.
  25. 25. Tratamentos.
  26. 26. Farmacológicos.  Antibióticos;  Analgésicos.
  27. 27. Alternativos.  Calor úmido (bolsa de água quente, toalhas quentes);  Fisioterapia, órteses ou botas ortopédicas, ou cirurgia ortopédica.
  28. 28. Agentes Infecciosos e Defesa Alef Biral, 02. Aline Negromonte dos Santos, 03. Breno Henrique dos Reis Vasconcelos de Souza, 15. Bianca Fernandes de Carvalho Blanco. Larissa Bemvindo de Carvalho, 28. Profº Leandro Barbato. Biomedicina 2º sem. – A (manhã).

×