Estatuto da criança do adolescente eca

7.270 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.270
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
155
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Estatuto da criança do adolescente eca

  1. 1. ESTATUTO DA CRIANÇA DO ADOLESCENTE - ECA
  2. 2. DISPOSIÇÕES GERAIS •Criança: a pessoa até doze anos de idade incompletos, •Adolescente: entre doze e dezoito anos de idade. •Art. 3º: A criança e o adolescente: Têm todos os direitos fundamentais à pessoa humana É assegurado todas as oportunidades e facilidades, proporcionando o desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social, em condições de liberdade e de dignidade.
  3. 3. DISPOSIÇÕES GERAIS • Art. 4º: Dever da família, da comunidade, da sociedade e do poder público:  Assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária.
  4. 4. DISPOSIÇÕES GERAIS • A garantia de prioridade compreende: a) primazia de receber proteção e socorro em quaisquer circunstâncias; b) b) precedência de atendimento nos serviços públicos ou de relevância pública; c) preferência na formulação e na execução das políticas sociais públicas; d) destinação privilegiada de recursos públicos nas áreas relacionadas com a proteção à infância e à juventude.
  5. 5. DISPOSIÇÕES GERAIS • Art. 5º: Nenhuma criança ou adolescente poderá sofre qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, sendo punido qualquer atentado, por ação ou omissão, aos seus direitos fundamentais.
  6. 6. DO DIREITO À VIDA E Á SAÚDE • Art. 7º: A criança e o adolescente têm direito:  a proteção à vida e à saúde, mediante políticas sociais públicas que permitam o nascimento e o desenvolvimento sadio e harmonioso, em condições dignas de existência. • Art. 8º: A gestante tem direito: o atendimento pré e perinatal pelo SUS.
  7. 7. DO DIREITO À VIDA E Á SAÚDE • § 1º: A gestante será encaminhada aos diferentes níveis de atendimento, segundo critérios médicos específicos, obedecendo-se aos princípios de regionalização e hierarquização do Sistema. • § 2º: A parturiente será atendida preferencialmente pelo mesmo médico que a acompanhou na fase pré-natal. • § 3º: O poder público tem obrigação de propiciar apoio alimentar à gestante e à nutriz que necessitarem.
  8. 8. DO DIREITO À VIDA E Á SAÚDE • Art. 9º: O poder público, as instituições e os empregadores deverão fornecer condições adequadas ao aleitamento materno. • Art. 11: É assegurado atendimento integral à saúde da criança e do adolescente, por intermédio do SUS, garantido o acesso universal e igualitário às ações e serviços para promoção, proteção e recuperação da saúde
  9. 9. DO DIREITO À VIDA E Á SAÚDE • Art. 10: Os hospitais e demais estabelecimentos de atenção à saúde de gestantes, públicos e particulares, são obrigados a: I. manter registro das atividades desenvolvidas, através de prontuários individuais, pelo prazo de dezoito anos; II. identificar o recém-nascido por meio de registro de sua impressão plantar e digital e da impressão digital da mãe;
  10. 10. DO DIREITO À VIDA E Á SAÚDE III. realizar exames visando o diagnóstico e terapêutica de anormalidades no metabolismo do recém-nascido, bem como prestar orientação aos pais; IV. fornecer declaração de nascimento onde constem necessariamente as intercorrências do parto e do desenvolvimento do neonato; V. manter alojamento conjunto, possibilitando ao neonato a permanência junto à mãe.
  11. 11. DO DIREITO À VIDA E Á SAÚDE • § 1º: A criança e o adolescente portadores de deficiência: têm direito a atendimento especializado. • § 2º: O poder público tem obrigação de fornecer gratuitamente, para aqueles que necessitarem, os medicamentos, próteses e outros recursos relativos ao tratamento, habilitação ou reabilitação. • Art. 12: Os estabelecimentos de atendimento à saúde deverão proporcionar condições para a permanência em tempo integral de um dos pais ou responsável, nos casos de internação de criança ou adolescente.
  12. 12. DO DIREITO À VIDA E Á SAÚDE • Art. 13: Os casos de suspeita ou confirmação de maus-tratos contra criança ou adolescente serão obrigatoriamente comunicados ao Conselho Tutelar. • É obrigatória a vacinação das crianças nos casos recomendados pelas autoridades sanitárias.
  13. 13. • A gestante tem direito ao atendimento pré-natal pelo SUS. • A parturiente deverá ser atendida de preferência pelo mesmo médico que a acompanhou na fase pré-natal. • O poder público não tem obrigação de fornecer apoio alimentar à gestante e à nutriz que necessitarem. • O poder público, as instituições e os empregadores não deverão fornecer condições adequadas ao aleitamento materno. • Os hospitais, públicos e particulares, são obrigados a manter registro das atividades, por meio de prontuários individuais, pelo período de 18 anos. • Os hospitais não são obrigados a manter alojamento conjunto, para o recém-nascido e à mãe.
  14. 14. • O poder público não tem obrigação de dar, de forma gratuita, os medicamentos e outros recursos para o tratamento daqueles que necessitarem. • Os estabelecimentos de saúde não são obrigados a dar condições para que um dos pais ou responsável permaneça por todo o tempo, nos casos de internação de criança ou adolescente. • A vacinação das crianças não é obrigatória quando recomenda pelas autoridades. • Os hospitais, públicos e particulares, são obrigados a identificar o recém-nascido por meio de registro de sua impressão do pé e digital e da impressão digital da mãe.

×