Complicações na gestação

21.822 visualizações

Publicada em

1 comentário
14 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
21.822
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.032
Comentários
1
Gostaram
14
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Complicações na gestação

  1. 1. COMPLICAÇÕES NA GESTAÇÃO
  2. 2. INTRODUÇÃO  É importante alertar que uma gestação que está transcorrendo bem pode se tornar de risco a qualquer momento, durante a evolução da gestação ou durante o trabalho de parto.  Os fatores de risco gestacional podem ser prontamente identificados no decorrer da assistência pré-natal.
  3. 3. SÍNDROMES HIPERTENSIVAS GESTACIONAIS
  4. 4. HIPERTENSÃO GESTACIONAL É o desenvolvimento de hipertensão sem proteinúria que ocorre após 20 semanas de gestação. O diagnóstico é temporário e pode representar hipertensão crônica recorrente nessa fase da gravidez. Complicações hipertensivas na gravidez são a maior causa de morbidade e mortalidade materna e fetal; ocorrem em cerca de 10% de todas as gestações;
  5. 5. PRÉ-ECLÂMPSIA A pré-eclâmpsia geralmente ocorre após a 20ª semana de gestação, classicamente pelo desenvolvimento gradual de hipertensão e proteinúria. Apresenta-se quando o nível da pressão arterial for maior ou igual a 140/90 mmHg, com proteinúria e após 20 semanas de gestação. Pode evoluir para eclâmpsia.
  6. 6. ECLÂMPSIA A eclâmpsia caracteriza-se pela presença de convulsões em mulher com qualquer quadro hipertensivo, não causadas por epilepsia ou qualquer outra doença convulsiva. Pode ocorrer na gravidez, no parto e no puerpério imediato. Em gestante com quadro convulsivo, o primeiro diagnóstico a ser considerado deve ser a eclâmpsia.
  7. 7. SÍNDROMES HEMORRÁGICAS
  8. 8. ABORTAMENTO Conceitua-se como abortamento a interrupção da gravidez ocorrida antes da 22ª semana de gestação. O abortamento pode ser precoce, quando ocorre até a 13ª semana e tardio, quando entre 13ª e 22ª semanas.
  9. 9. PLACENTA PRÉVIA Placenta prévia é definida como a placenta que se implanta total ou parcialmente no segmento inferior do útero.
  10. 10. DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA O descolamento prematuro de placenta (DPP) é definido como a separação da placenta da parede uterina antes do parto. Essa separação pode ser parcial ou total.
  11. 11. DESCOLAMENTO PREMATURO DE PLACENTA
  12. 12. ROTURA UTERINA  É uma complicação muito grave em obstetrícia sendo uma importante causa de morbimortalidade materna  O maior fator de risco para rotura é a presença de cicatriz uterina e o antecedente de cesariana é o principal delas. Outras causas possíveis são antecedentes  As gestantes que possuem duas ou mais cesáreas prévias têm um risco de rotura uterina maior.
  13. 13. NÁUSEAS E VÔMITOS DA GRAVIDEZ
  14. 14. NÁUSEAS E VÔMITOS DA GRAVIDEZ As náuseas e vômitos representam as condições médicas mais comuns da gravidez, contribuindo para um alto grau de ansiedade e preocupação nas mulheres. Nas suas formas mais graves, são chamadas de hiperemese gravídica, definida como vômitos persistentes que levam a uma perda de peso associada a desequilíbrio hidroeletrolítico.
  15. 15. INFECÇÃO URINÁRIA
  16. 16. INFECÇÃO URINÁRIA Este é o problema urinário mais comum durante a gestação. Ocorre em 17 a 20% das gestações e se associa a complicações como rotura prematura, trabalho de parto prematuro, febre no pós-parto, sepse materna e infecção neonatal.
  17. 17. ANEMIAS
  18. 18. ANEMIAS As principais causas de anemia na gestação são: Deficiência de ferro; Deficiência de acido fólico; Deficiência de vitamina B12; Perda sanguínea crônica
  19. 19. DIABETES
  20. 20. DIABETES O diabetes mellitus e uma doença metabólica crônica, caracterizada por hiperglicemia.
  21. 21. HIPOVITAMINOSE A
  22. 22. HIPOVITAMINOSE A A vitamina A é nutriente que atua no sistema imunológico, auxiliando no combate às infecções, tais como diarréia e sarampo. Ajuda também no crescimento e desenvolvimento, além de ser muito importante para o bom funcionamento da visão. A falta de vitamina A pode resultar em cegueira.
  23. 23. HIPOVITAMINOSE A Toda puérpera no pós-parto imediato, ainda na maternidade, deve receber uma megadose de vitamina A garantindo-se, assim, reposição dos níveis adequados de vitamina A no leite materno até que o bebê atinja os 6 meses de idade, diminuindo-se o risco de deficiência dessa vitamina entre as crianças amamentadas.
  24. 24. INCOMPATIBILIDADE DE RH
  25. 25. INCOMPATIBILIDADE DE RH A vitamina A é nutriente que atua no sistema imunológico, auxiliando no combate às infecções, tais como diarréia e sarampo. Ajuda também no crescimento e desenvolvimento, além de ser muito importante para o bom funcionamento da visão. A falta de vitamina A pode resultar em cegueira.

×