Aurélio Rubio Neto
UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
ESCOLA DE AGRONOMIA
PROTOCOLO DE SECAGEM DE FRUTOS EPROTOCOLO DE SECAGEM DE FRUTOS E
ESTABELECIMENTOESTABELECIMENTO IN VITROIN VITRO DE DUASDE...
INTRODUÇÃO
o Arecaceae
o 240 gêneros e 3500 espécies.
INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO
Distribuição
INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO
Ornamentação
56,5%56,5%
INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO
Oleaginoso
INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO
Out ras f ormas deutili zação
INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO
PROPAGAÇÃO
Desuniformidade e TMG
Maturidade Fisiológica
INTRODUÇÃOINTRODUÇÃOINTRODUÇÃOINTRODUÇÃO
DESSECAÇÃO DAS SEMENTESDESSECAÇÃO DAS SEMENTES
Qualidade fisiológica
Viabilidade por Longos períodosViabilidade por Longos...
INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO
Testes deTestes de
VigorVigor
DesidrogenasesDesidrogenases
[0,075 – 1%][0,075 – 1%]
EmbebiçãoEmbebiçã...
INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO
OxidaçãoOxidação MaturidadeMaturidade SacaroseSacarose
MacaúbaMacaúba [Acrocomia aculeata (Jacq.) Lodd. ex Mart.]
ASPECTOS BOTÂNICOSASPECTOS BOTÂNICOS
ASPECTOS BOTÂNICOSASPECTOS BOTÂNICOS
BabaçuBabaçu (Orbignya phalerata Mart.)
OBJETIVO GERAL
Avaliar qualidade fisiológica de embriões de
babaçu e macaúba em função da temperatura
de secagem, a fim de...
CAPÍTULO 2
TEMPERATURA DE SECAGEM NA VIABILIDADETEMPERATURA DE SECAGEM NA VIABILIDADE
E GERMINAÇÃOE GERMINAÇÃO IN VITROIN ...
OBJETIVO
Avaliar qualidade fisiológica de embriões em
função da temperatura de secagem dos
frutos de babaçu.
MATERIAL E MÉTODOSMATERIAL E MÉTODOS
37±237±2oo
CC 57±257±2oo
CC
0
6
11
SECAGEM
Teor de água
Material e métodosMaterial e métodos
VARIÁVEIS
0
6
11
Germinação in vitro
Teste de Tetrazólio
G% e IVG
Classes de vigor
Fatorial 3x2
Material e métodosMaterial...
Resultados
Secagem (dias)
Temperatura 37±2°C
Semente (%) Fruto (%)
0 21,26 Ay
(±0,73)z
23,88 A (± 0,98)
6 12,88 B (±1,32) 20,80 B (± ...
Embriões de babaçu submetidosEmbriões de babaçu submetidos
ao teste de tetrazólioao teste de tetrazólio
37°C
57°C
0 6 11
Porcentagem média de embriões de babaçu
viáveis, vigorosos, inviáveis e mortos,
submetidos a secagem
Secagem
(Dias)
Temper...
Secagem
(Dias)
Temperatura de secagem
37±2o
C 57±2o
C
Germinação
(%)
IVG
Germinação
(%)
IVG
0 67,10 Aay
0,56 Aa 67,10 Aa 0...
Conclusões
Com a nova avaliação do teste de tetrazólio
proposta, é possível determinar a quantidade
exata de embriões viáv...
Conclusões
• Os resultados evidenciaram comportamento
ortodoxo, uma vez, que capacidade de
germinação não foi afetada, mes...
CAPÍTULO 3.
VIABILIDADE DE EMBRIÕES DE MACAÚBA EM
FUNÇÃO DA TEMPERATURA DE SECAGEM
OBJETIVO
Verificar a influência de diferentes
temperaturas de secagem na qualidade
fisiológica dos embriões de macaúba, a
...
MATERIAL E MÉTODOS
Material e métodosMaterial e métodos
CURVA DE SECAGEMCURVA DE SECAGEM
>55 40,1-55 <40
37±237±2oo
CC
0-8dias
57±257±2oo
CC
0 a 8 dias
Material e métodosMaterial e métodos
CURVA DE SECAGEMCURVA DE SECAGEM
ExtraçãoExtração
Fatorial 5x2
RESULTADOS
CURVA DE SECAGEMCURVA DE SECAGEM
Resultados e discussãoResultados e discussão
CURVA DE SECAGEMCURVA DE SECAGEM
TEOR DE ÁGUA NOS FRUTOS (%)
0 25 30 35 40 45 50 55
TEORDEÁGUANASSEMENTES(%)
0
20
25
30
35...
Resultados e discussãoResultados e discussão
VIABILIDADEVIABILIDADE
37°C
57°C
0 2 4 6 8
Resultados e discussãoResultados e discussão
VIABILIDADEVIABILIDADE
SECAGEM (DIAS)
0 2 4 6 8
VIGOROSOS(%)
0
20
40
60
80
10...
SECAGEM (DIAS)
0 2 4 6 8
GERMINAÇÃO(%)
0
20
40
60
80
100
57°C: Y = 87,7752 * e(-0,4684 x); r² = 0,9361*
37°C: Y = y
SECAGE...
TEMPO DE SECAGEM (DIAS)
0 5 10 15 20
TEORDEÁGUANOSFRUTOS(%)
0
25
30
35
40
45
57°C: Y = 40,9654 * e
(-0,063 x)
; r² = 0,664...
CONCLUSÕESCONCLUSÕES
Mesmo aumentando a temperatura foi possível estimar
o teor de água. Entretanto, a secagem a 57±2°C,
a...
INFLUÊNCIA DA MATURAÇÃO DO
FRUTO E CONCENTRAÇÃO DE
SACAROSE NA GERMINAÇÃO IN VITRO
DE EMBRIÕES ZIGÓTICOS DE MACAÚBA
CAPÍTU...
OBJETIVO
Avaliar a influência da maturidade do
embrião e concentração de sacarose na
viabilidade de embriões zigóticos da
...
MATERIAL E MÉTODOS
Coleta e SecagemColeta e Secagem
Classes de maturaçãoClasses de maturação
Qualidade da extraçãoQualidade da extração
Germi...
GerminaçãoGerminação in vitroin vitro
Classe 1Classe 1 Classe 2Classe 2
0 g.L0 g.L-1-1
15 g.L15 g.L-1-1
30 g.L30 g.L-1-1
6...
RESULTADOS
BIOMETRIA
Determinações
Frutos pertencentes à classe I
Média Máximo Mínimo EPM CV (%)
DEF (mm) 4,59ns
5,92 4,00 0,26 6,34
...
Maturação Rendimento
Porcentagem de sementes
Íntegras Trincadas Quebradas Aderidas
Classe I 406,5ns
±21,57 39,0* ± 2,50 40...
SACAROSE (g L-1
)
0 10 20 30 40 50 60
GERMINAÇÃO(%)
0
20
40
60
80
100
Embrião obtidos de frutos da Classe II
Y = 31,6744 +...
SACAROSE (g L
-1
)
0 10 20 30 40 50 60
COMPRIMENTO(cm)
0,0
0,4
0,6
0,8
1,0
1,2
1,4
1,6
90 dias Classe I: Y = 0,5935 + 0,04...
CONCLUSÕESCONCLUSÕES
Os frutos possuem formato de drupa globosa, com
diâmetro médio variando de 4 cm a 5 cm, de 1 a 3
seme...
CONCLUSÕESCONCLUSÕES
É possível obter germinação elevada, e crescimento
inicial semelhante, entre embriões oriundos de fru...
OBRIGADO!
Defesa de Doutorado - PROTOCOLO DE SECAGEM DE FRUTOS E ESTABELECIMENTO IN VITRO DE DUAS PALMEIRAS COM POTENCIAL OLEAGINOSO
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Defesa de Doutorado - PROTOCOLO DE SECAGEM DE FRUTOS E ESTABELECIMENTO IN VITRO DE DUAS PALMEIRAS COM POTENCIAL OLEAGINOSO

663 visualizações

Publicada em

Defesa de Doutorado - Aurélio Rubio Neto
UFG

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
663
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
16
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Defesa de Doutorado - PROTOCOLO DE SECAGEM DE FRUTOS E ESTABELECIMENTO IN VITRO DE DUAS PALMEIRAS COM POTENCIAL OLEAGINOSO

  1. 1. Aurélio Rubio Neto UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA
  2. 2. PROTOCOLO DE SECAGEM DE FRUTOS EPROTOCOLO DE SECAGEM DE FRUTOS E ESTABELECIMENTOESTABELECIMENTO IN VITROIN VITRO DE DUASDE DUAS PALMEIRAS COM POTENCIAL OLEAGINOSOPALMEIRAS COM POTENCIAL OLEAGINOSO Larissa Leandro Pires Fabiano Guimarães Silva Aurélio Rubio Neto
  3. 3. INTRODUÇÃO o Arecaceae o 240 gêneros e 3500 espécies.
  4. 4. INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO Distribuição
  5. 5. INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO Ornamentação 56,5%56,5%
  6. 6. INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO Oleaginoso
  7. 7. INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO Out ras f ormas deutili zação
  8. 8. INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO PROPAGAÇÃO
  9. 9. Desuniformidade e TMG Maturidade Fisiológica INTRODUÇÃOINTRODUÇÃOINTRODUÇÃOINTRODUÇÃO
  10. 10. DESSECAÇÃO DAS SEMENTESDESSECAÇÃO DAS SEMENTES Qualidade fisiológica Viabilidade por Longos períodosViabilidade por Longos períodos Recalcitrante Ortodoxo
  11. 11. INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO Testes deTestes de VigorVigor DesidrogenasesDesidrogenases [0,075 – 1%][0,075 – 1%] EmbebiçãoEmbebição (horas)(horas) Condutividade ElétricaCondutividade Elétrica
  12. 12. INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO OxidaçãoOxidação MaturidadeMaturidade SacaroseSacarose
  13. 13. MacaúbaMacaúba [Acrocomia aculeata (Jacq.) Lodd. ex Mart.] ASPECTOS BOTÂNICOSASPECTOS BOTÂNICOS
  14. 14. ASPECTOS BOTÂNICOSASPECTOS BOTÂNICOS BabaçuBabaçu (Orbignya phalerata Mart.)
  15. 15. OBJETIVO GERAL Avaliar qualidade fisiológica de embriões de babaçu e macaúba em função da temperatura de secagem, a fim de otimizar protocolos existentes e propor nova metodologia para estabelecimento in vitro
  16. 16. CAPÍTULO 2 TEMPERATURA DE SECAGEM NA VIABILIDADETEMPERATURA DE SECAGEM NA VIABILIDADE E GERMINAÇÃOE GERMINAÇÃO IN VITROIN VITRO DE BABAÇUDE BABAÇU
  17. 17. OBJETIVO Avaliar qualidade fisiológica de embriões em função da temperatura de secagem dos frutos de babaçu.
  18. 18. MATERIAL E MÉTODOSMATERIAL E MÉTODOS
  19. 19. 37±237±2oo CC 57±257±2oo CC 0 6 11 SECAGEM Teor de água Material e métodosMaterial e métodos
  20. 20. VARIÁVEIS 0 6 11 Germinação in vitro Teste de Tetrazólio G% e IVG Classes de vigor Fatorial 3x2 Material e métodosMaterial e métodos
  21. 21. Resultados
  22. 22. Secagem (dias) Temperatura 37±2°C Semente (%) Fruto (%) 0 21,26 Ay (±0,73)z 23,88 A (± 0,98) 6 12,88 B (±1,32) 20,80 B (± 0,29) 11 9,26 B (±0,58) 20,38 B (± 0,32)   Temperatura 57±2°C 0 21,26 A (±0,73) 23,88 A (± 0,98) 6 11,83 B (±1,66) 19,38 B (± 0,27) 11 6,76 C (±1,60) 18,98 B (± 0,28) 1 Médias de letras iguais entre tempo de secagem não diferem entre si pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. 2 ± Erro Padrão da Média. Teor de água em frutos eTeor de água em frutos e sementessementes de Babaçude Babaçu
  23. 23. Embriões de babaçu submetidosEmbriões de babaçu submetidos ao teste de tetrazólioao teste de tetrazólio 37°C 57°C 0 6 11
  24. 24. Porcentagem média de embriões de babaçu viáveis, vigorosos, inviáveis e mortos, submetidos a secagem Secagem (Dias) Temperatura de secagem 37±2°C 57±2°C Vigorosos Viáveis Inviável Mortos Vigorosos Viáveis Inviável Mortos 0 0,0 Aay 52,7 Aa 47,2 Ba 0,0 Aa 0,0 Aa 52,7 Aa 47,2 Aa 0,0 Ba 6 0,0 Aa 57,5 Aa 42,5 Ba 0,0 Aa 0,0 Aa 0,0 Bb 52,5 Aa 47,5 Ab 11 0,0 Aa 10,0 Ba 90,0 Aa 0,0 Aa 0,0 Aa 0,0 Ba 42,5 Ab 55,0 Ab
  25. 25. Secagem (Dias) Temperatura de secagem 37±2o C 57±2o C Germinação (%) IVG Germinação (%) IVG 0 67,10 Aay 0,56 Aa 67,10 Aa 0,56 Aa 6 67,64 Aa 0,40 Aa 11,11 Bb 0,04 Bb 11 86,88 Aa 0,42 Aa 2,50 Bb 0,06 Bb Porcentagem de germinação e IVG de embriões extraídos de frutos submetidos a secagem Reorganizar as classes de vigor
  26. 26. Conclusões Com a nova avaliação do teste de tetrazólio proposta, é possível determinar a quantidade exata de embriões viáveis, inviáveis e mortos. Ao contrário da secagem a 57±2o C, a secagem a 37±2o C por até 11 dias não diminui a germinação in vitro dos embriões.
  27. 27. Conclusões • Os resultados evidenciaram comportamento ortodoxo, uma vez, que capacidade de germinação não foi afetada, mesmo com a secagem das sementes, abaixo de 10%.
  28. 28. CAPÍTULO 3. VIABILIDADE DE EMBRIÕES DE MACAÚBA EM FUNÇÃO DA TEMPERATURA DE SECAGEM
  29. 29. OBJETIVO Verificar a influência de diferentes temperaturas de secagem na qualidade fisiológica dos embriões de macaúba, a fim de incrementar o processo de secagem já existente.
  30. 30. MATERIAL E MÉTODOS
  31. 31. Material e métodosMaterial e métodos CURVA DE SECAGEMCURVA DE SECAGEM >55 40,1-55 <40 37±237±2oo CC 0-8dias 57±257±2oo CC
  32. 32. 0 a 8 dias Material e métodosMaterial e métodos CURVA DE SECAGEMCURVA DE SECAGEM ExtraçãoExtração Fatorial 5x2
  33. 33. RESULTADOS
  34. 34. CURVA DE SECAGEMCURVA DE SECAGEM Resultados e discussãoResultados e discussão
  35. 35. CURVA DE SECAGEMCURVA DE SECAGEM TEOR DE ÁGUA NOS FRUTOS (%) 0 25 30 35 40 45 50 55 TEORDEÁGUANASSEMENTES(%) 0 20 25 30 35 Y = 14,1577 + 0,2285 x; r = 0,4791* 37±237±2oo CC TEOR DE ÁGUA NOS FRUTOS (%) 0 20 25 30 35 40 45 50 55 TEORDEÁGUANASSEMENTES(%) 0 5 10 15 20 25 30 35 Y = -7,5883 + 0,7074 x; r = 0,7244* 57±257±2oo CC Resultados e discussãoResultados e discussão
  36. 36. Resultados e discussãoResultados e discussão VIABILIDADEVIABILIDADE 37°C 57°C 0 2 4 6 8
  37. 37. Resultados e discussãoResultados e discussão VIABILIDADEVIABILIDADE SECAGEM (DIAS) 0 2 4 6 8 VIGOROSOS(%) 0 20 40 60 80 100 Y = y 37°C: Y = 64,5 - 8,25x; r² = 0,6868* 57°C: Y = y SECAGEM (DIAS) 0 2 4 6 8VIÁVEIS(%) 0 20 40 60 80 Y = y Y = y 57°C: Y = y 37°C: Y = y SECAGEM (DIAS) 0 2 4 6 8 INVIÁVEIS(%) 0 10 20 30 40 50 Y = y Y = y 37°C: Y = y 57°C: Y = y SECAGEM (DIAS) 0 2 4 6 8 MORTOS(%) 0 20 40 60 80 100 120 Y = y Y = y 37°C: Y = y 57°C: Y = y
  38. 38. SECAGEM (DIAS) 0 2 4 6 8 GERMINAÇÃO(%) 0 20 40 60 80 100 57°C: Y = 87,7752 * e(-0,4684 x); r² = 0,9361* 37°C: Y = y SECAGEM (DIAS) 0 2 4 6 8IVG 0,00 0,02 0,04 0,06 0,08 57°C :Y = 0,0404 = 0,0058 x; r² = 0,8296* 37°C: Y = y GERMINAÇÃOGERMINAÇÃO IN VITROIN VITRO Resultados e discussãoResultados e discussão
  39. 39. TEMPO DE SECAGEM (DIAS) 0 5 10 15 20 TEORDEÁGUANOSFRUTOS(%) 0 25 30 35 40 45 57°C: Y = 40,9654 * e (-0,063 x) ; r² = 0,6644* 37°C: Y = 38,3231 * e(-0,022 x); r² = 0,6229* 57°C: Y = -113,2047 + 4,1783 x; r² = 0,8347* 37°C: Y = y TEOR DE ÁGUA (%) 0 25 30 35 40 45 50 GERMINAÇÃO(%) 0 20 40 60 80 100 Y = y GERMINAÇÃOGERMINAÇÃO IN VITROIN VITROTEORES DE ÁGUATEORES DE ÁGUA Resultados e discussãoResultados e discussão
  40. 40. CONCLUSÕESCONCLUSÕES Mesmo aumentando a temperatura foi possível estimar o teor de água. Entretanto, a secagem a 57±2°C, apesar de reduzir o processo em 50% do tempo, não foi efetiva. Por isso, recomenda-se manter a secagem dos frutos a 37±2°C, pois, mesmo após 16 dias de secagem ou redução de 50% do teor de água inicial dos frutos, os embriões são capazes de germinar.
  41. 41. INFLUÊNCIA DA MATURAÇÃO DO FRUTO E CONCENTRAÇÃO DE SACAROSE NA GERMINAÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES ZIGÓTICOS DE MACAÚBA CAPÍTULO 3
  42. 42. OBJETIVO Avaliar a influência da maturidade do embrião e concentração de sacarose na viabilidade de embriões zigóticos da macaúba
  43. 43. MATERIAL E MÉTODOS
  44. 44. Coleta e SecagemColeta e Secagem Classes de maturaçãoClasses de maturação Qualidade da extraçãoQualidade da extração GerminaçãoGerminação in vitroin vitro Material e métodosMaterial e métodos
  45. 45. GerminaçãoGerminação in vitroin vitro Classe 1Classe 1 Classe 2Classe 2 0 g.L0 g.L-1-1 15 g.L15 g.L-1-1 30 g.L30 g.L-1-1 60 g.L60 g.L-1-1 SacaroseSacarose FatorialFatorial 2x42x4 Material e métodosMaterial e métodos
  46. 46. RESULTADOS
  47. 47. BIOMETRIA Determinações Frutos pertencentes à classe I Média Máximo Mínimo EPM CV (%) DEF (mm) 4,59ns 5,92 4,00 0,26 6,34 DLF (mm) 4,36* 4,99 3,79 0,25 6,30 Relação 1,05* 1,16 0,88 0,01 5,12 Sementes/Frutos 1,41* 3,00 1,00 0,05 41,68   Frutos pertencentes à classe II DEF (mm) 4,55 5,24 4,08 0,21 5,21 DLF (mm) 4,48 5,22 3,88 0,24 5,87 Relação 1,02 1,16 0,88 0,01 5,11 Sementes/Frutos 1,71 3,00 1,00 0,05 35,91
  48. 48. Maturação Rendimento Porcentagem de sementes Íntegras Trincadas Quebradas Aderidas Classe I 406,5ns ±21,57 39,0* ± 2,50 40,0* ± 4,11 15,1* ± 2,20 6,7* ± 1,76 Classe II 413,3 ± 47,88 25,9 ± 2,40 12,8 ± 2,75 32,4 ± 3,72 28,8 ± 5,84 Qualidade do processo de extração de sementes de macaúbaQualidade do processo de extração de sementes de macaúba [[Acrocomia aculeataAcrocomia aculeata (Jacq.) Lodd. ex Mart.], em frutos(Jacq.) Lodd. ex Mart.], em frutos pertencentes a duas classes de maturação.pertencentes a duas classes de maturação.
  49. 49. SACAROSE (g L-1 ) 0 10 20 30 40 50 60 GERMINAÇÃO(%) 0 20 40 60 80 100 Embrião obtidos de frutos da Classe II Y = 31,6744 + 3,0847 x - 0,0421 x²; R² = 0,6806 Embrião obtidos de frutos da Classe I Y = 24,6722 + 3,353 x - 0,0446 x²; R² = 0,6087 GERMINAÇÃOGERMINAÇÃO IN VITROIN VITRO Resultados e discussãoResultados e discussão
  50. 50. SACAROSE (g L -1 ) 0 10 20 30 40 50 60 COMPRIMENTO(cm) 0,0 0,4 0,6 0,8 1,0 1,2 1,4 1,6 90 dias Classe I: Y = 0,5935 + 0,0475 x - 0,0007 x²; R² = 0,7652 90 dias Classe II: Y = 0,5463 + 0,0419 x - 0,0005 x²; R² = 0,9750 GERMINAÇÃOGERMINAÇÃO IN VITROIN VITRO Resultados e discussãoResultados e discussão
  51. 51. CONCLUSÕESCONCLUSÕES Os frutos possuem formato de drupa globosa, com diâmetro médio variando de 4 cm a 5 cm, de 1 a 3 sementes por fruto. O rendimento da extração superior a 406 sementes.hora.homem-1 , em diferentes estágios, sendo, no entanto, obtida maior quantidade de sementes íntegras, nos frutos de epicarpo verde (Classe I).
  52. 52. CONCLUSÕESCONCLUSÕES É possível obter germinação elevada, e crescimento inicial semelhante, entre embriões oriundos de frutos em diferentes graus de maturação. As concentrações de sacarose entre 33 g.L-1 e 41 g.L-1 em meio de cultivo proporcionou o maior crescimento dos embriões.
  53. 53. OBRIGADO!

×