Tema: <ul><li>NOSOGRAFIA </li></ul><ul><li>PSICOPATOLÓGICA: </li></ul><ul><li>CID-10 (F20 a F29):  </li></ul><ul><li>Esqui...
Esquizofrenia, transtornos esquizotípicos e delirantes (F20 a F29): Este agrupamento reúne a esquizofrenia, a categoria ma...
Este agrupamento contém as seguintes categorias de três caracteres: F20 Esquizofrenia F21 Transtorno esquizotípico F22 Tra...
Detalhes do F20  (Esquizofrenia): A  esquizofrenia  é uma afetação psíquica severa que se caracteriza classicamente pelos ...
Indicadores da CID-10 para Esquizofrenia: <ul><li>Pelo menos uma das síndromes, sintomas e sinais listados em (1) abaixo o...
<ul><li>(2) Ou pelo menos dois dos seguintes: </li></ul><ul><li>Alucinações persistentes de qualquer modalidade, quando oc...
Detalhamento do F20 (Esquizofrenia): <ul><ul><li>(F20.0) Esquizofrenia paranóide </li></ul></ul><ul><ul><li>(F20.1) Esquiz...
Detalhamento dos transtornos psicóticos agudos e transitórios (F23):  <ul><ul><li>(F23.0) Transtorno psicótico agudo polim...
Detalhes do F22: transtornos delirantes persistentes (-> paranóia) Inclui uma variedade de afetações em que delírios de lo...
Cláusula de exclusão mais comumente usada: não deve haver nenhuma evidência clara de um transtorno cerebral primário ou se...
Fragmento clínico número 4: F. S. , 49 anos, sexo feminino. Com 8 internações prévias e transtorno mental há cerca de 20 a...
-Como é a voz? - Igual criança. Falam assim: “pa mim”, “pa nóis”. As plantas pedem para eu molhar só a peruquinha delas. -...
Análise do fragmento clínico número 4 (F.S.): Sintomas:  * conteúdo incomum do pensamento (achar que água é comida, acredi...
Comentários com vistas à elaboração de uma hipótese diagnóstica: O conteúdo incomum do pensamento não nos autoriza a afirm...
O fragmento aproxima-se mais de um  transtorno esquizotípico . Trata-se de um transtorno  aparentado com a esquizofrenia, ...
Fragmento clínico número 5 (José): <ul><li>José, sexo masculino </li></ul><ul><li>Paciente com 31 anos de idade e com um h...
<ul><li>-Você achava que as camisas estavam limpas, e que sua mãe lavou elas ficaram mais limpas? </li></ul><ul><li>-Contr...
Análise do fragmento clínico número 5 (José): <ul><li>Sintomas:  </li></ul><ul><li># paciente provavelmente delirante (del...
Comentários com vistas à elaboração de uma hipótese diagnóstica: <ul><li>Se este paciente tivesse 59 anos e as alterações ...
<ul><li>Todavia, pelo que foi apresentado, poderíamos propor algo em torno de uma esquizofrenia paranóide (F20.0): há delí...
Prosseguiremos na  pr ó xima aula! <ul><li>Prof. Alexandre Simões </li></ul><ul><li>Contatos: </li></ul><ul><li>[email_add...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

PSICOPATOLOGIA II: Aula 05 (CID-10 – F20 a F29)

10.846 visualizações

Publicada em

0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.846
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
88
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
299
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

PSICOPATOLOGIA II: Aula 05 (CID-10 – F20 a F29)

  1. 1. Tema: <ul><li>NOSOGRAFIA </li></ul><ul><li>PSICOPATOLÓGICA: </li></ul><ul><li>CID-10 (F20 a F29): </li></ul><ul><li>Esquizofrenia, transtornos esquizotípicos e delirantes </li></ul>
  2. 2. Esquizofrenia, transtornos esquizotípicos e delirantes (F20 a F29): Este agrupamento reúne a esquizofrenia, a categoria mais importante deste grupo de transtornos, o transtorno esquizotípico e os transtornos delirantes persistentes e um grupo maior de transtornos psicóticos agudos e transitórios. Os transtornos esquizoafetivos foram mantidos nesta seção, ainda que sua natureza permaneça controversa.
  3. 3. Este agrupamento contém as seguintes categorias de três caracteres: F20 Esquizofrenia F21 Transtorno esquizotípico F22 Transtornos delirantes persistentes F23 Transtornos psicóticos agudos e transitórios F24 Transtorno delirante induzido F25 Transtornos esquizoafetivos F28 Outros transtornos psicóticos não-orgânicos F29 Psicose não-orgânica não especificada
  4. 4. Detalhes do F20 (Esquizofrenia): A esquizofrenia é uma afetação psíquica severa que se caracteriza classicamente pelos seguintes sintomas alterações do pensamento, alucinações (visuais, cinestésicas, e sobretudo auditivas), delírios e alterações na relação com a realidade. Junto da paranóia (transtorno delirante persistente: F22) e dos transtornos severos do humor (o campo antes abrangido pela PMD: psicose maníaco-depressiva; hoje muito fragmentado na CID-10 em episódio maníaco, episódio depressivo grave e transtorno bipolar), as esquizofrenias compõem o grupo das Psicose. Há vários tipos de esquizofrenia (OBS.: vide aula sobre alterações do juízo)
  5. 5. Indicadores da CID-10 para Esquizofrenia: <ul><li>Pelo menos uma das síndromes, sintomas e sinais listados em (1) abaixo ou pelo menos 2 dos sinais e sintomas listados em (2) devem estar presentes pela maior parte do tempo durante um episódio do quadro que dure pelo menos um mês (ou por algum tempo durante a maioria dos dias): </li></ul><ul><li>(1) Pelo menos um dos seguintes deve estar presente: </li></ul><ul><li>Eco do pensamento, inserção ou roubo do pensamento ou irradiação do pensamento; </li></ul><ul><li>Delírios de controle, influência ou passividade, claramente referindo-se ao corpo ou aos movimentos dos membros ou a pensamentos, ações ou sensações específicos; percepções delirantes; </li></ul><ul><li>Vozes alucinatórias comentando o comportamento do paciente ou discutindo entre elas sobre o paciente ou outro tipos de vozes alucinatórias vindos de alguma parte do corpo; </li></ul><ul><li>Delírios persistentes de outros tipos que sejam culturalmente inapropriados e completamente impossíveis (ex.: ser capaz de controlar o tempo ou estar em comunicação com alienígenas); </li></ul>
  6. 6. <ul><li>(2) Ou pelo menos dois dos seguintes: </li></ul><ul><li>Alucinações persistentes de qualquer modalidade, quando ocorrendo todos os dias por pelo menos um mês, quando acompanhadas por delírios (os quais podem ser superficiais ou parciais) sem conteúdo afetivo claro ou quando acompanhados por idéias supersetimadas persistentes; </li></ul><ul><li>Neologismos, interceptação ou interpolações no curso do pensamento, resultando em discurso incoerente e irrelevante; </li></ul><ul><li>Comportamento catatônico, tal como excitação, postura inadequada, flexibilidade cérea, negativismo, mutismo e estupor; </li></ul><ul><li>Sintomas ‘negativos’, tais como apatia marcante, pobreza de discurso e embotamento ou incongruência de respostas emocionais (deve ficar claro que esses sintomas não são decorrentes de depressão ou medicação neuroléptica) </li></ul>
  7. 7. Detalhamento do F20 (Esquizofrenia): <ul><ul><li>(F20.0) Esquizofrenia paranóide </li></ul></ul><ul><ul><li>(F20.1) Esquizofrenia hebefrênica </li></ul></ul><ul><ul><li>(F20.2) Esquizofrenia catatônica </li></ul></ul><ul><ul><li>(F20.3) Esquizofrenia indiferenciada </li></ul></ul><ul><ul><li>(F20.4) Depressão pós-esquizofrênica </li></ul></ul><ul><ul><li>(F20.5) Esquizofrenia residual </li></ul></ul><ul><ul><li>(F20.6) Esquizofrenia simples </li></ul></ul><ul><ul><li>(F20.8) Outras esquizofrenias </li></ul></ul><ul><ul><li>(F20.7) Esquizofrenia não especificada </li></ul></ul>
  8. 8. Detalhamento dos transtornos psicóticos agudos e transitórios (F23): <ul><ul><li>(F23.0) Transtorno psicótico agudo polimorfo, sem sintomas esquizofrênicos </li></ul></ul><ul><ul><li>(F23.1) Transtorno psicótico agudo polimorfo, com sintomas esquizofrênicos </li></ul></ul><ul><ul><li>(F23.2) Transtorno psicótico agudo de tipo esquizofrênico (schizophrenia-like) </li></ul></ul><ul><ul><li>(F23.3) Outros transtornos psicóticos agudos, essencialmente delirantes </li></ul></ul><ul><ul><li>(F23.8) Outros transtornos psicóticos agudos e transitórios </li></ul></ul><ul><ul><li>(23.9) Transtorno psicótico agudo e transitório não especificado </li></ul></ul>
  9. 9. Detalhes do F22: transtornos delirantes persistentes (-> paranóia) Inclui uma variedade de afetações em que delírios de longa duração constituem a única ou a mais marcante característica clínica, e que não podem ser classificados como orgânicos, esquizofrênicos ou afetivos. Transtornos delirantes que duraram menos de alguns meses devem ser classificados , pelo menos temporariamente , em F23 (transtornos psicóticos agudos e transitórios). O quadro se caracteriza pelo desenvolvimento, quer de uma idéia delirante única ou de um conjunto de delírios relacionados que são geralmente persistente e algumas vezes instalam-se ao longo da vida . O conteúdo delirante é muito variável (mais comuns: persecutórios, megalomaníacos, de ciúmes, erotomaníacos). Idéia clara e persistente, alucinações auditivas (vozes) que não sejam persistentes e se apresentem bem distintas de sintomas esquizofrênicos tais como idéias delirantes de controle ou um embotamento nítido dos afetos.
  10. 10. Cláusula de exclusão mais comumente usada: não deve haver nenhuma evidência clara de um transtorno cerebral primário ou secundário ou de um transtorno psicótico decorrente do uso de substância psicoativa. A presença de alucinações ocasionais ou transitórias, particularmente em pacientes idosos, não exclui esse diagnóstico , desde que não sejam tipicamente esquizofrênicas e formem apenas uma pequena parte do quadro clínico geral.
  11. 11. Fragmento clínico número 4: F. S. , 49 anos, sexo feminino. Com 8 internações prévias e transtorno mental há cerca de 20 anos. Nesta entrevista, calma, um pouco sorridente, voz mansa: -Por que internou-se antes? - Porque tinha depressão, angústia, vontade de sair correndo, não queria ver ninguém, dor de cabeça... Agora sarei. -Mas internou desta vez por quê? - Discussão em família. Porque eu gosto dos 10 mandamentos e eles não gostam. Eles gostam é de quem rouba, quem mata. (...) -Por que você come com as mãos? - O que faz ficar forte não é planta, animal... É sol, chuva, trabalho. Água também é comida! Comer no prato é vampirismo! (...) -Sua família falou que você estava conversando com as plantas... - Converso com plantas e animais. Como se fosse um bebê que nasceu, nasce a planta. Eu planto muda. -Conversa pra quê? - Porque eles são bonitos, lindos, lembra Deus. -E eles respondem? - Pede água.
  12. 12. -Como é a voz? - Igual criança. Falam assim: “pa mim”, “pa nóis”. As plantas pedem para eu molhar só a peruquinha delas. -Isto é imaginação ou você escuta mesmo? - Escuto. -E com os animais? - Telepatia. -Como faz? - Prende a língua no céu da boca e fala mentalmente. -Vocês conversam sobre o quê? - Troco uma idéia... Perguntam se estou bem...
  13. 13. Análise do fragmento clínico número 4 (F.S.): Sintomas: * conteúdo incomum do pensamento (achar que água é comida, acreditar que plantas e animais podem conversar); * associações frouxas (“comer no prato é vampirismo”): o paciente associa comer no prato com comer seres vivos; * sentimento persecutório em relação à família, a qual associa ao mal; * alucinações auditivas; * puerilidade (infantilidade).
  14. 14. Comentários com vistas à elaboração de uma hipótese diagnóstica: O conteúdo incomum do pensamento não nos autoriza a afirmar a existência de um delírio. O fato da paciente se sentir perseguida pela família também não caracteriza um delírio de perseguição. Ela não afirma que a família quer fazer-lhe mal. Sua fala pode ser um ressentimento, uma queixa. Este posicionamento carente se associa bem com a infantilidade das suas alucinações. “As plantas” não dizem “para mim”, dizem “pa mim”, como se fossem crianças, ou, nas próprias palavras dela, “como se fosse um bebê que nasceu”. Apesar da presença de alucinações nos remeter, primeiramente, à hipótese de esquizofrenia, este diagnóstico só deve ser feito se, além das alucinações, ocorrerem delírios.
  15. 15. O fragmento aproxima-se mais de um transtorno esquizotípico . Trata-se de um transtorno aparentado com a esquizofrenia, mas mais brando, “caracterizado por comportamento excêntrico e anomalias do pensamento e do afeto”, que “segue um curso crônico com flutuações de intensidade” (CID-10). São alguns dos sintomas comuns do transtorno esquizotípico: afeto inapropriado; pobre relacionamento com outros e retraimento social; comportamento excêntrico; crenças estranhas ou pensamento mágico; suspeitas paranóides; experiências perceptivas inusuais; pensamento vago ou metafórico, sem incoerência grosseira; ocasionais alucinações auditivas. Hipótese diagnóstica: transtorno esquizotípico (F21).
  16. 16. Fragmento clínico número 5 (José): <ul><li>José, sexo masculino </li></ul><ul><li>Paciente com 31 anos de idade e com um histórico clínico que se iniciou há 8 anos. Está frequentando um CAPS há aproximadamente 2 meses. </li></ul><ul><li>Nesta entrevista, colaborativo e calmo, no início. A mãe do paciente o acompanhava. </li></ul><ul><li>[OBS.: respondeu corretamente dados de identificação e de orientação]. </li></ul><ul><li>-O que aconteceu na sua casa hoje? </li></ul><ul><li>- Meu irmão usa a minha calça, descorou tudo, rebentou tudo! Peguei, rasguei e queimei. </li></ul><ul><li>(Mãe: “Uma calça cara!”) </li></ul><ul><li>- Mas fui eu que comprei, com meu trabalho, com meu suor! (Um pouco irritado) </li></ul><ul><li>(Mãe: “Queimou também 4 camisas.”) </li></ul><ul><li>-Por quê? </li></ul><ul><li>-Porque tava limpa e minha mãe molhou, lavou, e não precisava! </li></ul><ul><li>(Mãe: “Saiu da outra clínica e ficou 2 meses com a mesma calça.”) </li></ul><ul><li>-Você não sente um cheiro ruim que vai ficando, não? </li></ul><ul><li>-Não, não... </li></ul>
  17. 17. <ul><li>-Você achava que as camisas estavam limpas, e que sua mãe lavou elas ficaram mais limpas? </li></ul><ul><li>-Contrariei! Eu ganho o meu dinheiro, a gente dá duro, trabalha, vem um moleque, que sai com uma puta e usa! </li></ul><ul><li>(Mãe: “Ninguém usa a roupa dele. É coisa da cabeça dele, a roupa nem serve no irmão dele.”) </li></ul><ul><li>(Mãe relata que o mesmo “conversa sozinho”, o paciente nega) </li></ul><ul><li>-Você trabalha?! </li></ul><ul><li>-Não, mas já trabalhei muito! </li></ul>
  18. 18. Análise do fragmento clínico número 5 (José): <ul><li>Sintomas: </li></ul><ul><li># paciente provavelmente delirante (delírio de cunho persecutório); </li></ul><ul><li># irritável se sente que invadem seu espaço; </li></ul><ul><li># senso de realização aumentado (diz estar trabalhando e comprar “com o suor”); </li></ul><ul><li># agnosia olfativa?; </li></ul><ul><li># abandono de hábitos de higiene; </li></ul><ul><li># prováveis alucinações auditivas. </li></ul>
  19. 19. Comentários com vistas à elaboração de uma hipótese diagnóstica: <ul><li>Se este paciente tivesse 59 anos e as alterações tivessem começado há 1 ano, poderia ser uma demência? Provavelmente. Na demência, pode haver persecutoriedade, alterações de personalidade (poderíamos interpretar assim a agressividade, os xingamentos), pode haver anosmia (perda do olfato). E as alterações de memória da demência? Podem ser leves, dependendo do tipo de demência. E mais, nem podemos dizer que ele não as tem, pois não foram diretamente verificadas na entrevista; </li></ul><ul><li>Partindo da idade do paciente (31 anos), poderíamos nos deparar com a seguinte situação narrada por sua mãe: “ele é nervoso desde que nasceu”, “demorou pra andar”, “não aprendeu a ler, na escola”, etc. Nesta situação, poderíamos estar diante de um retardo mental leve (leve, porque trabalha e está orientado). No retardo há um maior descontrole emocional.; </li></ul>
  20. 20. <ul><li>Todavia, pelo que foi apresentado, poderíamos propor algo em torno de uma esquizofrenia paranóide (F20.0): há delírios persecutórios, provavelmente existam alucinações; </li></ul><ul><li>Não devemos excluir, no entanto, uma situação mais organizada: Transtornos delirantes persistentes (F22) </li></ul>
  21. 21. Prosseguiremos na pr ó xima aula! <ul><li>Prof. Alexandre Simões </li></ul><ul><li>Contatos: </li></ul><ul><li>[email_address] </li></ul><ul><li>http://www.alexandresimoes.com.br </li></ul>

×