9º Congresso da Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar
FORUM DOS HOSPITAIS
MINEIROS
Olugar e o não - lugar do anali...
Hipóteses de
base:
1) a clínica, no hospital, podendo
eventualmente se associar à
presença pontual e fugaz do
analista, nã...
2) a clínica que
se faz no
hospital é
inteiramente
síncrona ao
l ugar do
anal i st a na
Em outros termos:
não deveríamos indagar acerca do lugar do analista no hospital,
a dimensão ou as condições de seu ato ne...
3) nesta clínica, o que está em jogo é uma
i mpl i ca em se ver i f i car const ant ement e o l ugar do
anal i st a t ant o na Psicanálise em intensão quant o na
Psi...
TRÂNSITO ENTRE
DISCURSOS
a partir do
GOZO
Se, de fato, o que colocamos em ação por intermédio do ato
analítico
é uma operação sobre o gozo . . .
“Cabe a cada analista reinventar a
psicanálise... Cabe a cada analista
reinventar a maneira de manter viva
a psicanálise” ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O LUGAR E O NÃO-LUGAR DO ANALISTA NO HOSPITAL

804 visualizações

Publicada em

Palestra no 9º congresso da Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar (ocorrido em Belo Horizonte, em agosto de 2013).

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
804
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
51
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O LUGAR E O NÃO-LUGAR DO ANALISTA NO HOSPITAL

  1. 1. 9º Congresso da Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar FORUM DOS HOSPITAIS MINEIROS Olugar e o não - lugar do analista no hospital: reflexões a partir de uma experiência Alexandre Simões Gesianni Gonçalves Thaís Viana
  2. 2. Hipóteses de base: 1) a clínica, no hospital, podendo eventualmente se associar à presença pontual e fugaz do analista, não haverá de ser necessariamente reduzida à caut el a de uma mer a escuta analítica ou de uma modest a perspectiva analítica, dando a ent ender que o genuíno e denso trabalho analítico ocor r a em um out r o l ugar
  3. 3. 2) a clínica que se faz no hospital é inteiramente síncrona ao l ugar do anal i st a na
  4. 4. Em outros termos: não deveríamos indagar acerca do lugar do analista no hospital, a dimensão ou as condições de seu ato neste lócus sem, antes, nos perguntarmos sobre o lugar do analista na clínica contemporânea
  5. 5. 3) nesta clínica, o que está em jogo é uma
  6. 6. i mpl i ca em se ver i f i car const ant ement e o l ugar do anal i st a t ant o na Psicanálise em intensão quant o na Psicanálise em extensão Operar sobre o gozo Operar sobre o gozo Operar sobre o gozo Operar sobre o gozo
  7. 7. TRÂNSITO ENTRE DISCURSOS a partir do GOZO
  8. 8. Se, de fato, o que colocamos em ação por intermédio do ato analítico é uma operação sobre o gozo . . .
  9. 9. “Cabe a cada analista reinventar a psicanálise... Cabe a cada analista reinventar a maneira de manter viva a psicanálise” (Lacan, 1978)

×