Lacan e a Psicanálise:interlocuções com a contemporaneidade<br />     Tema:<br />Seminário 5 (As formações do inconsciente...
No Seminário 5(06-11-1957 a 02-07-1958), Lacan vai enfatizar a presença da função simbólica no campo psicanalítico para, d...
Para tal, dando sequência ao retorno a Freud, Lacan empreenderá um debate mais intenso com duas produções de Freud:<br />A...
Nesse debate, tanto na perspectiva do dito espirituoso quanto na do esquecimento de palavras (ato falho)<br />Lacan reconh...
A marca crucial do simbólico sobre o humano será abordada por Lacan por intermédio dessa figura chamada de o Grande Outro ...
Notemos que são estas perspectivas (lugar-função-operação) que, entrecruzadas, demarcarão o estatuto do Grande Outro na ps...
O Outro como distinto do pequeno outro (-> o semelhante, o próximo, sua imagem, o reflexo do próprio corpo) tende a se mos...
Vale lembrar que o Seminário 5 de Lacan é concomitante à elaboração de um texto publicado na coletânea dos Escritos, que v...
A partir da articulação da Psicanálise com a Linguística, Lacan vai formalizar as leis do inconsciente. A proposta de Laca...
Topologia  em  Jacques  Lacan:<br />É uma forma de apresentar o sujeito em função de suas conexões.<br />Daí, a articulaçã...
O grafo, que será construído em várias etapas ao longo do Seminário 5 de Lacan,<br />é um prenúncio do uso que, mais tarde...
Em suma, com o grafo e a topologia (por vir) Lacan vai problematizar a relação do fora (a linguagem tida como aquilo que j...
Mas, o que é um grafo ?<br />Um grafo é representado como um conjunto de pontos(chamados de vértices) ligados por retas(ch...
Para apreendermos a elaboração do grafo que Lacan irá construir<br />Devemos considerar que ele é composto por diversos ní...
Primeiro nível do grafo: fluxos e refluxos, com pontos de sobreposição<br />
“Um discurso não é apenas uma matéria, uma textura, mas requer tempo, tem uma dimensão no tempo, uma espessura. (...) Por ...
O ponto de estofo: primeiro efeito do significante: a produção de significado<br />
Detalhamento do primeiro nível do grafo: a significação e o Outro<br />
O Outro como lugar do código:<br />“Decerto é preciso que o código esteja em algum lugar, para que possa haver audição do ...
Primeiro nível do grafo mais completo:<br />
Em um  dado momento de sua elaboração, Lacan localiza no ponto de partida inferior do grafo o ‘assujeito’: “Pois bem, digo...
“Desde o primeiro gemido, o recém-nascido articula-se com a mãe, de quem receberá o uso da cadeia significante.” <br />(Se...
O impulso para o segundo nível do grafo:<br />
Prosseguiremos no próximo encontro com o tema Seminário 5(As formações do inconsciente): a instância do significante e o O...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Curso Lacan e a Psicanálise - Aula 7: Seminário 5 (As formações do incosnciente): a instância do significante e o Outro

5.186 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.186
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
48
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
282
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Curso Lacan e a Psicanálise - Aula 7: Seminário 5 (As formações do incosnciente): a instância do significante e o Outro

  1. 1. Lacan e a Psicanálise:interlocuções com a contemporaneidade<br /> Tema:<br />Seminário 5 (As formações do inconsciente): a instância do significante e o Outro<br /> Coordenação Alexandre Simões<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  2. 2. No Seminário 5(06-11-1957 a 02-07-1958), Lacan vai enfatizar a presença da função simbólica no campo psicanalítico para, daí, verificar os efeitos do simbólico sobre o sujeito<br />
  3. 3. Para tal, dando sequência ao retorno a Freud, Lacan empreenderá um debate mais intenso com duas produções de Freud:<br />A psicopatologia da vida cotidiana (1901) <br />e<br />Os chistes e sua relação com o inconsciente <br />(1905)<br />
  4. 4. Nesse debate, tanto na perspectiva do dito espirituoso quanto na do esquecimento de palavras (ato falho)<br />Lacan reconhecerá o que Freud já havia introduzido no momento d’A interpretação dos sonhos (1900): <br />o simbólico nos afeta e a experiência humana do desejo é uma decorrência dessa condição.<br />
  5. 5. A marca crucial do simbólico sobre o humano será abordada por Lacan por intermédio dessa figura chamada de o Grande Outro (A).<br />Este Grande Outro apresentará, ao longo do ensino de Jacques Lacan, várias faces. <br />Em algumas circunstâncias, ele se mostrará como lugar; em outras, como função ou operação.<br />
  6. 6. Notemos que são estas perspectivas (lugar-função-operação) que, entrecruzadas, demarcarão o estatuto do Grande Outro na psicanálise lacaniana<br />
  7. 7. O Outro como distinto do pequeno outro (-> o semelhante, o próximo, sua imagem, o reflexo do próprio corpo) tende a se mostrar como anônimo, universal e abstrato.<br />Todavia, sob uma perspectiva mais fina, Lacan nos proporá que o Outro é limitado. É desde o seu próprio limite que o Outro funciona.<br />
  8. 8. Vale lembrar que o Seminário 5 de Lacan é concomitante à elaboração de um texto publicado na coletânea dos Escritos, que vai estabelecer um importante diálogo com o conteúdo das lições:<br />A instância da letra no inconsciente ou a razão desde Freud (1957)<br />
  9. 9. A partir da articulação da Psicanálise com a Linguística, Lacan vai formalizar as leis do inconsciente. A proposta de Lacan nesse seminário (e também no próximo) será definir uma topologia do funcionamento (impacto) do significante no sujeito. <br />
  10. 10. Topologia em Jacques Lacan:<br />É uma forma de apresentar o sujeito em função de suas conexões.<br />Daí, a articulação do ‘dentro’ com o ‘fora’, do ‘perto’ com o ‘longe’, do ‘íntimo’ com o ‘estranho’.<br />Trata-se de uma importante decorrência da argumentação apresentada por Freud no artigo sobre ‘O familiarmente estranho’ (1919)<br />
  11. 11. O grafo, que será construído em várias etapas ao longo do Seminário 5 de Lacan,<br />é um prenúncio do uso que, mais tarde, ele fará da topologia para pensar (e sustentar) a experiência psicanalítica<br />
  12. 12. Em suma, com o grafo e a topologia (por vir) Lacan vai problematizar a relação do fora (a linguagem tida como aquilo que já é dado) com o dentro (o psíquico), <br />do anterior (o discurso, a sexualidade) com o posterior (o corpo, a zona erógena).<br />
  13. 13. Mas, o que é um grafo ?<br />Um grafo é representado como um conjunto de pontos(chamados de vértices) ligados por retas(chamadas de arestas). É comum se apresentar as arestas de maneira direcionada; neste caso, elas são representadas por setas.<br />
  14. 14. Para apreendermos a elaboração do grafo que Lacan irá construir<br />Devemos considerar que ele é composto por diversos níveis, vetores, relações, elementos e posições.<br />Toda a maquinaria é cartografada no intuito de se propor como que se dá o efeito do significante no sujeito.<br />
  15. 15. Primeiro nível do grafo: fluxos e refluxos, com pontos de sobreposição<br />
  16. 16. “Um discurso não é apenas uma matéria, uma textura, mas requer tempo, tem uma dimensão no tempo, uma espessura. (...) Por exemplo, quando começo uma frase, vocês só compreenderão seu sentido quando eu a houver concluído. (...) Isso nos dá o exemplo mais tangível do que podemos chamar de ação nachträglich do significante.” <br />(Seminário 5, p. 17)<br />
  17. 17. O ponto de estofo: primeiro efeito do significante: a produção de significado<br />
  18. 18. Detalhamento do primeiro nível do grafo: a significação e o Outro<br />
  19. 19. O Outro como lugar do código:<br />“Decerto é preciso que o código esteja em algum lugar, para que possa haver audição do discurso. Esse código está, muito evidentemente, no grande Outro (A), isto é, no Outro como companheiro de linguagem. É absolutamente indispensável que esse Outro exista, e, rogo-lhes que o observem, não há nenhuma necessidade de chamá-lo por esse nome imbecil e delirante de consciência coletiva. Um Outro é um Outro. Basta apenas um para que uma língua seja viva. (...) Pode-se continuar a fazer tiradas espirituosas numa língua mesmo quando se é o único a possuí-la.”<br /> (Seminário 5, p. 19/20)<br />
  20. 20. Primeiro nível do grafo mais completo:<br />
  21. 21. Em um dado momento de sua elaboração, Lacan localiza no ponto de partida inferior do grafo o ‘assujeito’: “Pois bem, digo que a criança se esboça como assujeito. Trata-se de um assujeito porque, a princípio, ela se experimenta e se sente como profundamente assujeitada ao capricho daquele de quem depende, mesmo que esse capricho seja um capricho articulado.” (Seminário 5, p. 195)<br />
  22. 22. “Desde o primeiro gemido, o recém-nascido articula-se com a mãe, de quem receberá o uso da cadeia significante.” <br />(Seminário 5, p. 528)<br />
  23. 23. O impulso para o segundo nível do grafo:<br />
  24. 24. Prosseguiremos no próximo encontro com o tema Seminário 5(As formações do inconsciente): a instância do significante e o Outro<br />Até lá!<br />Acesso a este conteúdo:<br />www.alexandresimoes.com.br<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />

×