Lacan e a Psicanálise:interlocuções com a contemporaneidade<br />     Tema:<br />Seminário 9 (A identificação): as imagens...
Antes de entrarmos no próximo tema relativo ao Seminário 9 de Jacques Lacan<br />vale retornarmos um pouco ao que foi dese...
Vimos que o Seminário 8 é basicamente um seminário que nos indaga sobre a posição do psicanalista na condução da análise: ...
(cont.) Trata-se daquilo que está no coração da resposta que o analista deve dar para dar conta do poder da transferência....
 (...) A títulos diversos, e sob diversas rubricas, pode-se, com certeza, formular a propósito do analista algo que seja d...
Pensar a posição do psicanalista não a partir do ideal, mas do objeto: <br />“Mas ainda há uma outra coisa que, chegando a...
Seminário 9: a identificação (1960-1961)<br />
Trata-se de um seminário denso.<br />Todavia, nele Lacan vai expor apontamentos bastante esclarecedores quanto ao que vinh...
De início, Lacan afirma que as temáticas de seus seminários anteriores contemplaram, de forma alternada, dois grandes camp...
Um ponto de avanço no Seminário 9, quando comparado com o percurso anterior, reside basicamente no exame mais atento e con...
É, pois, nesta perspectiva (a do alinhavamento de instâncias que pareciam se aproximar mas que, até então, não haviam sido...
Para onde Lacan se encaminha?<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos  de autor reservados.<br />
Por qual meio Lacan se aproximará desse ponto?<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos  de autor reservados.<br />
A relação do sujeito com o significante, quando aprofundada por Lacan, o conduz a se perguntar sobre a forma como o sujeit...
As instâncias do significante no Seminário 9:<br />
Traço Unário<br />termo que Lacan extrai do texto de Freud: <br />Psicologia das massas e análise do eu (1921)<br />
Lacan propõe que o nome é o ponto de ancoragem onde o sujeito se constitui, e é a partir do qual que se pode falar emident...
Para verificarmos o valor clínico dessa argumentação, é importante destacar que o traço unário não é um traço que faz apel...
Sobre a identificação<br />Ao invés de propor que o ordenador da identificação, tal como a maior parte da tradição pós-fre...
Enfim, Lacan privilegiará a dimensão simbólica ao invés da imaginária, no caso da identificação. <br />Notemos que o imagi...
Isto se concebe em Lacan a título de <br />Primazia do Significante<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos  de au...
Neste caminho, Lacan distinguirá o significante do signo.<br />Signo: é aquilo que representa algo para alguém. <br />Sign...
Dado que uma investigação constante deste seminário é a provável relação do externo que se torna interno e, daí, deixa de ...
A partir deste ponto, Lacan prosseguirá até o fim de sua vida, na investigação/construção de uma possível<br />ciência do ...
Usualmente, Lacan era interrogado sobre onde estava a verdade em seu discurso. Lacan respondia: “eu sou um psicanalista e,...
Prosseguiremos com o tema Seminário 10 (A angústia): a construção do objeto a ou nem tudo é significante<br />Até lá!<br /...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Curso Lacan e a Psicanálise- Aula 11: Seminário 9 (A identificação): as imagens, os significantes e a identidade

5.441 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Educação
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.441
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
54
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
273
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Curso Lacan e a Psicanálise- Aula 11: Seminário 9 (A identificação): as imagens, os significantes e a identidade

  1. 1. Lacan e a Psicanálise:interlocuções com a contemporaneidade<br /> Tema:<br />Seminário 9 (A identificação): as imagens, os significantes e a identidade<br /> Coordenação Alexandre Simões<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  2. 2. Antes de entrarmos no próximo tema relativo ao Seminário 9 de Jacques Lacan<br />vale retornarmos um pouco ao que foi desenvolvido na parte conclusiva de nosso último encontro sobre o Seminário 8 <br />(A transferência):<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  3. 3. Vimos que o Seminário 8 é basicamente um seminário que nos indaga sobre a posição do psicanalista na condução da análise: <br />“É por isso mesmo que me asseguro de que o que lhes digo, de fato, jamais é embaraçoso para o papel que devo manter diante de alguns de vocês, que é o de analista. Isso está ligado, precisamente, ao que visa meu discurso deste ano, a saber, a posição do psicanalista. ( continua ->)<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  4. 4. (cont.) Trata-se daquilo que está no coração da resposta que o analista deve dar para dar conta do poder da transferência. Essa posição, eu a distingo dizendo que no próprio lugar que é o seu, o analista deve se ausentar de todo ideal do analista. (->)<br />
  5. 5. (...) A títulos diversos, e sob diversas rubricas, pode-se, com certeza, formular a propósito do analista algo que seja da ordem do ideal. Existem qualificações do analista, e isso já é bastante para constituir um núcleo dessa ordem. O analista não deve ser totalmente ignorante de um certo número de coisas, isso é certo. Mas não é isso, de modo algum, que entra em jogo em sua posição essencial.”<br />(Seminário 8, p. 371).<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  6. 6. Pensar a posição do psicanalista não a partir do ideal, mas do objeto: <br />“Mas ainda há uma outra coisa que, chegando aqui ao termo de meu discurso, não posso deixar de indicar e que concerne à função do pequeno a.<br />O que Sócrates sabe, e que o analista deve ao menos entrever, é que, no nível do pequeno a, a questão é inteiramente diferente daquela do acesso a algum ideal. O amor somente pode circundar o campo do ser. E o analista, este só pode pensar que qualquer objeto pode preenchê-lo. Aí coloca a questão do que vale qualquer objeto que entre no campo do desejo. Não há objeto que tenha maior preço que um outro - aqui está o luto em torno do qual está centrado o desejo do analista.” <br />(Seminário 8, p. 381).<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  7. 7. Seminário 9: a identificação (1960-1961)<br />
  8. 8. Trata-se de um seminário denso.<br />Todavia, nele Lacan vai expor apontamentos bastante esclarecedores quanto ao que vinha se passando na série de seminários anteriores, bem como em relação a alguns temas que ainda seriam explorados nos anos seguintes.<br />
  9. 9. De início, Lacan afirma que as temáticas de seus seminários anteriores contemplaram, de forma alternada, dois grandes campos:<br />de um lado, o sujeito; <br />de outro, o significante;<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  10. 10. Um ponto de avanço no Seminário 9, quando comparado com o percurso anterior, reside basicamente no exame mais atento e concentrado da relação do sujeito com o significante;<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  11. 11. É, pois, nesta perspectiva (a do alinhavamento de instâncias que pareciam se aproximar mas que, até então, não haviam sido efetivamente abordadas em conjunto e no remetimentomútuo) que Lacan localizará a <br />identificação.<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  12. 12. Para onde Lacan se encaminha?<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  13. 13. Por qual meio Lacan se aproximará desse ponto?<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  14. 14. A relação do sujeito com o significante, quando aprofundada por Lacan, o conduz a se perguntar sobre a forma como o sujeito é afetado pelo Simbólico<br />Isto, por sua vez, o leva a pensar na nomeação.<br />
  15. 15. As instâncias do significante no Seminário 9:<br />
  16. 16. Traço Unário<br />termo que Lacan extrai do texto de Freud: <br />Psicologia das massas e análise do eu (1921)<br />
  17. 17. Lacan propõe que o nome é o ponto de ancoragem onde o sujeito se constitui, e é a partir do qual que se pode falar emidentificação. <br />Neste sentido, o nome tem valor de traço unário. <br />Essa identificação remete à perda do objeto. <br />Na medida em que esta perda se efetiva, o sujeito se identifica com um traço do objeto. Essa identificação é sempre parcial, referindo-se somente a um traço único da "pessoa objetalizada”. <br />
  18. 18. Para verificarmos o valor clínico dessa argumentação, é importante destacar que o traço unário não é um traço que faz apelo à lembrança do objeto. <br />Ou seja, ele não é um traço que tenha por função representar o objeto. Trata-se apenas de uma marca distintiva, sem significação. <br />Por isso, o nome próprio é o exemplo paradigmático do traço unário, porque ele encarna um traço distintivo. O nome próprio, longe de se traduzir, se transfere como tal.<br />
  19. 19. Sobre a identificação<br />Ao invés de propor que o ordenador da identificação, tal como a maior parte da tradição pós-freudiana concebia até aquele momento, era a relação do sujeito com uma imagem, será proposto que <br />“... o que se trata na identificação deve ser a relação do sujeito com o significante.” <br />
  20. 20. Enfim, Lacan privilegiará a dimensão simbólica ao invés da imaginária, no caso da identificação. <br />Notemos que o imaginário não será descartado, nem mesmo desvalorizado, entretanto, será alinhado ao simbólico: “ ... quando se fala de identificação, pensa-se de entrada no outro (o semelhante), àquilo que alguém se identifica. A porta está para mim facilmente aberta para colocar o acento, para insistir, sobre a diferença do outro com o Outro, do pequeno outro com o grande Outro, que é um tema do qual posso dizer que vocês já estão familiarizados.”<br />
  21. 21. Isto se concebe em Lacan a título de <br />Primazia do Significante<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  22. 22. Neste caminho, Lacan distinguirá o significante do signo.<br />Signo: é aquilo que representa algo para alguém. <br />Significante: é aquilo que representa um sujeito para outro significante<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  23. 23. Dado que uma investigação constante deste seminário é a provável relação do externo que se torna interno e, daí, deixa de ser externo (em outras palavras: se revira), Lacan é levado a se indagar sobre circunstâncias espaciais e geométricas. <br />É neste itinerário que ele irá propor uma “estrutura topológica do sujeito”.<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  24. 24. A partir deste ponto, Lacan prosseguirá até o fim de sua vida, na investigação/construção de uma possível<br />ciência do sujeito<br />
  25. 25. Usualmente, Lacan era interrogado sobre onde estava a verdade em seu discurso. Lacan respondia: “eu sou um psicanalista e, como tal, devo lhe decepcionar (décevoir: iludir, lograr, enganar, decepcionar). Eu não digo a verdade sobre a verdade. Eu posso lhe conduzir bastante longe na pista do ‘quem sou eu?’ sem que você tenha garantia um só instante acerca da verdade do que eu lhe digo e, todavia, naquilo que eu lhe digo, não se trata senão da verdade.”<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />
  26. 26. Prosseguiremos com o tema Seminário 10 (A angústia): a construção do objeto a ou nem tudo é significante<br />Até lá!<br />Acesso a este conteúdo:<br />www.alexandresimoes.com.br<br />ALEXANDRE SIMÕES <br />® Todos os direitos de autor reservados.<br />

×