A prática psicanalítica com Lacan 
Coordenação Alexandre Simões 
Tema de hoje: 
O inconsciente em Freud e em Lacan 
(refer...
Na lição inicial do Seminário 11, Lacan, recorrendo ao conceito de praxis, vai propor que “... a praxis delimita um campo”...
Nesta segunda lição (22/01/1964), Lacan irá delinear este ‘campo’
Para tal, ele explicita que o objeto mencionado anteriormente... 
lembremo-nos disto nestes 2 próximos slides:
Lacan e a Verdade 
“... A verdade do sujeito, mesmo quando ele está em posição de mestre, não está nele mesmo, mas, como a...
Quanto à concepção do que vem a ser a prática analítica, faz uma grande diferença: 
a verdade do sujeito como aquilo que l...
O objeto velado por natureza é o objeto a. 
E Lacan nos adverte: ele tem diversas formas 
(cf. p. 24)
A menção inicial a este objeto é que possibilitará a Lacan falar não em um campo genérico, em se tratando da Psicanálise c...
Lacan argumenta que os analistas deixaram de valorizar aquilo que estava no âmago da experiência freudiana: a fala 
“... f...
A fala, deve ser revalorizada no campo analítico sob um fundo: 
“o inconsciente é estruturado como uma linguagem” (p. 25)
Este é o nível da estrutura: 
“O importante, para nós, é que vemos aqui o nível em que - antes de qualquer formação do suj...
Localizar o sujeito (e a experiência analítica) não exatamente a partir de uma estrutura fechada, porém, a partir de uma f...
Quais são as consequências práticas (por exemplo, para a condução de uma análise) ao se considerar seriamente que o ponto ...
“O inconsciente, primeiro, se manifesta para nós como algo que fica em espera na área, eu diria algo de não-nascido” 
(p. ...
Em meio a esta circunstância, Lacan é preciso: 
na prática analítica, o que está em operação não é o inconsciente em geral...
buraco 
hiância 
fenda 
tropeço 
dimensões esquecidas do inconsciente (cf. p. 28)
rachadura 
desfalecimento 
surpresa 
descontinuidade 
dimensões esquecidas do inconsciente (cf. p. 28) 
ruptura 
traço de ...
“Vocês concordarão comigo em que o um que é introduzido pela experiência do inconsciente é o um da fenda, do traço, da rup...
Prosseguiremos com 
O sujeito do inconsciente 
(referência Seminário 11 – Do sujeito da certeza, pp. 33- 44) 
Até lá! 
Ace...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan – Aula 3: O inconsciente em Freud e em Lacan (referência Seminário 11 – O inconsciente freudiano e o nosso)

723 visualizações

Publicada em

CURSO A prática psicanalítica com Lacan (conduzido pelo psicanalista Alexandre Simoes – alexandresimoes@terra.com.br)
Proposta: buscaremos percorrer a interlocução que Jacques Lacan estabelece com Freud, enfatizando a prática cotidiana da psicanálise, especialmente no que se refere à condução das demandas contemporâneas que chegam ao analista. Para tal, neste momento, acompanharemos as lições iniciais do Seminário 11 de Lacan, onde são apresentados quatro conceitos fundamentais para a condução de uma análise: inconsciente, repetição, transferência e pulsão.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
723
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
37
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2014 - CURSO A prática psicanalítica com Lacan – Aula 3: O inconsciente em Freud e em Lacan (referência Seminário 11 – O inconsciente freudiano e o nosso)

  1. 1. A prática psicanalítica com Lacan Coordenação Alexandre Simões Tema de hoje: O inconsciente em Freud e em Lacan (referência Seminário 11 – O inconsciente freudiano e o nosso, pp. 23- 32)
  2. 2. Na lição inicial do Seminário 11, Lacan, recorrendo ao conceito de praxis, vai propor que “... a praxis delimita um campo” (p. 15)
  3. 3. Nesta segunda lição (22/01/1964), Lacan irá delinear este ‘campo’
  4. 4. Para tal, ele explicita que o objeto mencionado anteriormente... lembremo-nos disto nestes 2 próximos slides:
  5. 5. Lacan e a Verdade “... A verdade do sujeito, mesmo quando ele está em posição de mestre, não está nele mesmo, mas, como a análise o demonstra, num objeto, velado por natureza...” (p. 13)
  6. 6. Quanto à concepção do que vem a ser a prática analítica, faz uma grande diferença: a verdade do sujeito como aquilo que lhe é intrínseco a verdade do sujeito como aquilo que se localiza em sua relação com o objeto (e, ademais: objeto que não é claro)
  7. 7. O objeto velado por natureza é o objeto a. E Lacan nos adverte: ele tem diversas formas (cf. p. 24)
  8. 8. A menção inicial a este objeto é que possibilitará a Lacan falar não em um campo genérico, em se tratando da Psicanálise como praxis, mas em algo bem específico: o campo freudiano
  9. 9. Lacan argumenta que os analistas deixaram de valorizar aquilo que estava no âmago da experiência freudiana: a fala “... foi preciso todo o meu esforço para revalorizar aos olhos deles [dos analistas] esse instrumento, a fala - para lhe devolver sua dignidade, e fazer com que ela não seja sempre, para eles, essas palavras desvalorizadas de antemão que os forçavam a fixar os olhos em outra parte, para lhes encontrar um fiador.” (p. 24)
  10. 10. A fala, deve ser revalorizada no campo analítico sob um fundo: “o inconsciente é estruturado como uma linguagem” (p. 25)
  11. 11. Este é o nível da estrutura: “O importante, para nós, é que vemos aqui o nível em que - antes de qualquer formação do sujeito, de um sujeito que pensa, que se situa aí - isso conta, é contado, e no contado já está o contador. Só depois é que o sujeito tem que se reconhecer ali, reconhecer-se ali como contador.” (p. 26)
  12. 12. Localizar o sujeito (e a experiência analítica) não exatamente a partir de uma estrutura fechada, porém, a partir de uma falha hiância “... o inconsciente freudiano, é nesse ponto que eu tento fazer vocês visarem por aproximação que ele se situa nesse ponto em que, entre a causa e o que ela afeta, há sempre claudicação.” (p. 27)
  13. 13. Quais são as consequências práticas (por exemplo, para a condução de uma análise) ao se considerar seriamente que o ponto central de nossa experiência se refere a uma falha?
  14. 14. “O inconsciente, primeiro, se manifesta para nós como algo que fica em espera na área, eu diria algo de não-nascido” (p. 28) buraco hiância fenda
  15. 15. Em meio a esta circunstância, Lacan é preciso: na prática analítica, o que está em operação não é o inconsciente em geral, porém, o INCONSCIENTE FREUDIANO (Unbewusste): “O inconsciente freudiano nada tem a ver com as formas ditas do inconsciente que o precederam, mesmo as que o acompanhavam, mesmo as que o cercam ainda. (...) O inconsciente de Freud não é de modo algum o inconsciente romântico da criação imaginante. Não é o lugar das divindades da noite. (...) No sonho, no ato falho, no chiste - o que é que chama a atenção primeiro? É o modo de tropeço pelo qual eles aparecem.” (p. 29)
  16. 16. buraco hiância fenda tropeço dimensões esquecidas do inconsciente (cf. p. 28)
  17. 17. rachadura desfalecimento surpresa descontinuidade dimensões esquecidas do inconsciente (cf. p. 28) ruptura traço de abertura
  18. 18. “Vocês concordarão comigo em que o um que é introduzido pela experiência do inconsciente é o um da fenda, do traço, da ruptura” (p.30) E isto repercute diretamente sobre a escuta do analista, o manejo da transferência, a direção do tratamento. O Um da fenda, do não-todo ( -> Unbewusste)
  19. 19. Prosseguiremos com O sujeito do inconsciente (referência Seminário 11 – Do sujeito da certeza, pp. 33- 44) Até lá! Acesso a este conteúdo: www.alexandresimoes.com.br ALEXANDRE SIMÕES ® Todos os direitos de autor reservados.

×