Pânico

3.087 visualizações

Publicada em

www.oconsultorio.com - Fone 0 (11) 2274-8217 - O Psicólogo Alexandre Rivero Nesta Apresentação explica o Transtorno do Pânico. Conceito, Sintomas, mecanismo biológico e"o que fazer".

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.087
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
63
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pânico

  1. 1. Transtorno do PânicoTranstorno do Pânico
  2. 2. Transtorno do PânicoTranstorno do Pânico • A característica essencial deste transtorno são os ataques recorrentes de uma ansiedade grave (ataques de pânico), que não ocorrem exclusivamente numa situação ou em circunstâncias determinadas mas de fato são imprevisíveis. Como em outros transtornos ansiosos, os sintomas essenciais comportam a ocorrência brutal de palpitação e dores torácicas, sensações de asfixia, tonturas e sentimentos de irrealidade (despersonalização ou desrrealização). Existe, além disso, freqüentemente um medo secundário de morrer, de perder o autocontrole ou de ficar louco.
  3. 3. Evolução • Agorafobia: A pessoa passa evitar locais fechados ou isolados e multidões, devido à preocupação com a possibilidade de passar mal e não conseguir escapar ou obter socorro
  4. 4. Mecanismo Biológico • organismo reage em etapas distintas e seqüentes : Ao se aproximar de um estimulo desencadeador (interno ou externo) o cérebro entra em alerta. No cérebro, a mensagem chega a uma estrutura chamada córtex, onde é reconhecida como ameaçadora. Rapidamente, o hipotálamo é acionado e libera adrenalina, noradrenalina, substâncias que fazem a comunicação entre as células nervosas. A partir de então uma série de efeitos psicológicos é desencadeada. Em segundos, o estímulo nervoso parte do hipotálamo para as glândulas hipófise e supra-renais. As supra-renais começa a liberar o hormônio cortisol, desencadeando as manifestações físicas de uma crise de medo, pavor, pânico.
  5. 5. Modelo Cognitivo do TranstornoModelo Cognitivo do Transtorno do Pânicodo Pânico Experiência Anterior Real / Acontecimento Formação de Suposições / Crenças Disfuncionais – Catastrofização. Incidente Crítico Ativação de Suposições / Crenças Pensamentos / Imagens Mentais Automáticas Pânico Fisiológico Comportamentos Cognitivo Afeto
  6. 6. Etiologia / Psicologia: • Interpretações catastróficas disfuncionais de certas condições corporais. – Clark, 1986 • Ameaças na sociabilidade: rejeição e reprovação e na individualidade: doença, perda de controle, loucura e morte. Beck • Educação infantil punidora, gera medo de agir e obter punições. • Forma de não crescer e permanecer com a família de origem. Temer catástrofe com os pais, (situações familiares, profissionais, religiosas).
  7. 7. Procedimentos: • 1. Inundação: imaginar o pior, a situação mais temida.  • 2. Reestruturação Cognitiva: identificar pensamentos distorcidos e  catastróficos.  • 3. Treino de Relaxamento  • 4. Rever crenças de que “coisas ruins vão acontecer comigo se eu não  agir bem” estabelecer “o prazer e realização pessoal são as coisas  significativas da vida”.  • 5. Desenvolver auto-estima e autoconfiança em suas capacidades.  • 6. Aprender a correr riscos e tolerar frustrações. Enfrentar medos e  ansiedades.  • 7. Hiperventilação; Acelerar e tornar a respiração curta, simulando  as  impressões quando do ataque de pânico. Sensibilizando para a  importância de uma respiração adequada. • 8. Empatia: compreensão de sua construção subjetiva. • 9. Análise da Narrativa. • 10. Compreender o tema percepção, a atribuição de significados; bem  como a  construção sócio-cultural de seus significados e crenças • 11. Medicação: antidepressivos, em casos acentuados. 

×