Inicio da moderna

305 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
305
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Inicio da moderna

  1. 1. TRANSIÇÃO DO FEUDALISMO PARA O CAPITALISMO
  2. 2. CRISE DO FEUDALISMO TRANSIÇÃO PARA O CAPITALISMO Por volta do séc. XIII, o sistema feudal apresentava os primeiros sinais de enfraquecimento. •crescimento demográfico •avanço das técnicas agrícolas •. crise da agricultura do século XIV: iniciou-se um período de falta de alimentos, e a subnutrição crônica
  3. 3. CRISE DO FEUDALISMO TRANSIÇÃO PARA O CAPITALISMO •Revoltas camponesas • A Peste Negra Renascimento do Comércio • Cruzadas
  4. 4. •epidemias Pasleurella pestis A Peste Negra
  5. 5. O RENASCIMENTO DO COMÉRCIO O comércio ressurge no fim da Idade Média em torno dos burgos (fortificações medievais), através das feiras. Desta forma, os antigos burgos vão se transformando em cidades.
  6. 6. Idade Moderna  Este período histórico teve início em 1453, quando os turcos otomanos tomaram a cidade de Constantinopla e provocaram a queda do Império Romano do Oriente.
  7. 7. A Economia de Transição Época do Feudalismo  baseada na terra e, portanto, na agricultura de subsistência e na troca dos objetos que necessitassem, Início dos tempos Modernos  passou a depender das mercadorias trazidas do Oriente, Jerusalém, de Constantinopla, de Calicute, de Bagdá, da China e da África.  Desenvolvimento do Capitalismo Comercial
  8. 8. A FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS NACIONAIS A crise do feudalismo concorreu para a formação das Monarquias Nacionais e o fortalecimento da autoridade do rei.
  9. 9. A FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS NACIONAIS Os seguintes fatores facilitaram a organização das Monarquias Nacionais: •o desaparecimento gradual da servidão •as revoltas camponesas contra a exploração feudal •o desenvolvimento do comércio e das cidades •a produção agrícola voltada para o mercado • o enfraquecimento da nobreza feudal
  10. 10. O Estado Moderno se estruturou em oposição as forças políticas da Idade Média: o regionalismo político dos feudos, onde quem mandava era o senhor feudal e o universalismo da Igreja Católica que impunha a autoridade do papa sobre todos os lugares. No lugar da autoridade do senhor surge o conceito de soberania, ou seja o soberano (rei) tinha o direito de fazer valer a sua autoridade sobre os súditos.
  11. 11. soberania Burocracia administrativa (funcionários) Força militar (exército) Leis e justiça unificadas Sistema tributário (impostos) Idioma nacional CARACTERÍSTICAS DO ESTADO MODERNO
  12. 12. • Foram possíveis graças a poderosa aliança REI + BURGUESIA pela imposição do Absolutismo Monárquico
  13. 13. • Concentração de poderes nas mãos dos reis.
  14. 14. 1. Maquiavel “Os fins justificam os meios.” 2. Jean Bodin “ O direito divino dos reis” 3. Thomas Hobbes “homo lupos homo” 4. Jacques Bossuet “Um rei, uma fé, uma lei”
  15. 15. • Nicolau Maquiavel (1469-1527) – em Florença (Itália) pregou a construção de um estado forte, independente da Igreja e dirigido por um soberano absoluto. Segundo ele os fins justificam os meios. Obra: O Príncipe • • Poder – Família Médicis. • Principal obra – O Príncipe.
  16. 16. • · Para Maquiavel, o Príncipe deve ser temido, deve estabelecer o terror; deve agir como um animal – da raposa, a astúcia, e do leão, a força. Se não possui qualidades deve fingir tê-las; deve procurar se cercar de bons conselheiros, que o aconselhem quando solicitado e de forma que as suas idéias pareçam vir do Príncipe;
  17. 17. • Jean Bodin(1530 – 1596) – filósofo francês que defendeu a tese do direito divino dos reis. A autoridade e o poder do rei vem de Deus. Obra: A República • • Poder – Luís XIV. • Principal obra – Os seis livros sobre a República
  18. 18. O Monarca é a maior figura sobre a Terra. Depois dele só Deus. • O Monarca está absolvido do poder das leis e também das suas próprias leis; • Para ele o rei tem poderes divinos que lhe foi dado por Deus.
  19. 19. Poder: Oliver Cromwell. Principal obra: O Leviatã. Principais características de sua obra: · “Homo lupus homo” - O Homem é o lobo do homem
  20. 20. • Thomas Hobbes (1588-1679) – filósofo inglês que escreveu o Leviatã comparando o estado a um monstro todo-poderoso, criado para acabar com a anarquia da sociedade primitiva. • Propôs a teoria do Contrato Social, ou seja, eliminar toda a desordem, dando segurança a todos e entregando o poder a um rei absoluto
  21. 21. • Jacques Bossuet ( 1627-1704) bispo francês que acreditava que o rei era uma pessoa predestinada por Deus para governar a sociedade. “ Um rei, uma fé , uma lei.” • Principal obra: Política tirada da Sagrada Escritura • Principais características de sua obra: • - O poder do rei era absoluto porque vinha de Deus. Logo, o rei só deve satisfação de seus atos para o Criador.
  22. 22. 1. Portugal 2. Espanha 3. França 4. Inglaterra
  23. 23. 1. Portugal 2. Espanha 3. França 4. Inglaterra
  24. 24. • surge como estado independente em 1139. D. Afonso Henriques é o iniciador da Dinastia de Borgonha. Com a Revolução de Avis (1383) a burguesia portuguesa saiu vitoriosa sobre a antiga sociedade feudal. Portugal se torna o primeiro estado absolutista e mercantilista. • D.João, Mestre de Avis
  25. 25. • o estado nacional se concretiza através do casamento dos reis Fernando (Aragão) e Isabel (Castela) em 1469. Os mouros (árabes) são expulsos e a Espanha se lança às Grandes Navegações
  26. 26. França a centralização política inicia coma Dinastia dos Capetos (séc.XIII) e tem seu auge com Luís XIV (1661-1715), o Rei-Sol ; “o Estado sou Eu.”
  27. 27. • o absolutismo tem início com Henrique VII (1485-1509) e seu auge com Henrique VIII e Elisabeth I.

×