Toxina Botulínica em Odontologia

1.629 visualizações

Publicada em

TOXINA BOTULÍNICA EM ODONTOLOGIA - Palestra ministrada na Faculdade de Odontologia na UFF-Nova Friburgo, em 25/05/2015. A Professora Alessandra Areas e Souza é especialista, mestre e doutora em Periodontia.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
14 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.629
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
58
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
143
Comentários
0
Gostaram
14
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Toxina Botulínica em Odontologia

  1. 1. Prof. Alessandra Areas e Souza
  2. 2. !  A toxina botulínica é produzida pela bactéria Clostridium botulinum. !  Há sete formas distintas de neurotoxina, que vão desde o tipo A a G, com o tipo A (BTX-A), sendo os mais comumente utilizados por razões terapêuticas. !  "Botox" (Allergan, Inc, USA) é o nome comercial da toxina botulílinca do tipo A primeiramente aprovada para uso cosmético e terapêutico, sendo o mais amplamente divulgado muitas vezes é aplicado como sinônimo do procedimento. AREAS
  3. 3. AREAS
  4. 4. !  Apesar de serem encontrado mais de 8 tipos diferentes de toxina botulínica, somente a A e a B são utilizadas para o tratamento da DTM, sendo o do tipo B não autorizada no Brasil e usada quando a tipo A perde seu efeito. AREAS
  5. 5. !  Os primeiros estudos sobre toxina botulínica foram realizados por Scott em 1973 onde foram observados os efeitos dessa droga sobre os músculos extraoculares de macacos para correção de estrabismo, sendo mais tarde usado não só no estrabismo humano mas também em transtornos neuromusculares. (Jonkovic et al 1990) AREAS
  6. 6. !  Suas aplicações clínicas foram expandindo ao longo dos últimos 30 anos, e novas aplicações relatadas. Seu mecanismo de inibição da liberação de acetilcolina na junção neuromuscular após a injeção local é indicado tantos nos tratamentos de rugas faciais como em alterações neuromusculares. (Maiid OW, 2009) AREAS
  7. 7. BOTOX AREAS
  8. 8. AREAS
  9. 9. AREAS
  10. 10. !  Os efeitos clínicos podem ocorrer em um período de 1 a 7 dias após a administração, sendo comumente notados entre 1 a 3 dias. !  Segue-se um período (entre 1 a 2 semanas) de efeito máximo e então os níveis atingem um patamar moderado até a recuperação completa do nervo em um período entre 3 a 6 meses. AREAS
  11. 11. AREAS
  12. 12. AREAS
  13. 13. !  Limpeza do local da aplicação !  Luvas, material descartável, gaze !  Marcação dos pontos de aplicação !  Contagem dos pontos para calcular quanto de solução será necessária AREAS
  14. 14. AREAS
  15. 15. !  A toxina botulínica do tipo A deve ser armazenada a temperatura abaixo de 5C ate o momento de sua utilização. !  !  O material necessário para a aplicação consiste de cloreto de sódio a 0,9%, agulha e seringa de aspiração e de insulina. !  !  A droga deverá ser diluída em aproximadamente 1ml de cloreto de sódio a 0,9% e então aplicada no paciente em posição semi sentado nas regiões já previamente marcadas dos músculos masseter e temporal. AREAS
  16. 16. AREAS
  17. 17. AREAS
  18. 18. AREAS
  19. 19. !  A droga é diluída em solução salina (10unidades ou 20 unidades/0,1ml) e as injeções realizadas em cinco sítios diferentes nos músculos da mastigação, de acordo com seu estado de contratilidade. !  Os masseteres recebem 50 U da droga cada um e os temporais 25 U cada. AREAS
  20. 20. !  O raio de ação da droga é de !  aproximadamente 0,5 a 1,0 cm, devendo ser injetado cerca de 5,0 U por ponto. AREAS
  21. 21. AREAS
  22. 22. AREAS
  23. 23. AREAS
  24. 24. AREAS
  25. 25. !  LEI 5081/1966 Art. 6 – Compete ao cirurgião-dentista: I) Praticar todos os atos pertinentes a Odontologia decorrentes de conhecimentos adquiridos em curso regular ou pós- graduação. II) Prescrever e aplicar especialidades farmacêuticas de uso interno e externo, indicadas em Odontologia. (....) AREAS
  26. 26. !  O CFO- Conselho Federal de Odontologia determina que o uso do botox só pode ser feito em procedimentos odontológicos, e a Anvisa- Agência Nacional de Vigilância Sanitária liberou o uso da toxina botulínica para o tratamento da cefaléia. AREAS
  27. 27. !  bruxismo, !  hipertrofia do masseter, !  disfunções têmporo-mandibulares, !  sialorréia, !  assimetria de sorriso, !  exposição gengival acentuada !  redução da força muscular dos músculos masseter e temporal em alguns casos de implantodontia de carga imediata. AREAS
  28. 28. !  A droga é injetada nos principais músculos mastigatórios responsáveis pelas alterações temporomandibulares, que são os músculos masseter e o Temporal (Amantea et al., 2006). Pode também ser injetada no músculo pterigóideo Lateral (Bakke M 2005). AREAS
  29. 29. AREAS
  30. 30. AREAS
  31. 31. AREAS
  32. 32. AREAS
  33. 33. AREAS
  34. 34. AREAS
  35. 35. AREAS
  36. 36. AREAS
  37. 37. AREAS
  38. 38. AREAS
  39. 39. !  Dor e hematomas no local da aplicação !  Alergias !  Vermelhidão local !  Náuseas !  Dor de cabeça !  Assimetrias AREAS
  40. 40. AREAS
  41. 41. AREAS
  42. 42. AREAS
  43. 43. AREAS
  44. 44. AREAS
  45. 45. AREAS
  46. 46. AREAS
  47. 47. AREAS
  48. 48. AREAS
  49. 49. !  Avaliar o uso terapêutico do Botox, no auxílio às especialidades odontológicas. !  Treinamento necessário. !  Cuidado com possíveis processos. AREAS

×