Trabalho de sociologia: 
Sociedades escravista, feudal e 
brasileira 
Alexsandro Z.A. e Marcelo Lima
ROMA 
 A sociedade romana era dividida em cinco grupos sociais distintos: 
 - Patrícios: descendentes das primeiras famí...
 - Clientes: embora livres, os clientes viviam "presos" aos patrícios, pois 
possuíam uma forte relação de dependência. E...
 - Libertos: ex-escravos que obtinham a liberdade por concessão de seus 
proprietários, por abandono ou até mesmo pela co...
GRÉCIA 
 A sociedade grega era marcada por profundas desigualdades sociais. Embora 
houvesse uma diferenciação na organiz...
 Os estrangeiros 
 Originários de outras cidades-estados, colônias ou regiões, os periecos 
trabalhavam com artesanato e...
 Sociedade Espartana 
Em Esparta a sociedade era estamental, ou seja, dividida em camadas sociais 
onde havia pouca mobil...
"Na sociedade feudal alguns rezam, outros 
guerreiam e outros trabalham" 
A sociedade feudal era composta por três classes...
 A maioria dos livros de história retrata a divisão desta sociedade segundo as 
palavras do Bispo Adalberon de Laon: "Na ...
Padrões de mudança social no Brasil 
 O Brasil não se encontra entre os países de baixa trajetória de mudança 
social. Em...
 A taxa de mudança social brasileira chega a ser 50% superior ao grau de 
mobilidade das nações pertencentes ao grupo int...
 Na última década, 35 milhões de pessoas passaram a integrar a classe média 
no Brasil, segundo estudo da Secretaria de A...
 A Secretaria de Assuntos Estratégicos considera classe média famílias "com 
baixa probabilidade de passarem a ser pobres...
 “Temos 35 milhões de pessoas entrando para a classe média. Os senhores que 
aqui estão sabem do tamanho desta empreitada...
 De acordo com o estudo “Vozes da Classe Média”, a classe acessa mais os 
serviços particulares, como escolas e planos de...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalho de sociologia

448 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
448
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
225
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho de sociologia

  1. 1. Trabalho de sociologia: Sociedades escravista, feudal e brasileira Alexsandro Z.A. e Marcelo Lima
  2. 2. ROMA  A sociedade romana era dividida em cinco grupos sociais distintos:  - Patrícios: descendentes das primeiras famílias que povoaram Roma, os patrícios eram proprietários de terras e ocupavam importantes cargos públicos. Considerados cidadãos romanos, possuíam muita riqueza e escravos. No topo da pirâmide social romana, compunham a minoria da população.  - Plebeus: formavam a maioria da sociedade romana. A Plebe era composta basicamente por pequenos comerciantes, artesãos e outros trabalhadores livres. Possuíam poucos direitos políticos e de participação na vida religiosa.
  3. 3.  - Clientes: embora livres, os clientes viviam "presos" aos patrícios, pois possuíam uma forte relação de dependência. Esta classe era formada basicamente por estrangeiros e refugiados pobres. Tinham apoio econômico e jurídico dos patrícios, porém lhes deviam ajuda em trabalhos e questões militares.  - Escravos: camada sem nenhum direito social em Roma. Os escravos eram, em sua grande maioria, presos de guerra. Eram vendidos como mercadorias para patrícios e plebeus e não recebiam pagamentos pelo trabalho, mas apenas comida e roupas. Executavam tarefas pesadas e também serviam como serviçais domésticos. Na época do Império Romano, o número de escravos aumentou de forma extraordinária.
  4. 4.  - Libertos: ex-escravos que obtinham a liberdade por concessão de seus proprietários, por abandono ou até mesmo pela compra própria da liberdade. Geralmente trabalhavam para seu ex dono.
  5. 5. GRÉCIA  A sociedade grega era marcada por profundas desigualdades sociais. Embora houvesse uma diferenciação na organização social de cada cidade-estado, no geral quase todas seguiam certo padrão. Vamos usar a cidade-estado de Atenas como exemplo.  Os cidadãos  Os homens livres e nascidos nas cidades-estados eram proprietários de terras, formavam a aristocracia rural, e possuíam uma boa condição econômica e social. Conhecidos como eupátridas em Atenas, eram os únicos que possuíam direitos políticos. Vale lembrar que as mulheres e crianças de Atenas não eram considerados cidadãos e, portanto, não podiam participar da vida pública. Formavam a minoria da sociedade.
  6. 6.  Os estrangeiros  Originários de outras cidades-estados, colônias ou regiões, os periecos trabalhavam com artesanato e comércio. Não podiam participar da vida pública de Atenas, pois não possuíam direitos políticos. Os periecos também não podiam ser proprietários rurais.  Os escravos  Era a grande maioria da sociedade. Eram, principalmente, prisioneiros de guerras, capturados e comercializados. Executavam quase todo tipo de trabalho, desde atividades domésticas até trabalho pesado na extração de minérios. A base da mão-de-obra na agricultura também era escrava. Tinham uma vida marcada por sofrimento, pobreza e desrespeito. Em função destas condições, ocorreram várias revoltas sociais envolvendo os escravos gregos.
  7. 7.  Sociedade Espartana Em Esparta a sociedade era estamental, ou seja, dividida em camadas sociais onde havia pouca mobilidade. A sociedade estava composta da seguinte forma: Esparcíatas: eram os cidadãos de Esparta. Filhos de mães e pais espartanos, haviam recebido a educação espartana. Esta camada social era composta por políticos, integrantes do exército e ricos proprietários de terras. Só os esparcíatas tinham direitos políticos. Periecos: eram pequenos comerciantes e artesãos. Moravam na periferia da cidade e não possuíam direitos políticos. Não recebiam educação, porém tinham que combater no exército, quando convocados. Eram obrigados a pagar impostos. Hilotas: levavam uma vida miserável, pois eram obrigados a trabalhar quase de graça nas terras dos esparcíatas. Não tinham direitos políticos e eram alvos de humilhações e massacres. Chegaram a organizar várias revoltas sociais em Esparta, combatidas com extrema violência pelo exército.
  8. 8. "Na sociedade feudal alguns rezam, outros guerreiam e outros trabalham" A sociedade feudal era composta por três classes básicas: Clero, Nobres e Servos. A estrutura social praticamente não permitia mobilidade, sendo portanto que a condição de um indivíduo era determinada pelo nascimento. As terras eram divididas em feudos, onde havia um senhor, o senhor feudal que mandava em tudo no local. O senhor era o proprietário dos meios de produção, enquanto os servos representavam a grande massa de camponeses que produziam a riqueza social. Cada feudo tinha sua moeda, leis, tecnologia e às vezes a própria língua(o tamanho dos feudos eram tão grandes que não havia comunicação entre eles a não ser em caso de guerra, fazendo com que cada um tivesse um desenvolvimento diferente. O clero possuía grande importância no mundo feudal, cumprindo um papel específico em termos de religião, de formação social, moral e ideológica. No entanto esse papel do clero é definido pela hierarquia da Igreja, quer dizer, pelo Alto Clero, que por sua vez é formado por membros da nobreza feudal. Originariamente o clero não é uma classe social, pois seus membros ou são de origem senhorial (alto clero) ou servil (baixo clero).
  9. 9.  A maioria dos livros de história retrata a divisão desta sociedade segundo as palavras do Bispo Adalberon de Laon: "Na sociedade alguns rezam, outros guerreiam e outros trabalham, onde todos formam um conjunto inseparável e o trabalho de uns permite o trabalho dos outros dois e cada qual por sua vez presta seu apoio aos outros".  Os servos tinham de pagar muitas taxas aos senhores feudais, como:  bullet Corvéia: O servo deveria prestar trabalho gratuito ao senhor feudal.  bullet Banalidade: Pagamento de uma taxa por utilizar os instrumentos do senhor feudal.  bullet Capitação: Imposto anual pago por cada indivíduo ao senhor feudal.  bullet Talha: Parte da produção do servo deveria ser entregue ao nobre.  bullet Heriot: Taxa paga pelo servo ao assumir o feudo no lugar de seu pai que veio a morrer.
  10. 10. Padrões de mudança social no Brasil  O Brasil não se encontra entre os países de baixa trajetória de mudança social. Em termos internacionais, registra-se que o indicador de mobilidades social do conjunto da população apresenta-se muito diferenciado entre as nações.1 Ao se utilizar parâmetros relativamente homogêneos de medida da mobilidade social nacional, pode-se constatar que o Brasil localiza-se entre os países com as mais altas taxas de mudança social.  Numa mostra de quinze países verifica se que o Brasil registra a mais alta taxa de mobilidade social (63,2%), acima de países como Suécia (51,5%) e Canadá (50,1%). No ano de 1996, por exemplo, no Brasil, a imobilidade social respondia por uma taxa inferior a 40%.
  11. 11.  A taxa de mudança social brasileira chega a ser 50% superior ao grau de mobilidade das nações pertencentes ao grupo intermediário, como Espanha (40,7%), França (43,7%) e Estados Unidos (48,2%). Se considerado o grupo de países de baixa mobilidade, como Bélgica (37%), Inglaterra (37,6%) e Dinamarca (37,9%), a taxa de mobilidade social brasileira pode ser quase duas vezes maior.
  12. 12.  Na última década, 35 milhões de pessoas passaram a integrar a classe média no Brasil, segundo estudo da Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE) da Presidência da República, divulgado nesta quinta-feira (20). No total, estima-se que o Brasil tenha 104 milhões de pessoas na classe média, o que representa 53% da população brasileira – 20% estão na classe alta e 28% na baixa. Em 2002, 38% da população estava na classe média.
  13. 13.  A Secretaria de Assuntos Estratégicos considera classe média famílias "com baixa probabilidade de passarem a ser pobres no futuro próximo", com renda per capita entre R$ 291 e R$ 1.019 por mês.  O ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência, Moreira Franco, disse que a pesquisa é uma forma do governo e da sociedade conhecerem a classe média.
  14. 14.  “Temos 35 milhões de pessoas entrando para a classe média. Os senhores que aqui estão sabem do tamanho desta empreitada, desta mobilização, deste esforço de garantia de direitos ao cidadão. A pobreza no país neste período caiu de 27% para menos de 15% em 2012. A extrema pobreza, que é um dos desafios do governo, passou de 10% da população para menos de 5% da população. Em torno de 18 milhões de empregos foram criados neste período”, afirmou.  Moreira Franco afirmou que um dos objetivos do governo é combater a desigualdade. “Nós entendemos que a diferença não é ruim. As pessoas são diferentes, as pessoas querem praticar a diferença. O que temos de combater é a desigualdade”.
  15. 15.  De acordo com o estudo “Vozes da Classe Média”, a classe acessa mais os serviços particulares, como escolas e planos de saúde. Na classe baixa, 5% possuem convênios médicos – na classe média, esse percentual chega a 24%.  Os dados também mostram que a renda de 40% da classe média vem do trabalho, sendo que 50% trabalham mais de 40 horas semanais.  Quando o assunto é economizar, a classe média poupa mais que a classe baixa (32% contra 24%) e menos que a classe alta, que poupa, em média, 51%.  Com relação aos estudos, a SAE aponta que 14% dos jovens da classe média estão em escolas particulares. Já nas universidades eles representam apenas 7% dos alunos.

×