Slide filosofia

1.892 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.892
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
380
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
62
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Slide filosofia

  1. 1. Conhecimento é o ato ou efeito de conhecer, é ter a noção de alguma coisa. É o saber, a informação, a construção de ideias e conceitos. Busca das verdades do mundo por meio do debate, do filosofar. Conhecimentos inclui hipóteses, conceitos, teorias, princípios e procedimentos.
  2. 2. EPISTEMOLOGIA: A epistemologia estuda a origem, a estrutura, os métodos e a validade do conhecimento, e também é conhecida como teoria do conhecimento e relaciona-se com a metafísica, a lógica e a filosofia da ciência. É uma das principais áreas da filosofia, compreende a possibilidade do conhecimento, se é possível o ser humano alcançar o conhecimento total e da origem do conhecimento. A epistemologia também pode ser vista como a filosofia da ciência. Trata da natureza, da origem e validade do conhecimento, e estuda também o grau de certeza do conhecimento cientifico nas suas diferentes áreas, com o objetivo principal de estimar a sua importância para o espírito humano. A epistemologia provoca duas posições, uma empirista que diz que o conhecimento deve ser baseado na experiência, ou seja, no que for apreendido durante a vida, e a posição racionalista, que prega que a fonte do conhecimento se encontra na razão, e não na experiência.
  3. 3. CETICISMO Criado na Grécia Antiga por Pirro de Élis, um filósofo grego, o ceticismo é uma corrente de pensamento filosófico que defende a ideia da impossibilidade do conhecimento de qualquer verdade. É a doutrina do questionamento, estado de quem duvida de tudo, de quem é descrente, que não acredita em quase nada. Pessoa assim chamada de “cética” que questiona tudo e não admite existência de dogmas, fenômenos religiosos ou metafísicos. Também pode ser definido como uma postura pratica na qual é preciso "ver para crer", ou seja, confirmar o que foi dito ou pensado através de provas concretas.
  4. 4. GNOSIOLOGIA Gnosiologia é a parte da Filosofia que estuda o conhecimento humano. É formada a partir do termo grego “gnosis” que significa “conhecimento” e “logos” que significa “doutrina, teoria”. Pode ser entendida como a teoria geral do conhecimento, na qual se reflete sobre a concordância do pensamento entre sujeito e objeto. Nesse contexto, objeto é qualquer coisa exterior ao espírito, uma ideia, um fenômeno, um conceito, etc., mas visto de forma consciente pelo sujeito.
  5. 5. SENSAÇÃO A sensação consiste na transmissão de um sinal sob a forma de um influxo nervoso,desde o órgão sensorial até a um centro de recepção e de descodificação desse sinal (espinal medula ou cérebro), por isso, a sensação liga o organismo com o meio, através dos órgãos sensoriais. Os órgãos sensoriais externos são os olhos, os ouvidos, o nariz, a língua e a pele. Nestes órgãos estão localizados os cinco sentidos externos, a saber: visão, audição, olfato, gosto e tacto. Cada órgão dos sentidos recebe diferentes estímulos - os olhos recebem estímulos luminosos, os ouvidos estímulos sonoros, etc. Estes estímulos, captados pelos respectivos órgãos dos sentidos, são transmitidos até um centro nervoso (espinal medula ou cérebro) onde são descodificados, dando origem a uma resposta motora ou glandular. Assim, a sensação é a via através da qual entramos em contacto com o mundo, por isso, é a fonte das informações que nos chegam acerca do que se passa à nossa volta ou dentro de nós.
  6. 6. RAZÃO A razão pode ser considerada como uma capacidade que o ser humano possui de organizar a realidade na qual ele vive, fazendo com que estas se transformem em uma coisa compreensível e capaz de ser organizado. A razão pode ser considerada também como aquela capacidade de organização e ordenamento das coisas de acordo com as suas próprias capacidades de serem organizados e ordenados, contudo, ainda sendo compreensíveis nelas mesmas e por elas mesmas, isto significa que as próprias coisas as quais organizamos já são racionais.
  7. 7. RACIONALISMO O racionalismo é uma corrente filosófica, Os filósofos racionalistas mais destacados foram Descartes, Spinoza e Leibnitz. Iniciou com a definição do raciocínio que é a operação mental, discursiva e lógica, extraindo conclusões verdadeiras, falsas ou prováveis. Essa era a ideia central comum ao conjunto de doutrinas conhecidas tradicionalmente como racionalismo.  René Descartes distingue três tipos de ideias: inatas adventícias e factícias.  As ideias inatas estão dentro de nós desde que nascemos;  Às ideias adventícias são as que chegam a partir dos sentidos;  As factícias tem origem na nossa imaginação.
  8. 8.  Baruch Spinoza procura o bem supremo, através da filosofia, que é Deus.  Afirma que os tributos pensamentos e extensões são os únicos compreendidos pelo homem de um modo distinto e claro.  Sua doutrina se chama panteísmo, e significado que Deus é tudo ou tudo é Deus. Já Gottfried Leibnitz, aceita que a natureza não dá saltos, e é assim que existe uma perfeita continuidade, expressada por uma análise do infinito. E segundo ele o universo é harmônico, porque Deus preestabeleceu assim, e tudo quanto sucede por uma disposição já previamente determinada pelo Criador.  O racionalismo cristão consiste em uma filosofia espiritualista, surgindo com a separação do movimento espírita brasileiro, segundo seguidores é uma ciência e não uma religião.
  9. 9. REALISMO O termo Realismo é usado para indicar a “Realidade Sensível” àquela captada pelos Sentidos (visão, audição, tato, paladar e olfato). A palavra “Realismo” também é utilizada para que situações sejam encaradas sem fantasias. Em Filosofia, para os Filósofos Realistas existe outra Realidade ou outra dimensão, além dessa que se vive no cotidiano. Um exemplo desta outra Realidade é o “Mundo das Idéias” de Platão.
  10. 10. Tradicionalmente o Realismo é dividido em:  REALISMO EMPÍRICO – para Kant é a doutrina que se relaciona com o “Idealismo Transcendental”. Tal acontece quando comprova sua tese de que o Homem sabe que os Objetos ocupam Espaço e em certo Tempo.  REALISMO EM ESTÉTICA – Deve ser como uma fotografia, sem sentimento do artista, e sem sua maneira de ver o Mundo ou conceitos semelhantes.No estudo sobre o Conhecimento Kant aliou o “Realismo Empírico” com o “Idealismo Transcendental”;  “Realismo Empírico”: fornece os dados que captou através das Experiências Empíricas  “Idealismo Transcendental”: os organiza de acordo com as noções transcendentais fazendo com que tal Conhecimento seja válido e sólido.  Então, o Racionalismo tem grande importância no processo de se adquirir Saberes.
  11. 11. É possível colocar o Realismo em níveis diferentes:  REALISMO EMPÍRICO SENSÍVEL – é o Conhecimento sobre o que foi captado pelos Sentidos sem necessidade de raciocinar (pensar).  REALISMO DA IDÉIA – a Teoria de Platão que afirma ser a “Realidade Efetiva”, Verdadeira, aquela do “Mundo das Idéias”. Aqueles Objetos, Seres, Coisas que são os modelos, as fôrmas para os similares físicos. São aqueles, que formam a “Realidade Verdadeira”, ao contrário daquela formada por cópias.  REALISMO HIPOSTASIADO – uma realidade fictícia, a realidade dos objetos físicos, concretos que, são meras cópias, sem capacidade de formar algo verdadeiro.
  12. 12.  REALIDADE – do Latim medieval “REALITAS”, cujo significado pode ser entendido das seguintes formas:  1. Tudo aquilo que existe de fato. Coisas existentes.  2. Característica daquilo que existe, exemplo: “a realidade do Mundo exterior”.  3. Quando, se diz “a realidade do Mundo exterior”, na verdade, está perguntando se o Mundo possui uma Realidade exterior, a qual está “fora” do pensamento do Homem.  4. Os filósofos concordam que os chamados “Objetos do Pensamento (as imagens mentais)” existem, e apontam como exemplo as noções que se tem sobre Causas e Igualdades. Ou, os “Objetos da Matemática” que não existem “fora” do Pensamento e, não podem ser negados.
  13. 13.  O REAL – O “Real” pode ser entendido como aquilo que existe, sendo o oposto do fictício. O Real é um dos bons efeitos da aquisição de Conhecimento. Tanto aquele que se adquire por experiências empíricas, quanto o que lhe é inato. Em outros termos o “Real” é tudo aquilo que existe por si mesmo e não dependeu de outro para existir.  É possível diferenciar duas formas do “Real”:  A. REAL EXISTENTE – aquilo que já É. B. REAL POSSÍVEL – aquilo que existirá, ou que poderá existir no futuro.
  14. 14. EMPIRISMO Esta doutrina filosófica foi definida no século XVII pelo filósofo inglês John Locke um dos principais ideólogos do Empirismo inglês. De acordo com este filósofo, todos os seres humanos nascem com a mente em branco, ou seja, limpa. Com as experiências e conhecimentos adquiridos em vida é que a personalidade se forma. Logo, a sociedade interfere diretamente na formação dos indivíduos. Empirismo é uma doutrina filosófica que defende a ideia de que somente as experiências são capazes de gerar ideias e conhecimentos. As teorias das ciências devem ser formuladas e explicadas a partir da observação do mundo e da prática de experiências científicas. Portanto, este sistema filosófico descarta outras formas não científicas (fé, intuição, lendas, senso comum) como forma de geração de conhecimentos.
  15. 15.  Filósofos que defenderam ideias ligadas ao empirismo:  Aristóteles  Tomás de Aquino  Francis Bacon  Thomas Hobbes  John Locke (considerado o “pai” do empirismo filosófico)  George Berkeley  David Hume  John Stuart Mill
  16. 16. Apriorismo Kantiano  APRIORISMO é uma posição gnosiológica que média o empirismo e o racionalismo. O empirismo ensina que a fonte de todo conhecimento é a experiência, e o racionalismo, a razão. O apriorismo dirá que ambos os fatores, experiência e razão, intervêm no ato do conhecimento.  Kant queria conciliar o Empirismo (teoria que defende que só podemos conhecer através das experiências sensoriais) e o Racionalismo (teoria que defende que só podemos ganhar conhecimento através da razão, de nossa mente). Kant, então, criou o Apriorismo Kantiano. Nessa doutrina, Kant dizia que o homem precisa sim das experiências sensoriais, elas são essenciais, mas que sem nossa razão não podemos obter conhecimento. Todo conhecimento começa pela experiência, mas a experiência sozinha não nos dá conhecimento. É preciso de um trabalho do sujeito para organizar os dados da experiência. Kant estudou o sujeito 'a priori' (daí o nome APRIORISMO), isto é, antes de qualquer experiência sensorial, e concluiu que existem formas da sensibilidade e do entendimento. A experiência fornece a matéria do conhecimento, e a razão organiza essa matéria de acordo com suas formas próprias. Os conhecimentos A POSTERIORI são os conhecimentos que dependem de experiências sensoriais. Experiências sensoriais: tato, olfato, audição, visão.
  17. 17. DOGMATISMO E CETICISMO:CRITICISMO.  Dogmatismo: doutrina que defende que o homem pode conhecer uma verdade plena. A crença de que Deus existe, por exemplo, é um dogma.  Ceticismo: doutrina que defende que o homem não é capaz de conhecer a verdade. O criticismo, desenvolvido pela filosofia kantiana (de Kant), representa uma tentativa de superação do impasse entre o Dogmatismo e Ceticismo. Kant dizia que o homem pode, sim, chegar à verdade e pode conhecer, mas sob determinadas condições e com algum esforço. Ou seja, o conhecimento é limitado e vai depender de quem é o sujeito.
  18. 18. DOGMATISMO: Dogmatismo é a tendência de um indivíduo, de afirmar ou crer em algo como verdadeiro e indiscutível, o dogmatismo ocorre quando uma pessoa considera uma verdade absoluta e indiscutível. O dogmatismo filosófico é a contestação do ceticismo, é quando as verdades são questionadas, para fazer com que os indivíduos não confiem e nem se tornem submissos perante as verdades estabelecidas. O dogmatismo filosófico pode ser compreendido como a possibilidade de conhecer a verdade, a confiança nesse conhecimento e a submissão a essa verdade sem questioná-la. Alguns dos filósofos dogmáticos mais conhecidos são Platão, Aristóteles e Parmênides.

×