Romantismo e positivismo 35 tp

842 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
842
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
115
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Romantismo e positivismo 35 tp

  1. 1. Colégio Estadual Visconde de Bom Retiro Componente curricular: Filosofia Professor: Alexandre Misturini Romantismo e Positivismo Nome: Aléxia Pelegrin Érica Borges Kathiane Guimarães Marlucy Perineto Sara Johana Vitória Silva Bento Gonçalves, 17 de abril de 2015.
  2. 2. Do Romantismo ao Positivismo No século XIX a Europa assume uma atitude que pretende colocar em questão o racionalismo iluminado que antecedeu este período, e contrariou a disciplina e a norma da corrente neoclássica e por isso cultivou o sentimento e a filosofia da natureza. As circunstancias aliaram o romantismo com seus ideais e com o nacionalismo que ao decorrer se evoluíram, e assumiram várias “faces” que utilizavam o momento e o país em que se expressava. O positivismo se da as aplicações as ciências sociais e politicas dos métodos que empregavam nas ciências positivas. A Europa devido ao seu otimismo contribuiu para o positivismo se expandir, a ciência era benéfica para a humanidade, e se manifestou pela descrição e conhecimento das ciências naturais e métodos utilizados. August Comte foi o grande líder do positivismo e das ciências humanas, que contribuiu em outras áreas da vida dos homens durante esse período. A sociedade evoluiria devida á utilização da razão que levaria o homem ao conhecimento do universo. A primeira metade do século XIX o Romantismo se fortalece, porem na segunda metade há indícios de criticas, entretanto no aspecto religioso e moralista. Na Alemanha e Inglaterra o romantismo se manifesta no século XVII, já na França e países escandinavos se manifestam mais tarde. A Itália se junta ao romantismo com a ideia patriotista. O romantismo transpassa a oposição estética clássica que criou um artificio para fugir da falsa liberdade. Devido às situações sociais os romantistas escolhem viver em solidão e realizar viagens longas.A partir de 1850 o positivismo é comparado ao Realismo. A arte e a literatura se expandem a realidade natural, social e historia. O realismo literário se direciona ao mundo mais acessível e explicável. Positivismo Foi uma corrente filosófica que começou por Auguste Comte, onde as ideias de percepção humana eram baseadas em observação, perfeição esquecendo as teorias da metafisica. Os positivistas acreditam que a ciência é acumuladora, transcultural.
  3. 3. A frase na bandeira brasileira foi baseada no lema de Comte sobre o positivismo. Ele dizia “amor como principio e ordem como base; progresso como objetivo”, onde depois foi simplificada para “Ordem e Progresso”. Os positivistas não buscaram mais pela explicação de fenômenos externos, a criação do homem, em busca de explicações mais praticas, das relações sociais e da ética. Para Comte, o método positivista concentrava-se em observações de fenômenos, sujeitando a imaginação e a observação. O positivismo teve altas influencias do Brasil, como máxima representação “Ordem e Progresso”. Romantismo O Romantismo foi um movimento iniciado no final do século XVII e predominou até metade do século XIX, englobando a arte e a filosofia. Expandiu-se para a Europa, tendo em cada sociedade uma característica diferente. Ele reagiu contra o espírito racionalista que, sozinho, pretendia dar conta da sociedade. Atraindo antecipadamente a racionalização e a mecanização que tinha como característica no mundo industrial, onde o romantismo compreendeu a ameaça que esse processo representava, e expressões de indivíduos, tendo em mente que sentimentos e emoções foram banidos do segundo plano. Contra a confiança exclusiva na razão, os românticos sugeriram a exaltação das paixões e dos sentimentos valorosos. Ele também retomou que a natureza era a força vital que resistia a racionalização do mundo humano.

×