Filosofia medieval

860 visualizações

Publicada em

Filosofia Medieval - Turma 26TP

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
860
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
336
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
40
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Filosofia medieval

  1. 1. Aluna(s): Amanda Giuliatti Kathiane Guimarães Aléxia Pelegrin Caroline Salvagni Marlucy Perineto Turma: 26T
  2. 2. A filosofia medieval contempla o período que vai a partir do século VIII até o século XIV. Durante todos esses anos, ocorreram vários pensadores árabes, europeus e judeus. Uma das principais características desta época foi o domínio da Igreja Romana sobre a Europa, organizando Cruzadas à Terra Santa, sagrando e corando os reis.
  3. 3. Outro importantíssimo fato foi que a filosofia medieval passou a ser ensinada nas escolas, onde ficou conhecida como Escolástica tal método que teve total domínio do ensino entre os anos de 1100 a 1500 D.C. A Escolástica criou um método para discutir ideias filosóficas.
  4. 4. Conhecido como uma disputa, este artificio consistia na apresentação de uma tese, que seria totalmente defendida ou rejeitada com base nos argumentos que foram encontrados na Bíblia, na obra de Platão, Aristóteles, entre outros padres encontrados na igreja. Na idade média, ocorreu um ecletismo entre todas as crenças religiosas e o conhecimento clássico.
  5. 5. Devido a isso os filósofos tiveram influencia nas obras de Aristóteles, que foram conservadas e trazidas por árabes Averróis e Avicena. Platão também influenciou muito no pensamento medieval. Mas, os filósofos de antigamente apenas conheciam o neoplatônico, pela filosofia de Plotino do século VI D.C.
  6. 6. Apesar de possuir as mesmas preocupações que a filosofia patrística, filosofia cristã dos primeiros séculos, os pensadores do medievo acrescentaram assuntos a importantes para a filosofia: o problema dos universais, que se refere a ideias e a sua relação com a realidade. Na filosofia dos gregos, os medievais acabaram sendo influenciados pelo pensamento de Santo Agostinho, bispo, escritor, teólogo, filósofo, Padre latino e Doutor da Igreja Católica.
  7. 7. Nesta mesma época surge a teologia, que é a filosofia cristã. Um dos temas mais discutidos por esta criação filosófica seria a prova da existência de Deus e da alma. Para isto era necessário descobrir a existência do criador e do espirito humano imortal.
  8. 8. Um dos assuntos mais discutidos na filosofia está à hierarquia entre os seres existentes (relação de domínio entre superiores e inferiores), total domínio de papas e bispos sobre os reis e barões, separação e a diferença entre espirito e corpo, fé e razão, Deus e homem.
  9. 9. Aurélio Agostinho, foi um importante bispo cristão e teólogo, nasceu na região norte da África em 354 e morreu em 430. Era filho de mão que seguia o cristianismo, mas seu pai era pagão.
  10. 10. Em sua formação teve importante influência do maniqueísmo (sistema religioso que une elementos cristãos e pagãos). Santo Agostinho ensinou retórica nas cidades italianas de Roma e Milão, onde teve contato com o neoplatonismo cristão.
  11. 11. Viveu num monastério por um tempo. Em 395, passou a ser bispo, atuando em Hipona. Escreveu diversos sermões importantes. Em “A Cidade de Deus”, Santo Agostinho combate as heresias e ao paganismo. Na obra “Confissões” fez uma descrição de sua vida antes da conversão ao cristianismo.
  12. 12. Ele também analisava a vida levando em consideração a psicologia e o conhecimento da natureza. Porém, o conhecimento e as ideias eram de origem divina. Para o bispo, nada era mais importante do que a fé em Jesus e em Deus. A Bíblia, por exemplo, deveria ser analisada, levando-se em conta os conhecimentos de cada época.
  13. 13. Defendia também a predestinação (conceito teológico que afirma que a vida de todas as pessoas é traçada anteriormente por Deus). As obras de Santo Agostinho influenciaram muito o pensamento teológico da Igreja Católica na Idade Média. Morreu em 28 de agosto de 420, durante um ataque dos vândalos ao norte da África.
  14. 14. Santo Agostinho é considerado o santo protetor dos teólogos, impressores e cervejeiros (seu dia é 28 de agosto).
  15. 15. Agostinho defendeu a superioridade da alma humana, ou seja, a supremacia do espírito sobre o corpo, a matéria. A alma teria sido criada por Deus para reinar sobre o corpo, para dirigi-lo a pratica do bem. A verdadeira liberdade estaria em harmonia das ações humanas com a vontade de Deus. Ser livre é servir a Deus, pois o prazer de pecar é a escravidão.
  16. 16. Segundo o filósofo, o homem que peca só consegue retornar aos caminhos de Deus mediante a combinação de seu esforço pessoal de vontade e a concessão imprescindível, da graça divina. Sem a graça de Deus, o homem nada pode conseguir, e nem todas as pessoas são dignas de receber essa graça, mas somente alguns eleitos predestinados à salvação.
  17. 17. São Tomás de Aquino nasceu na Itália, próximo a Roccasecca, na Itália, mais precisamente perto de Aquino, e ficou conhecido como um dos mais importantes pensadores cristão e culto existente até hoje.
  18. 18. São Tomás era filho do Conde de Aquino, que realizou seus estudos no mosteiro da ordem de São Bento de Cassino, que em seguida seguiu para a Universidade de Nápoles. No ano de 1244, mesmo contra o anseio da família, decidiu tornar-se um Dominicano, abdicando de todos os bens e títulos que possuía, no mesmo ano parte com seu mestre Alberto Magno, para Paris, onde passam a viver no convento Saint Jacques, depois vão para Colônia na Alemanha.
  19. 19. A permanência de quatro anos aí lhe permite exprimir por escrito suas primeiras obras: De ente et essentia e De princípios natura. No ano de 1259 dá aula em Anagni; em 1265 em Roma, e em 1267 na cidade de Viterbo. Entre os anos de 1259 e 1268 São Tomás informou-se na Universidade da Cúria Papal, na Itália.
  20. 20. Após o término de seus estudos decidiu publicar suas explanações a respeito da Física, Metafísica, Ética e da Política defendida por Aristóteles. Foi para Paris, onde deu aulas na Unidade do Intelecto, onde era a favor da existência individual, da faculdade de pensar e do caráter essencial e exclusivo das pessoas. São Tomás acabou voltando para a Universidade de Nápoles, onde viveu os últimos anos da sua vida.
  21. 21. Um dos seus feitos mais marcantes para o conjunto de ideias ocidentais foi sua confiança de que o avanço da civilização ocidental possui um significado real e que a existência espiritual e intelectual é assaz preciosa neste sentido. Em 1252 Tomás voltou para a universidade de Paris, onde ensinou até 1269, quando regressou à Itália, chamado à corte papal.
  22. 22. Em 1269 foi de novo à universidade de Paris, onde lutou contra o averroísmo de Siger de Brabante; em 1272, voltou a Nápoles, onde lecionou teologia. Dois anos depois, em 1274, viajando para tomar parte no Concílio de Lião, por ordem de Gregório X, faleceu no mosteiro de Fossanova, entre Nápoles e Roma. Tinha apenas quarenta e nove anos de idade.
  23. 23. O conflito entre razão e fé é atribuído a um período onde acontecia um confronto entre os adeptos a religião crista e seus adversários gregos e romanos, na tentativa de imporem seus pontos de vistas.
  24. 24. Para estes, o mundo natural era a fonte da lei, da ordem e da harmonia, tendo entendido que o homem faz parte de uma organização determinada sem a qual ele não reconhece e é através do logos que se dá tal reconhecimento. Já para os cristãos, a verdade é a fonte da compreensão do que o homem é, qual é a sua origem, sendo ele semelhante a Deus-pais, tendo que obedecer enquanto a sua liberdade consiste em seguir o testamento.
  25. 25. Com esse debate, surgem as formas clássicas de combinação dos padres medievais: alguns acreditam que a fé e a razão são domínios separados, mas que poder ter uma conciliação entre elas, outros que pensam que a fé deveria submeter a razão à verdade revelada. E aqueles que veem como distintas e irreconciliáveis.
  26. 26. Mas esse conflito pode representar um conflito entre fé e razão que aconteceu em algum momento localizado na história. A filosofia tem como característica a radicalidade, a insubordinação, a luta para superar pré-conceitos e estabelecer conceitos cada vez mais racionais através da história, mostra que desde o início, esta relação tem seus momentos de estranhamento e reconciliação.
  27. 27. Por exemplo, na Grécia antiga, a filosofia surgiu na tentativa de superar obstáculos vindos de uma fé cega nas narrativas dos poetas Homero e Hesíodo, os educadores da Hélade. A tentativa de explicar os conflitos racionais já evidenciava o confronto com as formas de pensar e agir (fé) do povo grego que pautava sai conduta pelos mitos.
  28. 28. O próprio Sócrates foi condenado por investigar a natureza e isso lhe rendeu a acusação de impiedade.
  29. 29. Mais tarde, a filosofia se digladiou para fundamentar seu domínio ideológico debatendo sobre os temas supracitados. Na era moderna surge o renascimento que apela à razão humana contra a tirania da Igreja. A expressão máxima desse movimento foi o Iluminismo que entendia a superação total das crenças e superstições injustas e prometia ao humano dias melhores a partir da evolução e do progresso.
  30. 30. Hoje essa promessa não se cumpre. O homem tomou conta da natureza, mas não consegue dominar as suas paixões e interesses particulares. Ele é declarado com desapropriado para a produção e forçado a sobreviver, eis que o homem se aliena do processo produtivo e se mantem em um domínio cego, numa crença inconsciente de si e do outro (ideologia).
  31. 31. Com as promessas de liberdade aos seres humanos a partir de uma outra fé, o trabalho, surge o irracionalismo.
  32. 32. “ Parece, que a luta entre razão e fé não é apenas localizada, mas contínua, já que sempre há esclarecidos, esclarecimentos e resistência a esses esclarecimentos. A razão se rebela com o estabelecido e quando se impõe, torna-se um dogma incutido nos homens de cada tempo. Numa linguagem hegeliana, uma tese que se torna antítese e necessita já de uma síntese para que a razão desdobre a si mesma.”
  33. 33.  http://www.infoescola.com/biografias/sao-tomas-de-aquino/  http://www.suapesquisa.com/quemfoi/sao_tomas_a quino.htm  http://www.mundodosfilosofos.com.br/aquino.htm  http://www.infoescola.com/filosofia/filosofia-medieval/  http://www.suapesquisa.com/biografias/santo_agost inho.htm
  34. 34.  http://santoagostinho2h.blogspot.com.br/2011/05/int egrantes-do-grupo.html  http://www.brasilescola.com/filosofia/o-conflito-entre- fe-razao.htm

×