Apriorismo kantiano

3.715 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.715
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
488
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apriorismo kantiano

  1. 1. Apriorismo Kantiano Colégio Estadual Visconde de Bom Retiro Professor: Alexandre Misturini Alunas: Amanda, Diovanna, Tatiane, Vivia e Vitória. Turma: 25tp
  2. 2. Immanuel Kant Kant nasceu, viveu e morreu em Konisberg, Alemanha. Era filho de um humilde comerciante de descendência escocesa. Sua família era muito fervorosa em sua fé cristã, razão pela qual a convicção religiosa do próprio Kant foi um elemento muito importante para sua filosofia. Estudou filosofia e matemática. Foi um pacifista convicto e com um cotidiano extremamente regrado. Morreu aos 80 anos.
  3. 3. Kant seguia duas principais concepções : • A racionalista de Decartes; • E a Empírica de Francis Bacon, e também a nova visão de David Rume.
  4. 4. Ele acaba passando por duas fases: 1. Pré- crítica: pensamento racionalista, ideias de Decartes; 2. Crítica: ele repensa e começam a perceber quais são os limites da razão e quais são os limites da experiência;
  5. 5. Seu objetivo era achar o equilíbrio entre as duas formas de conhecimento, e durante essa pesquisa surge a Teoria dos Juízos.  Juízo Analítico: é um conhecimento que envolve a lógica e tem a segurança de ser verdadeiro, pois é um estudo exato. Porém, ele não traz novas formas de conhecimento. Um exemplo é a geometria.
  6. 6.  Juízo Sintético: tem haver com as deduções e com as experiências, e geram outras formas de interpretação. Mas não é seguro e não pode ser totalmente confiável na hora de desenvolver a ciência.  Juízo Sintético A Priori: é a união dos dois pensamentos aliando um a outro para chegar no conhecimento verdadeiro, de onde vem a palavra a priori. Assim ele supera a dicotomia daquela época entre o racionalismo e o empirismo.
  7. 7. Kant dizia que precisávamos se preocupar com as coisas que realmente nos importam, ou seja, as coisas que nos apresentam, e não com Númenos, que seriam as coisas sobrenaturais,como Deus, quem sou, etc.
  8. 8. A ética Kantiana é uma das bases que vem se refletindo até hoje, sendo superior a moral, segundo ele. É nada mais do que tudo o que devemos fazer, ou seja, um conjunto de valores para vivermos bem. Sua filosofia não tem como prioridade a felicidade, porque a felicidade é algo passageiro. Ele define como Imperativo Categórico, tratando-se dos valores que devemos seguir, para termos uma vida mais ética.
  9. 9.  Pensar no bem comum, esse é o objetivo da ética trazendo benefícios para todos;  Ver o ser humano como fim e não como meio, respeitando todos ao seu redor, sem querer ser maior que ninguém.
  10. 10. Obras de Kant As duas principais obras de Kant frisavam o estudo da ação da humanidade, da sociedade e da política. Na visão de Kant sempre temos a ação como uma metafisica, os costumes. Ele analisa como o ser humano se comporta.
  11. 11. Obras:  CRÍTICA DA RAZÃO PRÁTICA  METAFÍSICA DOS COSTUMES Kant em suas obras tenta imaginar como as coisas estão ligadas e se aprofunda mais nestas questão. E analisa como nós agimos e pensamos. “ A ação é o procedida pela razão”
  12. 12. Estudo da Ação • Máxima  Tipos ou conjuntos de ações. Expressão de uma verdade ou princípio geral, especialmente uma com tom moral • Leis  conjunto de ações mais objetivas com moral, necessidade. • Liberdade  Para Kant deve ser uma ação livre as leis devem ser autônomas. O ser humano deve ser livre para causar uma série de efeitos. Para ele o principio da liberdade é fundamental
  13. 13. • Sociedade  para Kant o homem sai do seu estado “natural” assim ingressa no sociedade, e com isso vai se transformando no que ele quer ser, mas nem tudo é tão fácil, pois existem as limitações, e essas limitações para Kant são sempre limitadas pelas condições matérias. É na sociedade que nos tornamos morais e individualistas também. Existem limites entre o que eu quero, e entre o que o outro quer.
  14. 14. • Política  Para Kant “ As leis não se transformam por revoluções, mas por reformas sucessivas, mediante ao exercício público da crítica.” Kant não acreditava que nada adiantava as revoluções sem a ajuda da sociedade, pensando raciocinando, e mudando as leis ao nosso favor. E diz que isso é um processo longo, pois os homens se sobrepõem um sobre os outros, e se não fosse isso teríamos uma sociedade mais justa!

×