Cibercultura

900 visualizações

Publicada em

Aula introdutória sobre Cibercultura

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
900
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
482
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cibercultura

  1. 1. Cibercultura Alan Vasconcelos Ed. UEMG
  2. 2. UM HISTÓRICO 2
  3. 3. Um histórico Cibercultura vem da cibernética, uma teoria da comunicação que trata das relações de comunicação e do controle do feedback (resposta). São sistemas de troca de informação entre homens e máquinas. A palavra CYBER vem do grego kybernetes, que significa timoneiro, piloto
  4. 4. Um histórico Teoria cibernética nasce nos anos 40 por Norbert Wiener Anos 50 Após a 2ª Grande Guerra, sistemas de defesa são automatizados. Anos 60 Com o surgimento dos computadores, os primeiros estudos sobre os sistemas informatizados e a comunicação. Anos 70 Invenção do microprocessador, o que permitiu a criação dos computadores de mesa Anos 80 Jovens da contracultura criam em suas garagens os primeiros computadores domésticos ou pessoais (PC)
  5. 5. Um histórico Internet Anos 60 EUA, por meio da ARPA (Advanced Research Projects Agency), cria a ARPANET com a finalidade de proteger informações militares. Anos 70 A coexistência pacífica entre EUA e Rússia, o governo americano “libera” o acesso à ARPANET para pesquisadores de universidades. Não só os pesquisadores como também os alunos e os amigos dos alunos, tiveram acesso aos estudos já empreendidos e somaram esforços para aperfeiçoá-los. Paralelamente, a França já tinha uma rede de pesquisa criada por Louis Pouzin Anos 80 Jovens da contracultura, sob a utopia de se criar um ambiente de informação livre, alteram a ARPANET de forma a se parecer com a Internet de hoje.
  6. 6. Um histórico Internet Anos 80 Em 1988 a internet já ligava universidades brasileiras às americanas. Em 1989, é criada a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), que seria a espinha dorsal (backbone) da internet brasileira. Anos 90 O cientista Tim Berners-Lee, do CERN, criou a World Wide Web em 1992.
  7. 7. Um histórico
  8. 8. Weaving the dream “Sonho para minha invenção, a World Wide Web, um espaço de uso comunitário onde compartilha-se informações de trabalho, lazer e socialização (The World Wide Web, A very short personal history). Como desenvolvedores Web criando sites corporativos, sociais e educacionais, nós transformamos este sonho em realidade.” DIRETRIZES - web Tim Berners-Lee – o criador do conceito de Web A WEB É UMA REDE DE PESSOAS
  9. 9. Internet vs web Internet é, basicamente, a infraestrutura da Web
  10. 10. Internet vs web Internet é, basicamente, a infraestrutura da Web
  11. 11. Internet vs web Internet é, basicamente, a infraestrutura da Web http://www.cablemap.info/
  12. 12. Hipertexto Vannevar Bush 1890 - 1974 O conceito que originou a Web.
  13. 13. Hipertexto O Memex
  14. 14. Hipertexto O Memex foi uma máquina imaginada para auxiliar a memória e guardar conhecimentos. Bush anunciou-a em 1945, no célebre artigo intitulado As We May Think. A partir da ideia de que a soma dos conhecimentos aumentava em um ritmo prodigioso, e não encontrava contrapartida em relação à evolução dos meios de armazenamento e acesso aos dados. Observando o funcionamento da mente humana, segundo ele, operando sempre por meio de associações, Bush imaginou e descreveu de maneira detalhada uma máquina capaz de estocar montanhas de informação, para posterior e rápida recuperação. Tal engenho, concebido para suprir as "falhas da memória humana" através de recursos mecânicos, é considerado o precursor do conceito de hipertexto.
  15. 15. Hipertexto  Rede semântica relacionada a uma temática central e estruturada de modo não seqüencial permitindo acesso não linear às informações  Informações são dispostas em telas conectadas com outras telas formando uma rede (encadeamento)  Usuários definem seu próprio caminho de acesso (trilhas)
  16. 16. Hipertexto Aplicações: •Hypertext fiction •WWW •Documentos de texto eletrônico como Word, Powerpoint, etc
  17. 17. Hipertexto
  18. 18. Screenshot of the original NeXT web browser in 1993 http://info.cern.ch/
  19. 19. Hipertexto
  20. 20. Weaving the dream “Sonho para minha invenção, a World Wide Web, um espaço de uso comunitário onde compartilha-se informações de trabalho, lazer e socialização (The World Wide Web, A very short personal history). Como desenvolvedores Web criando sites corporativos, sociais e educacionais, nós transformamos este sonho em realidade.” Tim Berners-Lee – o criador do conceito de Web
  21. 21. Weaving the dream “Sonho para minha invenção, a World Wide Web, um espaço de uso comunitário onde compartilha-se informações de trabalho, lazer e socialização (The World Wide Web, A very short personal history). Como desenvolvedores Web criando sites corporativos, sociais e educacionais, nós transformamos este sonho em realidade.” DIRETRIZES - web Tim Berners-Lee – o criador do conceito de Web A WEB É UMA REDE DE PESSOAS
  22. 22. E ONDE ENTRA A CULTURA? 22
  23. 23. Weaving the dream “Sonho para minha invenção, a World Wide Web, um espaço de uso comunitário onde compartilha-se informações de trabalho, lazer e socialização (The World Wide Web, A very short personal history). Como desenvolvedores Web criando sites corporativos, sociais e educacionais, nós transformamos este sonho em realidade.” DIRETRIZES - web Tim Berners-Lee – o criador do conceito de Web A WEB É UMA REDE DE PESSOAS (De novo?!)
  24. 24. Weaving the dream “Sonho para minha invenção, a World Wide Web, um espaço de uso comunitário onde compartilha-se informações de trabalho, lazer e socialização (The World Wide Web, A very short personal history). Como desenvolvedores Web criando sites corporativos, sociais e educacionais, nós transformamos este sonho em realidade.” DIRETRIZES - web Tim Berners-Lee – o criador do conceito de Web A WEB É UMA REDE DE PESSOAS (De novo?!) SIM!! Onde tem gente, tem cultura.
  25. 25. Onde entra a cultura nisso? Por Pierre Levý: CIBERESPAÇO: é o novo meio de comunicação que surge da interconexão mundial dos computadores. CIBERCULTURA: conjunto de técnicas (materiais e intelectuais) de práticas, de atitudes, de modos de pensamento e de valores que se desenvolvem juntamente com o crescimento do ciberespaço. TÉCNICA: uma técnica é produzida dentro de uma cultura, e uma sociedade encontra-se condicionada por sua técnica. COMUNIDADE VIRTUAL: grupo de pessoas se correspondendo mutuamente por meio de computadores interconectados.
  26. 26. Onde entra a cultura nisso? Segundo Pierre Lévy (1993:17) a cibercultura é o “conjunto de técnicas (materiais e intelectuais) de práticas, de atitudes, de modos de pensamento e de valores que se desenvolvem juntamente com o crescimento do ciberespaço. [...] Enfatizo mais uma vez que esse uso do ciberespaço não deriva automaticamente da presença de equipamentos materiais, mas exige igualmente uma profunda reforma das mentalidades, dos modos de organização e dos hábitos políticos.”
  27. 27. Onde entra a cultura nisso?
  28. 28. Onde entra a cultura nisso?
  29. 29. Onde entra a cultura nisso?
  30. 30. Onde entra a cultura nisso?
  31. 31. Onde entra a cultura nisso?
  32. 32. Onde entra a cultura nisso?
  33. 33. Onde entra a cultura nisso?
  34. 34. Onde entra a cultura nisso?
  35. 35. Onde entra a cultura nisso?
  36. 36. Onde entra a cultura nisso? Meu ponto de partida, e não estou sozinho nesta conjuntura, é que no final do século XX vivemos um desses raros intervalos na história. Um intervalo cuja característica é a transformação de nossa “cultura material” pelos mecanismos de um novo paradigma tecnológico que se organiza em torno da tecnologia da informação. Manuel Castells – A sociedade em rede Virtual x Real x Físico? “
  37. 37. 37 Referências CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. 8ª ed. São Paulo: Paz e terra, 1999, vol.1. GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989. GOMEZ, Margarita Victoria. Cibercultura, formação e atuação docente em rede. Brasília: Liber Livro, 2010. HARVEY, David. Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1992. LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Ed.34, 1999.

×