Curso livre (treinamento) manual da gestão empresarial

400 visualizações

Publicada em

Gestão Empresarial ao alcance de todos,apresentada sob a forma de um manual de procedimentos,dividido em gestão das vendas,gestão das compras,gestão financeira e gestão de resultados.

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
400
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Curso livre (treinamento) manual da gestão empresarial

  1. 1. MANUAL DA GESTÃO EMPRESARIAL Treinamento presencial com carga horária entre 7 e 8 horas
  2. 2. Embora a gestão empresarial seja um processo complexo, que envolve a administração de relações externas e internas sobre agentes de naturezas diferenciadas e a tomada de decisões sobre variáveis heterogêneas, nossa metodologia permite ao treinando entender e dominar este processo sofisticado de forma bem simples, fácil e objetiva. Dividimos , para fins didáticos, o processo de gestão em 4 grandes etapas, de forma que o futuro gestor compreenda os elementos, o que fazer e que resultados precisa alcançar separadamente em cada uma delas, da mesma forma que se faz na montagem de qualquer aparelho ao seguir o seu MANUAL DE INSTRUÇÕES. Este enfoque, os estudantes , os profissionais recém-formados, os executivos e os empreendedores, que formam o nosso público-alvo, só vão encontrar aqui. DIFERENCIAL
  3. 3. Entenda ,a partir dos objetos de gestão identificados em cada etapa, como o processo de gestão, ao ser sintetizado, é fácil de compreender: GESTÃO COMERCIAL, cujo objeto de gestão são as vendas GESTÃO DOS GASTOS ,cujo objeto de gestão são as compras GESTÃO FINANCEIRA cujo objeto de gestão é o recebimento do foi vendido e o pagamento do que foi comprado e a captação de recursos de terceiros GESTÃO DE PERFORMANCE, cujo objeto de gestão são os resultados econômicos e financeiros e a estrutura de capital AS 4 ETAPAS QUE COMPÕEM O PROCESSO DE GESTÃO EMPRESARIAL,COMUM A EMPRESAS DE QUALQUER PORTE OU RAMO DE NEGÓCIO
  4. 4. Toda empresa precisa começar obrigatoriamente a pensar em gestão a partir de uma análise do potencial do seu portfolio comercial , que é resultante da combinação do estágio de maturidade com o posicionamento competitivo dos produtos e serviços que fazem parte do seu negócio. Deste desempenho vai depender diretamente o volume das receitas, que representa a principal entrada de recursos na empresa e a fonte de financiamento das próximas etapas da gestão. GESTÃO COMERCIAL
  5. 5. São 4 os estágios de maturidade de qualquer negócio, coincidindo a sua vida útil com a nossa: 1º - estágio - EMBRIONÁRIO – relacionado ao momento inicial de configuração do negócio – PRODUTO OU SERVIÇO - e colocação no mercado como lançamento. Os exemplos mais recentes de produtos enquadráveis neste estágio são os aplicativos para celular e os produtos 3D. Neste estágio as empresas precisam aplicar muitos recursos em pesquisa e em desenvolvimento tecnológico. As receitas de venda são irregulares até que o produto caia no gosto do público e os preços precisam ser bastante altos para viabilizar algum retorno sobre um baixo volume de produção. ESTÁGIOS DE MATURIDADE
  6. 6. 2º estágio – CRESCIMENTO - onde os lançamentos já foram bem assimilados pelo público e as vendas passam a ter um crescimento cada vez maior. É uma fase em que a empresa precisa investir pesado na capacidade instalada de produção para atender a uma demanda crescente , auferindo grandes volumes de receita e lucro, embora os preços comecem a baixar em relação ao nível da fase anterior. Os exemplos mais recentes são os smartfones e os tablets. ESTÁGIOS DE MATURIDADE
  7. 7. 3º estágio – MADURO - onde aquele boom de compras do estágio anterior chega ao ponto máximo e se estabiliza, pois a parte do mercado que se interessou pelo produto já está abastecida, incentivada pelos preços inseridos em um patamar mais econômico devido a uma escala de produção beirando a capacidade total instalada. Quando o produto entra nesta fase a empresa passa a ter um negócio que a supre de recursos regulares, sustentando de forma uniforme as suas demandas empresariais. Os exemplos deste estágio são segmentos tradicionais , como alimentos e vestuário. ESTÁGIOS DE MATURIDADE
  8. 8. 4º estágio – ENVELHECIMENTO - onde os produtos passam a perder atratividade ou se tornam obsoletos. Nesta fase os custos se aproximam ou ultrapassam as receitas, sendo a hora das empresas abandonarem a sua exploração comercial. Os exemplos que podem ser dados são os rádios de pilha e os disquetes. ESTÁGIOS DE MATURIDADE
  9. 9. O perfil de um portfolio comercial ideal deve ser composto por alguns negócios na fase embrionária e em crescimento e alguns no estágio maduro, proporcionando de um lado uma geração de caixa constante – maduro - para garantir a liquidez sobre seus compromissos de curto prazo e a entrada adicional de recursos – crescimento – para proporcionar a inversão de recursos próprios em novos investimentos e a distribuição de dividendos atrativos para os acionistas da empresa. ESTÁGIOS DE MATURIDADE
  10. 10. Um outro fator determinante para o sucesso empresarial é o posicionamento competitivo dos negócios da empresa em relação aos seus concorrentes. São 5 as graduações de competitividade: 1ª - DOMINANTE - onde se situam as empresas líderes, que podem impor ,como vantagem competitiva, uma política de preços de venda e de preços e volumes de compra junto aos fornecedores mais adequada ao seu perfil POSIÇÃO COMPETITIVA
  11. 11. 2ª - FORTE - onde se situam as empresas abaixo das líderes, mas que exercem uma pressão significativa sobre as primeiras e podem galgar a posição dominante sem muita dificuldade 3ª - FAVORÁVEL - onde se situam as empresas que estão no limite da competitividade, sendo mais sensíveis aos gostos e exigências do mercado POSIÇÃO COMPETITIVA
  12. 12. 4ª - SUSTENTÁVEL – nesta graduação as empresas precisam de um grande esforço e a criação de diferenciais significativos, sendo bastante dependentes da combinação do seu posicionamento competitivo com a grau de maturidade dos seus negócios 5ª - FRACA – este posicionamento indica a necessidade de uma troca de ramo ou de se submeter a fusões, tornando a nova entidade empresarial melhor posicionada POSIÇÃO COMPETITIVA
  13. 13. Quais critérios são utilizados para determinar o estágio de maturidade e quais fatores devem ser considerados para determinar o posicionamento competitivo de um negócio. O QUE VAMOS ENSINAR NO TREINAMENTO
  14. 14. A gestão dos gastos remete a aplicação de recursos em 3 objetivos distintos: 1º - CUSTOS – que são gastos inerentes ao processo de produção, tanto de produtos como de serviços, e que podem ser fixos ou variáveis em relação ao nível da atividade 2º - DESPESAS – que são gastos inerentes às atividades meio necessárias ao funcionamento da empresa 3º - INVESTIMENTOS - que são gastos voltados à reposição , expansão e diversificação dos ativos fixos da empresa GESTÃO DOS GASTOS
  15. 15. As diversas variáveis que formam cada tipo de gasto, bem como seus processos de gestão que precisam ser diferenciados e específicos. Por exemplo, um programa de redução de gastos tem que considerar metas e diretrizes próprias para cada tipo , sendo um erro decisório considerar cortes lineares. O QUE VAMOS ENSINAR NO TREINAMENTO
  16. 16. Aqui não interessa quanto a empresa vendeu, mas quanto irá receber das vendas, da mesma forma que não interessa quanto aplicou de mã0-de-obra,material e serviços na produção, nos processos administrativos e nos investimentos, mas quanto terá que pagar destas aplicações. É preciso sincronizar bem os prazos de recebimento e pagamento para que haja recursos em caixa suficientes para saldar todos os seus compromissos de curto prazo, é a chamada gestão do capital de giro. Outra função fundamental da gestão financeira é a administração da dívida, que se forma geralmente pela captação de recursos de terceiros para financiar parte dos investimentos de capital. GESTÃO FINANCEIRA
  17. 17. como elaborar e administrar um fluxo de caixa, servindo o modelo , inclusive, para o planejamento e controle do orçamento empresarial O QUE VAMOS ENSINAR NO TREINAMENTO
  18. 18. Na gestão de performance não se aplica nenhuma ação direta, servindo para se calcular e avaliar os resultados relevantes que foram fruto das ações gerenciais praticadas nos estágios anteriores GESTÃO DE PERFORMANCE
  19. 19.  ÍNDICES DE AFERIÇÃO DO DESEMPENHO EMPRESARIAL – indicam os resultados econômicos e financeiros provenientes das operações do dia a dia da empresa  CRITÉRIOS DE ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CAPITAL – indicam como estão estruturados o ativo e o passivo da empresa ÍNDICES DE AFERIÇÃO DO DESEMPENHO EMPRESARIAL E CRITÉRIOS DE ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CAPITAL
  20. 20. PONTO DE EQUILÍBRIO DOS GASTOS – indica a partir de que volume de vendas a empresa começa a constituir o lucro do exercício. LUCRATIVIDADE - indica o percentual das receitas totais que a empresa consegue reter após serem descontados os custos de produção e as despesas, incluindo os impostos e a recuperação dos investimentos. RENTABILIDADE - indica quanto o lucro líquido representa de retorno sobre o capital investido na empresa. PRINCIPAIS ÍNDICES DE AFERIÇÃO DO DESEMPENHO ECONÔMICO
  21. 21. EBITDA (earnings before interest , taxes , depreciation and amortization) – indica o lucro gerado somente pelos negócios comercialmente explorados ,incluindo os dividendos recebidos das participações acionárias, sem agregar as receitas financeiras e sem descontar as despesas financeiras, os impostos sobre o lucro operacional e os gastos não desembolsáveis , sendo um indicador do valor potencial de mercado da empresa. CFROI (cash flow return on investiment) – indica o retorno proporcionado somente pelos negócios comercialmente explorados sobre o capital investido, sendo um indicador fundamental para comparar a performance entre empresas do mesmo segmento de mercado. PRINCIPAIS ÍNDICES DE AFERIÇÃO DO DESEMPENHO ECONÔMICO
  22. 22. O principal índice de natureza financeira é a LIQUIDEZ, em suas várias versões, que mede o quanto a empresa possui de recursos e de patrimônio para quitar sua obrigações de curto e longo prazos. PRINCIPAIS ÍNDICES DE AFERIÇÃO DO DESEMPENHO FINANCEIRO
  23. 23. COMPOSIÇÃO DO ATIVO * % de capital circulante e de capital não circulante * rentabilidade dos itens não circulantes e dos itens circulantes COMPOSIÇÃO DO PASSIVO * % de capital de terceiros e de capital próprio * custo do capital de terceiros e do capital próprio CRITÉRIOS DE ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CAPITAL
  24. 24. Como calcular e melhorar cada índice de aferição de desempenho, através da indicação de aumento ou redução do valor das variáveis que formam cada um, e como otimizar a estrutura de capital para que a rentabilidade dos ativos seja maior que o custo de capital dos passivos O QUE VAMOS ENSINAR NO TREINAMENTO
  25. 25. Ao conhecer e dominar o ambiente, as variáveis e os objetivos de cada uma das 4 etapas que formam o processo de gestão empresarial o treinando estará capacitado teoricamente para o exercício do processo decisório relacionado à gestão de uma empresa , estando apto a formular e analisar desde a elaboração de um planejamento estratégico até o fechamento de um fluxo de caixa. Para tal, basta seguir o nosso MANUAL! CONSIDERAÇÕES FINAIS
  26. 26.  O CURSO(TREINAMENTO) É REALIZADO SOB CONTRATAÇÃO PARA QUALQUER LUGAR DO PAÍS,PODENDO SER:  ATRAVÉS DE UM GRUPO FECHADO DE UNIVERSITÁRIOS E/OU EXECUTIVOS  ATRAVÉS DE REGIME “IN COMPANY” PARA EMPRESAS  ATRAVÉS DE ASSOCIAÇÕES / SINDICATOS/ CONSELHOS PROFISSIONAIS / CONFEDERAÇÕES / UNIVERSIDADES  ATRAVÉS DE EMPRESAS DO SEGMENTO DE CURSOS GERENCIAIS  ATRAVÉS DA LIVRE INICIATIVA DE PESSOAS, QUE PODERÃO ORGANIZAR TURMAS PARA FINS DE OBTENÇÃO DE LUCRO COMO TER ACESSO AO CURSO (TREINAMENTO)
  27. 27. O PREÇO DO CURSO/TREINAMENTO É DE R$2.000,00 (dois mil reais) POR TURMA FORMADA,INDEPENDENTE DO Nº DE PARTICIPANTES,MAIS DESPESAS DE TRANSPORTE, ALIMENTAÇÃO E HOSPEDAGEM,SE FOR O CASO,QUANDO O CURSO FOR REALIZADO FORA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. DEVERÃO SER DISPONIBILIZADOS PELO CONTRATANTE: 1 – LOCAL 2- DATA SHOW 3- LOUSA E/OU FLIP CHART O VALOR DA INSCRIÇÃO A SER COBRADO PELO CONTRATANTE,QUANDO FOR ESTE O CASO, É LIVRE PARA SEUS FINS ESPECÍFICOS. PREÇO E ESTRUTURA
  28. 28. TELS: (21) 3471-4288 / 99334-1571 E-MAIL: asclar-rj@hotmail.com DADOS DE CONTATO
  29. 29.  ASCLAR STAMPA SENIOR  Administrador – cra-rj 6.985-3  Ex-gerente geral de orçamento do Grupo Vale  Consultor de empresas  Instrutor de treinamento  Especialização: - Desenvolvimento de Modelo de Gestão – VALEP – 2 ANOS - Gestão empresarial – FGV – 320 horas INSTRUTOR
  30. 30.  CIA VALE DO RIO DOCE – gerente geral de orçamento  CELMAR INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE – coordenador de custos e orçamento  TRANSPORTES SÃO GERALDO – assessor da diretoria  SERVIÇO DE REEMBOLSÁVEIS DA MARINHA – adjunto da divisão de controle EMPRESAS EM QUE ATUOU COMO EXECUTIVO
  31. 31.  FLORESTAS RIO DOCE  VALE DO RIO DOCE  FUNDAÇÃO VALE DO RIO DOCE  LISBOA MÓVEIS  CIA PAULISTA DE FERRO LIGAS  SISTEMA GLOBO DE RÁDIO  BRASIL INSURANCE  TOP AIR  MMX METÁLICOS CORUMBÁ  CONSTRUTORA SANTO EXPEDITO  MHB SISTEMAS  CELMAR INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE  FERTECO MINERAÇÃO  UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES – CAMPOS - RJ EMPRESAS EM QUE ATUOU COMO CONSULTOR OU INSTRUTOR DE TREINAMENTO

×