Balada Julho Agosto 2010

567 visualizações

Publicada em

Há um ano era assim

Publicada em: Espiritual, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
567
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Balada Julho Agosto 2010

  1. 1. P roPriedade : C onvívios F raternos • D ireCtor e r eDaCtor : P. v alente De M atos • F otoCoMPosição e i MPressão : C oraze - s. t. r iba -U l - o. a zeMéis • t el . 256 661460 PUbliCação biMestral - DeP. legal Nº 6711/93 - ano XXXii - nº 303 - JUlho/agosto 2010 • assinatUra anUal: 10 o • tirageM: 10.000 eXs. • Preço: 1 o BentO XVi e a XXXVii encOntrO “reparte cOm alegria”JuVentude pOrtuguesa naciOnal dOs O Papa não desiludiu a juventude portuguesa. Ele veio para cOnVíViOs fraternOs Mais que uma simples frase, “reparte com alegria”suscitar sonhos em nós. Ele sabe que só o amor é digno de fé econhece os caminhos da verdade que podem conduzir a juventude, fátima - dias 11 e 12 de setembro é, ou deveria ser, um dos maiores lemas dos cristãos.na valentia das decisões definitivas à prática da caridade. O Papa Mais uma vez se reunirão em Fátima alguns milhares de jovens Repartir, partir pelos outros,não entende o serviço da Igreja à juventude como uma experiên- para, enquadrados no XXXVII Convívio - Animação dos Convívios- dar sem receber, entregar,cia emocional, generosa, desenraizada da erudição, da beleza e da Fraternos, louvarem a Deus, por sua Mãe, Maria Santíssima, e parti- tudo com alegria, com sin-inteligência, das exigências e da criatividade da fé. lharem com os outros a sua fé, a alegria duma juventude marcada pela ceridade com coração puro. (Continua na pág. 4 BU) Boa Nova de Jesus Cristo e a certeza admirável de “ser jovem”.a humanidade e as redes (Continua na pág. 2 BU) sOciais A sociedade actual cheia de tecnologias de informação e comu-nicação promove encontros de uma realidade muito virtual, emque se fazem muitos amigos mas poucos são de confiança, já quea maioria esmagadora é mesmo virtual. ValOrizar a Vida e (Continua na pág. 4 JA) missãO das mulheres Mentiras muito convenientes espalham-se com a facilidade do a paz pó, em dias quentes, ventosos e secos. Colam-se à inteligência Nós, os cristãos, somos chamados a levar a paz do Ressuscitado como o pó se agarra à roupa e acabam a fazer parte dos discursos,aos demais nossos irmãos que não O conhecem, visto que preci- dos slogans, das ideias feitas, alimento de quem gasta pouco temposam de O conhecer porque só Ele pode dar uma paz verdadeira. Só a pensar.Cristo pode dizer com autoridade: “a paz esteja convosco”… “a (Continua na pág. 3 BU)paz seja convosco!” (Jo 20, 19.26) diálOgO entre tOdOs (Continua na pág. 4 JA) Os crentes as ameaças da Vida Que toda a tendência para o fundamentalismo e o extremismo nãO desperdiçar O seja contraposta pelo respeito, pela tolerância e pelo diálogo entre humana – “Que fizeste?” todos os crentes. “Que fizeste? A voz do sangue do teu irmão clama da Terra por tempO ValiOsO (Continua na pág. 4 JA) Mim” (Gn 4,10). A pergunta de ontem é a mesma de hoje. “Que fizeste?” Se no passado Caim não conseguiu esquivar-se, também Ainda é tempo de admirar as flores que estão inteiras ao nosso hoje, o mundo contemporâneo, não consegue fugir à mesma res-redor. Ainda é tempo de voltarmo-nos para Deus e agradecer a vida,que mesmo efémera, ainda está em nós. Pensemos! Nada de desper- O MEU AVIVAR DE ponsabilidade. (Continua na pág. 3 BU)diçar tempo valioso! (Continua na pág. 3 JA) COMPROMISSO “O apostolado individual que deriva com abundância da fonte “O mundO precisa daser JOVem hOJe... é difícil de uma vida Verdadeiramente cristã , é origem e condição de A juventude sendo a época mais bela da vida de uma pessoa, pode todo o apostolado dos leigos ,mesmo do associado, nem nada o cruz”, afirma BentO XViser também, quando não sadiamente vivida, a mais conturbada e pode substituir. A tal apostolado, sempre e em toda a parte pro- A cruz, fala da esperança, fala de amor, fala da vitória da não - vio-difícil. Não é fácil hoje viver essa época da vida. veitoso , e em certas circunstâncias o única possível e conve- lência sobre a opressão, fala de Deus que exalta os humildes, dá força niente ,são chamados e , por isso , obrigados todos os leigos, de aos frágeis, faz superar as divisões e vencer o ódio com o amor! (Continua na pág. 2 BU) qualquer condição , ainda que se lhes não proporcione ocasião (Continua na pág. 4 BU) ou possibilidade de cooperar nas associações. (Paulo VI, Exort. Past. Evangelii Anuntiandi, nº 41 ) passO a rezar na net Convidados que somos a viver testemunhas dO amOr mais um Verão, mais umas mereci- das férias, nada melhor do que ar- de deus ranjarmos formas de fazermos algo de diferente. Assim, sugere-se uma Que os cristãos perseguidos por causa do Evangelho, inspirados visita ao sítio criado no dia 17 de pelo Espírito Santo, perseverem no fiel testemunho do amor de Deus Fevereiro, pelo Apostolado da Ora- por toda a humanidade. ção, que se denomina “passo-a-rezar.net”. (Continua na pág. 4 JA) (Continua na pág. 4 BU)
  2. 2. 2 julho/Agosto 2010 “REPARtE COM AlEgRIA” SER JOVEM hOJE… Repartir com alegria como? O quê? Numa sociedade cada vez mais domi-nada pelo ego que leva ao individualismo, o repartir do amor, o repartir desse mesmo Jesus que conhecemos e sentimos, mas que muitos não reconhecem e não o vêm. Talvez é DIfíCIlao bem-estar pessoal numa ilusão aparente devamos até repartir, ou melhor, entregar-de “felicidade”, a partilha e o repartir com Lhe a Ele a nossa própria vida, as nossas A juventude sendo a época mais bela da vida vens de hoje de tal maneira são atirados para umaos outros, vão-se perdendo, dando lugar ao acções, para que através de nós Ele se faça de uma pessoa, pode ser também, quando não sa- vida fácil e sem leis, que se torna difícil contro-“vender”, ao interesse, ao que dá lucro ma- ver, se faça sentir, e mais uma vez se torne a diamente vivida, a mais conturbada e difícil. Não larem os seus instintos e vencerem as tentações.terial ou humano. Talvez por isso, no meio repartir na alegria do outro. é fácil hoje viver essa época da vida. Do relacionamento afectivo entre rapazes e ra-deste “egoísmo dissimulado”, em vez de Pois o verdadeiro mistério do amor é o Continuam a ser extraordinariamente belas e parigas hoje faz parte normal o relacionamentoalegria, cada vez se sinta mais tristeza, mais tornar-se tanto maior quanto mais se divide esperançosas as qualidades que ornam a vida de sexual, e os pais pouco se preocupam com quedesumanidade, mais solidão, mais, mais... e se reparte por todos. Assim, a nossa vida um jovem: a sua generosidade, disponibilidade, tal aconteça, se não são eles próprios a criarem A mensagem do próprio Jesus leva-nos a deve ser marcada pela presença desse Deus- alegria, sensibilidade para os problemas de injus- situações a isso favoráveis. Geralmente os paismeditar neste sentido da partilha. “Amai-vos Amor, sendo repartida pelos outros em ges- tiça e opressão, desejo forte de construir uma so- proporcionam aos filhos – até porque a maioriauns aos outros”, não é mais do que esse re- tos de bondade, de carinho, de serviço, de dos lares só tem um ou doispartir de mim pelo outro, por muitos outros missão... filhos – tudo o que de mate-que rodeiam a minha vida. É o darmo-nos A nossa peregrinação anual em Fátima é rial eles desejam.sem reservas, recebendo apenas a alegria pois momento para reflectir sobre este dom Criados assim num am-desta entrega, a alegria do amor. A gratuiti- da partilha. Que sintamos a verdadeira ale- biente fácil, sem compro-dade é um dos mais belos dons do verdadei- gria no repartir dos nossos dons, naquilo que missos, sem leis morais,ro amor, e é esse que deve fazer brilhar em cada um de nós tem e é, para que sejamos sem princípios educacio-nós a luz da verdadeira alegria. mais que um agrupamento de cores no san- nais, muitos jovens, depois Cada vez se vê menos esse repartir. O re- tuário para que sejamos um arco-íris vivo, de gozarem a vida à suapartir da vida, do nosso tempo com o irmão, alegre e em “Movimento” Fraterno nesta maneira e de qualquer ma-com os filhos, no casal, com os pais... o re- terra de peregrinação. neira, começam a sentir apartir de tempo para a construção de uma so- desilusão da vida, o vazio Hugo Cravo existencial e muitas vezesciedade melhor, mais justa, mais fraterna... levam a sua aventura até às últimas consequências, até mergulhar no mundo da droga, para esquecer seus problemas, para mais facil- XXXVII ENCONtRO ciedade mais justa, mais humana e mais fraterna, etc, etc… Todavia esta sociedade de consumo mente alcançar situações de prazer sensível. E assim entramos num mundo de jovens deso- NACIONAl DOS CONVíVIOS em que vivemos minou os verdadeiros valores da juventude para conseguir seus apetites fáceis de rientados que não encontram sentido para a vida e que levam a aventura do prazer até às últimas fRAtERNOS EM fÁtIMA lucro e destruiu nela os valores, sobretudo mo- rais, por que se pautou durante muitas décadas. consequências, até à sua destruição. Só quando tal acontece é que os pais se apercebem do drama NOS DIAS 11 E 12 DE Infelizmente hoje muitos jovens marcam essa que causaram a seus filhos e só então “com muita época bela da sua vida por sentimentos de anar- dificuldade e quase sempre impotência”, tentam SEtEMbRO quia que defendem com “unhas e dentes” como mudar sua conduta num esforço desesperado de sendo as marcas de projecção de um jovem mo- os salvar. Geralmente é sempre já tarde demais. derno. Por isso é que nós os jovens, conscientes desta Assim muitos jovens julgam que ser jovem ac- tual e moderno é ser anár- É ao mesmo tempo encontro de “acção de Rogai por nós, Maria: quico, desrespeitador da graças” por os nossos estatutos terem sido Aguardamos pois, a presença de al- autoridade sobretudo dos aprovados pela Conferência Episcopal. guns milhares de jovens neste Convívio pais, levar uma vida mo- O nosso movimento, como meio de - Animação, em Fátima. Preside à nossa ral libertina, ser exigen- Evangelização, tem chamado para Cristo peregrinação D. serafim, Bispo Emérito te e indelicado, usar por milhares de jovens e sempre foram um de Fátima. sistema o calão, passar as movimento juvenil estando em sintonia noites em orgias, ter muito com a hierarquia da Igreja. hORÁRIO DOS ACtOS dinheiro para gastar, não E é motivo de alegria que essa acção de trabalhar, entrar no mundo DA PEREgRINAÇÃO graças, ao fim de cada ano de actividades das drogas etc, etc. apostólicas do movimento, seja feita em Hoje é tal a anarquia Dia 11 de Setembro Fátima, nesse lugar de perdão e por isso moral e a falta de senti- 14H30 – Acolhimento dos Peregrinos também de amor, em que nossa Senhora mentos nobres a que se no Centro Apostólico Paulo VI se revelou aos 3 pastorinhos pedindo con- chegou que, a maior parte 14H45 – Celebração da Penitência Co- versão através da penitência e da oração. dos jovens têm “vergonha” de dizer que são vir- situação para que nos continuam a empurrar, te- lectiva e individual no anfiteatro E este facto é tanto mais relevante para gens e mesmo sendo-o – felizmente muitos há mos que tomar consciência das nossas responsa- 16H45 – Concentração dos Convivas cada um de nós jovens do movimento, que vivem esse ideal, - negam-no publicamente bilidades no mundo de hoje, e não nos deixarmos na Esplanada em frente da Basílica da quanto sabemos que todos os convívios que com medo de ser ridicularizados, os que vivem com facilidade continuar a envolver nas teias da Santíssima Trindade se realizam invocam Maria, como sua pro- no respeito e obediência paterna tentam camuflar destruição que os adultos nos prepararam. Temos 17H00 – Celebração da Palavra e Sau- tectora, sua mestra e “Senhora do SIM”. essa situação para não serem julgados meninos que tomar consciência que as nossas vidas e as dação a Nossa Senhora na Capela das Ela, em cada curso que se realiza, na do “papá ou da mamã”, os que não passam as nossas potencialidades são fundamentais para a Aparições intimidade amorosa de Jesus Cristo, está noites sistematicamente em discotecas e outros mudança da sociedade de amanhã e que, se nos 17H45 – Celebração por dioceses nos sempre presente como acontecia no Lar lugares de orgias, escondem a sua situação para deixarmos continuar a destruir em todos estes locais próprios de Nazaré. não serem julgados ultrapassados; os que nas antros de vício que a sociedade nos oferece, te- 21H15 – Terço e Procissão de velas na É por isso que os jovens dos Convívios- suas relações sociais não vivem à base do calão e remos o mundo de amanhã muito pior do que o esplanada Fraternos têm também devoção e um ca- da conversa brutesca, são marginalizados, etc. E de hoje. 22H15 – Sarau “ Festa da Música” no rinho muito especiais por Nossa Senhora. de tal maneira este conceito de jovem moderno se Nós os jovens mais responsáveis, temos que Anfiteatro do Centro Paulo VI Foi por Ela que receberam Jesus. apoderou até dos adultos, que há muitos pais que tomar consciência deste estado de coisas e lan- Também, por essa razão, em todos os desejam que sejam assim os seus filhos e, quando çarmos a todos os jovens um grito de ALERTA: Dia 12 de Setembro convívios, é-lhe dirigida esta prece cari- aparece um jovem que pauta a sua conduta pelos JOVENS ACORDEMOS JÁ, ENQUANTO 10H15 – Terço do Rosário, Eucaristia e nhosa e filial: verdadeiros valores morais da delicadeza, do res- NÃO É TARDE, PARA AS REALIDADES Procissão do Adeus na Esplanada “Os jovens deste Convívio - Fraterno peito, da obediência etc, é fácil ouvir-lhes dizer DAS NOSSAS VIDAS E NÃO NOS DEIXE- 14H00 – Festa da Despedida no Parque A Ti se entregam e aos adultos: “nem parece um jovem de hoje… MOS MAIS DESTRUIR. n.º 2 hoje já não se encontram jovens destes” !... os jo- António do 250 CF - Porto
  3. 3. Jovens em Alerta www.conviviosfraternos.com Suplemento Do BAlADA DA unIÃo nº 76 • julho/AgoSto/10 • proprIeDADe DA comunIDADe terApêutIcA • n.I.p.c. 503298689 PERCURSO DA MINhA VIDA SER CONVIVA DAS tREVAS à lUz Ser conviva é dar esperança Àqueles que não a tem Amarmo-nos uns aos outros Vivendo a fazer o bem. Nasci numa aldeia que pertence a Vila Real de via, comecei também não entregar o dinheiro todo fase de tratamento e comecei a minha recuperaçãoTrás dos Montes. Tenho mais 9 irmãos e todos que recebia dos clientes e assim fui juntando dinheiro social e profissional, tendo sido colocado a trabalhar Consolar os que são tristesfomos criados com muitas dificuldades pelos com que comprei uma mota. Continuei a drogar-me, primeiro num talho, em Avanca. Não me adaptando Dar-lhes carinho e amormeus pais que eram pessoas muito boas e hu- embora menos. Porque não tinha carta de condução bem ao trabalho nesse talho, a seguir passei a traba- Ajudar os que precisammildes, que muitas vezes passavam dificuldades de mota, meus irmãos tentaram tirar-ma, mas nunca lhar no talho do Intermarché de Ovar durante 1 ano Fazer um mundo melhor.para nos dar a nós o que não tinham, para que deixei. Entretanto porque o patrão detectou os frutos e, seguidamente, fui convidado e escolhido para otodos pudéssemos estudar. de dinheiro, despediu-me. Foi então que comecei a Intermarché de Arrifana como chefe do talho onde Paz e amor no nosso lar A mim como era o mais novo e porque os meus criar os problemas em casa. Perdi o trabalho mas fui conheci a minha mulher começando, então o meu Com a graça do Senhorirmãos já me podiam ajudar, deram-me liberdade trabalhar para outro lado como vendedor de gás. namoro… Ao fim de ano e meio, fui convidado para Vivermos o dia a diapara que eu estudasse e assim foi até ao segundo Viciado na heroína, comecei também a roubar, vir exercer o trabalho de monitor na comunidade de Unidos no Seu Amor.ciclo, perdendo apenas um ano. Pelo que os pro- vendi a mota e comprei um carro, também sem carta. Santa Luzia onde me tratei. Fiquei felicíssimo por Vamos todos dar as mãosfessores me diziam, tinha boas capacidades de Saí de casa, mais uma vez perdi o trabalho e assim esse convite, pois, para mim era extraordinariamen- Esta é a nossa herançaaprendizagem. Prati- fui vivendo na te gratificante eu, agora, com os meus conselhos e Somos Convivas Fraternoscamente não estudava rua. Passado com o testemunho da minha saída da droga, ajudar Do amor e da esperançae conseguia passar algum tempo também os outros os dela se libertarem. Adaptei-mesempre embora pela fui para casa bem a este trabalho que ainda hoje adoro. Entretanto Vamos seguir com rigornota mínima. dum irmão casei-me e tive a felicidade de ter um filho maravi- Os passos que Cristo deu Em determinada al- onde fui re- lhoso, que já tem 5 anos. Fazer a Sua vontadetura estava numa aula cebido e me Já passaram depois que deixei as drogas 14 anos e Para alcançarmos o Céu.e vieram dizer-me que comprometi tenho vivido uma grande felicidade, palavra que nãomeu pai tinha ido para a nunca mais conhecia. Hoje se alguém me diz que não é feliz ou Pedir à Virgem Mariao hospital com uma me drogar nunca foi, sei compreender tal afirmação, tantas ve- Que nos ajude tambémtrombose onde esteve mas, ao fim zes a procurei nos piores caminhos de miséria e des- É a Santa Mãe de Cristodurante um mês em de dois meses truição. Hoje sei que sem uma boa formação moral E também é nossa Mãe.coma. Foi a partir des- não resisti e católica, é difícil encontrar a verdadeira felicidade. Somos o Povo de Deusse momento que muita comecei no- Sei que faço muitas vezes aquilo que não devo mas O nosso Deus nos protejacoisa mudou na minha vamente a sei também que todos os dias luto para mudar. Reunidos no Amor de Cristovida. A minha mãe e mentir, a faltar Perdi também minha mãe mas sei que ela me per- Renovamos a Sua Igreja.meus irmãos não saiam ao trabalho. doou, porque os pais perdoam sempre os filhos. Hojedo hospital, sempre a Ti n h a m - m e sou pai e sinto o amor que tenho pelo meu filho e sei Dioguina Pinho (C.F. 32 casais)chorar. O meu pai acabou por morrer no dia de Na- colocado agora num super mercado. Mas mais uma o amor que minha mãe me tinha. Nunca me abando-tal. A minha mãe passou-se das ideias e praticamente vez tinha falhado. Como sempre, fui novamente para nou. Quando eu já tinha desistido, de me tratar eladurante dois meses, nem sequer conhecer os filhos. casa de minha mãe, perdi a namorada que já tinha não. Se hoje sou alguém é graças a ela. Sei que nestes AMIzADEFelizmente isso passou, ela voltou ao normal, mas três anos, carro, trabalho, tudo. anos em que ainda vivi com ela e eu já estava bem Começa por A, mas não é agressãonunca mais as coisas foram iguais. Eu próprio não acreditava que poderia libertar-me a fiz chorar muito, mas desta vez era de alegria. Sei Nem sequer significa solidão. Ainda estávamos cinco filhos ao seu encargo e do vício em que me tinha metido. Estava só. É cer- que neste drama há alguém que sofre mais que cada Também não é amoreu tinha apenas treze anos. Ainda não compreendia to que talvez cada um de nós seja o menos culpado um de nós, os nossos pais. Mas uma coisa muito melhormuito bem o que se passava mas lá fui vivendo e vol- pelo desvio que aconteceu nas nossas vidas. Muitos A mim agora só me resta os irmãos e é tão gra- E que qualquer um pode oferecer.tei para a escola mas desorientei-me completamente. de nós fomos vítimas da sociedade de consumo. Eu tificante conviver com eles, sorrir confiantemente Para isso basta sorrir,Comecei a faltar às aulas, a andar com colegas mais acredito que fui uma delas. para eles e eles para mim, sem desconfianças uns Não ofender,velhos, a sair com eles. Comecei também a fumar Em determinada altura dois irmãos meus propu- dos outros como outrora. Como valeu a pena todo o Tentar compreender e dar o seu perdãocigarros e a tirar dinheiro à minha mãe e depressa seram-me um tratamento prolongado. Aceitei em- sacrifício e esforço que eu fiz para hoje ser verdadei- A algo que pense ter sido feito sem razão.comecei a fumar Haxixe, embora não gostasse mui- bora eu próprio pensando que era mais um. Assim ramente feliz. É difícil imaginar a tristeza que sinto Significa conversar, abrir-se totalmente,to. Para poder acompanhar com os mais velhos ia fui para uma comunidade onde estavam mais vinte ao encontrar jovens que já se libertaram das drogas e E dar a conhecer o seu verdadeiro Eu.fumando e até á heroína chegar foi muito rápido. residentes. Com o decorrer do tempo fui-me aperce- infelizmente recaíram por falta de força de vontade Significa estar contente Foi então que deixei de estudar e fui trabalhar para bendo de que, como eu, haviam muitos jovens uns recaíram na mesma escravidão. Hoje como sofro só Sempre que alguém o está.um restaurante, uma churrascaria, como servente de piores, outros melhores. Comecei a pensar que ainda em imaginar que algum dia possa perder esta felici- Mas se a alegria falta,mesa. Adaptei-me com facilidade ao serviço e, em- podia ser alguém, até porque ainda era novo. Assim dade e esta paz que hoje sinto. Significa tentar saber porquê?bora me dessem muitas gorjetas porque era muito foi, pouco a pouco, mês, a mês, ano a ano, come- Então a mente não terá outra razão em que pensar. I. Nóbreganovo e tentava ser agradável com as pessoas que ser- cei a conquistar a família. Entretanto passei para a II Para conseguir ajudar. Significa estar sempre presente, bAlADA DA UNIÃO Convívios Rumo ao futuRo Publicamos o número dos últimos convívios realizados: Sentir o que o outro sente? Dar um significado ao que o outro diz. E até morrer, para o fazer feliz. Para todos os convivas que manifestaram desejo de receber o Significa uma vida de felicidade. NOS DIAS 23, 24 E 25 DE JUlhO 2010 Balada da União, ele tem sido enviado regularmente. Mas para que signifique tudo isto 1129 – Na CASA PAROQUIAL de Valpaços, para jovens da diocese de Vila Real Para todos os seus leitores que desejem colaborar economica- NOS DIAS 30 E 31 DE JUlhO E 1 DE AgOStO 2010 É necessário que na realidade mente para as despesas com a sua publicação, segue neste número, 1130 – Na CASA DO CLERO, em Cabeça Gorda, para jovens da diocese de Bragança Se sinta uma grande Amizade. um impresso de vale de correio para facilitar o envio da oferta. NOS DIAS 5, 6 E 7 DE AgOStO DE 2010 Fátima Braga 1131 – Em EIROL, Aveiro, para jovens da Zona Pastoral Sul da diocese do Porto C.F.275 - Macieira de Cambra
  4. 4. 2 Jovens em Alerta julho/Agosto 2010 Porto A SAbEDORIA DO qUARtO DIA: NO tEU qUARtO, UM qUARtO DE hORA ENRIqUECEDOR AMOR DO PAI… DE ORAÇÃO Estive presente no encerramento do Convívio capítulo 6 de S. Mateus desfrutamos uma pas- Fraterno que se realizou em Cortegaça para a sagem que nos fala da oração do “Pai Nosso” diocese do Porto. Neste encerramento, como em “Tu, porém, quando orares, entra no quarto mais todos, debate-se os problemas e as ansiedades de secreto e, fechada a porta, reza em segredo a teu um quarto dia, que nem sempre poderá ser fácil. Pai, pois Ele, que vê o oculto, há-de recompensar- A experiência dos 3 dias de Convívio Fraterno te (Mt 6, 6). Após esta introdução o evangelista cria laços e uma alegria muito grande em que as transcreve a oração do Pai-Nosso. Que leitura pessoas se sentem por vezes com receio de vol- admirável! Quando rezares entra no teu quarto, tar às situações de vida, por vezes complicadas, na tua mais profunda intimidade, aí encontrarás que deixaram para trás. Ao longo do convívio o Pai, não há aí nem vaidades, nem ódios, nem fraterno as pessoas vão fazendo encontro com os segredos, nem orgulhos, nem preconceitos, será outros, consigo mesmos e com Deus que seduz o cada ser humano despojado de tudo, em paz, em coração de cada interveniente, fazendo o convite oração, em intimidade. Das fraquezas se farão que fez ao Zaqueu…. “Hoje quero ficar em tua forças e crescerá a fé! casa”. Jesus deseja habitar o coração de cada um O projecto de felicidade do quarto dia passa- de nós e nele criar um templo do seu amor, para rá certamente pelo “teu quarto”, em que possas tal, a opção é de cada um que poderá aceitar ou oferecer um quarto de hora (se possível todos recusar o convite, é a plena liberdade do ser hu- os dias) de oração e de intimidade ao nosso mano. Ao aceitarmos o convite comprometemo- Bom Deus, dono de todos os nossos “quartos de nos com Ele, connosco e com os outros. hora”. Quando lemos e saboreamos os evangelhos podemos retirar alguns ensinamentos. Ao ler o António Silva Convívio-Fraterno n.º 1131 da Zona Sul da diocese do Porto ENCERRAMENtO DAS ACtIVIDADES Muitas vezes, o nosso dia a dia é um com-boio de sensações que acelera fugazmente sem dos, também. O ambiente proporcionou o saciar das Suas palavras, e dos Seus ensinamentos... DOS CASAIS CONVIVAS DE CUCUJÃESdarmos conta, e sobre o qual não conseguimos Foi, então, evidente o surgimento dos sorrisosmediar a velocidade, nem definir as paragens e o brilho nos olhos de todos... a alegria de senecessárias. A vida é, pois, um conjunto de vi- terem (re)encontrado, e de terem uma nova pers-vências que existem, porque têm de existir... ar- pectiva de rumo para as suas vidas: Jesus Cristo.rastando-nos para determinados contextos sem Esse Jesus que marca, definitivamente, a vida desabermos bem o porquê. A incerteza faz-nos quem se encontra com Ele.“frios”, indiferentes, individualistas, egocêntri- À semelhança de todos os outros convívios,cos... centramo-nos em nós, nas nossas peque- esta experiência de vivência e convivência fra-nas coisas, nas coisas fúteis... andamos de olhos terna culminou com o Encerramento. Numa noi-fechados para os outros e, consequentemente, de te quente de Agosto foi gratificante verificar aolhos fechados para nós mesmos. presença de convivas, familiares e amigos que Foi saindo deste quotidiano que 37 Jovens dispuseram o espaço de uma forma bastanteda parte Sul da Diocese do Porto desafiaram as acolhedora.suas próprias crenças de veraneio, resolvendo Imbuídos de uma grande serenidade, os jovenspreencher alguns dias das suas vidas com uma procuraram transmitir toda a sua alegria atravésexperiência ousada e, por vezes, vista como des- dos seus relatos, do entoar de cânticos e da par-cabida aos olhos de muitos jovens da sua idade: tilha de pequenas representações. Ficava, assim,viver uma experiência única de amor com Deus. demonstrada a sua felicidade na vivência da Fé.Uma experiência de descoberta e redescoberta Foi um momento importante de partilha comDaquele que guia a nossa vida, e para O qual todos aqueles que também já viveram esta expe-nem sempre temos tempo. riência. Foi, também, importante e gratificante Impelidos nesse espírito fizeram as suas malas o testemunho deixado por aqueles que já há al-e rumaram a Eirol para realizarem o seu con- guns anos realizaram o seu convívio fraterno. Asvívio fraterno. Estava, então, dado o primeiro palavras ponderadas, discernidas e experientespasso para o CF 1131. destes são sempre bastante reconfortantes para Como tantos outros, aquando da chegada, todos nós, principalmente, nestes momentos detambém estes jovens transpareciam a saturação grande entusiasmo e euforia.das palavras do mundo. Palavras e conselhos Foi muito boa esta paragem nas nossas vidas!inoportunos que levam ao desespero, ao sofri- Estamos convictos que foram dias que nunca Todos os anos os casais convivas de Cucujães imaginação desde canções, mímicas, imitações…mento, à destruição... que magoam e causam mais esqueceremos e que mudaram, em defini- fazem o encerramento das actividades numa quin- Após esta diversão soou a ordem para fazer silên-solidão, que são falsos para os problemas ver- tivo, as nossas vidas. Abrimos a porta do nosso ta de um casal conviva que para o efeito põe à cio que se prolongou até aparecer os primeirosdadeiros. coração a Cristo para que possa habitar em cada disposição do núcleo. raios de sol. A pouco e pouco, e com o evoluir do CF, essas um de nós. Este ano decorreu no fim de semana de 17 e 18 Iniciou-se o dia com a oração da manhã e refle-palavras, os receios demonstrados, grande parte No final, por entre lágrimas e sorrisos, de dias de Julho. O início do encontro deu-se ao fim da xão que se prolongou até ao almoço e, após este,das incertezas, alguns dos medos e dúvidas com marcantes na vida destes jovens, ficou o com- tarde, do dia 17, com a chegada dos casais e res- era hora de uma pequena sesta que soube a pouco,que estavam confrontados inicialmente foram, promisso de continuar a viver intensamente o 4º pectivos filhos. Munidos de tendas de campismo pois os casais mais novos começaram por fazercomo que, desaparecendo e os jovens deixaram- dia e de repetir a sua presença daqui a 3 meses. há que pôr mãos à obra e montá-las. A alegria, a um convívio entre todos.se interpelar pelo grande amor de Deus. A con- boa disposição e o entusiasmo estavam estampa- Foi com muita pena que ao fim da tarde tivemosfiança foi aparecendo, abrindo os corações dos Leva o Amor de Cristo aos corações dos ho- das nos rostos dos participantes, pois o encontro de regressar às nossas casas, o dia seguinte era depresentes ao diálogo fraterno, à reflexão cons- mens. Cristo conta contigo. prometia. O jantar foi agradável, pois a comida trabalho, mas valeu a pena. Todos partiram comtrutiva, à introspecção e procura incessante des- estava mesmo à medida. saudades com a esperança de que para o próximose grande ideal: Jesus Cristo. A intensidade dos P´la equipa Coordenadora A noite foi de diversão, mais ou menos até à ano há mais.dias foi aumentando e a proximidade entre to- Tiago meia noite, onde todos puderam dar asas à sua Casais Convivas de Cucujães
  5. 5. julho/Agosto 2010 Jovens em Alerta 3 Vila Real Bragança COMEMOS O MESMO PÃO VASOS DE bARRO Convívio-Fraterno n.º 1130 da diocese de Bragança Foi no dia 30 de Julho à noite, após um dia de ca- A alegria desta experiência tão magnífica trans- lor abrasador, que se deu início ao Convívio Frater- bordou na festa de encerramento que se realizou no no número 1130 na diocese de Bragança. Como um dia 2 de Agosto, na paróquia do Santo Condestável, grito de revolta perante uma sociedade sem claros em Bragança, pelas 21:00. No recinto paroquial ao Convívio-Fraterno n.º 1129 da diocese de Vila Real ideais, mergulhada no relativismo que turva a visão ar livre, e perante a presença de muitos convivas, das pessoas e de um nihilismo que esvazia o âmago amigos, familiares, os jovens que participaram nes- Estávamos a 22 de Julho, quase às portas de Na realidade a Igreja somos todos os que rece- do coração humano, tentando abafar o genuíno ca- te Convívio Fraterno puderam partilhar a alegria doum fim-de-semana de Verão, em que os jovens bemos o Baptismo e isso fê-los perceber que todos minho de felicidade que Jesus Cristo veio propor, 42 seu encontro com Jesus Cristo. Os seus testemu-são “bombardeados” com inúmeras actividades, somos úteis e importantes na Igreja. jovens aceitaram viver três dias diferentes. Mais que nhos, pela sua intensidade e profundidade, emocio-festas, passeios, etc… Por isso devemos funcionar como membros de um mero número, o Convívio Fraterno 1130 tornou- naram as pessoas presentes e constituíram também Mas, 9 jovens vindos de diversos pontos da Dio- um corpo tendo Cristo como cabeça. se um marco indelével no coração destes jovens que uma motivação acrescida para a continuação nestecese resolveram deixar tudo para trás e embarcar na No encontro com os outros, foram convidados deixaram o conforto das suas férias para abraçar um verdadeiro caminho de felicidade que é Jesus Cris-aventura de um Convívio Fraterno. a reflectir sobre o seu papel na Igreja e a sua mis- projecto de verdadeira felicidade: o encontro com to. Muito reconfortante foi também a presença de E se no dia de chegada era visível nas suas são. Levar os participantes a ter uma atitude de Jesus Cristo. muitos sacerdotes que colaboram com o movimentocaras muita desconfiança, muita expectativa, entrega a Deus e aos irmãos no serviço que cada Todo o jovem tem, no seu interior, uma profunda dos Convívios Fraternos na nossa diocese e do nos-muitas dúvidas, à medida que os dias foram pas- um pode desempenhar enquanto co-responsável vontade de ser feliz, e procura incessantemente algo so muito estimado Bispo da diocese de Bragança-sando estes rostos foram-se transformando e ra- na Igreja de Cristo. que a possa satisfazer. A sociedade apressa-se a dese- Miranda, Sua Exª. Rev. D. António Montes Moreira,pidamente havia neles expressões de alegria, de Todos os jovens que experimentaram este encon- nhar caminhos de ilusão que paradoxalmente culmi- que com a sua presença serena, profunda e amiga,paz, de amizade, de amor. tro, olharam para Cristo, sobretudo para a Eucaristia nam sempre em vazio e desilusão, pois só o Amor de continua a acompanhar-nos e a entusiasmar-nos nes- Durante os três dias viveram diversas experi- como o centro da sua vida e perceberam que a felici- Jesus Cristo pode transformar a fragilidade humana te ideal de levar Jesus Cristo a todo o mundo.ências que os levaram a um encontro com eles dade verdadeira está em servir a Deus e aos Irmãos em felicidade. A fragilidade inerente ao ser humano, A festa terminou na Igreja do Santo Condestá-próprios, com Jesus Cristo e com os outros que E interpelados pelo projecto sedutor de Cristo que representada pela metáfora dos vasos de barro, pode vel, com a grande e verdadeira festa do amor e dosão seus irmãos. os ama e os quer felizes e unidos a Ele e aos irmãos, ser motivo de glória, pois Deus serve-se da nossa perdão que é a Eucaristia, centro da vida de todo o No encontro consigo, foi-lhes apresentado todo o sentiram-se realmente parte do mesmo corpo. humildade de simples vasos de barro para em nós cristão, e também centro deste Movimento. Ao somplano de felicidade que todos procuram e o caminho E agora, “vão p’lo mundo mostrar a Sua herança”, colocar o mais belo perfume de todos: o perfume da de maviosos cânticos, louvámos o Senhor por todaspara o atingir. vão “levar Cristo a toda a gente” e vão testemunhar santidade que conduz à verdadeira felicidade! Fei- as abundantes graças que derramou sobre todos nós, O encontro com Jesus Cristo, levou-os ao en- com a Sua vida que todos os que comemos o pão tos de barro, um material semelhante ao pó da terra, simples vasos de barro, nestes três dias tão especiais,contro do tema deste Convívio “Formamos um da Eucaristia, estamos unidos e fortalecidos para a podemos ser algo muito valioso se nos deixarmos pela Sua presença viva e salvadora na Sagrada Euca-só corpo em Cristo Jesus todos os que comemos nossa caminhada para Deus, sempre com os olhos moldar pelas mãos de Deus. E na nossa fragilidade, ristia, e pelo seu Amor infinito pela juventude.o mesmo pão”. nos irmãos especialmente nos mais pobres. se o nosso vaso de barro se quebrar, sabemos sempre Que o Espírito Santo continue a inspirar cada vez que Deus, o melhor Oleiro de todos, estará sempre mais jovens a ir ao encontro de Jesus Cristo, para de braços abertos e com um grande sorriso à espera que possam fazer d’Ele o motivo de alegria mais Moçambique que lhe apresentemos com sinceridade os pedaços da nossa fraqueza humana, para que Ele o possa recons- truir e renovar. Foi este Deus maravilhoso que nos profunda da sua vida, encontrando n’Ele a resposta à sua sede de felicidade e infinito, e a fortaleza que transforma simples vasos de barro em recipientes do PARAR PARA REflECtIR ama infinitamente e que quer a nossa plena felicida- de que os jovens descobriram nesta experiência tão maior tesouro: o Amor de Deus!! profunda, cativante e desafiante que foi este Conví- Pelo Secretariado dos Convívios Fraternos da Na noite do dia 12 de Janeiro de 2002, co- denadores. Diocese de Bragança Miranda vio Fraterno.meçou o convívio fraterno 854, o primeiro em b) Formação de todos os convivas a nível paro-Moçambique; entre luzes e sombras conseguiu- quial ou das zonas pastorais.se realizar 12 convívios para jovens e dois para c) Como ajudar o conviva a ter a cultivar a suacasais, volvidos 8 anos de vida do Movimento,torna-se necessário fazer uma reflexão sobre a formação humana. O MEU PASSADOvida e o futuro do Movimento em Moçambique. 3. Aspectos Relativos a Organização do Mo- O passado é o meu algoz, não me permite o re- niões. Procuraria ser um profissional mais cumpri-Por isso, propõe-se as questões abaixo para que vimento gresso, mas o presente levanta generosamente o meu dor e um amante mais intenso.possam servir de modelo para a reflexão. a) Local onde se pode ter como referência para semblante descaído e faz-me ver que não posso mu- Seria mais bem-humorado e menos pragmático, o funcionamento do Movimento. dar o que fui, mas posso construir o que serei. menos lógico e mais romântico. Escreveria poesias 1. A Nível espiritual b) Local de realização dos convívios fraternos. Podem chamar-me louco, psicótico, maluco, não tolas de amor. Diria mais vezes “eu amo-te!”, a Como deve ser a vivência espiritual dos convi- c) Organização da coordenação geral em Mo- importa. O que importa é que, como todo o mortal, quem me ama, seria menos egoísta e abrir-me-ía aovas em Moçambique? No que concerne a: çambique. um dia irei terminar o espectáculo da existência no amor dos outros!... a) Realização dos Convívios Fraternos (curso pequeno palco de um túmulo, diante de uma plateia -Ah se eu pudesse voltar atrás nas asas do tempo! com duração de três dias) . 4. Aspectos relacionados com sustentabilidade em lágrimas, esperando mergulhar na imensidade da Beijaria mais os meus filhos, brincaria muito mais, b) Post-convívios (os quatro encontros depois do Movimento eternidade. desfrutaria da sua infância como a terra seca absorve do curso). a) Fundo para a realização dos convívios, en- Se eu pudesse voltar atrás no tempo, iria procurar a água. Sairia para a rua em dias de chuva com eles, c) Convívios-Animação. contros de formação humana, etc. os meus amigos da juventude. Onde estão? andaria descalço na terra, subiria às árvores. Teria d) Encontros de oração. b) Como conseguir outros fundos. Quem está vivo? Iria procurá-los e revivia as ex- menos medo que se ferissem e que adoecessem e e) Como manter viva a vida espiritual depois periências singelas colhidas no jardim da simplicida- mais medo de que se contaminassem com o sistema do convívio. Estas questões servirão de base para a reflexão de, onde não existiam as ervas daninhas do estatuto social. Seria mais livre no presente e menos escravo para a assembleia dos coordenadores do Movi- nem a sedução do poder financeiro. do futuro. 2 A Nível da Formação mento no Seminário “Cristo Rei” – Matola, no Se eu pudesse voltar atrás, faria mais telefonemas a) Organização da formação dos novos coor- dia 5 de Setembro. para a mulher da minha vida nos intervalos das reu- José João Alves
  6. 6. 4 Jovens em Alerta julho/Agosto 2010DIÁlOgO ENtRE tODOS OS CRENtES PASSO A REzAR NA NEt Que toda a tendência para o fundamentalismo e o humano para todos os homens, a não ser que todos www.PASSO-A-REzAR.NEtextremismo seja contraposta pelo respeito, pela tole- se orientem com espírito renovado para a verdade darância e pelo diálogo entre todos os crentes. paz» (GS 77), uma paz que não pode ser reduzida à novas tecnologias ao serviço da evangelização. Entende-se por fundamentalismo a observância simples ausência de conflitos armados, mas tem Este ficheiro é constituído por uma prece diá-estrita dos princípios fundamentais de um grupo ou de ser entendida como «um fruto da ordem que o ria, com uma duração de cerca de 10 a 12 minu-organização. No campo religioso, o fundamentalis- divino Criador estabeleceu para a sociedade hu- tos, com música de fundo, com uma leitura, nor-mo considera os seus dogmas como verdade absolu- mana», uma ordem «que deve ser realizada pelos malmente o evangelho do dia e com momentosta e indiscutível, fechando-se, assim, o diálogo com homens, sempre anelantes por uma mais perfeita de oração inspirados na espiritualidade de Santoquem tem outra crença. O fundamentalismo procu- justiça» (GS 78). Inácio de Loyola. Está disponível na página era, além disto, impor as suas ideias a outros grupos, A paz deve traduzir-se na convivência dos diver- em condições de ser “copiado” para ser repro-inclusivamente pela força. sos cidadãos numa sociedade governada pela justiça, duzido. Como já se afirmou, também pode ser Chama-se extremismo à acção fanática de in- na qual se realiza, também, o bem de cada um deles. reproduzido directamente no computador.divíduos ou grupos que se radicalizam. Há gru- A verdade da paz convida todos a cultivar relações Conforme explicou o jesuíta Francisco Mar-pos religiosos que usam métodos extremistas, fecundas e sinceras, estimula a procurar e a percorrer tins à Agência Ecclesia, caso se pretenda auto-leia-se violência, para promover a obediência às os caminhos do perdão e da reconciliação. Convidados que somos a viver mais um Ve- matizar a descarga regular das orações diárias,suas doutrinas. A paz é, no fundo, anseio irreprimível presente rão, mais umas merecidas férias, nada melhor basta efectuar a subscrição do podcast, que “em O extremismo e o fundamentalismo facilmen- no coração de cada pessoa, independentemente das do que arranjarmos formas de fazermos algo de vez de irmos ao sítio buscar um ficheiro diária oute desembocam no terrorismo com as suas ame- suas identidades culturais e religiosas específicas. diferente. Assim, sugere-se uma visita ao sítio semanalmente, pode-se deixar o dispositivo deaças e acções criminosas, que levam a ansiedade Por isso mesmo, cada um deve colocar-se ao serviço criado no dia 17 de Fevereiro, pelo Apostolado podcast (software) fazê-lo automaticamente”.e a insegurança a populações inteiras em várias de um bem tão precioso, trabalhando para que não da Oração, que se denomina “passo-a-rezar.net”. “Que este Deus que é próximo se faça real-partes do mundo. se insinue qualquer forma de falsidade que venha É um projecto inspirado no sítio pray-as-you-go, mente próximo”: este o principal objectivo do Assim descrevia o terrorismo o Papa João Paulo contaminar a verdadeira convivência. concebido pelos Jesuítas Ingleses, e que pretende site passo-a-rezar.net e tenta conciliar a oraçãoII, na sua Mensagem de Paz (2002): «Quem mata, Todos os homens pertencem a uma única família. “chegar à cultura da vida daqueles que rezam to- pessoal com as novas tecnologias. “Deus nãocom actos terroristas, cultiva sentimentos de despre- A exaltação excessiva das próprias diferenças con- dos os dias e que, no encontro com Jesus Cristo, está só nas igrejas” e “o lugar sagrado é o espaçozo pela humanidade, manifestando desespero pela trasta com esta verdade basilar. É preciso recuperar ganham força para transformar o mundo”. “in, que habitamos”afirmou o jesuíta acima citado.vida e pelo futuro: nesta perspectiva, tudo pode ser a consciência de estarmos irmanados num mesmo e, Agência Ecclesia”. Pode-se consultar directamente em www.odiado e destruído». em última análise, transcendente destino, para que Em que consiste, então? Consiste na disponi- youtube.com a promoção do projecto pes- O fenómeno do extremismo e do fundamentalis- se possam valorizar da melhor maneira as próprias bilização de um ficheiro gratuito em formato de quisando passo-a-rezar.net ou então procu-mo parece não ter diminuído; parece até ter aumen- diferenças históricas, culturais e religiosas sem as áudio, que pode ser guardado no computador e de- rando directamente http://www.youtube.comtado nos últimos anos. contrapor, mas antes harmonizando-as com as que pois repartido pelo email, leitor de música digital, watch?v=1sBOf1WIp3Y. Lamentavelmente, nem todos usam o nome de pertencem a outras culturas e credos. pen drive, auto rádio, telemóvel, etc. Esta oração Boas férias.Deus como um nome de paz. Multiplicam-se até os São estas verdades simples que tornam possível a pode ser “transportada” para onde quer que se Carlos Matosexemplos daqueles que usam o seu nome para des- paz e que são facilmente compreensíveis quando se desloque. É uma forma interessante de utilizar as (CF 492)truir e matar. É claro que a religião não é a causa nem escuta o próprio coração com pureza de intenção.a verdadeira inspiração para a violência; ela é, antes, Deus é um Pai amoroso que deseja ver os seusa desculpa de que muitos se servem para reivindicar filhos reconhecerem-se mutuamente como irmãos.outras posições ou para denunciar injustiças ou de- Ele é fonte inesgotável da esperança que dá sentido àfeitos do sistema. O fundamentalismo que se vale do nome de Deus vida pessoal e colectiva. Deus, e só Ele, torna eficaz qualquer obra de bem e de paz. Deus é, insepara- A hUMANIDADE E AS REDES SOCIAISpara justificar as suas acções violentas significa, em velmente, verdade e amor e leva o homem a consa- O expoente máximo da amizade virtual é o caso disponíveis para actualizarem e postarem no hi5 e noúltima análise, desprezo pelo próprio Deus. Com grar-se ao serviço da paz numa ampla colaboração das redes sociais, como por exemplo, do facebook facebook, sempre em rede com muitos amigos masefeito, na sua base, existe a falsificação da verdade ecuménica com as outras religiões e com todos os e do hi5 muito na moda, em que as pessoas colec- depois nos intervalos e nas ruas andam sozinhos ouabsoluta de Deus. Ele desfigura a face amorosa e homens de boa vontade. cionam amigos virtuais como quem coleccionava com os telemóveis e quando conversam ou tentammisericordiosa de Deus, substituindo-O por ídolos Oremos com o Papa para que, no nosso mundo, há uns anos atrás uma caderneta de cromos. A rede comunicar realmente deixando a alienação do virtu-feitos à própria imagem. possa prevalecer o entendimento e não o enfren- social vicia mas não dá oportunidade ao compromis- al, normalmente não sabem comunicar, e infelizmen- Só o respeito e a tolerância entre os crentes tamento. Que sejamos capazes de construir a paz, so, ao contacto pessoal que muda as vidas. Só existe te têm um problema grave de hiper desenvolvimentodas várias religiões podem conduzir a uma ver- apoiada no respeito, a tolerância e o diálogo. amizade se existir comprometimento entre as pesso- do polegar para as SMS, mas o sistema auditivo estádadeira paz. as envolvidas na relação. Só poderá haver amizade, muito sensível para a música, mas muito atrofiado Como afirmou o Concílio Vaticano II, a huma- António Coelho, s.j. uma verdadeira rede social, se as pessoas semearem para ouvir a voz humana que tenta comunicar olhosnidade não conseguirá «construir um mundo mais a sua vida nas vidas dos outros. As redes sociais são nos olhos. Normalmente uma incapacidade muito interessantes e até importantes para muitas funções, grande para ouvir, escutar, fazer silêncio e ver o ou- como por exemplo, divulgação de informação e tro com a sua diferença à sua frente. Verifica-se que transmissão de ideias, mas dificilmente servirá para prestamos muita mais atenção à aldeia global e ao construir verdadeiras amizades. fenómeno da globalização e esquecemos por vezes a tEStEMUNhAS DO AMOR DE DEUS O que vemos socialmente é muita indiferença pe- rante os outros. Os verbos conjugam-se apenas na dimensão humana do encontro com aquele que con- nosco vive ou cruza o caminho, que preenche a alma Que os cristãos perseguidos por causa do Evan- mental, com graves consequências para a convivên- primeira pessoa, Eu…. Eu…. Eu…. E esquecem-se e possibilita o diálogo personalizante que muda asgelho, inspirados pelo Espírito Santo, perseverem cia pacífica. Este direito é constituído pelo respeito do tu, do ele, do nós, do vós e deles e delas... Na es- vidas e enaltece o ser humano na sua dignidade deno fiel testemunho do amor de Deus por toda a hu- da liberdade religiosa de cada um. cola os alunos, podem vir para as aulas sem os livros filho de Deus.manidade. Os cristãos, sobretudo em certas situações mais e sem a pasta, mas estão sempre com o telemóvel e António Silva Como todos sabemos, existem em várias nações graves, necessitam grandemente da força do Espíritoperseguições e inclusivamente assassinatos de cris- Santo, que lhes permita resistir a tantas perseguições,tãos. Estas perseguições incluem, por vezes, a des- em certos casos sumamente violentas, exercidastruição de igrejas e outras formas de violência quelevam os cristãos, em muitos casos, a ter que fugir contra eles. Felizmente, podemos ver como muitos cristãos A PAz!...para outros lugares ou até outros países. mostram esta força incutida pelo Espírito Santo, per- Existem também outras formas de violência severando na vivência da sua fé, apesar de todas as O mundo mudou bastante nos últimos 50 anos. deve ainda dar passos melhores, pois cresce uma as-menos visíveis, mas que limitam a livre expres- incompreensões e ataques. Dentro desta mudança encontra-se um ganho a simetria entre o Norte e o Sul, no seio dos países emsão da fé. Referimo-nos às dificuldades vividas São eles as grandes testemunhas do amor de rápida comunicação entre as pessoas no globo ter- desenvolvimento, a diferença entre ricos e pobresnas sociedades modernas, marcadas pelo secu- Deus por toda a humanidade. É este amor que restre. Os países podem contribuir grandemente torna-se cada vez mais considerável, o abuso contralarismo. Nestas sociedades, os cristãos são in- eles manifestam ao perdoar àqueles que os per- para criar um mundo melhor. Vimos por exemplo os direitos humanos, o tráfico de pessoas humanascompreendidos e escarnecidos por muitos que se seguem e matam, à imitação de Jesus Cristo, que como a união de esforços conseguiu acabar com a entre vários países, as embuscadas feitas pelos pira-riem da religião. Tudo isto impede ou dificulta rezou pelos seus algozes. Isto constitui o mais guerra fria, com a grande divisão na Europa, entre tas do mar; no continente africano, crescem os con-professar, pública e livremente, as próprias con- eloquente e credível testemunho que um cristão países socialistas e capitalistas. Nos países africanos flitos nos vários países em particular na região dosvicções religiosas. pode dar desse amor de Deus. e asiáticos, terminou o jugo da colonização política, Grandes Lagos. Existem também regimes que impõem uma única Rezemos para que o Espírito Santo continue a in- embora os mesmos países continuem reféns das eco- Os problemas que o mundo enfrenta hoje estãoreligião, enquanto outros alimentam não tanto uma cutir nos nossos irmãos perseguidos a sua força, que nomias europeias. A condição social da mulher me- relacionados com o respeito pelo valor da vida hu-perseguição violenta mas um desrespeito sistemáti- lhes permita continuar a dar o testemunho da sua fé. lhorou de modo considerável, no entanto ainda pode mana, a estima pelo outro, a distribuição da riqueza,co em relação às crenças religiosas. Em todas estas ser melhor do que a actual. o valorizar mais o ter do que o ser; são problemassituações, é posto de lado um direito humano funda- António Coelho, s.j. A par dos bons acontecimentos, o nosso mundo que clamam por uma resposta mais profunda não de

×