Gabriela Caesar 6 de maio de 2014
Morreu em 16 de abril deste ano Icushiro Shimada, aos 70 anos, em São Paulo. Ele
foi um ...
Apesar das semelhanças -- em razão da pressa nas investigações da Polícia Civil e da
agilidade da imprensa em publicar ou ...
quer um furo de reportagem. Para o repórter de um pequeno jornal, não importa se for
preciso passar por cima de princípios...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalho 1 - G2 Edição em Jornalismo Impresso / Rose Esquenazi

281 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
281
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho 1 - G2 Edição em Jornalismo Impresso / Rose Esquenazi

  1. 1. Gabriela Caesar 6 de maio de 2014 Morreu em 16 de abril deste ano Icushiro Shimada, aos 70 anos, em São Paulo. Ele foi um dos proprietários da Escola Base e ficou conhecido internacionalmente 20 anos atrás, em 1994. Na época, Icushiro Shimada e a mulher dele, Maria Aparecida Shimada, foram acusados por duas mães de alunos da instituição de abusar sexualmente dos filhos delas. A denúncia também envolvia professores, um perueiro e os pais de outro estudante. O Caso Escola Base virou notícia de destaque nos jornais do país e teve, ainda, repercussão na Europa, nos Estados Unidos e até no Japão. Com o interesse da população e da mídia, a Polícia Civil agia às pressas. Em menos de duas semanas, os pais de um estudante foram presos e os donos da escola tinham sido indiciados. A Justiça pediu, porém, que outro delegado assumisse as investigações do suposto crime. Assim, foi descoberto que tudo se tratava de engano. O estrago na imagem da Escola Base e na vida dos acusados, no entanto, já estava feito. Segundo reportagem da Folha de S.Paulo publicada em 10 de outubro de 1999, os seis alvos da acusação continuavam sem emprego ou indenização por danos materiais e morais naquele ano. Eles aguardavam decisão da Justiça sobre o recurso, com o qual discordavam do valor da indenização de R$ 12 mil, que seria paga pelo Estado. Outro exemplo de erro da Polícia Civil ocorreu durante a apuração da morte do ajudante de pedreiro e morador da Rocinha Amarildo de Souza, até então desaparecido desde 14 de julho de 2013. Inicialmente conduzido pelo delegado Ruchester Marreiros Barbosa, o inquérito apontava que Amarildo teria sido sequestrado por traficantes da favela. De acordo com a Polícia Civil, a mulher de Amarildo, Elisabete Gomes da Silva, estava ligada com o tráfico de drogas e, por isso, deveria ser presa. A credibilidade da família de Amarildo diminuía na medida em que as investigações do relatório de Ruchester avançavam. A busca, porém, mudou com a troca do delegado responsável pelo Caso Amarildo. A Corregedoria Geral Unificada chegou a analisar se Ruchester cometeu transgressões disciplinares. O delegado que assumiu o caso, Orlando Zaccone, afirmou que Ruchester queria polemizar e não tinha “elementos concretos” para as acusações. Com a informação de que Amarildo foi torturado e assassinado por policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), o inquérito seguiu para as mãos do delegado Rivaldo Barbosa, da Divisão de Homicídios (DH).
  2. 2. Apesar das semelhanças -- em razão da pressa nas investigações da Polícia Civil e da agilidade da imprensa em publicar ou postar as novidades --, os erros do Caso Amarildo foram corrigidos a tempo. Caso contrário, mais uma vez, a mídia e o Estado fariam um pré-julgamento que traria consequências negativas e, quiçá, inapagáveis para a vida da mulher e dos filhos de Amarildo. Ambos os casos mostram que a imprensa precisa tomar cuidado ao publicar informações passadas pela polícia – e por qualquer pessoa. É necessário lembrar que, mesmo trabalhando para o Estado, os policiais são indivíduos e, portanto, têm interesses e são parciais. Na nota abaixo, publicada em 7 de abril de 2013 na coluna Ancelmo Gois, do jornal O Globo, percebe-se claramente o posicionamento a favor da ganhadora do processo no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), a empregada doméstica Isabel Cristina da Silva Cruz. “Patrão danadinho A 70ª Vara do TRT do Rio determinou que a empregada doméstica Isabel Cristina da Silva Cruz receba R$ 23 mil de indenização do ex-patrão. É que a doméstica estava deitada em seu quarto quando o patrão, assanhado e peladão, tentou agarrá-la. Ela pensou até em pular a janela, mas conseguiu fugir pelas escadas do edifício onde o tarado saliente reside, em Laranjeiras.” Mesmo que o TRT tenha tomado tal decisão, isso não significa que realmente ocorreu. O tempo verbal usado no texto reproduzido acima é, portanto, errado. Palavras fortes e difamatórias foram usadas. O jornalista também deveria ter procurado o acusado e o advogado de defesa para um contraponto da história. Algumas dúvidas ficaram na cabeça do leitor: quais provas foram apresentadas? Quem foi testemunha? A partir de uma notinha no jornal, o “tarado saliente” de Laranjeiras poderia ter virado alvo da população, como os donos da Escola Base, cuja propriedade foi depredada, ou mesmo se suicidado por causa da repercussão do caso. E, se não tivessem tido tamanho espaço na mídia, talvez o Caso Nardoni, o Caso Eloá ou mesmo o Caso Bernardo Boldrini não teriam o mesmo desfecho. Em “A Montanha dos Sete Abutres”, do diretor Billy Wilder, o jornalista Charles Tatum vai atrás de uma notícia com potencial de ganhar repercussão na imprensa. Ele
  3. 3. quer um furo de reportagem. Para o repórter de um pequeno jornal, não importa se for preciso passar por cima de princípios ou se a informação for manipulada. Quando Tatum vai cobrir a caça às cascavéis numa cidade próxima, ele vê a oportunidade de se destacar no mercado jornalístico. E uma reportagem de repercussão pode surgir por trás de um homem que está soterrado dentro de uma caverna, principalmente, se Tatum estiver no meio para interferir no rumo dessa história. O longa-metragem critica, assim, a vaidade de alguns jornalistas que preferem se preocupar em assinar a matéria e se autopromover. Por outro lado, outros profissionais resistem e se concentram na apuração e na checagem de informações. Certamente, Tatum faria parte do primeiro grupo. O filme mostra, ainda, um jornalismo marrom, superficial, vazio e, mais uma vez, em busca de publicar rapidamente qualquer notícia. Leia sobre outros casos em Jornalismo fast-food dá barriga, de Leonel Aguiar.

×