11 de março de 2014
Laboratório de Jornalismo Impresso – Itala Maduell
O jornal impresso continua sendo considerado a font...
de quarto da comandante de pesquisas da comissão do deputado Steven
Collins, a jovem assassinada Sonia Baker, por não cons...
em prédios diferentes. O motivo da junção tem a ver com a expansão da
banda larga no Brasil e, consequentemente, o papel m...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalho - Laboratório de Jornalismo Impresso - Itala Maduell

295 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
295
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho - Laboratório de Jornalismo Impresso - Itala Maduell

  1. 1. 11 de março de 2014 Laboratório de Jornalismo Impresso – Itala Maduell O jornal impresso continua sendo considerado a fonte de informação mais confiável, enquanto as notícias publicadas na internet têm a menor taxa de confiança dos entrevistados. Apesar disso, a pesquisa, encomendada pela Secretaria de Comunicação Social (Secom) da Presidência da República ao Ibope, mostra que é cada vez menor o número de leitores do jornal impresso. O estudo revelou, ainda, o crescente tempo de conexão na web (3h39 diárias) e o aumento na preferência pela internet como mídia preferida, com 13%, atrás somente da televisão (76,4%). O desinteresse do brasileiro pelo jornal impresso pode, de certa forma, beneficiar os empresários de comunicação. Segundo o artigo “Convergências e divergências”, do jornalista e professor da UFF João Batista de Abreu, aproximadamente 2/3 da composição de custos são destinados às despesas com impressão e distribuição. Ainda de acordo com o autor, o preço do papel subiu 200% nos últimos 10 anos. Por outro lado, o jornal passou a ser oferecido em versão digital no site e disponível para tablets. Assim, o veículo de comunicação consegue manter o leitor, que faz a assinatura em busca de ler análises e matérias aprofundadas para complementar o factual publicado no site e nas redes sociais. Com a expansão da internet, os jornalões ganharam mais concorrentes, que, como mostrou a pesquisa da Secom, não têm a mesma credibilidade. No filme “Intrigas de Estado” (“State of play” no título original), o jornalista Cal McAffrey é muito crítico em relação ao trabalho da colega de redação Della Frye. Enquanto McAffrey costuma escrever matérias mais aprofundadas, que demandam mais tempo, para a versão impressa do Washington Globe, a repórter Della trabalha na equipe online do jornal e tem pressa para publicar. Ele chama as informações publicadas na internet de “sensacionalismo barato” e prefere, por exemplo, não publicar o que disse a garçonete e colega
  2. 2. de quarto da comandante de pesquisas da comissão do deputado Steven Collins, a jovem assassinada Sonia Baker, por não considerá-la fonte confiável. E este é mais um momento em que publicar uma informação aprofundada e verídica entra em conflito com “o que vende jornal”. Segundo a editora, “os novos patrões querem que eles deem lucro” e deixar de publicar tal notícia significa vender menos jornais, o que pode levar “ao naufrágio jornal”. Segundo o jornalista João Batista de Abreu, a incessante busca pelo maior lucro resulta também nas demissões de funcionários dos veículos de comunicação – chamadas de “passaralhos”. Ele dá o exemplo do jornal Estado de S. Paulo, que apesar de ter registrado um lucro líquido de R$ 46 milhões em 2010 e aumentado a venda publicitária em todas as mídias, não alcançou a meta de R$ 60 milhões e, assim, demitiu 22 jornalistas. “Portanto, para os executivos, o primordial não era produzir um jornal de qualidade, mas garantir metas de lucratividade e prevenir-se contra uma possível crise econômica que poderia advir em 2011 adiante do quadro de instabilidade econômica dos Estados Unidos e em países da Europa Ocidental” (BATISTA DE ABREU, João - Convergências e divergências – p 5) Com o investimento menor no pessoal, o acúmulo de funções passa a ser mais constante. Escrever a matéria é só uma das atividades do repórter. Ele também precisa enviar flashes da rua para atualizar o online, às vezes tirar fotos, e até fazer vídeo para a seção multimídia do site. A lista de tarefas acaba dificultando o trabalho inicial, que era passar a informação. O tempo para investigar a história – muitas vezes fora da redação –, como fez McAffrey, que teve de ir atrás de várias fontes, também passa a ser mais raro. A cobrança para publicar matérias diariamente impende que os jornalistas façam um trabalho aprofundado, com diversas fontes ouvidas. Batista de Abreu alerta, ainda, que as equipes do impresso e online foram integradas. No jornal O Globo, por exemplo, os funcionários chegavam a ficar
  3. 3. em prédios diferentes. O motivo da junção tem a ver com a expansão da banda larga no Brasil e, consequentemente, o papel maior da internet como meio de informação. Apesar de, no longa-metragem, as equipes ainda não serem juntas, percebe- se que esse poderia ser um passo breve. A repórter do online Della trabalha em um computador novo, enquanto o colega do impresso McAffrey usa uma máquina de 16 anos. Isso pode ter a ver com a crescente atenção dada ao online, que gera cada vez mais dinheiro.

×