Steam Bending - Curvamento de Madeira

1.382 visualizações

Publicada em

Apresentação do Trabalho de pesquisa sobre o processo de steam bending (curvamento de madeira), da disciplina de Materiais e Processos 3 do curso de Bacharelado em Design da Universidade Feevale. Desenvolvido em conjunto com as colegas Monique Aimê Colombo e Sofia Klenner.

Publicada em: Design
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.382
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Steam Bending - Curvamento de Madeira

  1. 1. steam bending curvamento de madeira
  2. 2. No século XIX, com a Revolução Industrial, as técnicas de fabricação passavam por uma modificação: a produção manual dava lugar à produção mecanizada, o artesanato às máquinas a vapor. Neste mesmo período, mais precisamente em 1805, Michael Thonet, um pioneiro da produção em massa, desenhou a cadeira Nº 14.
  3. 3. • torcer/dobrar utilizando-se do vapor. • madeira é formada de lignina e celulose, e para fazer com que essa fique flexível e não rache enquanto o procedimento é realizado, é preciso que a lignina seja “amaciada” para reduzir sua resistência, e isso acontece com o “cozimento” da madeira, a partir do vapor d’água. • depois de seca, a lignina enrijece novamente e a madeira permanece na forma em que foi pressionada a permanecer durante os dias de secagem.
  4. 4. steam box
  5. 5. • uma fonte de calor aquece a água que está em um container metálico, por em média 200º. Esse recipiente tem apenas uma pequena saída, de onde sai uma mangueira que guia o vapor d’água até a caixa/tubo onde a madeira será aquecida. • essa por sua vez apresenta um pequeno buraco para o escesso de vapor sair, e uma das extremidades removíveis para que a madeira possa ser colocada e retirada da mesma. cozimento
  6. 6. • depois de aquecida por um determinado tempo, que varia conforme a espessura e o tipo de madeira (média de 45 minutos), ela é retirada da caixa, e colocada no molde onde será envergada, e ficará pressa por alguns dias, enquanto seca. • existem três técnicas de flexão: uma é feita manualmente, dobrando a madeira ao longo de eixos múltiplos, resultando em formas mais desenhadas; as outras duas são feitas com um único eixo, podendo ser de molde fechado, para, por exemplo, construir círculos como o assento da cadeira 214, ou aberto, para então envergar o encosto da mesma. Esses dois últimos podem ser feitos manualmente ou por intermédio de máquinas. moldes + prensagem
  7. 7. moldes + prensagem
  8. 8. • madeira maciça, sendo que as duras não mais adequadas e em alguns casos mais maleáveis do que as macias. • cada tipo de árvore é indicada para um uso, dependendo de suas propriedades, se flexíveis, duráveis, resistentes a água, ou decorativas. • observar a direção da fibra, para que a madeira seja dobrada na mesma direção desse, dando força, caso contrário, enfraquece a estrutura como um todo, e as chances de acontecer um rompimento durante a dobragem é grande.
  9. 9. vantagens e desvantagens
  10. 10. vantagens • força e resistência concedida à madeira, que continua leve; • processo e prototipagem baratos; • produção de praticamente qualquer forma, uma vez que seções podem ser formadas individualmente e depois juntadas, além de poderem ser envergadas em eixos múltiplos.
  11. 11. desvantagens • madeiras maciças podem quebrar durante a dobragem, em função de nós, fibras irregulares, ou madeiras podres. • madeira tem tendência à voltar ao seu lugar de origem com o tempo, não sendo um processo de concessão de forma permanente, além de não ser um processo preciso, mesmo utilizando-se o mesmo gabarito, não há como afirmar que duas madeiras dobradas nele ficarão iguais.
  12. 12. muito obrigado! Referências Bibliográficas [1]. LEFTERI, Chris. Como se Faz - 82 Técnicas de Fabricação para Design de Produtos. Editora Blucher, 2010. [2]. CALLISTER JÚNIOR, William D. Ciência e engenharia de materiais: uma introdução. 7. ed. Rio de Janeiro, RJ: LTC, 2008. Universidade Feevale Design - Bacharelado Mauro A. Müller Monique A. Colombo Sofia M. Klenner Prof. Eduardo L. Schneider

×