Colégio Técnico da Universidade Federal de Minas GeraisColégio Técnico da Universidade Federal de Minas GeraisProfessoresP...
A CaatingaÁrea da CaatingaDistribuição dos Biomas BrasileirosVegetaçãoClimaClimograma do Semi-árido NordestinoPolíg...
Fontes:maispe.blogspot.comsiscom.ibama.gov.br
49%24%13%10%2% 2%Áreas dos biomas BrasileirosAmazôniicoCerradoMataAtlânticaCaatingaPampaPantanalFonte: www.ibge.gov.brFont...
 A vegetação da Caatinga está distribuída nesses 3A vegetação da Caatinga está distribuída nesses 3estratos:estratos: Es...
Estrato arbóreo (De 8 a 12 metros)Principais espécies: Ipê-Roxo, Cumaru eAroeira;Estrato arbóreo (De 8 a 12 metros)Princip...
*AROEIRA CUMARU IPÊ-*AROEIRA CUMARU IPÊ-ROXOROXO
CLIMACLIMA Região de clima semi-árido;Região de clima semi-árido; Faz parte da região conhecida como Polígono das Secas;...
*O gráfico aborda toda a região Nordeste, e serve de parâmetro para apesquisa;LegendaTemperatura (ºC)Precipitação (mm)Font...
  Compreende os:Compreende os:estados de Alagoas, Bahia, Ceestados de Alagoas, Bahia, Ceará, Minasará, MinasGerais, Paraí...
 RasoRaso Rico em minerais;Rico em minerais; PedregosoPedregoso Pobre em matéria orgânicaPobre em matéria orgânica Dr...
Aspecto geral da Caatinga;Solo seco, pedregoso, com drenagem ruim epouca matéria orgânica;Aspecto geral da Caatinga;Solo s...
 Os rios de planalto e intermitentes (secam em certosOs rios de planalto e intermitentes (secam em certosperíodos do ano)...
 Por conta da importância e o tamanho desses rios,Por conta da importância e o tamanho desses rios,eles deram nomes a dua...
HIDROGRAFIA DA REGIÃO NORDESTEHIDROGRAFIA DA REGIÃO NORDESTELEGENDARegião Hidrográfica do Nordeste OcidentalRegião Hidrogr...
RIO PARNAÍBARIO PARNAÍBAÁrea da bacia: 344.112 km²Área da bacia: 344.112 km²Comprimento: Cerca de 1.500kmComprimento: Ce...
Fonte: www.infoescola.com
RIO SÃO FRANCISCORIO SÃO FRANCISCOÁrea da bacia: 641.000 km²Área da bacia: 641.000 km²Comprimento: 2.830 kmComprimento: ...
Fonte: geografandocomachris.blogspot.comLegendaBarragensEclusas em ConstruçãoEclusas em OperaçãoNavegáveisNavegáveis nas c...
 Dividido em duas formações dominantes:Dividido em duas formações dominantes: Planaltos (Borborema): Região montanhosa q...
ALTIMETRIA DO RELEVO DA CAATINGAALTIMETRIA DO RELEVO DA CAATINGAFonte: Atlas Nacional do Brasil. IBGE (1984)
 Percorre os estados: Rio GrandePercorre os estados: Rio Grandedo norte, Pernambuco, Paraíba edo norte, Pernambuco, Paraí...
SOCIEDADESOCIEDADE Estima-se que 28 milhões de brasileiros habitam oEstima-se que 28 milhões de brasileiros habitam obiom...
SOCIEDADESOCIEDADE Cerca de 51% da população nordestina ou 22,9Cerca de 51% da população nordestina ou 22,9milhões de pes...
Posição País (IDH) Vida MAE AEE PPC $85 Brasil 0.7373.8 7.2 14.2 10152149 Miamar 0.49865.7 3.9 9.4 1817150 Camarões 0.4955...
DEGRADAÇÃO AMBIENTALDEGRADAÇÃO AMBIENTAL Solos sofrem com processos de salinização eSolos sofrem com processos de saliniz...
SALINIZAÇÃOSALINIZAÇÃO Processo de acúmulo de sais na camada superficialProcesso de acúmulo de sais na camada superficial...
DESERTIFICAÇÃODESERTIFICAÇÃO Aproximadamente 20% do semiárido nordestinoAproximadamente 20% do semiárido nordestinoencont...
O efeito da desertificação na região de Gilbués, a 797 km ao sul de Teresina (PI), éO efeito da desertificação na região d...
ÁREA DESMATADA PARA ATIVIDADESÁREA DESMATADA PARA ATIVIDADESECONÔMICASECONÔMICASÁrea desmatada da Caatinga no Sertão de Pe...
*Fiscal do IBAMA em áreamadeireira,destinada a produção de carvãovegetal.*Queimada na Caatinga
*Os dois eixos estão sendo*Os dois eixos estão sendoconstruídos para umaconstruídos para umacapacidade máxima de vazãocapa...
EXPLORAÇÃO DESCONTROLADAEXPLORAÇÃO DESCONTROLADA Estima-se também que 70% da caatinga já tenha sidoEstima-se também que 7...
 Mesmo com todas essas ameaças, o percentual deMesmo com todas essas ameaças, o percentual deáreas protegidas e/ou sob fo...
FAUNA X FLORAFAUNA X FLORA Fauna e a flora tem uma intrínseca relação naFauna e a flora tem uma intrínseca relação naCaat...
ANIMAIS EM RISCO DE EXTINÇÃOANIMAIS EM RISCO DE EXTINÇÃOARARA-AZUL-DE-LEARARARA-AZUL-DE-LEARARARA MARACANÃARARA MARACANÃSO...
ESPÉCIES DA FLORA AMEAÇADAS DE EXTINÇÃOESPÉCIES DA FLORA AMEAÇADAS DE EXTINÇÃOAROEIRAAROEIRA MORORÓ DO SERTÃOMORORÓ DO SER...
 Dicas de LivrosDicas de Livros Os Sertões- Euclides da Cunha. (Romance-1902). Editora Laemmert, 632 p;Os Sertões- Eucli...
 ACCIOLY, Luciano José Oliveira. Degradação do solo e desertificação no Nordeste do Brasil. Disponível em:ACCIOLY, Lucian...
 CARVALHO, Daniel. Seca revela limites da transposição do rio São Francisco. Disponível em:<http://www1.folha.uol.com.br/...
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASREFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS FARIA, Helder. CAATINGA Disponível em: <FARIA, Helder. CAATINGA Disp...
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASREFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS JÚNIOR, Melquíades. MEIO AMBIENTE // Caatinga já perdeu 60% de seu t...
 OLANDINA, Maria-OLANDINA, Maria- CaatingaCaatinga. Disponível em: <http://www.biblioteca.ifc-camboriu.edu.br/criacac/tik...
 REZENDE, Lucas, et al.REZENDE, Lucas, et al. A CAATINGA! [ Parte 2 ]A CAATINGA! [ Parte 2 ] Disponível em: <Disponível e...
Um estudo de Caso sobre a Caatinga
Um estudo de Caso sobre a Caatinga
Um estudo de Caso sobre a Caatinga
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Um estudo de Caso sobre a Caatinga

3.758 visualizações

Publicada em

Domínio Morfoclimático e os Impactos Ambientais: Um estudo de caso sobre a Caatinga
Colégio Técnico da Universidade Federal de Minas Gerais COLTEC- UFMG
Professor Eliano de Souza Martins Freitas
Maio de 2013- Belo Horizonte- MG

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.758
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
69
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Polígono das Secas Precipitações inferiores a 750 mm
  • 0
  • 1
  • Fonte: Atlas Nacional do Brasil. IBGE (1984)
  • Posição País (IDH) Vida MAE AEE PPC $ 1 Noruega 0.955 81.3 12.6 17.5 48688 2 Austrália 0.938 82 12 19.6 34340 3 Estados Unidos 0.937 78.7 13.3 16.8 43480 4 Países Baixos 0.921 80.8 11.6 16.9 37282 5 Alemanha 0.92 80.6 12.2 16.4 35431 6 Nova Zelândia 0.919 80.8 12.5 19.7 24358 7 Irlanda 0.916 80.7 11.6 18.3 28671 7 Suécia 0.916 81.6 11.7 16 36143 9 Suíça 0.913 82.5 11 15.7 40527 10 Japão 0.912 83.6 11.6 15.3 32545 85 Brasil 0.73 73.8 7.2 14.2 10152 149 Miamar 0.498 65.7 3.9 9.4 1817 150 Camarões 0.495 52.1 5.9 10.9 2114 151 Madagascar 0.483 66.9 5.2 10.4 828 152 Tanzânia 0.476 58.9 5.1 9.1 1383 153 Nigéria 0.471 52.3 5.2 9 2102 154 Senegal 0.47 59.6 4.5 8.2 1653 155 Mauritânia 0.467 58.9 3.7 8.1 2174 156 Papua Nova Guiné 0.466 63.1 3.9 5.8 2386 157 Nepal 0.463 69.1 3.2 8.9 1137 158 Lesoto 0.461 48.7 5.9 9.6 1879 159 Togo 0.459 57.5 5.3 10.6 928 160 Iêmen 0.458 65.9 2.5 8.7 1820 161 Uganda 0.456 62.4 4.9 7.6 1070 161 Haiti 0.456 54.5 4.7 11.1 1168 163 Zâmbia 0.448 49.4 6.7 8.5 1358 164 Djibuti 0.445 58.3 3.8 5.7 2350 165 Gâmbia 0.439 58.8 2.8 8.7 1731 166 Benin 0.436 56.5 3.2 9.4 1439 167 Ruanda 0.434 55.7 3.3 10.9 1147 168 Costa do Marfim 0.432 56 4.2 6.5 1593 169 Comoros 0.429 61.5 2.8 10.2 986 170 Malawi 0.418 54.8 4.2 10.4 774 171 Sudão 0.414 61.8 3.1 4.5 1848 172 Zimbábue 0.397 52.7 7.2 10.1 424 173 Etiópia 0.396 59.7 2.2 8.7 1017 174 Libéria 0.388 57.3 3.9 10.5 480 175 Afeganistão 0.374 49.1 3.1 8.1 1000 176 Guiné Bissau 0.364 48.6 2.3 9.5 1042 177 Serra Leoa 0.359 48.1 3.3 7.3 881
  • Área desmatada da Caatinga no Sertão de Pernambuco
  • Queimada na Caatinga
  • Braúna
  • Os retirantes- Cândido Portinari
  • Um estudo de Caso sobre a Caatinga

    1. 1. Colégio Técnico da Universidade Federal de Minas GeraisColégio Técnico da Universidade Federal de Minas GeraisProfessoresProfessoresEliano de Souza Martins Freitas- GeografiaEliano de Souza Martins Freitas- GeografiaRosilene Siray Bicalho- BiologiaRosilene Siray Bicalho- BiologiaMembros- Turma 105- Grupo 01Membros- Turma 105- Grupo 01Adriano de Almeida Massaud FelippeAdriano de Almeida Massaud FelippeAmanda Noronha OliveiraAmanda Noronha OliveiraAndré Luiz Bax de Castro JúniorAndré Luiz Bax de Castro JúniorBárbara Bela da SilvaBárbara Bela da SilvaGuilherme Inácio Silveira AlvesGuilherme Inácio Silveira AlvesLucas Eustáquio de QueirozLucas Eustáquio de Queiroz
    2. 2. A CaatingaÁrea da CaatingaDistribuição dos Biomas BrasileirosVegetaçãoClimaClimograma do Semi-árido NordestinoPolígono das SecasSolosHidrografiaHidrografia da Região NordesteBacia do Rio ParnaíbaBacia do Rio São FranciscoRelevoAltimetria do Relevo da CaatingaPlanalto da BorboremaDepressão SertanejaA CaatingaÁrea da CaatingaDistribuição dos Biomas BrasileirosVegetaçãoClimaClimograma do Semi-árido NordestinoPolígono das SecasSolosHidrografiaHidrografia da Região NordesteBacia do Rio ParnaíbaBacia do Rio São FranciscoRelevoAltimetria do Relevo da CaatingaPlanalto da BorboremaDepressão SertanejaCaracterísticas físicase morfoclimáticas1111SociedadeTabela do IDH 2013- IBGE eUNESCODegradação AmbientalSalinizaçãoDesertificaçãoÁreas em processo de DesertificaçãoÁrea desmatada para atividadeseconômicasImagens da vida na CaatingaMapa da transposição do Rio SãoFranciscoExploração descontroladaFauna X FloraAnimais em risco de extinçãoEspécies da flora ameaçadas deextinçãoSociedadeTabela do IDH 2013- IBGE eUNESCODegradação AmbientalSalinizaçãoDesertificaçãoÁreas em processo de DesertificaçãoÁrea desmatada para atividadeseconômicasImagens da vida na CaatingaMapa da transposição do Rio SãoFranciscoExploração descontroladaFauna X FloraAnimais em risco de extinçãoEspécies da flora ameaçadas deextinçãoProblemassocioeconômicos2222
    3. 3. Fontes:maispe.blogspot.comsiscom.ibama.gov.br
    4. 4. 49%24%13%10%2% 2%Áreas dos biomas BrasileirosAmazôniicoCerradoMataAtlânticaCaatingaPampaPantanalFonte: www.ibge.gov.brFonte: www.ibge.gov.br
    5. 5.  A vegetação da Caatinga está distribuída nesses 3A vegetação da Caatinga está distribuída nesses 3estratos:estratos: Estrato arbóreo (Grande porte);Estrato arbóreo (Grande porte); Estrato arbustivo (Médio porte);Estrato arbustivo (Médio porte); Estrato Herbáceo (Pequeno porte);Estrato Herbáceo (Pequeno porte); Espécies Xerófitas (adaptadas à seca);Espécies Xerófitas (adaptadas à seca); Adaptações da vegetação para resistir a CaatingaAdaptações da vegetação para resistir a Caatinga(Xeromorfismo)(Xeromorfismo)
    6. 6. Estrato arbóreo (De 8 a 12 metros)Principais espécies: Ipê-Roxo, Cumaru eAroeira;Estrato arbóreo (De 8 a 12 metros)Principais espécies: Ipê-Roxo, Cumaru eAroeira;Estrato arbustivo ( De 2 a 5 metros)Principais espécies: Catingueira, Sabiá, Angicoe Juremas pretas e brancas;Estrato arbustivo ( De 2 a 5 metros)Principais espécies: Catingueira, Sabiá, Angicoe Juremas pretas e brancas;Estrato herbáceo (abaixo de 2 metros)Ervas teófitas e geófitas;Principais espécies: Malva-Branca, Malícia eJitirina;Estrato herbáceo (abaixo de 2 metros)Ervas teófitas e geófitas;Principais espécies: Malva-Branca, Malícia eJitirina;
    7. 7. *AROEIRA CUMARU IPÊ-*AROEIRA CUMARU IPÊ-ROXOROXO
    8. 8. CLIMACLIMA Região de clima semi-árido;Região de clima semi-árido; Faz parte da região conhecida como Polígono das Secas;Faz parte da região conhecida como Polígono das Secas; Pluviosidade entre 250 e 800mm anuais;Pluviosidade entre 250 e 800mm anuais; Região sujeita a irregularidades;Região sujeita a irregularidades; Temperatura média de 24ºC até 26ºC;Temperatura média de 24ºC até 26ºC; Possui duas estações distintas: Inverno e Verão;Possui duas estações distintas: Inverno e Verão; A altitude média oscila entre 0 e 600m acima do nívelA altitude média oscila entre 0 e 600m acima do níveldo mardo mar;;
    9. 9. *O gráfico aborda toda a região Nordeste, e serve de parâmetro para apesquisa;LegendaTemperatura (ºC)Precipitação (mm)Fonte: www.apoioescolar24horas.com.br
    10. 10.   Compreende os:Compreende os:estados de Alagoas, Bahia, Ceestados de Alagoas, Bahia, Ceará, Minasará, MinasGerais, Paraíba, Pernambuco, Gerais, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande doPiauí, Rio Grande doNorte e Sergipe (todos osNorte e Sergipe (todos osestados nordestinos comestados nordestinos comexceção do Maranhão)exceção do Maranhão)Atualmente, o Polígono dasAtualmente, o Polígono dasSecas, compreende uma áreaSecas, compreende uma áreade 1.108.434,82 km²,de 1.108.434,82 km²,correspondentes a 1.348correspondentes a 1.348municípios. (segundo amunicípios. (segundo aResolução nº 11.135 doResolução nº 11.135 doConselho Deliberativo daConselho Deliberativo daSUDENE)SUDENE)LegendaPolígono das SecasPrecipitações inferiores a 750 mm0 170 KmFonte: educacao.uol.com.br
    11. 11.  RasoRaso Rico em minerais;Rico em minerais; PedregosoPedregoso Pobre em matéria orgânicaPobre em matéria orgânica Drenagem ruimDrenagem ruim Suas colorações variam entre rosa-avermelhado eSuas colorações variam entre rosa-avermelhado eacinzentados;acinzentados; Usados na criação de gado, produção de carvão vegetal;Usados na criação de gado, produção de carvão vegetal;
    12. 12. Aspecto geral da Caatinga;Solo seco, pedregoso, com drenagem ruim epouca matéria orgânica;Aspecto geral da Caatinga;Solo seco, pedregoso, com drenagem ruim epouca matéria orgânica;Caatinga na época de estiagem;A partir dessa fisionomia que foi dado o nome deCaatinga à região (Mata branca);Caatinga na época de estiagem;A partir dessa fisionomia que foi dado o nome deCaatinga à região (Mata branca);Caatinga na estação chuvosa;Outra fisionomia é dada à região nesse período doano;Caatinga na estação chuvosa;Outra fisionomia é dada à região nesse período doano;
    13. 13.  Os rios de planalto e intermitentes (secam em certosOs rios de planalto e intermitentes (secam em certosperíodos do ano);períodos do ano); Lençol freático muito pobre, devido ao solo poucoLençol freático muito pobre, devido ao solo poucopermeável;permeável; Os rios perenes que percorrem a Caatinga são os riosOs rios perenes que percorrem a Caatinga são os riosSão Francisco e Parnaíba, que juntos fornecem osSão Francisco e Parnaíba, que juntos fornecem osrecursos hídricos para a população.recursos hídricos para a população.
    14. 14.  Por conta da importância e o tamanho desses rios,Por conta da importância e o tamanho desses rios,eles deram nomes a duas Bacias Hidrográficas;eles deram nomes a duas Bacias Hidrográficas; Bacia do Rio Parnaíba: 34.400 Km²Bacia do Rio Parnaíba: 34.400 Km² Bacia do Rio São Francisco: 641.000 Km² e percorreBacia do Rio São Francisco: 641.000 Km² e percorre2.830 Km ao longo de seu curso;2.830 Km ao longo de seu curso;
    15. 15. HIDROGRAFIA DA REGIÃO NORDESTEHIDROGRAFIA DA REGIÃO NORDESTELEGENDARegião Hidrográfica do Nordeste OcidentalRegião Hidrográfica do ParnaíbaRegião Hidrográfica do Nordeste OrientalRegião Hidrográfica do São FranciscoRegião Hidrográfica do Atlântico LesteUsina HidrelétricaHidrovia0___115___230 KmFonte: geografia-marciameyer.blogspot.com
    16. 16. RIO PARNAÍBARIO PARNAÍBAÁrea da bacia: 344.112 km²Área da bacia: 344.112 km²Comprimento: Cerca de 1.500kmComprimento: Cerca de 1.500kmFoz: Oceano AtlânticoFoz: Oceano AtlânticoNascente: Chapada das MangabeirasNascente: Chapada das MangabeirasPrincipais afluentes:Principais afluentes: Rio Poti, Rio Gurgueia, Rio Canindé,Rio Poti, Rio Gurgueia, Rio Canindé,Rio Uruçuí-Preto, Rio Longá e Rio das BalsasRio Uruçuí-Preto, Rio Longá e Rio das Balsas
    17. 17. Fonte: www.infoescola.com
    18. 18. RIO SÃO FRANCISCORIO SÃO FRANCISCOÁrea da bacia: 641.000 km²Área da bacia: 641.000 km²Comprimento: 2.830 kmComprimento: 2.830 kmFluxo: 2.943 m³/sFluxo: 2.943 m³/sFoz: Oceano AtlânticoFoz: Oceano AtlânticoCidades: Juazeiro, Petrolina, Pirapora, Paulo Afonso, JanuáriaCidades: Juazeiro, Petrolina, Pirapora, Paulo Afonso, Januária
    19. 19. Fonte: geografandocomachris.blogspot.comLegendaBarragensEclusas em ConstruçãoEclusas em OperaçãoNavegáveisNavegáveis nas cheiasNavegações inexpressivas
    20. 20.  Dividido em duas formações dominantes:Dividido em duas formações dominantes: Planaltos (Borborema): Região montanhosa que percorrePlanaltos (Borborema): Região montanhosa que percorre4 estados nordestinos e tem uma extensão de4 estados nordestinos e tem uma extensão deaproximadamente 250 Km; Devido a altitude média deaproximadamente 250 Km; Devido a altitude média de650m a 1000m, acaba sendo um paredão entre a parte650m a 1000m, acaba sendo um paredão entre a parteseca da Caatinga e a umidade vinda do oceano Atlântico;seca da Caatinga e a umidade vinda do oceano Atlântico; Depressões: Terrenos aplainados com áreas mais altasDepressões: Terrenos aplainados com áreas mais altasao seu entorno. As principais da Caatinga são aao seu entorno. As principais da Caatinga são aSanfranciscana, a Cearense e a do Meio Norte.Sanfranciscana, a Cearense e a do Meio Norte.
    21. 21. ALTIMETRIA DO RELEVO DA CAATINGAALTIMETRIA DO RELEVO DA CAATINGAFonte: Atlas Nacional do Brasil. IBGE (1984)
    22. 22.  Percorre os estados: Rio GrandePercorre os estados: Rio Grandedo norte, Pernambuco, Paraíba edo norte, Pernambuco, Paraíba eAlagoas;Alagoas; Tem aproximadamente 250 km deTem aproximadamente 250 km deextensão;extensão; Afeta o nível de precipitação daAfeta o nível de precipitação daregião, que passa a ter chuvasregião, que passa a ter chuvasorográficas devido a altitudeorográficas devido a altitudemédia do Planalto da Borboremamédia do Planalto da Borboremaque está entre 650m e 1000m.que está entre 650m e 1000m.Fonte: www.bvsde.paho.org
    23. 23. SOCIEDADESOCIEDADE Estima-se que 28 milhões de brasileiros habitam oEstima-se que 28 milhões de brasileiros habitam obioma Caatinga, das quais 38% vivem em áreasbioma Caatinga, das quais 38% vivem em áreasrurais;rurais; Difícil adaptação da população ao clima da região;Difícil adaptação da população ao clima da região;
    24. 24. SOCIEDADESOCIEDADE Cerca de 51% da população nordestina ou 22,9Cerca de 51% da população nordestina ou 22,9milhões de pessoas são pobres, comportando 42% damilhões de pessoas são pobres, comportando 42% dapopulação pobre do Brasil;população pobre do Brasil; Taxa de analfabetismo para maiores de 15 anos entreTaxa de analfabetismo para maiores de 15 anos entre40 e 60 % em quase todos os municípios.40 e 60 % em quase todos os municípios. 95,4 municípios encontram-se com IDH abaixo de 0,595,4 municípios encontram-se com IDH abaixo de 0,5
    25. 25. Posição País (IDH) Vida MAE AEE PPC $85 Brasil 0.7373.8 7.2 14.2 10152149 Miamar 0.49865.7 3.9 9.4 1817150 Camarões 0.49552.1 5.9 10.9 2114151 Madagascar 0.48366.9 5.2 10.4 828152 Tanzânia 0.47658.9 5.1 9.1 1383153 Nigéria 0.47152.3 5.2 9 2102154 Senegal 0.4759.6 4.5 8.2 1653155 Mauritânia 0.46758.9 3.7 8.1 2174LegendaBaixo IDH (0 a 0,499)Médio (0,500 a 0,799)Elevado (0,800 a 1,000)IDH= Índice de DesenvolvimentoHumanoVida= Expectativa de vidaMAE= Média de anos de estudoAEE= Anos esperados de escolaridadePPC = Renda nacional bruta per capita ($)Fonte: http://www.jasabia.com.br/tabela-do-ranking-completo-do-idh-2013/
    26. 26. DEGRADAÇÃO AMBIENTALDEGRADAÇÃO AMBIENTAL Solos sofrem com processos de salinização eSolos sofrem com processos de salinização edesertificação;desertificação; Devastação de áreas para criação agropecuária;Devastação de áreas para criação agropecuária; Extração excessiva dos recursos naturais;Extração excessiva dos recursos naturais; Manejo inadequado da água (Transposição do Rio SãoManejo inadequado da água (Transposição do Rio SãoFrancisco).Francisco).
    27. 27. SALINIZAÇÃOSALINIZAÇÃO Processo de acúmulo de sais na camada superficialProcesso de acúmulo de sais na camada superficialdo solo, sendo estes prejudiciais para as culturas quedo solo, sendo estes prejudiciais para as culturas quenele crescem.nele crescem. Solo da caatinga raso e pedregoso, o clima muitoSolo da caatinga raso e pedregoso, o clima muitoquente o que favorece o processo;quente o que favorece o processo;
    28. 28. DESERTIFICAÇÃODESERTIFICAÇÃO Aproximadamente 20% do semiárido nordestinoAproximadamente 20% do semiárido nordestinoencontra-se em processo de desertificação.encontra-se em processo de desertificação. Reduzem a capacidade produtiva da terra, diminuindoReduzem a capacidade produtiva da terra, diminuindoa produtividade agrícola;a produtividade agrícola; Um outro fator responsável pelo processo deUm outro fator responsável pelo processo dedesertificação é a atividade de mineração.desertificação é a atividade de mineração.
    29. 29. O efeito da desertificação na região de Gilbués, a 797 km ao sul de Teresina (PI), éO efeito da desertificação na região de Gilbués, a 797 km ao sul de Teresina (PI), édevastador. São 769.400 hectares de processo acelerado de erosão (Fonte: SOS Rios dodevastador. São 769.400 hectares de processo acelerado de erosão (Fonte: SOS Rios doBrasil)Brasil)
    30. 30. ÁREA DESMATADA PARA ATIVIDADESÁREA DESMATADA PARA ATIVIDADESECONÔMICASECONÔMICASÁrea desmatada da Caatinga no Sertão de Pernambuco para atividadeÁrea desmatada da Caatinga no Sertão de Pernambuco para atividadeagropecuária.agropecuária.
    31. 31. *Fiscal do IBAMA em áreamadeireira,destinada a produção de carvãovegetal.*Queimada na Caatinga
    32. 32. *Os dois eixos estão sendo*Os dois eixos estão sendoconstruídos para umaconstruídos para umacapacidade máxima de vazãocapacidade máxima de vazãode 99m³/s e 28m³/sde 99m³/s e 28m³/srespectivamente, sendo querespectivamente, sendo quetrabalharão com uma vazãotrabalharão com uma vazãocontínua de 16,4m³/s no eixocontínua de 16,4m³/s no eixonorte e 10m³/s no eixo leste.norte e 10m³/s no eixo leste.Fonte: basilio.fundaj.gov.br
    33. 33. EXPLORAÇÃO DESCONTROLADAEXPLORAÇÃO DESCONTROLADA Estima-se também que 70% da caatinga já tenha sidoEstima-se também que 70% da caatinga já tenha sidoalterado por conta do homem.alterado por conta do homem. Como consequência desta degradação, algumasComo consequência desta degradação, algumasespécies já figuram na lista das espécies ameaçadasespécies já figuram na lista das espécies ameaçadasde extinção do IBAMA.de extinção do IBAMA.O O desmatamento para atender desmatamento para atender as necessidades do sertanejo  e dosas necessidades do sertanejo  e dos  Desmatamento deDesmatamento demadeireiras.madeireiras.Produção do carvãoProdução do carvãovegetalvegetal
    34. 34.  Mesmo com todas essas ameaças, o percentual deMesmo com todas essas ameaças, o percentual deáreas protegidas e/ou sob forma de unidades deáreas protegidas e/ou sob forma de unidades deconservação é insignificante.conservação é insignificante. O total de caatinga desmatado no Brasil saltou deO total de caatinga desmatado no Brasil saltou de43,38% em 2002 para 45,39% em 200843,38% em 2002 para 45,39% em 2008 Os Estados que mais desmataram foram a Bahia e oOs Estados que mais desmataram foram a Bahia e oCeará. Juntos, eles desmataram quase 9.000 km² emCeará. Juntos, eles desmataram quase 9.000 km² emseis anos. Em terceiro lugar veio o Piauí, com 2.586seis anos. Em terceiro lugar veio o Piauí, com 2.586km² no mesmo período.km² no mesmo período.DEGRADAÇÃO AMBIENTALDEGRADAÇÃO AMBIENTAL
    35. 35. FAUNA X FLORAFAUNA X FLORA Fauna e a flora tem uma intrínseca relação naFauna e a flora tem uma intrínseca relação naCaatinga.Caatinga. Adaptações da flora para evitar o predatismo.Adaptações da flora para evitar o predatismo. Adaptações na dieta dos animais.Adaptações na dieta dos animais. Relação mútua e cíclica.Relação mútua e cíclica.
    36. 36. ANIMAIS EM RISCO DE EXTINÇÃOANIMAIS EM RISCO DE EXTINÇÃOARARA-AZUL-DE-LEARARARA-AZUL-DE-LEARARARA MARACANÃARARA MARACANÃSOLDADINHO DOSOLDADINHO DOARARIPEARARIPETATU BOLATATU BOLABICHO PREGUIÇABICHO PREGUIÇAGUIGÓ DA CAATINGAGUIGÓ DA CAATINGAONÇA PARDAONÇA PARDA(SUÇUARANA)(SUÇUARANA)GATO MARACAJÁGATO MARACAJÁGATO DO MATOGATO DO MATO
    37. 37. ESPÉCIES DA FLORA AMEAÇADAS DE EXTINÇÃOESPÉCIES DA FLORA AMEAÇADAS DE EXTINÇÃOAROEIRAAROEIRA MORORÓ DO SERTÃOMORORÓ DO SERTÃO BRAÚNABRAÚNA
    38. 38.  Dicas de LivrosDicas de Livros Os Sertões- Euclides da Cunha. (Romance-1902). Editora Laemmert, 632 p;Os Sertões- Euclides da Cunha. (Romance-1902). Editora Laemmert, 632 p; Grande Sertão Veredas- Guimarães Rosa. (Romance, 1956) Editora Rio de Janeiro: Livraria José Olympio,Grande Sertão Veredas- Guimarães Rosa. (Romance, 1956) Editora Rio de Janeiro: Livraria José Olympio,875 p;875 p; Casa Grande e Senzala- Gilberto Freyre (Sociologia, 1933) Global Editora, 768 p;Casa Grande e Senzala- Gilberto Freyre (Sociologia, 1933) Global Editora, 768 p; Vidas Secas- Graciliano Ramos (Drama, 1938) Editora Record, 176 p;Vidas Secas- Graciliano Ramos (Drama, 1938) Editora Record, 176 p; Caatinga: Árvores e arbustos e suas utilidades- Gerda Nickel Maia (Científico, 2004) D&Z ComputaçãoCaatinga: Árvores e arbustos e suas utilidades- Gerda Nickel Maia (Científico, 2004) D&Z ComputaçãoGráfica e Editora 413 p;Gráfica e Editora 413 p; Caatinga- Um novo olhar- Marina Silva (Científico, 2012) Editora Saraiva 172p.Caatinga- Um novo olhar- Marina Silva (Científico, 2012) Editora Saraiva 172p. Dicas de FilmesDicas de Filmes Eu, Tu, Eles- Andrucha Waddington- 2000, 107 minutos; (Regina Casé, Lima Duarte, Luís CarlosEu, Tu, Eles- Andrucha Waddington- 2000, 107 minutos; (Regina Casé, Lima Duarte, Luís CarlosVasconcelos)Vasconcelos) Vidas Secas- Nélson Pereira dos Santos – 1963. Drama, 103 minutos. (Átila Iório Genivaldo Lima GilvanVidas Secas- Nélson Pereira dos Santos – 1963. Drama, 103 minutos. (Átila Iório Genivaldo Lima GilvanLima Orlando Macedo Maria Ribeiro Jofre Soares)Lima Orlando Macedo Maria Ribeiro Jofre Soares) Dicas de vídeosDicas de vídeos Caatinga- Um novo Olhar- Marina SilvaCaatinga- Um novo Olhar- Marina Silva Tom da Caatinga- Fundação Roberto MarinhoTom da Caatinga- Fundação Roberto Marinho Caatinga: Imagens incríveis da caatinga feitas de um balão- Globo RepórterCaatinga: Imagens incríveis da caatinga feitas de um balão- Globo Repórter O sertão de Guimarães Rosa- TV BrasilO sertão de Guimarães Rosa- TV Brasil Programa: Globo Ecologia (Parte 1 e 2)- CaatingaPrograma: Globo Ecologia (Parte 1 e 2)- Caatinga
    39. 39.  ACCIOLY, Luciano José Oliveira. Degradação do solo e desertificação no Nordeste do Brasil. Disponível em:ACCIOLY, Luciano José Oliveira. Degradação do solo e desertificação no Nordeste do Brasil. Disponível em:<http://www.diadecampo.com.br/zpublisher/materias/Materia.asp?id=22136&secao=Artigos<http://www.diadecampo.com.br/zpublisher/materias/Materia.asp?id=22136&secao=Artigos%20Especiais> Acesso em 24 de maio de 2013;%20Especiais> Acesso em 24 de maio de 2013;    Ajude a preservar a Caatinga e ganhe o livro “Caatinga- Um novo Olhar”Ajude a preservar a Caatinga e ganhe o livro “Caatinga- Um novo Olhar” Disponível em:Disponível em:<http://www.acaatinga.org.br/index.php/2012/ajude-a-preservar-a-caatinga-e-ganhe-o-livro-caatinga-um-<http://www.acaatinga.org.br/index.php/2012/ajude-a-preservar-a-caatinga-e-ganhe-o-livro-caatinga-um-novo-olhar/ > Acesso em 17 de maio de 2013;novo-olhar/ > Acesso em 17 de maio de 2013; ALEX, Ricardo.ALEX, Ricardo. Biomas – CaatingaBiomas – Caatinga. Disponível em: <. Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?v=Uv62iTiHbjYhttp://www.youtube.com/watch?v=Uv62iTiHbjY>>Acesso em 17 de maio de 2013;Acesso em 17 de maio de 2013; Ambiente Brasil.Ambiente Brasil. Caatinga- CaracterizaçãoCaatinga- Caracterização . Disponível em:. Disponível em:<http://ambientes.ambientebrasil.com.br/natural/biomas/caatinga_|_caracterizacao.html> Acesso em 17<http://ambientes.ambientebrasil.com.br/natural/biomas/caatinga_|_caracterizacao.html> Acesso em 17de maio de 2013de maio de 2013 ANDRADE, Jarmuth .ANDRADE, Jarmuth . SOS RIOS DO BRASILSOS RIOS DO BRASIL. Disponível em:. Disponível em:<<http://sosriosdobrasil.blogspot.com.br/2012_04_01_archive.htmlhttp://sosriosdobrasil.blogspot.com.br/2012_04_01_archive.html> Acesso em 17 de maio> Acesso em 17 de maiode 2013.de 2013. BAIXO SÃO FRANCISCO, Revitalizar o São Francisco e a Caatinga é restituir a vida. Disponível em:BAIXO SÃO FRANCISCO, Revitalizar o São Francisco e a Caatinga é restituir a vida. Disponível em:<http://baixosaofrancisco.blogspot.com.br/2007/08/revitalizar-o-so-francisco-e-caatinga.html> Acesso em<http://baixosaofrancisco.blogspot.com.br/2007/08/revitalizar-o-so-francisco-e-caatinga.html> Acesso em24 de maio de 2013;24 de maio de 2013; BIBLIOTECA VIRTUAL DO AMAZONAS, Biomas Brasileiros. Disponível em:BIBLIOTECA VIRTUAL DO AMAZONAS, Biomas Brasileiros. Disponível em:<http://www.bv.am.gov.br/portal/conteudo/meio_ambiente/biomas_brasileiros.php> Acesso em 23 de<http://www.bv.am.gov.br/portal/conteudo/meio_ambiente/biomas_brasileiros.php> Acesso em 23 demaio de 2013;maio de 2013;
    40. 40.  CARVALHO, Daniel. Seca revela limites da transposição do rio São Francisco. Disponível em:<http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/110648-seca-revela-limites-da-transposicao-do-rio-sao-francisco.shtml> Acesso em 24 de maio de 2013; CARVALHO, Fabiano Cavalcante de. SOLOS SOB O BIOMA CAATINGA: CLASSIFICAÇÃO E MANEJO.Disponível em: <http://www.ebah.com.br/content/ABAAABVysAJ/solos-caatinga?part=2 solos da caatinga>Acesso em 17 de maio de 2013; CASTRO, Rodrigo. Reservas Privadas do Bioma Caatinga. Disponível em:<http://www.sbpcnet.org.br/livro/57ra/programas/CONF_SIMP/textos/rodrigocastro.htm.> Acesso em 17de maio de 2013. CONSELHO NACIONAL DA RESERVA DA BIOSFERA DA CAATINGA. O Bioma Caatinga. Disponívelem: <http://www.biosferadacaatinga.org.br/o_bioma_caatinga.php > Acesso em 17 de maio de 2013 CRISTALDO, Heloisa. Estudo do Inpe alerta sobre desertificação do Nordeste. Disponível em:<http://tribunadonorte.com.br/news.php?not_id=248683> Acesso em 23 de maio de 2013; DÉCIMO, Tiago. Cidades baianas enfrentam a seca de forma diferente. Disponível em:<http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,cidades-baianas-enfrentam-a-seca-de-forma-diferente,1031039,0.htm > Acesso em 17 de maio de 2013 Elisa e João. Bioma da Caatinga. Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?v=UzCsom2CxMs>Acesso em 17 de maio de 2013;
    41. 41. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASREFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS FARIA, Helder. CAATINGA Disponível em: <FARIA, Helder. CAATINGA Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?v=7lAt2jVlO5ghttp://www.youtube.com/watch?v=7lAt2jVlO5g> Acesso em 17 de> Acesso em 17 demaio de 2013;maio de 2013; FERREIRA, João André Amorim. A transposição do rio São Francisco e os impactos ambientais decorrentesFERREIRA, João André Amorim. A transposição do rio São Francisco e os impactos ambientais decorrentesdele. Disponível em: <http://amanatureza.com/conteudo/artigos/a-transposicao-do-rio-sao-francisco-e-os-dele. Disponível em: <http://amanatureza.com/conteudo/artigos/a-transposicao-do-rio-sao-francisco-e-os-impactos-ambientais-decorrentes-dele> Acesso em 25 de maio de 2013;impactos-ambientais-decorrentes-dele> Acesso em 25 de maio de 2013; FRANCISCO, Wagner de Cerqueira e; Desertificação. Disponível em:FRANCISCO, Wagner de Cerqueira e; Desertificação. Disponível em:<http://www.brasilescola.com/geografia/desertificacao.htm> Acesso em 22 de maio de 2013;<http://www.brasilescola.com/geografia/desertificacao.htm> Acesso em 22 de maio de 2013; FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO, FURNAS E INSTITUTO ANTÔNIO CARLOS JOBIM-FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO, FURNAS E INSTITUTO ANTÔNIO CARLOS JOBIM- Tom da CaatingaTom da Caatinga ..Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?v=v5O83Ccj0bU> Acesso em 17 de maio de 2013Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?v=v5O83Ccj0bU> Acesso em 17 de maio de 2013 FUNDATION JAGUAR CONSERVATION.FUNDATION JAGUAR CONSERVATION. CaatingaCaatinga. Disponível em: <. Disponível em: <http://www.jaguar.org.br/en/about-http://www.jaguar.org.br/en/about-us/where-we-work/caatinga/index.htmlus/where-we-work/caatinga/index.html> Acesso em 17 de maio de 2013> Acesso em 17 de maio de 2013 GHIARONI, Jorge.GHIARONI, Jorge. Caatinga: Imagens incríveis da caatinga feitas de um balão- Globo RepórterCaatinga: Imagens incríveis da caatinga feitas de um balão- Globo Repórter ..Disponível em: <Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?v=GfhdgE4sAe4http://www.youtube.com/watch?v=GfhdgE4sAe4> Acesso em 12 de maio de 2013> Acesso em 12 de maio de 2013 INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA- IBGE.INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA- IBGE. IBGE lança o Mapa de Biomas do BrasilIBGE lança o Mapa de Biomas do Brasile o Mapa de Vegetação do Brasil, em comemoração ao Dia Mundial da Biodiversidadee o Mapa de Vegetação do Brasil, em comemoração ao Dia Mundial da BiodiversidadeDisponível em: <Disponível em: <http://saladeimprensa.ibge.gov.br/noticias?view=noticia&id=1&busca=1&idnoticia=169http://saladeimprensa.ibge.gov.br/noticias?view=noticia&id=1&busca=1&idnoticia=169>>Acesso em 12 de maio de 2013Acesso em 12 de maio de 2013 JACOMINE, P.K.T.JACOMINE, P.K.T. Caracterização do estádio atual dos solos sob caatingaCaracterização do estádio atual dos solos sob caatinga . In: Araújo, Q.R.(Org.),. In: Araújo, Q.R.(Org.),500 Anos de Uso do Solo no Brasil. Reunião Bras. Manejo e Conservação de solo, 13, ILHEUS-BA, UESC,500 Anos de Uso do Solo no Brasil. Reunião Bras. Manejo e Conservação de solo, 13, ILHEUS-BA, UESC,2002, p. 365-397.2002, p. 365-397.
    42. 42. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASREFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS JÚNIOR, Melquíades. MEIO AMBIENTE // Caatinga já perdeu 60% de seu território no semiárido- DisponívelJÚNIOR, Melquíades. MEIO AMBIENTE // Caatinga já perdeu 60% de seu território no semiárido- Disponívelem: <http://www.ufpe.br/agencia/index.php?option=com_content&view=article&id=43505:meio-em: <http://www.ufpe.br/agencia/index.php?option=com_content&view=article&id=43505:meio-ambiente--caatinga-ja-perdeu-60-de-seu-territorio> Acesso em 20 de maio de 2013;ambiente--caatinga-ja-perdeu-60-de-seu-territorio> Acesso em 20 de maio de 2013; LEITÃO, Thais.LEITÃO, Thais. Caatinga pode absorver mais gás carbônico que florestasCaatinga pode absorver mais gás carbônico que florestas . Disponível em:. Disponível em:<http://exame.abril.com.br/meio-ambiente-e-energia/noticias/caatinga-pode-absorver-mais-gas-carbonico-<http://exame.abril.com.br/meio-ambiente-e-energia/noticias/caatinga-pode-absorver-mais-gas-carbonico-que-florestas> Acesso em 17 de maio de 2013.que-florestas> Acesso em 17 de maio de 2013. LIMA, Isabella.LIMA, Isabella. Tabela do Ranking completo do IDH 2013.Tabela do Ranking completo do IDH 2013. Disponível em:Disponível em:<http://www.jasabia.com.br/tabela-do-ranking-completo-do-idh-2013/> Acesso em 17 de maio de 2013<http://www.jasabia.com.br/tabela-do-ranking-completo-do-idh-2013/> Acesso em 17 de maio de 2013 LOBATO, E; SOUSA, Djalma Martinhão Gomes de;LOBATO, E; SOUSA, Djalma Martinhão Gomes de; LatossolosLatossolos. Disponível em:. Disponível em:<http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/Agencia16/AG01/arvore/AG01_96_10112005101956.html ><http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/Agencia16/AG01/arvore/AG01_96_10112005101956.html >Acesso em 17 de maio de 2013.Acesso em 17 de maio de 2013. LEAL, Inara R.LEAL, Inara R.Ecologia e conservação da CaatingaEcologia e conservação da Caatinga - Editora: UFPE (Universidade Federal de- Editora: UFPE (Universidade Federal dePernambuco)- Temas: Ecologia / Geografia / Meio Ambiente / Vegetação.Pernambuco)- Temas: Ecologia / Geografia / Meio Ambiente / Vegetação. MAIA, G. N. Caatinga: Árvores e arbustos e suas utilidades; 2ª edição. São Paulo: D&Z Computação Gráfica eMAIA, G. N. Caatinga: Árvores e arbustos e suas utilidades; 2ª edição. São Paulo: D&Z Computação Gráfica eEditora- 2004, 70 p.Editora- 2004, 70 p. MINISTÉRIO DA CULTURA E ASSOCIAÇÃO CAATINGAMINISTÉRIO DA CULTURA E ASSOCIAÇÃO CAATINGA Caatinga Um Novo Olhar – ApresentaçãoCaatinga Um Novo Olhar – ApresentaçãoDisponível em: <Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?v=_O4TXbfYPnghttp://www.youtube.com/watch?v=_O4TXbfYPng> Acesso em 14 de maio de 2013> Acesso em 14 de maio de 2013 MORAES, Denise-MORAES, Denise- Bioma CaatingaBioma Caatinga - Disponível em:- Disponível em:<http://www.invivo.fiocruz.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=962&sid=2> Acesso em 17 de maio de<http://www.invivo.fiocruz.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=962&sid=2> Acesso em 17 de maio de2013.2013.
    43. 43.  OLANDINA, Maria-OLANDINA, Maria- CaatingaCaatinga. Disponível em: <http://www.biblioteca.ifc-camboriu.edu.br/criacac/tiki-. Disponível em: <http://www.biblioteca.ifc-camboriu.edu.br/criacac/tiki-index.php?page=BIOMA+CAATINGA+-+CA11> Acesso em 17 de maio de 2013 .index.php?page=BIOMA+CAATINGA+-+CA11> Acesso em 17 de maio de 2013 . PEREIRA, Hyldo. Chuvas provocam alagamentos, destroem casa e trazem esperança aos sertanejos.PEREIRA, Hyldo. Chuvas provocam alagamentos, destroem casa e trazem esperança aos sertanejos.Disponível em:Disponível em:<http://portalcorreio.uol.com.br/noticias/cidades/tempo/2013/02/18/NWS,220012,4,64,NOTICIAS,2190-<http://portalcorreio.uol.com.br/noticias/cidades/tempo/2013/02/18/NWS,220012,4,64,NOTICIAS,2190-CHUVAS-PROVOCAM-ALAGAMENTOS-DESTROEM-CASA-TRAZEM-ESPERANCA-SERTANEJOS.aspx> Acesso emCHUVAS-PROVOCAM-ALAGAMENTOS-DESTROEM-CASA-TRAZEM-ESPERANCA-SERTANEJOS.aspx> Acesso em24 de maio de 2013;24 de maio de 2013; PORTAL SÃO FRANCISCO. Desertificação no Brasil. Disponível em:PORTAL SÃO FRANCISCO. Desertificação no Brasil. Disponível em:<http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/meio-ambiente-desertificacao-no-brasil/desertificacao-no-<http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/meio-ambiente-desertificacao-no-brasil/desertificacao-no-brasil.php> Acesso em 23 de maio de 2013;brasil.php> Acesso em 23 de maio de 2013; PRIA, Ana Dalla-PRIA, Ana Dalla- Caatinga- Globo RuralCaatinga- Globo Rural. Disponível em: <. Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?http://www.youtube.com/watch?v=IK1KKqvAaFMv=IK1KKqvAaFM > Acesso em 17 de maio de 2013;> Acesso em 17 de maio de 2013; Programa: Globo Ecologia (Parte 1);Programa: Globo Ecologia (Parte 1); Disponível em: <Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?http://www.youtube.com/watch?v=UGcKPx94t2ov=UGcKPx94t2o> Acesso em 17 de maio de 2013;> Acesso em 17 de maio de 2013; Programa: Globo Ecologia (Parte 2);Programa: Globo Ecologia (Parte 2); Disponível em: <Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?http://www.youtube.com/watch?v=iI07svgS7xkv=iI07svgS7xk> Acesso em 17 de maio de 2013> Acesso em 17 de maio de 2013 REZENDE, Lucas, et al. A CAATINGA! [ Parte 1 ] Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?REZENDE, Lucas, et al. A CAATINGA! [ Parte 1 ] Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?v=w4UW3HUfxxw> Acesso em 17 de maio de 2013;v=w4UW3HUfxxw> Acesso em 17 de maio de 2013;
    44. 44.  REZENDE, Lucas, et al.REZENDE, Lucas, et al. A CAATINGA! [ Parte 2 ]A CAATINGA! [ Parte 2 ] Disponível em: <Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?http://www.youtube.com/watch?v=R7FonkxA8vEv=R7FonkxA8vE> Acesso em 17 de maio de 2013;> Acesso em 17 de maio de 2013; ROCHA, ConchitaROCHA, Conchita Pobreza no BrasilPobreza no Brasil - Caminhos da Reportagem.- TV Brasil. Disponível em:- Caminhos da Reportagem.- TV Brasil. Disponível em: <<http://www.youtube.com/watch?v=TkEYL7L4tuIhttp://www.youtube.com/watch?v=TkEYL7L4tuI> Acesso em 17 de maio de 2013> Acesso em 17 de maio de 2013 ROCHA, Conchita.ROCHA, Conchita. O sertão de Guimarães RosaO sertão de Guimarães Rosa - TV Brasil. Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?v=D2Q-5AGd41g>- TV Brasil. Disponível em: <http://www.youtube.com/watch?v=D2Q-5AGd41g> ROSSETTI, Scritto da.ROSSETTI, Scritto da. CAATINGA, O ECOSSISTEMACAATINGA, O ECOSSISTEMA . Disponível em:. Disponível em:<http://netnature.wordpress.com/2012/04/28/caatinga-o-ecossistema/-> Acesso em 16 de maio de 2013<http://netnature.wordpress.com/2012/04/28/caatinga-o-ecossistema/-> Acesso em 16 de maio de 2013 SANTIAGO, Pedro. Chuvas não amenizam seca no sertão e PI tem 186 cidades em emergência. DisponívelSANTIAGO, Pedro. Chuvas não amenizam seca no sertão e PI tem 186 cidades em emergência. Disponívelem: <http://g1.globo.com/pi/piaui/noticia/2013/03/chuvas-nao-amenizam-seca-no-sertao-e-pi-tem-186-em: <http://g1.globo.com/pi/piaui/noticia/2013/03/chuvas-nao-amenizam-seca-no-sertao-e-pi-tem-186-cidades-em-emergencia.html> Acesso em 25 de maio de 2013;cidades-em-emergencia.html> Acesso em 25 de maio de 2013; SÓ GEOGRAFIA.SÓ GEOGRAFIA. CaatingaCaatinga. Disponível em:. Disponível em:<<http://www.sogeografia.com.br/Conteudos/GeografiaFisica/Vegetacao/?pg=7http://www.sogeografia.com.br/Conteudos/GeografiaFisica/Vegetacao/?pg=7> Acesso em 16 de maio de> Acesso em 16 de maio de20132013 SÓ HISTÓRIA. Guerra dos Canudos. Disponível em: <http://www.sohistoria.com.br/ef2/canudos/> AcessoSÓ HISTÓRIA. Guerra dos Canudos. Disponível em: <http://www.sohistoria.com.br/ef2/canudos/> Acessoem 24 de maio de 2013;em 24 de maio de 2013; SOUSA, Rainer. Guerra de Canudos. Disponível em: <http://www.brasilescola.com/historiab/canudos.htm>SOUSA, Rainer. Guerra de Canudos. Disponível em: <http://www.brasilescola.com/historiab/canudos.htm>Acesso em 24 de maio de 2013;Acesso em 24 de maio de 2013; SUA PESQUISA. O Cangaço. Disponível em: <http://www.suapesquisa.com/historiadobrasil/cangaco.htm>SUA PESQUISA. O Cangaço. Disponível em: <http://www.suapesquisa.com/historiadobrasil/cangaco.htm>Acesso em 25 de maio de 2013;Acesso em 25 de maio de 2013; SOUZA, Viviane, et al;SOUZA, Viviane, et al; A caatingaA caatinga (Bioma exclusivamente brasileiro) Disponível em:(Bioma exclusivamente brasileiro) Disponível em:<<http://www.youtube.com/watch?v=GelHaPC1qYMhttp://www.youtube.com/watch?v=GelHaPC1qYM> Acesso em 15 de maio de 2013;> Acesso em 15 de maio de 2013;

    ×